quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Zica vírus é tema de palestra para funcionários da Geap em todo o Brasil

07.01.2016
Do boletim GEAP EM MOVIMENTO
Por ASCOM*

cid:image012.jpg@01D148B3.E6192B10

A Geap Autogestão em Saúde promoveu, nesta quarta-feira (6), palestra sobre os métodos de prevenção, detecção precoce e cuidados com o vírus Zika. A atividade foi conduzida pela enfermeira Priscila Leal Leite, que é consultora técnica de Vigilância Epidemiológica e análise de dados na Coordenação Geral do Programa Nacional do Controle da Dengue (PNCD), no Ministério da Saúde.

Participaram gestores e funcionários da Diretoria Executiva e das gerências regionais, por videoconferência. O Diretor Executivo, Luís Carlos Saraiva Neves, agradeceu a cortesia do Ministério da Saúde em ceder a presença da especialista. “Este é um assunto bastante importante para nós e por isso procuramos aprofundar nossos saberes com profissionais que dominam a temática”, afirmou.

“A Geap está fazendo a sua parte, já tomamos medida de suspensão do período de carência para beneficiárias que estão gestantes, aprovada sabiamente pelo Conselho de Administração”, ressaltou Saraiva. Com a liberação, válida desde 15 de dezembro, as beneficiárias nesta condição poderão receber atendimento na rede referenciada da operadora em consultas ambulatoriais obstétricas e parto durante todo o período gestacional.

Casos de microcefalia - O Ministério da Saúde divulgou nesta terça-feira (5) o primeiro informe epidemiológico de 2016 sobre os casos suspeitos de microcefalia relacionada ao vírus Zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. As informações são referentes aos dados até o dia 2 de janeiro. Desde o início das investigações, foram notificados 3.174 casos suspeitos da doença em recém-nascidos de 684 municípios de 21 unidades da federação. Pela primeira vez,  está sendo investigado um caso no estado do Amazonas. Também estão em investigação 38 óbitos de bebês com microcefalia possivelmente relacionados ao vírus Zika.

 cid:image014.jpg@01D148B3.E6192B10

O estado de Pernambuco, o primeiro a identificar aumento de microcefalia, continua com o maior número de casos suspeitos (1.185), o que representa 37,33% do total registrado em todo o país. Em seguida, estão os estados da Paraíba (504), Bahia (312), Rio Grande do Norte (169), Sergipe (146), Ceará (134), Alagoas (139), Mato Grosso (123) e Rio de Janeiro (118).

O ministério orienta que as gestantes mantenham o acompanhamento e as consultas de pré-natal, com a realização de todos os exames recomendados pelo médico. É importante também que as grávidas se protejam da exposição aos mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça, camisa de manga comprida e repelentes permitidos para gestantes.

*ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO  (redação, edição, revisão, layout e diagramação).

*****
Postar um comentário