segunda-feira, 30 de novembro de 2015

FHC confessa pressão da Globo em 1996 para privatizar a Vale

30.11.2015
Do blog O CAFEZINHO
Por Tarso Cabral Violin, no Blog do Tarso

size_590_ex-presidente-fhc-nova

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso acabou de lançar o livro “Diários da Presidência, 1995-1996”, Volume 1, pela Companhia das Letras. Nessa obra FHC confessa que no início de seu governo, em 1995, ele não estava totalmente convencido de que privatizaria a empresa estatal Companhia Vale do Rio Doce, “não que tenha alguma reação antiprivatista, mas porque ela é um instrumento muito grande de coordenação de políticas econômicas” (p. 78).

Informa que os ex-presidentes Geisel (p. 102), Itamar Franco (p. 451 e 534) e José Sarney (p. 388 e 799) eram contrários à privatização. Sarney chegou a tentar aprovar no Senado uma norma de que o próprio Senadora poderia proibir privatizações de determinadas empresas estatais (p. 801).

Confessa que toda a sua equipe econômica queria a privatização: José Serra, Pedro Malan, Banco Central e Pérsio Arida (p. 388).

Mesmo sendo algo totalmente imoral e patrimonialista, FHC diz com naturalidade que conversava e aconselhava vários grandes empresários sobre como comprar a Vale. Fez isso com Antônio Ermírio de Morais (p. 752) e outros empresários (p. 852).

Após pressão do jornal O Globo em 1996, por meio de editorial (p. 527), FHC decidiu vender a empresa estratégica.

A Vale acabou sendo privatizada em maio de 1997 por apenas R$ 3,3 bilhões para o consórcio Brasil liderado pela CSN de Benjamin Steinbruch, fundos de pensão como a Previ, Petros, Funcef e Funcesp, o banco Opportunity e o fundo Nations Bank. O dinheiro foi para o superávit primário e dar uma folga no orçamento, antes das eleições para prefeito de 1996.

Essas informações são essenciais em tempos do maior desastre ambiental de todos os tempos no Brasil, provocado pela Vale, privatizada em tempos de FHC.
*****
Fonte:http://www.ocafezinho.com/2015/11/30/fhc-confessa-pressao-da-globo-em-1996-para-privatizar-a-vale/

Jesus Cristo - historico e apócrifos do novo testamento 1de5

30.11.2015
Do  canal Youtube
Postado por Carlos Iafelice Junior

O Jesus histórico, numa excelente produção jornalística brasileira. Os evangelhos apócrifos, textos arqueológicos do cristianismo do seculo 1

****
Fonte:https://youtu.be/9ZQ4eqSAtEw?list=PLvt3pxA37BmRCkPehlrmMZSuar8_XKpsT

Nem precisa Direito de Resposta. Estadão desmente suas manchetes com suas próprias manchetes

30.11.2015
Do blog TIJOLAÇO
Por Fernando Brito

ESTDILMA

Estava tão evidente a armação que este blog, assim que saiu a notícia, mostrou que ela uma tola manipulação para colocar Dilma Rousseff como “mentora” da indicação de Nestor Cerveró para a diretoria por razões suspeitas.

Três dias depois, o próprio Estadão, que fez a patranha, publica a parte do depoimento do ladrão  delator Fernando Baiano Soares onde este diz que Delcídio Amaral, ex-chefe de Cerveró quando era Diretor de Gás da Petrobras, no Governo FHC, quem indicou o colega de falcatruas.

A qual, aliás, não tinha à época nada de estranho: Cerveró era funcionário da Petrobras há 20 anos e não tinha contra si qualquer suspeita que se soubesse.

O conteúdo das gravações já deixava claro que Cerveró era homem de confiança de Delcídio e o favorecia em negócios, o que é a razão do senador procurar “razões humanitárias” para livrá-lo da prisão e mandá-lo para o exterior.

E que Cerveró – no desespero que toma conta destes sujeitos após saberem que, se não entregarem alguém acima deles, vão receber condenações  uma após a outra e, ao contrário, se entregarem que o MP e Sérgio Moro querem, logo estarão em casa, para gozar do que “sobrou” da fortuna surrupiada – armou uma ratoeira, provavelmente orientado pela PF e pelo próprio Ministério Público, para oferecer a cabeça do seu antigo padrinho pelo adorno de tornozelo com que ficará livre.

Não vale a pena mais traçar juízos morais da prática utilizada pela República do Paraná.

Mas deveria ser uma lição para os jornais usarem um pouco mais a cabeça, com menos ânsia de “acertar” Dilma, para não serem desmentidos.

Não pela Lei do Direito de Resposta.

Mas por suas próprias manchetes.
****
Fonte:http://tijolaco.com.br/blog/quando-os-fatos-desmontam-o-jornalismo-de-fabricar-escandalo/