quinta-feira, 16 de março de 2017

As mentiras de Temer e da mídia contra a Previdência Social

16.03.2017
Do portal da CUT NACIONAL, 14.03.17
Por João Felício*

Resultado de imagem para JOAO FELÍCIO CUT NACIONALCom o mote “Previdência, Reformar para não acabar”, o desgoverno Temer e os seus papagaios midiáticos buscam dar asas às mentiras do grande capital na mais criminosa investida jamais vista contra esta importante conquista do povo brasileiro.

Como, apesar das sucessivas sabotagens objetivando a privatização da Previdência Pública, não podem deixar de reconhecer a sua sustentabilidade atual, os neoliberais projetam, sem qualquer base na realidade, “problemas” de caixa para as próximas décadas, chegando a citar o distante ano de 2060.

Ao mesmo tempo em que propõem que o brasileiro sue por muito mais tempo para se aposentar – no caso dos trabalhadores rurais cinco anos e no das mulheres dez anos a mais! – se esforçam para povoarem os jornais e revistas, a rádio e a televisão com o mais escancarado terrorismo. A mesmíssima época de trevas vislumbrada pela propaganda do PMDB: “Se a Reforma da Previdência não sair: Tchau Bolsa Família, adeus Fies, sem novas estradas, acabam os programas sociais”.

Alguém já alertou que a prática deve ser o critério da verdade. E as informações – mesmo que abafadas pelos cifrões – sempre rompem os grilhões da censura. Exemplo disso é a escandalosa montanha de R$ 426 bilhões devida ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) por bancos como o Bradesco e empresas monopolistas como a Marfrig, a JBS e a Vale. Como grandes anunciantes, naturalmente contam com o beneplácito dos conglomerados de comunicação, que não registram o monumental abuso nem sequer numa simples nota de rodapé.

Para dar uma dimensão do montante que estamos falando, esta dívida empresarial – apurada pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) - supera em três vezes o tão propalado “déficit” da Previdência em 2016. Ou seja, a mídia “esqueceu” de anotar e o governo “esqueceu” de computar nos seus cálculos o rombo, este sim real e abjeto, causado pela inadimplência e pelo não repasse das contribuições previdenciárias. Vale dizer que a maior parte destes R$ 426 bilhões pertence a algumas poucas empresas e que tão somente 3% delas concentram mais de 63% da dívida previdenciária. Das 32.224 empresas que mais devem, conforme a Procuradoria, 82% estão ativas.

Ao mesmo tempo, como bem adverte o estudo “Previdência: reformar para excluir?”, elaborado pela Associação Nacional dos Fiscais da Previdência (Anfip) e pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioconômicos (Dieese), o governo não faz qualquer referência aos monumentais gastos com os juros sobre a dívida pública, Uma verdadeira sangria que, em 2015, totalizou R$ 502 bilhões, superando os R$ 486 bilhões com os gastos previdenciários. Os assaltantes da Previdência também silenciam sobre as desonerações tributárias, que totalizaram R$ 280 bilhões em 2015 (o governo federal abre mão de 20% das suas receitas) e ao fato de que anualmente o governo deixa de arrecadar cerca de R$ 452 bilhões (2015) porque não há políticas eficazes de combate à sonegação fiscal.

Pelos cálculos de Temer – que se aposentou aos 55 anos, recebendo mais de R$ 30 mil mensais pelo tal “benefício” – nada há de anormal ou injusto na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287/2016 tirar os direitos – e o couro – dos mais pobres. A simples comparação entre um trabalhador brasileiro com um da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) já demonstra até onde vai o mau caratismo do sujeito. Afinal, enquanto na OCDE os trabalhadores vivem em média 81,2 anos, seis anos e meio com saúde, no Brasil vivemos em média 75 anos, apenas seis meses com saúde para aproveitar a aposentadoria.

É preciso esclarecer que para conseguir a tão almejada aposentadoria integral aos 65 anos, o trabalhador teria que estar empregado desde os 16 anos, contribuindo, ininterruptamente, por 49 anos. Já para receber a microscópica aposentadoria parcial, teria de contribuir durante 25 anos, dez anos a mais do que na atualidade. A PEC também propõe redução do benefício por invalidez, fim da proteção aos trabalhadores de profissões perigosas ou insalubres, entre outras medidas para “aliviar o caixa”. Um verdadeiro saco de maldades para beneficiar a manutenção de uma política servil ao sistema financeiro, o que somente destampa a verdadeira latrina que é este governo.

É contra a grande maioria dos trabalhadores, já tão relegados a uma vida sem descanso nas distantes periferias, a acordar cedo à procura de empregos de segunda categoria, com baixos salários e longas e extenuantes jornadas, a andar horas a pé ou de pé em ônibus e trens superlotados, que Temer prepara o seu assalto. É em defesa destes milhões de seres humanos que merecem um presente e um futuro de justiça e dignidade que nos levantamos, desmascarando a farsa desta “reforma” que querem jogar sob os ombros dos mais pobres.

Vamos à luta! Venceremos!

*João Felício é presidente da Confederação Sindical Internacional (CSI).
****
Fonte:http://cut.org.br/artigos/as-mentiras-de-temer-e-da-midia-contra-a-previdencia-a71f/

Chapa ligada à CUT vence eleições na GEAP para conselhos de Administração e Fiscal

16.03.2017
Do portal da CNTSS/CUT

Chapa 1 - Nossa Chapa foi referendada pelos eleitores com 61,81% dos votos válidos para o CONAD e 61,28% para CONFIS para o exercício de 2017 A 2020






A Chapa 1 – Nossa Chapa consagrou-se vencedora nas eleições realizadas na GEAP – Auto-Gestão em Saúde para definição da nova direção do CONAD – Conselho de Administração e CONFIS – Conselho Fiscal. A votação, realizado na quarta-feira, 15/03, contou com a participação de cerca de 4,6 mil beneficiários/eleitores que puderam exercer seu direito por meio eletrônico ou presencial.  A Chapa eleita para o CONAD obteve 61,81% dos votos válidos e a Chapa eleita para o CONFIS conseguiu 61,28% dos votos válidos. 
 
O resultado foi oficializado pela Comissão Eleitoral formada para acompanhar todo o processo de eleições na GEAP. De acordo com o regulamento, haverá agora o prazo de dois dias úteis para apresentação de recursos, que, caso ocorra, serão julgados por esta Comissão no prazo de até três dias úteis contados a partir do encerramento do prazo de recursos. Estabelecidos estes requisitos, a Comissão Eleitoral encaminhará para a GEAP os nomes dos representantes eleitos, titulares e suplentes, para os Conselhos de Administração e Fiscal. A Confederação acompanhou desde o início o processo de preparação das eleições. O secretário de Organização da CNTSS/CUT e representante do SINDPREV BA, Raimundo Rodrigues Cintra, participou como titular da Comissão Eleitoral que definiu todos os trâmites para o pleito.
 
A CNTSS/CUT – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social apoiou a Chapa 1 – Nossa Chapa. De acordo com seu presidente, Sandro Cezar, as eleições foram importantes para o futuro da GEAP. Os trabalhadores puderam escolher seus representantes para os conselhos de Administração e Fiscal para o período de 2017 a 2020. Eleitores de todo o país, segundo Cezar, exerceram este direito de forma democrática e optaram pela Chapa 1 por seu histórico de luta em defesa dos beneficiários do Plano de Saúde e pelo trabalho transparente e sério no gerenciamento deste importante patrimônio dos trabalhadores.
 
“Aproveito esta oportunidade para agradecer aos servidores filiados aos nossos Sindicatos por reiterarem a confiança, a partir de seus votos, nos companheiros da Chapa1 e pelo empenho que tiveram neste momento tão importante para a GEAP. Parabenizo os nossos representantes eleitos para o CONAD e CONFIS e desejo-lhes grande êxito nesta nova empreitada. Temos o desafio de construir uma nova GEAP e tenho certeza que esta tarefa será cumprida com determinação e ousadia”, afirma Sandro Cezar.
 
Representaram a CNTSS/CUT concorrendo pelo CONAD Irineu Messias, do SINDSPREV PE. Messias foi presidente do Conselho de maio a junho de 2016, quando foi destituído pelo governo do ilegítimo Michel Temer. Também faz parte da Chapa 1 para o CONAD o diretor do Sindprev BA, Ricardo Mendonça. Conselheiro do CONAD no período de 2014/2017, Mendonça é servidor público federal do Ministério da Saúde BA e presidente do Conselho Estadual de Saúde da Bahia.
 
Para a disputa do CONFIS, a Confederação contou com a participação de Maria das Graças de Oliveira. Servidora do Ministério da Saúde do Rio de Janeiro, Oliveira é ex-diretora do Sindsprev RJ. Maria da Graça já atuou junto ao Conselho Fiscal como titular de 2014/2017 e foi presidenta de 2014/2016. Outra representante é Deusa Maria Duarte, servidora do Ministério da Saúde do Distrito Federal e ex-diretora do Sindprev DF. Atuou como suplente do Conselho de 2014/2017.
 
O dirigente do Sindsprev-PE Irineu Messias concorreu ao CONAD para dar continuidade ao trabalho que já realiza na defesa dos interesses dos servidores e no combate aos reajustes abusivos praticados pela Geap. Estão entre as prioridades da Chapa eleita a defesa dos interesses dos servidores e o combate aos reajustes abusivos que têm levado muitos a cancelar o Plano de Saúde. A meta principal é garantir a sustentabilidade da GEAP, com participação direta dos representantes dos associados, visando assegurar planos de saúde de qualidade com preços acessíveis, condizentes com a realidade dos servidores. A estimativa é de que cerca de 50 mil pessoas já tenham cancelado por falta de condições para pagamento.
A Chapa vencedora contou também com o apoio de outras entidades nacionais representativas dos trabalhadores: CONDSEF – Confederação dos Trabalhadores nos Serviços Público e Federal, FENADADOS - Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Processamento de Dados, Serviços de Informática e Similares, ANESG - Associação Nacional dos Empregados da GEAP e ANASPS – Associação Nacional dos Servidores da Previdência e da Seguridade Social.
Veja os números finais do pleito:



 









PROPOSTAS DA CHAPA 1 PARA O CONAD E CONFIS
 
- Continuar lutando contra os reajustes abusivos praticados pela Geap
- Pressionar para que a contribuição do per capita seja paritária: 50% do governo e 50% dos trabalhadores buscando a efetivação da proposta no Poder Judiciário
- Gestão paritária da Geap
- Acabar com a coparticipação
- Lutar pela mudança do atual modelo de sustentação financeira da Geap
- Melhorar a rede credenciada em todo o país, principalmente nas cidades do interior
- Criar planos economicamente mais acessíveis para os servidores de salários mais baixos
- Dar maior flexibilidade na renegociação das dívidas dos beneficiários
- Lutar pela implantação da rede própria da Geap, primeiramente nas capitais, com a finalidade de reduzir custos
- Acompanhar e fiscalizar o cumprimento do Programa de Saneamento Financeiro da Geap
- Por uma Geap competente e mais transparente

José Carlos Araújo
Assessoria de Imprensa da CNTSS/CUT
*****
Fonte:http://www.cntsscut.org.br/destaques/2810/chapa-ligada-a-cut-vence-eleicoes-na-geap-para-conselhos-de-administracao-e-fiscal

Chapa 01 – NOSSA CHAPA é vencedora das eleições para Conad e Confis da GEAP

16.03.2017
Do portal SINDSPREV/PE
Da Redação

CLIQUE PARA AMPLIAR
Irineu Messias com os representantes das entidades que apoiaram a Chapa 1- NOSSA CHAPA

A chapa eleita para o Conad obteve 61,81% dos votos válidos e a chapa eleita para o Confis conseguiu 61,28% dos votos válidos. Após a divulgação oficial desse resultado, feito pela Comissão Eleitoral, começa a ser concedido o prazo de dois dias úteis para recebimento de recursos, os quais serão julgados pela própria comissão em até três dias úteis imediatamente posteriores ao encerramento do prazo de recursos. Ao fim do processo, a Comissão Eleitoral encaminhará para a Geap os nomes dos representantes eleitos, titulares e suplentes, para os Conselhos de Administração e Fiscal.
 
A eleição, que teve a participação de aproximadamente 4, 6 mil, foi realizada na quarta-feira (15), das 8h às 18h,  e ocorreu por meio eletrônico (Internet) e de forma presencial. A votação movimentou as Gerências Regionais da operadora em todo o país e definiu representantes dos servidores para o triênio 2017-2020. A CNTSS/CUT, CONDSEF, ANASPS, FENADADOS, ANESG e seus sindicatos filiados apoiaram a Chapa 01 - " Nossa Chapa "  para o Conad e o Confis. 
 
O dirigente do Sindsprev-PE Irineu Messias concorreu ao Conad para dar continuidade ao trabalho que já realiza na defesa dos interesses dos servidores e no combate aos reajustes abusivos praticados pela Geap. De acordo ele, a meta principal da Chapa 1- " Nossa Chapa " é garantir a sustentabilidade da Geap com partipação direta dos representantes dos associados, visando  assegurar planos de saúde de qualidade com preços acessíveis, condizentes com a realidade dos servidores.
 
A Chapa 1 conquistou o reconhecimento da categoria pelo excelente trabalho realizado anteriormente, mas que lamentavelmente foi interrompido pelo governo Temer, inclusive com a cassação e perseguição do então presidente do Conad, Irineu Messias.
 

Confira o resultado

CLIQUE PARA AMPLIAR

 
CANDIDATOS DA CHAPA 1 ELEITOS PARA O CONAD E CONFIS - TRIÊNIO 2017-2020
 
 
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
 
- Irineu Messias de Araújo - CNTSS/CUT/Sindsprev/PE
- Ricardo Luiz Dias Mendonça - CNTSS/CUT/BA
- Manoel Ricardo Palmeira Lessa - Anasps/RJ
- Elienai Ramos Coelho - Anasps/DF
- Ivete Vicentina de Amorim - Condsef/MT
- Leonardo Alexandre Silveira Barbosa - Anesg/MG
 
CONSELHO FISCAL
 
- Socorro Lago - Fenadados/MA
- Hervecio Cruz - Anesg/MG
- Maria das Graças de Oliveira - CNTSS/CUT/RJ
- Deusa Maria Duarte - CNTSS/CUT/DF
PROPOSTAS DA CHAPA 1 PARA O CONAD E CONFIS
 
- Continuar lutando contra os reajustes abusivos praticados pela Geap
- Pressionar para que a contribuição do per capita seja paritária: 50% do governo e 50% dos trabalhadores buscando a efetivação da proposta no Poder Judiciário
- Gestão paritária da Geap
- Acabar com a coparticipação
- Lutar pela mudança do atual modelo de sustentação financeira da Geap
- Melhorar a rede credenciada em todo o país, principalmente nas cidades do interior
- Criar planos economicamente mais acessíveis para os servidores de salários mais baixos
- Dar maior flexibilidade na renegociação das dívidas dos beneficiários
- Lutar pela implantação da rede própria da Geap, primeiramente nas capitais, com a finalidade de reduzir custos
- Acompanhar e fiscalizar o cumprimento do Programa de Saneamento Financeiro da Geap
- Por uma Geap competente e mais transparente
*****
Fonte:http://www.sindsprev.org.br/index.php?categoria=noticias_principais_01&codigo_noticia=0000004094&cat=noticias