quinta-feira, 15 de junho de 2017

FALSO INTELECTUALISMO: Combatendo a praga dos “intelectuais” de What’s App

15.06.2017
Do BLOG DA CIDADANIA
Por Eduardo Guimarães
zap zap
A maior praga cultural contemporânea talvez seja essa febre dos intelectuais de Whats App… Ao menos no Brasil.
Sobretudo as infernais correntes que circulam nessa rede social pensada para não se aprofundar em coisa nenhuma, eis que desenvolvida para a comunicação rápida e sucinta.
Não que a cultura do “sabetudismo” via Whats App seja nova. Veio dos nossos e-mails, origem de longos textos que fazem afirmações seriíssimas e sem um mísero dado, uma mísera fonte.
As barbaridades que circulam por Whats App só não são piores do que as correntes que pedem para você difundir alguma coisa senão algo de ruim irá lhe acontecer ou, então, você deixará de salvar a humanidade por ser um egoísta que não se preocupa com tão nobre missão.
O texto que recebi de uma amiga, médica-cardiologista, professora universitária, surpreendeu-me. Não imaginava que alguém como ela caísse nessa esparrela.
O texto é tosco. Além de distorção dos fatos, dados incorretos e péssimo português, ainda é recheado de preconceitos horrorosos.
Ofereço aos amigos e aos inimigos uma fórmula para combater a difusão da burrice on line. Uma resposta bem elaborada pode impedir que as pessoas… Piorem!
Abaixo, seguem as imagem do Whats App e, em seguida, a transcrição do texto

TEXTO RECEBIDO

sandra avó
[08:37, 15/6/2017] Amiga:
INFELIZMENTE NÃO SEI QUEM É O AUTOR.
QUISERA TER TIDO ESSA SENSIBILIDADE.
EM NAO A TENDO…
LEIAM!!!
A Diferença entre as Nações Pobres e Ricas não é a Idade da Nação.
Isto pode ser demonstrado por países como Índia e JB Egito, que têm mais de 2000 anos e são países pobres ainda.
Por outro lado, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, que há 150 anos atrás eram insignificantes, hoje são países desenvolvidos e ricos.
A diferença entre a nação pobre e rica não depende também dos recursos naturais disponíveis.
Japão tem um território limitado, 80% montanhoso, inadequado para a agricultura ou agropecuária, mas é a segunda economia do mundo. O país é como uma imensa fábrica flutuante, importando matéria-prima de todo o mundo e exportando produtos manufaturados.
Segundo exemplo é a Suíça, onde não cresce cacau mas produz os melhores chocolates do mundo. Em seu pequeno território ela cuida de suas vacas e cultiva a terra apenas por quatro meses ao ano, não obstante, fabrica os melhores produtos de leite. Um pequeno país que é uma imagem de segurança que tornou-se o banco mais forte do mundo.
Executivos de países ricos que interagem com seus homólogos dos países pobres não mostram nenhuma diferença intelectual significativa.
Os fatores raciais ou de cor, também, não têm importância: imigrantes fortemente preguiçosos em seus países de origem, são altamente produtivos em países ricos da Europa.
Então, qual é a diferença?
A diferença é a atitude das pessoas, moldadas durante muitos anos pela educação e cultura.
Quando analisamos o comportamento das pessoas dos países ricos e desenvolvidos, observa-se que uma maioria respeita os seguintes princípios de vida:
  1. Ética, como princípio básico.
  2. Integridade.
  3. Responsabilidade.
  4. O respeito pela legislação e regulamentação.
  5. O respeito da maioria dos cidadãos pelo direito.
  6. O amor ao trabalho.
  7. O esforço para poupar e investir.
  8. A vontade de ser produtivo.
  9. A pontualidade.
Nos países pobres, uma pequena minoria segue esses princípios básicos em sua vida diária.
Não somos pobres porque nos falta recursos naturais ou porque a natureza foi cruel conosco.
Somos pobres porque nos falta atitude. Falta-nos vontade de seguir e ensinar esses princípios de funcionamento das sociedades ricas e desenvolvidas.
ESTAMOS NESTE ESTADO PORQUE QUEREMOS LEVAR VANTAGEM SOBRE TUDO E TODOS.
ESTAMOS NESTE ESTADO PORQUE VEMOS ALGO FEITO DE FORMA ERRADA E DIZEMOS – “Não é meu problema”
DEVERÍAMOS LER MAIS  E AGIR MAIS!
SÓ ENTÃO SEREMOS CAPAZES DE MUDAR NOSSO ESTADO PRESENTE.
Se você não encaminhar esta mensagem nada vai acontecer com você.
Seu animal premiado não vai morrer, você não vai ser demitido de seu emprego, não vai ter azar por sete anos, nem vai ficar doente.
Mas, se você ama seu PAÍS tente fazer circular esta mensagem para que o máximo número de pessoas possível, reflita sobre isso.      

RESPOSTA

edu pai carla
                 

[11:52, 15/6/2017] +55 11 : Cara Amiga,
 uma das pragas que assolam a classe média brasileira – e, sobretudo, a paulista-paulistana – é o verdadeiro instituto que são essas mensagens que circulam pela internet sem autoria e sem dados confiáveis.
 Nessa, em específico, sobressaem os problemas de costume: dados errados e disseminação de ódio e preconceito.
 Por exemplo:
 1 – há muito que o Japão deixou de ser a 2a economia do mundo. Hoje é a quarta, suplantada pelas economias dos EUA, da União Europeia e da China.
 2 – Imigrantes que eram “fortemente preguiçosos em seus países de origem”. Francamente! Isso é um absurdo. Nos países do 3o mundo as pessoas trabalham muito mais horas por dia que nos países ricos. Essa mania da classe média iletrada de dizer que pobre é pobre porque não trabalha é muito irritante. Quanto mais o indivíduo é pobre, mais cedo ele tem que acordar e mais ele tem que trabalhar.
 Essa parte do texto é particularmente revoltante.
 Por fim, a boa e velha disseminação do complexo de viralatas. Não sei aonde as pessoas deste país vão chegar achando que somos uma nação – que é mais que um país – sem moral, preguiçosa e sem caráter, como diz esse texto.
 Você e o seu marido ou eu e a minha esposa trabalhamos como loucos – e honestamente – a vida toda para darmos uma chance ao nossos filhos – vocês na medicina e eu no comércio exterior e no jornalismo.
 Hoje, sou um perseguido político em meu país pelas coisas que escrevo e pelas posições que assumo.
 Tiveram que inventar duas balelas – de que “ameacei” Sergio Moro  e “avisei” Lula – porque vasculharam minha vida de trás para frente e JAMAIS encontraram um único ato de improbidade.
 Somos pessoas de vida limpa, eu, minha esposa e filhos, ou você, seu esposo e família. Não merecemos esse texto ridículo.
 O problema do Brasil é a elite que concentra quase toda renda nas mãos de 1% do povo e essa religiosidade bovina e muar que fez com que, à diferença dos países que esse texto usa como exemplo, tenhamos nos reproduzido de forma descontrolada e explodido nestas plagas uma bomba populacional.
 Se essas microscópicas classes A e B+ querem ser iguais a australianos, canadenses, neozelandeses e suíços, primeiro parem de confiar em textos anônimos (o que nunca é bom sinal) e cheios de afirmações polêmicas.
 As pessoas têm que entender que só distribuição de renda e atenção ao social poderá tirar das costas do país uma massa humana imensa que, por não ter acesso a educação, saúde, habitação etc por agregar muitos, não consegue competir com a elite minúscula que tem tudo isso e usa essas vantagens para se apropriar de todas as oportunidades.
 Não acredite que os povos do primeiro-mundo são essa perfeição. Não são. Também têm corruptos, ladrões, preguiçosos e pervertidos. Mas, como essas sociedades são mais igualitárias, as pessoas acabam se aperfeiçoando e só os sociopatas de raiz é que não evoluem socialmente.
 Concluo, minha cara amiga, exortando-a a não crer nessas correntes. São perigosamente formuladoras de ignorância e preconceitos.
 Grande abraço
*****
Fonte:http://www.blogdacidadania.com.br/2017/06/combatendo-a-praga-dos-intelectuais-de-whats-app/
Postar um comentário