quarta-feira, 2 de maio de 2018

“Ao invés de provar do ódio que eu mesma propaguei, me recebem com amor”: a ex-neonazi que trabalha com refugiados na Suécia

02.05.2018
Do blog DIÁRIO DO CENTRO DO MUNDO

Anna-Lena, ex-neonazi sueca
Por Claudia N. Ekström, de Estocolmo
A tatuagem do soldado nazista na perna direita, hoje, se esconde atrás de uma gueixa. A inscrição SS na parte interna do dedão esquerdo do pé foi coberta por uma flor vermelha. E a águia nazista tatuada numa das mãos se transformou numa mandala.
Assim como suas tatuagens se tornaram menos agressivas, Anna-Lena Joners Larsson, 39, também mudou radicalmente.
Conhecida como “nazibruden”, (garota nazista, em sueco), do livro de mesmo título, ela deixou o movimento neonazista pra trás.
Tudo teve início na época em que começou a frequentar festivais de música e adquirir contato com bandas que exaltavam a “supremacia branca”.
Em 2010, num desses festivais, Anna-Lena deu início a uma relação amorosa com um dos mais conhecidos nazistas suecos na época: “Erik”, como ela o nomeia em sua biografia.
Ele era músico e figura conhecida entre os skinheads.
“Eu gostava da música, mas me desligava dos textos e do público que fazia saudações nazistas na frente do palco. Eu não era politicamente engajada naqueles tempos. Mas quando o encontrei, fiz também amizades com gente que tinha uma série de opiniões políticas. A partir daí, me envolvi cada vez mais no movimento neonazista”, conta Anna-Lena.
De repente, ela se transformou em manager da banda de “Erik”. E, quando precisaram de uma voz feminina para algumas baladas, ela foi a alternativa óbvia. Desse momento em diante, começaram a fazer apresentações na Suécia e exterior.
O universo nazista de Anna-Lena se ampliou e dentro em pouco ela também tornou-se famosa nos shows clandestinos dos nazis.
Quando Anna-Lena engravidou do primeiro filho do casal, o engajamento político se intensificou. Sem emprego fixo e com fibromialgia, a situação ficou impraticável quando ela se deparou com burocracia e mal-entendidos com os sistema sueco de Seguros e Saúde. Da revolta, nasceu a mobilização política através das mídias sociais.
“No primeiro ano com eles, eu era alienada. Depois, perdi o controle. Mais e mais. E daí, sim, a política começou definitivamente a fazer parte do meu dia-a-dia. Me sentia desconfortável na companhia dos meus velhos amigos, pois ficaram sabendo do meu envolvimento com nazistas. E isso resultou no término de muitas amizades. Eu me afastei das pessoas de propósito, pois ficou uma relação estranha”, conta.
Isolada, ela passava o dia destilando ódio aos refugiados, outros estrangeiros e minorias em geral nos fóruns online da extrema-direita sueca e pelo Facebook.
“Um novo mundo se abriu pra mim. Lá, todos compreendiam a minha frustração. Eu esbravejava num comentário, clicava em enviar e, em poucos minutos, recebia simpatia, apoio e compreensão. Eu lia notícias falsas e mitos sobre estrangeiros e compartilhava na hora”, assume Anna-Lena.
Há nesse modus operandi semelhança com o fascismo brasileiro que fabrica fake news e as espalha no WhatsApp e Facebook? Que incita o ódio às minorias e clama por militarismo?
A frustração política do cenário brasileiro atual fragilizou, inclusive, as relações pessoais. E revelou, principalmente nas mídias sociais, a face do vulgo cidadão de bem – adepto do velho discurso raso, populista, violento e mofado.
Na Europa, a sombra da extrema-direita está, definitivamente, de volta. Hungria, Grécia, Áustria,  e a quase vitória da Front National, de Marie Le Pen, nas últimas eleições francesas, é o soprar dos novos velhos ventos do fascismo europeu.
Na Suécia, a ascensão também é fato consumado. O terceiro maior partido sueco, (SD), Democratas Suecos, tem 15,9% de intenções de voto, segundo dados atuais do instituto sueco de pesquisa, Kantar Sifo. O SD já chegou a ocupar o posto de segundo maior partido, atrás apenas do Socialdemokraterna, Partido dos Democratas Sociais, que governa a Suécia atualmente.
Apesar da perda de eleitores, desavenças internas, escândalos e saída de alguns membros do SD, a extrema-direita sueca ainda permanece na briga por mais território político.
Recém-criado e também de extrema-direita, o partido Alternativ för Sverige, Alternativa para a Suécia, também veio completar o cenário fascista. 
Querem a saída do país da União Europeia (EU); retirada de benefícios econômicos concedidos a cidadãos estrangeiros; severas políticas anti-imigratórias e incentivo à repatriação de exilados já regularizados em território sueco.
Resumindo, são contra toda e qualquer forma de políticas de integração de estrangeiros. Sem mencionar a série de projetos com a intenção de controlar a mídia e a liberdade de expressão.
Assim como no Brasil, 2018 também é ano de eleição na Suécia. A diferença é que, apesar da permanência dos fascistas no páreo eleitoral, o discurso extremista parece já ter vivido seu ápice. No Brasil, não.
Dos tempos de turnê com a banda do ex-namorado, encontros com líderes de organizações reconhecidamente nazistas, como a inglesa Blood & Honour e racistas, como a americana Ku Klux Klan, restaram a consciência do erro e a luta contra seus próprios demônios.
O radicalismo ficou pra trás e a Anna-Lena de hoje acha, inclusive, um completo absurdo os Democratas Suecos terem mandatos no parlamento.
“Não creio que eles vão se manter na mesma posição depois das eleições de setembro. É a minha impressão quando converso com as pessoas que votaram no partido anteriormente”, diz Anna-Lena, que há tempos se declara ex-nazista.
Anna-Lena e a princesa sueca, Viktoria
O que a fez mudar de opinião sobre o seu próprio radicalismo?
“Eu estava perdida e apaixonada. Queria pertencer a um grupo. Queria algo que me fizesse sentir confiante”, explica.
A mudança começou após ter sido abandonada por Erik com um casal de filhos pequenos pra criar. Anna-Lena passou a rever suas posições ideológicas, se desfazer de contatos nocivos na vida real e mais de mil “amigos” nazistas no seu Facebook. Por fim,  desligou-se completamente do movimento.
Hoje, ela trabalha como assistente de integração da prefeitura de Bollnäs, sua cidade natal, no norte da Suécia. Anna-Lena presta diariamente atendimento a refugiados sírios e de outros países. No projeto, bairros ditos problemáticos, recebem apoio e ferramentas pra  combater a segregação.
“Treinamos sueco, as crianças brincam juntas e é fantástico. Nao consigo me imaginar fazendo outros tipo de trabalho. Tenho o emprego dos sonhos”, diz Anna-Lena.
Anteriormente, ela já estava engajada em outras causas sociais ligadas à igreja sueca.
Fora isso, trocou as turnês da banda de“white power” do seu ex por turnês em que palestra contando suas experiências no nazismo, na tentativa de dissuadir jovens de se engajarem em movimentos politicamente radicais.
E, como ela mesma conta, tentando fazer desses momentos forma de terapia. Durante as palestras, ela alerta ainda para as consequências do que se posta na internet.
Por causa de diversas ameaças, a polícia é sempre informada sobre a presença de Anna-Lena nas cidades. Inclusive, policiais à paisana misturam-se ao público como forma de segurança.
“Em Boden (norte da Suécia), durante uma palestra, foi registrada a presença de um ativista de uma conhecida organização nazista. Eles sempre sabem aonde eu estou, o que faço e sobre o que falo nos encontros. Apenas falo sobre o que eu vivi, as minhas impressões. Nao falo sobre as ideologias das organizações nazistas. E eles sabem disso”, explica Anna-Lena.
Você acredita que vai conseguir se perdoar totalmente por tudo?
“Já pensei em pegar os meus filhos e deixar a minha cidade. Mas, ao mesmo tempo, estou cansada de fugas. Então, resolvi ficar e assumir as consequências dos meus atos.
Mas a minha consciência pesa muito. Tudo o que eu já disse, fiz, como me comportei, o modo como tratei algumas pessoas. Vou viver com isso até o fim da minha vida. Mas trabalhei pra reconquistar a confiança dos meus velhos amigos e voltei a ser aceita na sociedade.
Ao invés de provar do ódio que eu mesma propaguei, me recebem com amor e isso me fortalece. Quando os meus filhos crescerem, pretendo ser totalmente aberta em relação à vida que eu levava. Eles vão saber de tudo, não quero que nada fique sem explicação”.
Anna-Lena me diz que das poucas mulheres presentes no movimento neonazista sueco, aproximadamente 12 delas deixaram as organizações nos últimos tempos, mas ainda não tornaram pública sua saída.
*****
Fonte:https://www.diariodocentrodomundo.com.br/ao-inves-de-provar-do-odio-que-eu-mesma-propaguei-me-recebem-com-amor-a-ex-neonazi-que-trabalha-com-refugiados-na-suecia/
Postar um comentário