sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Temer forneceu informações à inteligência dos EUA, segundo WikiLeaks


13.10.2016

Do portal SPUTNIK NEWS, 13.05.16


Michel Temer, presidente interino do Brasil
New Brasil president  provided political intelligence to US National Security Council, US Militaryhttps://wikileaks.org/plusd/cables/06SAOPAULO30_a.html#efmAJZAKWAKfAK-ARrASHAS1ATbCf0Cf9CgLCgZDOLDOVDWDDX7EGjEHl  
O presidente interino do Brasil, Michel Temer, foi um informante da inteligência e Defesa dos Estados Unidos há dez anos, segundo informou o site WikiLeaks nesta sexta-feira.
Segundo a organização, nos meses de janeiro e junho de 2006, o presidente do PMDB enviou documentos ao Conselho de Segurança Nacional dos EUA e ao Comando do Sul, em Miami, descrevendo sua visão sobre a unidade do partido e as eleições que seriam realizadas naquele ano.  “Novo presidente brasileiro, #Temer, foi um informante da embaixada para a inteligência e as Forças Armadas dos EUA”, disse o WikiLeaks através do seu Twitter. Temer, escolhido como vice-presidente de Dilma Rousseff nas eleições de 2011 e 2014, assumiu a presidência do Brasil na última quinta-feira, após o afastamento da chefe de Estado legitimamente eleita, contra a qual foi instaurado um processo de impeachment

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

COSTA RICA IMPÕE SIGILO EM PAPÉIS DA EMBAIXADA BRASILEIRA, QUE PODEM EXPLICAR O GOLPE DE 2016

13.10.2016
Do portal BRASL247



Costa Rica decretou sigilo sobre 12 memorandos de sua embaixada no Brasil escritos entre janeiro e setembro de 2016, os quais supostamente versavam a respeito da situação política no país em meio ao processo de impeachment; declaração de reserva sobre os documentos listados significa que "nenhuma pessoa física ou jurídica, nacional ou estrangeira" poderá ter acesso a eles"; "Como governo, temos a responsabilidade, a obrigação, de proteger adequadamente correspondências cuja divulgação poderia trazer consequências danosas ao país em matéria de relações diplomáticas", afirmou o ministro das Relações Exteriores, Manuel González; cabe notar que San José não apenas é a sede da Corte Interamericana de Direitos Humanos, como sempre foi um aliado diplomático dos EUA na América Central

Da Agência Sputnik Brasil - A Costa Rica acaba de decretar sigilo sobre 12 memorandos de sua embaixada no Brasil escritos entre janeiro e setembro de 2016, os quais supostamente versavam a respeito da situação política no país em meio ao processo de impeachment. O que dizem as entrelinhas do misterioso caso quanto ao cenário atual da América Latina? Sputnik explica!
"Está declarada reserva sobre os relatórios políticos apresentados pelo chefe da missão diplomática destacada na República Federativa do Brasil, cujo conteúdo se refere, parcial ou integralmente, a assuntos que possam comprometer relações bilaterais", diz o decreto publicado na terça-feira (11) no jornal oficial costarriquenho, o "La Gaceta".
A declaração de reserva sobre os documentos listados significa que "nenhuma pessoa física ou jurídica, nacional ou estrangeira" poderá ter acesso a eles, e que os destinatários dos informes, bem como os que receberam cópias das mensagens por parte do embaixador da Costa Rica no Brasil, deverão "guardar estrita confidencialidade em relação aos mesmos".
O governo costarriquenho justificou a ação com base em prerrogativas previstas na Constituição Política – em particular, na independência dos Poderes, e em resoluções da Procuradoria Geral da República que indicam que matérias relativas à segurança, à defesa nacional e às relações exteriores da República podem ser submetidas a segredo de Estado.
Na quarta-feira (12), o chanceler da Costa Rica, Manuel González, enviou uma declaração à imprensa brasileira reiterando a atitude tomada pelo governo de seu país: "Como governo, temos a responsabilidade, a obrigação, de proteger adequadamente correspondências cuja divulgação poderia trazer consequências danosas ao país em matéria de relações diplomáticas", afirmou o ministro das Relações Exteriores.
Façamos uma breve retrospectiva sobre o caso.
Correspondências secretas e guerra de informações
Em 18 de março, um mês antes do afastamento da presidenta Dilma Rousseff pela Câmara dos Deputados, todas as embaixadas brasileiras no exterior receberam uma mensagem do Itamaraty alertando sobre o risco iminente de golpe de Estado no país, e instruindo as representações diplomáticas a mediar o contato entre as organizações da sociedade civil locais e as do Brasil.
Algumas horas depois, a Secretaria Geral do Itamaraty abortou a ordem, alegando que as circulares haviam sido enviadas "sem autorização superior". Apesar disso, o episódio deixou claro que, mesmo dentro do Itamaraty, sempre houve dúvidas sobre a legitimidade do processo que derrubou a presidenta Dilma e levou Michel Temer à presidência, ao lado do tucano José Serra na chancelaria.
Talvez fosse necessário retraçar a cartografia dessa história aos idos de 2013, quando, segundo afirma o jornalista Pepe Escobar, teria sido deflagrada uma poderosa operação no país, "com pegadas da ação norte-americana", para atender a interesses internos e internacionais, tais como a criminalização do PT, a inviabilização de Lula como candidato em 2018, a implantação de uma "política econômica ultraliberal", a alteração das regras de exploração do pré-sal e a reversão da "política externa multilateralista que resultou nos BRICS, na integração sul-americana e em outros alinhamentos Sul-Sul".

Desde os grampos da Agência Nacional de Segurança dos EUA (NSA) à Petrobras e à própria Dilma – escândalo cuja revelação, por parte do Wikileaks, desencadeou um período de esfriamento nas relações diplomáticas entre Brasília e Washington – à chegada no Brasil, em agosto de 2013, de uma embaixadora norte-americana que já havia servido no Paraguai pouco antes do golpe parlamentar contra o presidente Fernando Lugo, há uma série de fatores que, de fato, levantam dúvidas sobre os interesses estrangeiros no impeachment de Dilma.
Em dezembro de 2012, o Wikileaks vazou um telegrama diplomático norte-americano que relatava a promessa feita pelo então candidato à presidência José Serra a uma executiva da petroleira Chevron, de que, se eleito, ele mudaria o modelo de partilha do pré-sal fixado pelo governo Lula – o que acaba de acontecer sob o governo Temer, com Serra na pasta de Relações Exteriores. Nesse contexto, pulamos para o dia 20 de setembro deste ano, quando, pouco antes de Michel Temer discursar na Assembleia Geral da ONU, o presidente da Costa Rica, Luis Guillermo Solís, e o chanceler González abandonaram o salão, acompanhados no gesto por representantes de Bolívia, Equador, Venezuela, Cuba e Nicarágua.
Démarche diplomática da Costa Rica
O presidente costarriquenho, eleito em 2014 com 77% dos votos, se define como um social-democrata de centro-esquerda no espectro político latino-americano. Apesar de nunca ter se pronunciado explicitamente contra o golpe no Brasil, sua retirada da Assembleia Geral da ONU antes da fala de Temer deixou claro suas hesitações a respeito do governo do peemedebista.
Em 22 de setembro, Solís reconheceu, em entrevista à CNN em espanhol, que as relações com o Brasil estavam "tensas" após o episódio, mas demonstrou cautela no trato com o governo Temer, reconhecendo o Brasil como uma "potência mundial e latino-americana".
"Nós nunca havíamos feito nenhuma observação sobre o 'impeachment' em ocasiões anteriores. Mantivemos uma atitude muito ponderada durante todo o período prévio à tomada de poder do senhor Temer e nos referimos aos processos posteriores porque nos preocupa que possam marcar uma tendência que leve o Brasil, que é una potência mundial e latino-americana, a um caminho que não seja o adequado", disse ele.
"Há um ato político indubitável que admito e explico: o tomamos porque nos preocupa a opacidade de alguns dos processos que se seguiram (depois do impeachment), a violência contra a oposição política e a possibilidade de uma lei de anistia que creio que deixaria impune uma série de feitos que são muito questionáveis e que a justiça brasileira terá que atender", acrescentou.
Em 29 de setembro, o chanceler Manuel González afirmou que a relação com o Brasil era "normal" e reiterou que a Costa Rica não tinha "nada a dizer" a respeito do processo de impeachment. "O que assinalamos são situações no exercício da presidência de Temer. Há preocupação sobre uma tendência a atos que podem afetar a democracia nesse país (Brasil)", disse ele em entrevista coletiva.
A tentativa de San José de amenizar o simbolismo do que ocorreu na Assembleia Geral (basta notar que foi a primeira vez em toda a história das participações do Brasil em órgãos multilaterais que outros países se retiraram, em protesto, enquanto um chefe de Estado brasileiro discursava, e que isso aconteceu no principal fórum global dos países, a ONU) parece obedecer a imperativos pragmáticos das relações exteriores, principalmente quando se leva em conta o tamanho do Brasil na conta das importações e exportações da América Latina.
A Bolívia, que sempre denunciou como ilegítimo o governo Temer, anunciou em 3 de outubro a normalização de suas relações diplomáticas com o Brasil. Certamente, o pragmatismo econômico exerceu grande papel nessa decisão, já que La Paz precisa discutir os termos da renovação do contrato de compra e venda de gás boliviano pelas empresas brasileiras, acordo que vence em 2019, bem como os planos de construção de hidrelétricas na Amazônia e a construção de uma ferrovia que ligará os oceanos Atlântico e Pacífico.
O Uruguai, liderado pelo presidente Tabaré Vázquez, que também havia se posicionado a favor da presidenta Dilma durante seu processo de impeachment, também reavaliou sua posição, privilegiando o fato de que o Brasil está entre os maiores países compradores de produtos uruguaios.
Configuração de forças na América Latina
Existem dois fundamentos historicamente estabelecidos para o reconhecimento da legitimidade de um Estado nas relações internacionais: por um lado, a declaração interna de soberania; por outro, o reconhecimento externo de outros Estados.
Além da retirada inédita de representantes estrangeiros durante o discurso de Temer em setembro, alguns analistas viram na falta de aplausos durante a fala do peemedebista e no fato de o presidente dos EUA, Barack Obama, ter "se atrasado" para fazer o seu último discurso no fórum (evitando desse modo se encontrar nos bastidores da ONU com o presidente brasileiro) certo isolamento nunca antes visto do Brasil na arena internacional, refletido pelas dúvidas acerca da legitimidade do governo Temer.
Ideologias à parte, e independentemente de se considerar o impeachment legítimo ou não, a cooperação entre os países da região com o Brasil é ameaçada por certa inabilidade da atual chancelaria.
Enquanto os governos de Dilma e o de Lula estreitaram os laços do país com os vizinhos latino-americanos e assumiram um papel de liderança na região, o governo Temer se afasta do continente e dos BRICS e volta a política externa para as grandes potências mundiais. Em suas primeiras ações, o novo chanceler acusou governos de países latino-americanos de "propagar falsidades" e disse que o secretário-geral da Unasul (União das Nações Sul-Americanas) "extrapolava suas funções".
O cenário, enfim, parece caminhar para o fim da multilateralidade que caracterizou os esforços do país nos últimos anos. As perspectivas de integração da América Latina estão baixas. O Brasil parece se alinhar novamente aos EUA. Por outro lado, os governos de esquerda latino-americanos continuam sob ataque. Se o Brasil vai se tornar cada vez mais isolado ou se as nações vizinhas vão se render ao pragmatismo econômico ou ao neoliberalismo, só o tempo, e as resistências, irão dizer.

****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/mundo/260269/Costa-Rica-imp%C3%B5e-sigilo-em-pap%C3%A9is-da-embaixada-brasileira-que-podem-explicar-o-golpe-de-2016.htm

Exclusivo: 77% não sabem o que a PEC 241 vai causar ao país

12.10.2016
Do BLOG DA CIDADANIA
Por Eduardo Guimarães
pesquisa

Dormia

A nossa pátria mãe tão distraída

Sem perceber que era subtraída

Em tenebrosas transações

                        Chico Buarque – Vai Passar

O Blog teve acesso a pesquisa de opinião feita para consumo interno de um grupo político suprapartidário que começou a se reunir após o golpe e que não quer ser identificado. As informações foram passadas a este Blog sob o compromisso de anonimato da fonte.
A sondagem foi feita por telefone com 896 pessoas de classes sociais, idades, regiões, gêneros e etnias baseados no retrato da população brasileira feito pelo IBGE – vale dizer que na era do celular pré-pago barato qualquer classe social tem telefone.
O tema pesquisado: a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241.
Os resultados dessa pesquisa certamente vão ser confirmados por outras que serão feitas proximamente. E são surpreendentes. A esmagadora maioria dos brasileiros está completamente alheia ao que está acontecendo no país após a derrubada de Dilma Rousseff.
Antes de divulgar a sondagem, porém, vamos rever alguns efeitos óbvios e inquestionáveis da provável aprovação da mudança na Constituição proposta pelo governo Temer e pelo PSDB.
A Constituição de 1988 implantou no Brasil a seguridade social, com ações relativas a saúde, previdência e assistência social”. Passaram-se 28 anos e a PEC 241 está para desfigurar completamente a Carta Magna ao congelar os gastos públicos por 20 anos, tanto em infraestrutura quanto na área social.
Saúde, educação, assistência social, ciência e tecnologia, esporte, habitação, saneamento, segurança, cultura, agricultura, indústria, meio ambiente, turismo, Polícia Federal, Judiciário, Ministério Público, aumento real do salário mínimo e programas como Bolsa Família, Minha casa Minha vida, Luz para Todos, Mais Médicos, etc. serão inviabilizados.
Esse regime fiscal destruirá o modelo de cidadania inscrito na Constituição de 1988. E apesar de a Procuradoria Geral da República e o STJ se manifestarem contra a proposta por ir de encontro a cláusulas pétreas da Constituição, um Congresso que cassou um presidente sem crime de responsabilidade não vai se importar de mudar a Constituição ilegalmente.
Estudo da consultoria do Senado, projetando o impacto dessa PEC em saúde e educação de 2015 até 2018, revela números estarrecedores: uma redução de R$ 255,5 bilhões na educação e de R$ 168,2 bilhões na saúde. E para piorar a situação, as despesas desses setores perderiam seus critérios de proteção com a inversão da lógica constitucional, ou seja, onde há obrigação de gastos mínimos haveria um teto.
Este Blog acreditava que Temer começaria a esvaziar seu saco de maldades no ano que vem, mas, pelo visto, o país começará a sofrer imediatamente os efeitos de entregar seu governo a um grupo de políticos vassalos de banqueiros e megaempresários.
É nesse ponto que abordaremos os resultados de uma sondagem da opinião pública que é ao mesmo tempo preocupante e alentadora – preocupante porque demonstra o nível bizarro de alheamento da população e alentadora porque a ignorância do povo quanto aos efeitos da PEC 241 significa que quando as pessoas descobrirem para que foi dado o golpe irão mudar radicalmente de opinião política.
77% afirmaram desconhecer o teor da PEC 241
83% não sabiam que a PEC vai congelar o valor real do salário mínimo por 20 anos e deve, inclusive, reduzir esse valor.
88% não sabem que Saúde e Educação vão ter valor real dos investimentos congelados por 20 anos
46% nunca tinham sequer ouvido falar da PEC 241
88% dos consultados é contra o congelamento do valor real do salário mínimo e das verbas de Saúde e Educação, entre outras.
Diante desses dados, existe, aí, uma imensa avenida para quem quer fazer oposição ao governo do PMDB e do PSDB. A grande batalha é fazer essas informações chegarem à população brasileira.
Contudo, independentemente do tempo que vai demorar para a maioria ficar sabendo do que vem por aí, será praticamente impossível o povo brasileiro não notar a piora que terão hospitais e escolas públicas, além de tudo mais listado acima.
A mídia ajudou muito os golpistas a aplicarem no povo brasileiro um castigo que irá perdurar por décadas e que flagelará uma geração inteira de brasileiros. Ao não explicar o que essa mudança na Constituição significa, esses órgãos ditos de imprensa cometeram um crime de lesa-humanidade.
Se você quer travar essa batalha para informar os brasileiros sobre o que os golpistas estão fazendo, comece enviando esta matéria para todos os que você conhece e também imprimindo-a e levando-a para discussão no trabalho, com familiares, amigos etc.
Só você pode combater a censura que a ditadura temerária-tucano-midiática impôs ao país. Está nas suas mãos fazer alguma coisa.
Não se omita. Você também será vítima desse desastre. Nem que seja em algum semáforo no qual alguma criança vítima da exclusão promovida pelos golpistas e carregando algum tipo de arma cometerá um ato tresloucado de justiça contra um colaborador da ditadura.
*****
Fonte:http://www.blogdacidadania.com.br/2016/10/exclusivo-77-nao-sabem-o-que-a-pec-241-vai-causar-ao-pais/

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Gilmar Mendes x @Srta_Iozzi é típico caso de perseguição judicial

25.03.2017
Do blog de Antonio Lassance, 05.10.16

Valendo-se do direito que todos têm de recorrer ao judiciário, alguns membros desse poder abusam da prerrogativa com o claro objetivo de calar e amedrontar críticos."


"... é desolador que um um juiz do Supremo Tribunal Federal não saiba lidar com críticas ao seu trabalho de servidor público e, sabedor que é do número de processos desnecessários que contribuem para a ineficiência do Judiciário, abra mais um processo e ainda seja atendido mais rapidamente que os demais brasileiros que tem causas legítimas para serem julgadas." 



"A condenação da atriz Monica Iozzi a pagar R$ 30 mil ao juiz Gilmar Mendes, da mais alta corte jurídica do País, é o mais novo caso de perseguição judicial do Brasil."  



Eis a postagem que rendeu o processo contra a atriz:



O Brasil precisa de uma opinião pública melhor informada, atenta e democrática. Ou será um país de Estado ineficiente, capturado por interesses escusos, com governos medíocres, oposição débil ou golpista, imprensa hipócrita e pessoas egoístas e intolerantes.
****
Fonte:https://antoniolassance.blogspot.com.br/2016/10/gilmar-mendes-x-srtaiozzi-e-tipico-caso.html

Gilmar Mendes x @Srta_Iozzi é típico caso de perseguição judicial

05.10.2016
Do blog de Antonio Lassance

Valendo-se do direito que todos têm de recorrer ao judiciário, alguns membros desse poder abusam da prerrogativa com o claro objetivo de calar e amedrontar críticos."


"... é desolador que um um juiz do Supremo Tribunal Federal não saiba lidar com críticas ao seu trabalho de servidor público e, sabedor que é do número de processos desnecessários que contribuem para a ineficiência do Judiciário, abra mais um processo e ainda seja atendido mais rapidamente que os demais brasileiros que tem causas legítimas para serem julgadas." 



"A condenação da atriz Monica Iozzi a pagar R$ 30 mil ao juiz Gilmar Mendes, da mais alta corte jurídica do País, é o mais novo caso de perseguição judicial do Brasil."  



Eis a postagem que rendeu o processo contra a atriz:



O Brasil precisa de uma opinião pública melhor informada, atenta e democrática. Ou será um país de Estado ineficiente, capturado por interesses escusos, com governos medíocres, oposição débil ou golpista, imprensa hipócrita e pessoas egoístas e intolerantes.
****
Fonte:https://antoniolassance.blogspot.com.br/2016/10/gilmar-mendes-x-srtaiozzi-e-tipico-caso.html

Por que os cristãos não devem acreditar em Silas Malafaia?

25.03.2017
Do portal BRASIL247, 06.10.16
Por Nêggo Bom

Fabio Rodrigues Pozzebom/Ag�ncia Brasil
Fabio Rodrigues Pozzebom/Ag�ncia Brasil

Famoso, muito mais por suas declarações polêmicas do que pela prática espiritual que o seu título de pastor sugere, Silas Malafaia é daquelas figuras midiáticas agradavelmente repugnantes. Consegue entreter quando está despertando ódio e consegue despertar ódio quando tenta entreter. Tudo que um programa de TV com baixa audiência precisa para subir no ibope. Afinal, o povo já gosta do que é trash, se for gospel então, oh, glória!

Em sua página no Facebook, que conta com mais de 1 milhão e setecentas e cinquenta mil curtidas, Malafaia vem publicando uma série de vídeos, nos quais ele alerta aos cristãos sobre em quem não votar nesses eleições. Sob o título de: "Por que os cristãos não devem votar em:" e acompanhado do nome do candidato a ser demonizado, o pastor e consultor político se presta ao trabalho sujo de criminalizar a esquerda, em nome de Deus e da direita golpista.

Foram alvos de sua série apócrifa os candidatos à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, Luiza Erundina e Marta Suplicy. Os candidatos à prefeitura de Porto Alegre, Luciana Genro e Raul Pont. O candidato à prefeitura de Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, Glauber Braga. O mesmo deputado federal que chamou Eduardo Cunha de gangster durante a votação do impeachment na câmara. Rodrigo Neves, candidato a prefeito de Niterói. E os candidatos à prefeitura do RJ, Alessandro Molon, Jandira Feghali e Marcelo Freixo. Uma sequência de fazer inveja a qualquer trilogia hollywoodiana.

A exceção da golpista Marta Suplicy, os demais candidatos vítimas da análise criteriosa e ungida do pastor, são de esquerda e não apoiaram o impeachment. Isso já diz muita coisa sobre as verdadeiras intenções do autor, que além de apoiar o golpe, foi ao palácio do Jaburu dar a sua benção ao traidor mor, Michel Temer. Ele foi sozinho, mas jura que Deus estava com ele. Deus nega. O diabo garante que era ele quem o acompanhava, mas Malafaia nega. Mas chega desse disse me disse e vamos aos fatos. Por que os cristãos não devem acreditar em Malafaia?

Malafaia fez campanha para Lula em 2002, tendo inclusive subido no palanque junto com ele. Hoje pede a sua prisão e o chama de líder de quadrilha. Questionado sobre o apoio dado a Lula no passado, o pastor respondeu em seu twitter: "Já acreditei no PT e fiz campanha para Lula em 2002, inclusive aparecendo no programa eleitoral. Quando comecei ver o real objetivo deles, saí fora, qual o problema? Corrigir rotas, reconhecer erros só faz quem é inteligente. O soberbo acha que nunca erra e acerta todas" Ah, pastor! O senhor que declarou que Eduardo Cunha é o homem mais inteligente e mais honesto que o senhor conhece, ainda não teve inteligência e discernimento para corrigir a rota e perceber quais as reais intenções dele?

O mesmo Malafaia já apoiou e depois bateu em FHC, Serra, Dilma e agora apoia Temer, até que um golpe os separe. Ele gosta mesmo é de bajular quem está no poder ou quem tiver mais chance de chegar até lá. Em 2014 ele lançou uma campanha instigando o povo evangélico contra Marcelo Crivella, durante as eleições estaduais no Rio de Janeiro e hoje ele já acena com um apoio a candidatura do sobrinho de Edir Macedo no 2º turno das eleições municipais. Questionado sobre isso, declarou que na disputa contra qualquer candidato "esquerdopata" ele é Crivella desde criancinha. Mais uma prova de que sua palavra é muito confiável e sua opinião pouco volúvel. Amém?

Dentre os seus muitos posicionamentos nada críveis e totalmente contraditórios, está o seu apoio a Jair Bolsonaro. Como um cristão pode apoiar alguém que é a favor da pena de morte e da tortura? Malafaia, que num de seus vídeos acusa Marcelo Freixo de ser defensor de bandido, também teria agido nos bastidores para ajudar a libertar o também pastor Marcos Pereira, preso por estupro e outras coisas reprováveis por Deus. Como um cristão pode defender um estuprador se ele acusa a outro de defender bandido? Sorria ovelha! Você está sendo enganada!

Percorrendo suas páginas nas redes sociais tive a impressão de estar visitando o perfil de um apresentador de programa de fofocas, menos de um pastor evangélico. Quase nada encontrei sobre a palavra de Deus, apenas mentiras e maledicências sobre a vida daqueles os quais ele escolheu como inimigos políticos. Até parece que ele ganha "um qualquer" para fazer campanha a favor de uns e contra outros. Será? Alguém precisa avisar ao Leão Lobo gospel, que a Bíblia diz que os fofoqueiros e os maldizentes não herdarão o reino dos céus. Será que ele não sabe disso ou na sua bíblia de 900 reais não consta esse trecho?

Mas por que os cristãos não devem acreditar em Silas Malafaia? Por causa de sua sociedade com o falso profeta e seu mentor Morris Cerullo, que já teve até mandado de prisão expedido na Argentina por prática de curandeirismo e outros charlatanismos? Por causa de sua admiração pública pelo corrupto Eduardo Cunha? Por que ele, mesmo se dizendo cristão, apoiou o golpe contra uma presidente que não cometeu crime? Por ele estar sempre mudando de opinião de acordo com os seus interesses? Por ele vender uma bíblia por 900 reais e prometer prosperidade a quem comprá-la? Por ele usar o nome de Deus em vão? Por ele gastar o seu tempo falando mal dos outros, ao invés de estar pregando o evangelho e o amor de Deus? Por ele ser pastor e não ter nada que se meter em política?

Os motivos são muitos e dos mais diversos, mas cada um é livre para acreditar em quem bem quiser. Até no Silas Malafaia.
*****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/colunistas/neggotom/258928/Por-que-os-crist%C3%A3os-n%C3%A3o-devem-acreditar-em-Silas-Malafaia.htm

Por que os cristãos não devem acreditar em Silas Malafaia?

06.10.2016
Do portal BRASIL247, 05.10.16
Por Nêggo Bom

Fabio Rodrigues Pozzebom/Ag�ncia Brasil
Fabio Rodrigues Pozzebom/Ag�ncia Brasil

Famoso, muito mais por suas declarações polêmicas do que pela prática espiritual que o seu título de pastor sugere, Silas Malafaia é daquelas figuras midiáticas agradavelmente repugnantes. Consegue entreter quando está despertando ódio e consegue despertar ódio quando tenta entreter. Tudo que um programa de TV com baixa audiência precisa para subir no ibope. Afinal, o povo já gosta do que é trash, se for gospel então, oh, glória!

Em sua página no Facebook, que conta com mais de 1 milhão e setecentas e cinquenta mil curtidas, Malafaia vem publicando uma série de vídeos, nos quais ele alerta aos cristãos sobre em quem não votar nesses eleições. Sob o título de: "Por que os cristãos não devem votar em:" e acompanhado do nome do candidato a ser demonizado, o pastor e consultor político se presta ao trabalho sujo de criminalizar a esquerda, em nome de Deus e da direita golpista.

Foram alvos de sua série apócrifa os candidatos à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, Luiza Erundina e Marta Suplicy. Os candidatos à prefeitura de Porto Alegre, Luciana Genro e Raul Pont. O candidato à prefeitura de Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, Glauber Braga. O mesmo deputado federal que chamou Eduardo Cunha de gangster durante a votação do impeachment na câmara. Rodrigo Neves, candidato a prefeito de Niterói. E os candidatos à prefeitura do RJ, Alessandro Molon, Jandira Feghali e Marcelo Freixo. Uma sequência de fazer inveja a qualquer trilogia hollywoodiana.

A exceção da golpista Marta Suplicy, os demais candidatos vítimas da análise criteriosa e ungida do pastor, são de esquerda e não apoiaram o impeachment. Isso já diz muita coisa sobre as verdadeiras intenções do autor, que além de apoiar o golpe, foi ao palácio do Jaburu dar a sua benção ao traidor mor, Michel Temer. Ele foi sozinho, mas jura que Deus estava com ele. Deus nega. O diabo garante que era ele quem o acompanhava, mas Malafaia nega. Mas chega desse disse me disse e vamos aos fatos. Por que os cristãos não devem acreditar em Malafaia?

Malafaia fez campanha para Lula em 2002, tendo inclusive subido no palanque junto com ele. Hoje pede a sua prisão e o chama de líder de quadrilha. Questionado sobre o apoio dado a Lula no passado, o pastor respondeu em seu twitter: "Já acreditei no PT e fiz campanha para Lula em 2002, inclusive aparecendo no programa eleitoral. Quando comecei ver o real objetivo deles, saí fora, qual o problema? Corrigir rotas, reconhecer erros só faz quem é inteligente. O soberbo acha que nunca erra e acerta todas" Ah, pastor! O senhor que declarou que Eduardo Cunha é o homem mais inteligente e mais honesto que o senhor conhece, ainda não teve inteligência e discernimento para corrigir a rota e perceber quais as reais intenções dele?

O mesmo Malafaia já apoiou e depois bateu em FHC, Serra, Dilma e agora apoia Temer, até que um golpe os separe. Ele gosta mesmo é de bajular quem está no poder ou quem tiver mais chance de chegar até lá. Em 2014 ele lançou uma campanha instigando o povo evangélico contra Marcelo Crivella, durante as eleições estaduais no Rio de Janeiro e hoje ele já acena com um apoio a candidatura do sobrinho de Edir Macedo no 2º turno das eleições municipais. Questionado sobre isso, declarou que na disputa contra qualquer candidato "esquerdopata" ele é Crivella desde criancinha. Mais uma prova de que sua palavra é muito confiável e sua opinião pouco volúvel. Amém?

Dentre os seus muitos posicionamentos nada críveis e totalmente contraditórios, está o seu apoio a Jair Bolsonaro. Como um cristão pode apoiar alguém que é a favor da pena de morte e da tortura? Malafaia, que num de seus vídeos acusa Marcelo Freixo de ser defensor de bandido, também teria agido nos bastidores para ajudar a libertar o também pastor Marcos Pereira, preso por estupro e outras coisas reprováveis por Deus. Como um cristão pode defender um estuprador se ele acusa a outro de defender bandido? Sorria ovelha! Você está sendo enganada!

Percorrendo suas páginas nas redes sociais tive a impressão de estar visitando o perfil de um apresentador de programa de fofocas, menos de um pastor evangélico. Quase nada encontrei sobre a palavra de Deus, apenas mentiras e maledicências sobre a vida daqueles os quais ele escolheu como inimigos políticos. Até parece que ele ganha "um qualquer" para fazer campanha a favor de uns e contra outros. Será? Alguém precisa avisar ao Leão Lobo gospel, que a Bíblia diz que os fofoqueiros e os maldizentes não herdarão o reino dos céus. Será que ele não sabe disso ou na sua bíblia de 900 reais não consta esse trecho?

Mas por que os cristãos não devem acreditar em Silas Malafaia? Por causa de sua sociedade com o falso profeta e seu mentor Morris Cerullo, que já teve até mandado de prisão expedido na Argentina por prática de curandeirismo e outros charlatanismos? Por causa de sua admiração pública pelo corrupto Eduardo Cunha? Por que ele, mesmo se dizendo cristão, apoiou o golpe contra uma presidente que não cometeu crime? Por ele estar sempre mudando de opinião de acordo com os seus interesses? Por ele vender uma bíblia por 900 reais e prometer prosperidade a quem comprá-la? Por ele usar o nome de Deus em vão? Por ele gastar o seu tempo falando mal dos outros, ao invés de estar pregando o evangelho e o amor de Deus? Por ele ser pastor e não ter nada que se meter em política?

Os motivos são muitos e dos mais diversos, mas cada um é livre para acreditar em quem bem quiser. Até no Silas Malafaia.
*****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/colunistas/neggotom/258928/Por-que-os-crist%C3%A3os-n%C3%A3o-devem-acreditar-em-Silas-Malafaia.htm

Vítima de Roger Abdelmassih cria abaixo-assinado em defesa de Moniza Iozzi

06.10.2016
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO
Por Edson Sardinha, Congresso em Foco

Abaixo-assinado pede a Gilmar Mendes que releve condenação de Monica Iozzi. Autora é uma das 52 mulheres estupradas por Roger Abdelmassih, médico que fugiu do país após habeas-corpus concedido pelo ministro do STF

vitimas Abdelmassih abaixo assinado gilmar monica iozzi

Um abaixo-assinado criado no site Change.org por uma das vítimas do ex-médico Roger Abdelmassih, condenado e acusado de estuprar mais 50 pacientes, pede ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STFGilmar Mendes que desista do processo que resultou na condenação da apresentadora e atriz Monica Iozzi. Lançada na última terça-feira (4), a petição tinha o apoio de mais de 20 mil pessoas até o início desta manhã. Mônica foi condenada a pagar R$ 30 mil por danos morais a Gilmar pelo juiz Giordano Resende, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, por causa de um comentário publicado em sua conta noInstagram.
Cúmplice?”, questionou a atriz “Gilmar Mendes concedeu Habeas Corpus para Roger Abdelmassih, depois de sua condenação a 278 anos de prisão por 58 estupros. Se um ministro do Supremo Tribunal Federal faz isso… Nem sei o que esperar…”, escreveu. Por causa do comentário, Gilmar Mendes pediu na Justiça indenização de R$ 100 mil à atriz. Para o juiz que condenou Monica, o comentário dela violou “a dignidade, a honra e a imagem” do ministro.
Uma das vítimas do ex-médico, a autora da petição, Vana Lopes, criticou a postura do ministro do Supremo. “Quem maiores danos sofreram com todo este drama foram as vítimas de estupro, que não receberam nenhuma indenização. Gostaria de lembrar que o Poder Judiciário deixou escapar o Monstro Abdelmassih, oportunidade que o médico aproveitou para fugir, e esta situação nos trouxe traumas irreparáveis”, escreveu Vana, autora do livro Bem-vindo ao inferno, em que relata o drama das vítimas. “Ademais não podemos esquecer que esta decisão por fim onerou o Estado em gastos para prender o foragido que recaiu sobre todos nós brasileiros. Abster-se de receber a presente indenização certamente não irá ferir vossa honra nem causar maiores danos à militância das vítimas”, acrescentou.
Prisão e fuga
Em agosto de 2009, o juiz da 16ª Vara Criminal de São Paulo Bruno Paes Stranforini decretou a prisão de Abdelmassih. No dia 24 de dezembro, Abdelmassih foi solto após Gilmar Mendes, então presidente do Supremo, ter concedido habeas corpus revogando a prisão preventiva do médico. Roger Abdelmassih foi condenado em 23 de novembro de 2010, a 278 anos de prisão pela juíza Kenarik Boujikian Felippe, da 16ª Vara Criminal de São Paulo.
Ele foi acusado de 56 estupros de pacientes em sua clínica. Apesar de condenado, e não poder recorrer da decisão em liberdade inicialmente, Abdemassih conseguiu, por decisão de Gilmar, através de liminar concedida no habeas corpus impetrado no Supremo, o direito de recorrer em liberdade. Em 2011 ele fugiu e só foi localizado em 2014 no Paraguai, onde foi preso e extraditado para o Brasil.
Considerado um dos maiores especialistas em reprodução assistida do país, ele passou a ser acusado em 2008. De acordo com as vítimas, os ataques ocorriam quando elas estavam sozinhas com o médico em salas de consulta ou recuperação. Algumas contaram ter sido abusadas enquanto estavam dopadas por medicamentos.
Relembre:

Em nota divulgada por sua assessoria de imprensa, Monica Iozzi anunciou que vai recorrer da decisão e que apenas exerceu seu direito de expressar uma opinião. “A atriz reafirma que não houve qualquer tipo de ofensa ao ministro, mas sim a expressão de uma opinião sobre um fato público a respeito do julgamento de um médico que chocou o país. Médico acusado e condenado por ter abusado sexualmente de dezenas de suas pacientes”, diz o comunicado divulgado pela assessoria da atriz.
Veja a íntegra do texto da vítima de Roger Abdelmassih direcionado a Gilmar Mendes:
Vossa Excelência Senhor Ministro Gilmar Mendes, meu nome é Vana Lopes,escritora do Livro Bem vindo ao Inferno. Sou uma das vítimas de Roger Abdelmassih e represento dezenas de outras vítimas do ex-médico; também falo em nome do Grupo Vítimas Unidas, que tem mais de 78 mil participantes; por último, falo como cidadã. Venho por meio deste abaixo assinado pedir que a ação onde foi condenada a atriz Monica Iozzi a pagar R$ 30 mil de indenização por danos morais a Vossa excelência seja relevada.
Ao nosso ver, quem maiores danos sofreram com todo este drama foram as vitimas de estupro, que não receberam nenhuma indenização.Gostaria de lembrar que o Poder Judiciário deixou escapar o Monstro Abdelmassih, oportunidade que o médico aproveitou para fugir, e esta situação nos trouxe traumas irreparáveis. Ademais não podemos esquecer que esta decisão por fim onerou o Estado em gastos para prender o foragido que recaiu sobre todos nós brasileiros. Abster-se de receber a presente indenização certamente não irá ferir vossa honra nem causar maiores danos à militância das vítimas. Tenho a certeza de que vossa excelência certamente saberá compreender as nuances do caso. Grata, Vana Lopes (Grupo Vítimas Unidas)”.
Lei também:


*Edson Sardinha, Congresso em Foco
****
Fonte: