segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

ÓDIO POLÍTICO E O DIABO: João Doria vota no diabo

18.01.2016
Do portal BRASIL247
Por DOM ORVANDIL*

Querida colega blogueira Cris Campos, 

: Esse empresário de São Paulo, João Dória, para justificar seu voto no neoliberalismo conservador, pai da exclusão de milhões de brasileiros, da destruição da economia nacional e dos direitos dos trabalhadores, elegendo o aventureiro Collor de Melo Presidente do Brasil, disse que vota no diabo mas não vota em Lula.

Nada mais verdadeira do que essa declaração de empresário medíocre.

João Dória simboliza o pior que há na burguesia brasileira e nos brancos racistas excludentes de São Paulo.

A história do eleitor do diabo, do amigo do pula pula de auditório e alienado padre Marcelo Rossi, tentou golpear a democracia ao participar do mesquinho e falido movimento “cansei” com o objetivo de caluniar Lula e seu governo. Depois, em 2014, cortejou o homem do pó, do aeroporto construído em propriedade da família com dinheiro público e acusado de desviar bilhões de reais do dinheiro do povo da saúde no Estado de Minas Gerais, Aécio Neves, como cabo eleitoral e apoiador da pior escória reacionária do País. Dirige um programa de baixa audiência e qualidade onde entrevista vaidosos e burgueses modelo sangue sunga, dos que empreendem em busca de lucros sem nenhuma sensibilidade social. Para completar sua história de homem participante da escumalha que teme o povo e a afirmação da justiça e dos direitos populares, busca se candidatar a prefeito de São Paulo pelo partido golpista de Geraldo Alckmin, o governador que odeia a educação, os pobres, os negros e os trabalhadores.

Votar no diabo é preferência de gente como João Dória.

Gente de direita, seletiva, cheirosa, arrogante, branca, que gasta milhares de reais em restaurantes e bares enquanto paga miséria salarial para seus trabalhadores, vota naturalmente no diabo.

Pessoas autoritárias e insensíveis, como João Dória, jamais votarão nos servos da justiça, das transformações sociais, que lutam na defesa dos direitos da maioria, na inclusão social e no empoderamento do povo.

Não, gente como João Dória vota nos diabos como Aécio Neves, como Geraldo Alckmin, como José Serra e em outros servidores do inferno.

Votar em pessoas que tiveram que se deslocar em pau de arara, que enfrentaram a destruição da família por parte dos exploradores do Nordeste, que se debateram contra a ditadura e por ela foram presas, que se entregaram à luta na organização da classe operária, que se atreveram a chegar ao poder, eleitas pela maioria do povo, cujos votos não são de quem vota no diabo,  não é coisa para quem se acha melhor do que os nordestinos e os trabalhadores, como João Dória. 

João Dória é parte apaixonada dos que gritam pela volta da ditadura, dos que desrespeitam a autonomia dos povos quando difamam Países como Venezuela, Bolívia, Cuba etc.

João Dória invadiria a Bolívia com Geraldo Alckmin no roubo do gás contra a soberania daquele País. É disso que o diabo gosta e é nisso que João Dória vota.

João Dória, o eleitor do diabo, faz parte prazerosamente da elite que odeia os pobres passeando na Avenida Paulista e dando rolezinho nos espaços que a apodrecida e racista elite branca imagina delirantemente como de sua propriedade.

O eleitor do diabo prefere mil vezes o apodrecimento dos pobres do que sua ascensão ao direito de estudar, de crescer intelectual e socialmente como cidadãos criativos e inteligentes na construção democrática do Brasil.

João Dória declarou com aquele sorriso de hiena que vota no diabo, mas não vota em Lula.

Seu testemunho é inconteste como autêntico direitista burguês que despreza o povo e seus líderes, por isso sente orgasmo em votar no diabo.

Antes que me imagines piegas e supersticioso do tipo desses crentes que vêm diabo como entidade absoluta e de poder espiritual transcendental capaz de fazer-se um monstro presente em todos os lugares, sempre disposto a quebrar os pescoços das pobres e indefesas criaturas humanas, te explico o que é o diabo, no qual vota o fanfarrão burguês João Dória.

A palavra diabo tem origem na língua grega. Lá, desde seu nascimento, diabo – “dia- blós” – significa divisão, acirramento de sentimentos e divisão inconciliável. Ao contrário de “sim-bolós” – de onde símbolo – que une, que converge, que agrega, que congraça, “diablós” destrói a unidade entre os seres.

É nisso que vota João Dória.

João Dória é parte da elite dominante que se empenha diuturnamente na destruição social, da unidade nacional, na comunhão do povo e na tomada do poder pelos que realmente trabalham.

João Dória não só vota no monstro diabólico que destrói pela manipulação, pela exclusão e pela divisão, como também é um dos que se candidata a diabo, procurando enganar a sociedade ao pedir-lhe votos para o cargo de prefeito de São Paulo, atropelando companheiros de seu próprio partido, antro do diabo por natureza.

Imagino o inferno em que se transformaria a vida do povo de São Paulo se, por uma desgraça, João Dória vencesse as eleições e se tornasse prefeito da maior capital da América Latina.

Suas alianças com as máfias do transporte coletivo, do sistema financeiro e dos racistas fariam de São Paulo permanente espetáculo que o diabo gostaria, já que ele seria o principal.

A tentativa de diabos como João Dória é a de dialoblizar toda a sociedade com o objetivo de que os diabos em quem ele e sua escória votam sejam os mais fortes na desconstituição da democracia.

• Abraços críticos e fraternos na luta pela justiça e pela paz sociais.

Dom Orvandil, OSF: bispo cabano, farrapo e republicano, presidente da Ibrapaz, bispo da Diocese Brasil Central e professor universitário, trabalhando duro sem explorar ninguém
*****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/colunistas/domorvandil/213648/Jo%C3%A3o-Doria-vota-no-diabo.htm
Postar um comentário