terça-feira, 25 de agosto de 2015

E AGORA AÉCIO? YOUSSEF CONFIRMA QUE AÉCIO RECEBEU DINHEIRO DE FURNAS

25.08.2015
Do portal BRASIL247

****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/194325/Youssef-confirma-que-A%C3%A9cio-recebeu-dinheiro-de-Furnas.htm

PSDB e FHC enfiam impítim no saco

25.08.2015
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim

O Itaú e Bradesco mandaram os meninos trabalhar


Na Fel-lha:


OPOSIÇÃO ADIA ‘INDEFINIDAMENTE’ REUNIÃO SOBRE IMPEACHMENT DE DILMA


Sem consenso sobre o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, a oposição recuou e decidiu aguardar novos desenrolares no cenário político para alinhar um discurso. A reunião agendada para esta terça-feira (25) foi adiada indefinidamente à espera do “momento adequado”.

“Para respaldo ainda maior, é necessária a integração desses movimentos de rua que geraram novo e importante movimento, respaldado por juristas de renome, que podem dizer da substância jurídica desse pedido de impeachment. Envolve aspectos jurídicos e políticos. Temos que aguardar o momento adequado”, avaliou o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PB).

A ideia era reunir PSDB, DEM, PPS e SD para unificar o tom do discurso contra Dilma. Juristas também participariam para embasar os argumentos jurídicos pela saída da petista da Presidência.


(…)


No Valor, o PiG cheiroso:


FHC: SISTEMA POLÍTICO BRASILEIRO FRACASSOU E FOMOS TODOS RESPONSÁVEIS


O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso afirmou nesta terça-feira em palestra realizada para empresários do setor varejista que a crise política atual é resultado não apenas de decisões equivocadas tomadas pelo governo fedederal, mas pela própria dinâmica do sistema político brasileiro

O ex-presidente disse que a Constituição de 1988 foi criada em um momento em que tudo que se queria evitar era a volta da ditadura. O sistema político pluripartidário foi criado nessa época e pressupõe que o país é governado pelo partido que tem maioria dos votos ou por alianças partidárias. Progressivamente, na visão de FHC, esse sistema se esfacelou.

“Hoje os partidos estão mais preocupados em repartir verba e poder do que defender ideias. O sistema político brasileiro fracassou. E fomos todos responsáveis. Temos que mudar esse sistema, já que ele não teve condições de se regenerar”, afirmou FHC.

(…)

Navalha
Só sobra o Gilmar.
Por que será?
É preciso desvendar esse profundo mistério!
Vamos ligar para o Dr. Bermudes!
Paulo Henrique Amorim

Leia também:

GILMAR, UM DOS PATÉTICOS, INSISTE EM GOLPE

GILMAR E BERMUDES: 2 VEZES POR DIA

GILMAR, CUNHA E AECÍM. OS TRÊS PATÉTICOS

*****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/politica/2015/08/25/psdb-e-fhc-enfiam-impitim-no-saco/

Tendência estética polêmica: método de cirurgia plástica quebra as pernas de pacientes para que fiquem mais altas

25.08.2015
Do blog JORNAL CIÊNCIA
Por BRUNO RIZZATO
Operações de alongamento de membros são uma tendência crescente no campo da cirurgia estética.
O procedimento é geralmente visto como uma dádiva para as pessoas cuja baixa estatura afeta suas vidas, além de alimentar o bem-estar psicológico. As operações podem adicionar até sete centímetros à sua altura, mas, além de custarem muito caro, também envolvem quebrar as pernas do paciente.

A cirurgia dolorosa já foi reservada para pessoas com nanismo ou crianças com o comprimento desigual de membros. Mas agora parece que homens e mulheres com altura abaixo da média estão dispostos a enfrentar o tormento por razões puramente estéticas. O procedimento difícil e prolongado começa com uma fratura dos ossos da tíbia realizados pelo médico, que depois faz a inserção de uma haste telescópica neles.


Ao longo do tempo, como os ossos se regeneram, a haste puxa os ossos separados gradualmente – cerca de um milímetro por dia. Como o osso é esticado, novos ossos, nervos, artérias e pele crescem para preencher a lacuna. O processo é concluído em cerca de três meses, adicionando de dois a oito centímetros à altura total. Depois disso, o paciente precisa de vários meses de fisioterapia para se recuperar completamente.

Dr. Dror Paley, um cirurgião ortopédico da Flórida, realizou cerca de 650 cirurgias de alongamento das pernas até 2012. Ele disse que a maioria de seus pacientes teve nanismo ou deformidades graves, enquanto alguns tinham altura disforia e não encontraram psicoterapia útil. "Eles estavam insatisfeitos com a sua altura", explicou Paley. "É um daqueles poucos distúrbios psicológicos-psiquiátricos que você pode realmente pode curar com a faca”.


O morador de Nova Jersey, nos EUA, Akash Shukla, tinha 120 cm de altura e “cresceu” para 160 cm depois de submetido à cirurgia. "Havia um vazio dentro de mim, um vazio no meu coração”, descreveu o que sentia antes da cirurgia. "Há pessoas que dizem que temos que aceitar o que Deus nos deu, mas, de algum jeito, todos estão tentando alterar o que Deus deu-lhes. Se Deus deu a crianças dentes tortos, que não usem aparelhos”, opinou.

Tendo em vista que a cirurgia pode custar mais de US$ 85 mil dólares nos EUA, algumas pessoas estão optando por viajar para a Índia, onde o método é, aparentemente, mais acessível. O Dr. Amar Sarin, um cirurgião ortopédico de Nova Deli, é especialista em cirurgia de alongamento das pernas."Inicialmente, a maioria dos meus pacientes era dos EUA, da Europa e da China", disse ele. "Mas isso mudou ao longo dos últimos três anos. Indianos agora correspondem por duas em cada três cirurgias que faço".
O cirurgião disse que utiliza a técnica russa chamada llizarov – o osso é cortado ou rompido e alongado gradualmente com a ajuda de fios e anéis de metal. Ele já realizou mais de 3 mil procedimentos, desde 1996, 150 dos quais foram feitos por razões cosméticas.

Tão bem-sucedido quanto o tratamento tem sido, vários ortopedistas não recomendam que o procedimento seja realizado, a menos que seja absolutamente necessário. "Eu não o defendo por razões cosméticas, pois pode haver problemas como infecção e complicações neurovasculares por conta da inserção e o aparecimento de osteoporose no local da fratura", disse Manish Dhawan, também cirurgião ortopédico de Nova Deli.

De acordo com um estudo de 2006, divulgado no Jornal de Ortopedia Internacional, "complicações desse tratamento são frequentes". Elas incluem danos nos nervos, alongamento irregular, problemas no quadril e paralisia.

A dor excruciante também é um impedimento, e os médicos não prescrevem analgésicos anti-inflamatórios, pois eles podem inibir o crescimento ósseo. Algumas pessoas chegam a arrepender-se da cirurgia por conta da dor. Jack, um homem de 1,67, viajou para a China para ter uma altura de 1,75. “Foi a pior decisão que tomei na minha vida", afirmou.


O processo tem sido muito popular na China, recentemente. Kong Jim-Wen gastou mais de 8 mil dólares para alongar suas pernas em 2003, apesar de ser uma mulher saudável, sem distúrbios ou doenças. "Dói, mas vai valer a pena ser mais alta", disse ela, enquanto estava deitada na cama com uma dor considerável. "Eu vou ter mais oportunidades na vida e uma melhor chance de encontrar um bom emprego e um bom marido", opinou.

Seus pais, que financiaram a operação, concordaram com sua decisão. "É um investimento no futuro da nossa filha. Por ser baixa, ela tinha muita falta de confiança, mas isso deve mudar agora”, disseram.
Fonte: Hindustan Times / The Week / Digital Journal Foto: Reprodução / Pixabay
****
Fonte:http://www.jornalciencia.com/saude/beleza/5251-tendencia-estetica-polemica-metodo-de-cirurgia-plastica-quebra-as-pernas-de-pacientes-para-que-fiquem-mais-altas

Jornalista alemã detona discurso de ódio da extrema-direita

25.08.2015
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO, 20.08.15
Por Kiko Nogueira, DCM

Na TV, jornalista alemã Anja Reschke dá uma corajosa bordoada no discurso de ódio da extrema-direita

jornalista alemã direita Anja Reschke
Anja Reschke (reprodução)
A âncora Anja Reschke brilhou, como se falava antigamente numa firma onde meu amigo Sérgio Rabino trabalhou durante 45 anos.
Num comentário no telejornal no qual trabalha, ela usou alguns minutos para criticar de maneira veemente a guerra verbal contra os refugiados na Alemanha.
Sem levantar uma sobrancelha, sem erguer a voz — e me vem à mente o histrionismo ventríloquo de Marco Antonio Villa —, ela detona a xenofobia e a reação tímida a ela.
Para além da questão dramática da imigração, porém, Anja enquadra os covardes que disseminam o discurso de ódio, bem como o argumento falacioso de que tudo é permitido porque são apenas palavras.
Expressa sua preocupação com a maneira banal com que os xingamentos mais brutais são postados nas redes sociais. Segundo ela, esse tipo de pregação tem contribuído para o “aumento dos atos da extrema direita”, incluindo incêndios criminosos.
“Até recentemente, esses comentaristas estavam escondidos atrás de pseudônimos, mas agora essas coisas estão sendo feitas sob os nomes verdadeiros dos autores”, diz ela num vídeo que viralizou.
“Aparentemente, não é mais embaraçoso. Ao contrário, com expressões como “esses vermes imundos devem se afogar no mar” você obtém um animado consenso e um monte de curtidas”.
Para Anja, os “pequenos ninguéns racistas” se sentem felizes com toda a atenção.
Faz um apelo: “Se você não é da opinião de que todos os refugiados são aproveitadores que devem ser caçados, queimados ou mandados para câmaras de gás, então você deve se fazer ouvir, se opor, tomar uma atitude, abrir a boca, expor publicamente essas pessoas”.
No Brasil, é visto com naturalidade — graça, até — uma senhora segurando um cartaz lamentando que Dilma não tenha sido executada pelo Doi Codi, outro perguntando “por que não mataram todos em 1964?”, entrou outros absurdos.
Bandos de fascistoides prega golpes militares numa boa, ao lado de homens, mulheres e crianças de bem.
O que fazer?
Ouça o bom conselho de Anja, que ela lhe dá de graça: “Você deve se fazer ouvir, se opor, tomar uma atitude, abrir a boca”.
clique no link abaixo para assistir o vídeo: 
video
****
Fonte:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/08/jornalista-alema-detona-discurso-de-odio-da-extrema-direita.html

Judiciário garante volta de luxo aéreo para Ministério Público

24.08.2015
Do blog TIJOLAÇO, 23.08.15
Por MIGUEL DO ROSÁRIO

i157798

O Brasil é um país curioso.

Ao mesmo tempo em que todo mundo admite ser a educação a coisa mais importante do mundo, o Estado paga salários desprezíveis para seus professores.

Mas juízes e procuradores ganham os maiores salários, para funções similares, do mundo inteiro.

E ainda tem direito a lugar de luxo nos aviões.

Nem deputados, nem senadores, nem ministros, tem direito a regalias semelhantes.

Um juiz em início de carreira ganha várias vezes mais do que um professor universitário no auge de sua carreira, várias vezes mais que um ministro de Estado, várias vezes mais que o presidente da república.

E ainda são – juízes e procuradores – inimputáveis.

Podem cometer qualquer tipo de excesso ou abuso, como faz o doutor Moro, que tem inúmeros processos no CNJ por abuso de poder, e continuarem impunes – e ganhando quase R$ 80 mil ao mês.
***


Liminar restabelece voos na classe executiva para o Ministério Público

Por Frederico Vasconcelos
23/08/15 08:32


O Desembargador Federal Antônio de Souza Prudente, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, cassou liminar que anulava ato administrativo do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, garantindo passagem aérea na classe executiva aos membros do Ministério Público da União.
Antônio-Prudente-e-liminar-transporte-aéreo-620x229

A decisão definitiva caberá à Quinta Turma do tribunal. (*)

A medida foi tomada na última sexta-feira (21). Prudente entende que a possibilidade está prevista e disciplinada nos três Poderes da União, não havendo privilégio aos membros do MPU, mas o “exercício de prerrogativas inerentes aos cargos ocupados”.

Em julho, a pedido da Advocacia-Geral da União, a juíza Célia Regina Ody Bernardes, da 21ª Vara Federal de Brasília, concedeu liminar suspendendo norma que garante aos procuradores o uso de recursos do orçamento do Ministério Público para viagens na classe executiva em voos acima de oito horas.

A juíza entendeu que a Portaria 41/2014-PGR/MPU fere o princípio republicano da igualdade e extrapola a competência regulamentadora do PGR.

“Se o agente político/servidor público viajar a trabalho e quiser desfrutar da comodidade e do luxo disponíveis na classe executiva ou na primeira classe, pode, se assim o quiser, custear a mordomia, desde que o faça com seus próprios recursos – jamais com dinheiro público”, afirmou a magistrada.

A juíza Célia Regina é Secretária do Conselho Executivo da Associação Juízes para a Democracia (AJD).

A seguir, trecho da decisão de Prudente, que suspende os efeitos do ato da juíza até o pronunciamento definitivo da Quinta Turma do TRF-1:

(…) A possibilidade do uso de passagens aéreas, em voos internacionais, na primeira classe e na classe executiva, encontra-se devidamente prevista e disciplinada no âmbito dos três Poderes da União, conforme se vê dos atos arrolados na inicial, a descaracterizar, na espécie, o suposto privilégio dos membros do Ministério Público da União, mas sim, o exercício de prerrogativas inerentes aos cargos ocupados pelas respectivas autoridades, em homenagem ao princípio constitucional da isonomia de direitos e de paridade de prerrogativas entre agentes do Ministério Público e da Magistratura Nacional, que já dispensa igual tratamento aos magistrados de todas as instâncias do Poder Judiciário Republicano, no Brasil”.
***
Fonte:http://tijolaco.com.br/blog/?p=29193

Ricardo Melo: a trupe do impeachment teima em não sair de cena

24.08.2015
Do blog TIJOLAÇO
Por FERNANDO BRITO

stooges
Ricardo Melo, hoje, na Folha, exerce com crueldade a arte jornalística de ir ao essencial.
Aécio Neves, Gilmar Mendes e Eduardo Cunha teimam em, pateticamente, continuar suas falas catastróficas do impeachment da pantomima “É agosto, e agora a casa cai” com que pretendia o fim do governo eleito e o abocanhamento do poder total.

Não perceberam – ou melhor, não se conformam – que uma composição com os que Melo chama, com propriedade, de os “verdadeiros comandantes da nossa democracia” representou o desembarque – sempre parcial, porque ao sabor da maré da economia –  da aventura golpista.

Menos, convenhamos, por convicções democráticas que pelo panorama devastador de mediocridade das forças que surgiam como alternativa ao governo eleito.

Não apenas os três indigitados, mas a vasta fauna humana em que surfavam, composta de fundamentalistas religiosos, vivandeiras de quartel, neonazistas, desajustados de todos os matizes, que sempre existiram mas, agora, estão em estado de excitação e, certamente, teriam os dentes à mostra diante do botim que um governo caído representaria.

Ou do risco de que o “moralismo seletivo” que hoje se pratica ganhasse força e desbordasse para as imoralidades “intocáveis” que são a base de seu poder no país.

Lembremos que, nem em 1964, confiaram em Lacerda o suficiente para deixarem-no ir ao poder.

Os três patéticos

Ricardo Melo, na Folha

Aécio Neves, Gilmar Mendes e Eduardo Cunha atuam como protagonistas de uma causa falida. Mesmo assim, não perdem uma oportunidade de expor em público sua estreiteza de horizontes. São golpistas declarados. Não importa a lógica, a política, a dialética ou mesmo o senso comum. Suas biografias, já não propriamente admiráveis, dissolvem-se a jato a cada movimento realizado para derrubar um governo eleito.

Presidente do PSDB, o senador mineiro-carioca pouco se incomoda com o ridículo de suas atitudes. Aécio sempre defendeu um programa de arrocho contra os pobres. Gabou-se da coragem de adotar medidas impopulares para “consertar o Brasil”.

Agora sobe em trios elétricos como porta-voz do povo. Critica medidas de ajuste, jura pensar no Brasil e usa qualquer artimanha com uma única finalidade: isolar a presidente. 

Convoca sabujos para atacar um jornalista que revelou o escândalo do aeroporto construído para atender a ele e à própria família. Maiores informações na página A3 desta Folha publicada ontem (23/08).

Seu ajudante de ordens, ou vice-versa, é o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes. Sintoma da fragilidade do equilíbrio de poderes vigente no Brasil, Mendes emite toda sorte de opiniões fora de autos. Muda de ideia conforme as conveniências. De tão tendencioso e parcial, seu comportamento público seria suficiente para impugná-lo como síndico de prédio. Na democracia à brasileira, pontifica como jurista na mais alta corte do país. Quem quiser que leve a sério.

Mendes endossou as contas da campanha da presidente eleita alguns meses atrás. Coisas do passado. Esqueçam o que ele votou. De repente, detectou problemas insanáveis na mesma contabilidade e ruge ameaçadoramente contra o que ele mesmo aprovou. No meio tempo, acusa o Planalto de comandar um sindicato de ladrões financiado por empreiteiras envolvidas na roubalheira da Petrobras.

Bem, mas as mesmas empresas financiaram a campanha dos outros partidos. O que fazer? Vale lembrar: Mendes até hoje trava o julgamento favorável à proibição do financiamento empresarial de campanhas políticas. Seu pedido de vistas escancara um escândalo jurídico, legal e moral que o STF finge não existir. Ora, isso não vem ao caso, socorreria o juiz paladino Sergio Moro.

E aí aparece Eduardo Cunha, o peemedebista dirigente da Câmara. Terceiro na linha de sucessão presidencial, Cunha encenava comandar um exército invencível. Primeiro humilhou o Planalto na eleição para o comando da Casa. Depois, passou a manobrar o regimento para aprovar o que interessa a aliados nem sempre expostos. Tentou ainda se credenciar como alternativa golpista. Curto circuito total. Pego numa mentira de pelo menos 5 milhões de dólares, a acreditar no procurador geral, Cunha atualmente circula como um zumbi rogando piedade de parlamentares muito mais interessados em salvar a própria pele.

Cambaleante, o trio parece ter recebido a pá de cal com os pronunciamentos dos verdadeiros comandantes da nossa democracia. O mais recente veio do chefe do maior banco privado do país, Roberto Setubal. Presidente do Itaú Unibanco, Setubal afirmou com todas as letras não haver motivos para tirar Dilma do cargo. Tipo ruim com ela, pior sem ela -que o digam os lucros pornográficos auferidos pela turma financeira.

Sem a banca por trás, abandonada pelo pessoal do dinheiro grosso e encrencada em acusações lançadas contra os adversários, à troupe do impeachment não resta muito mais que baixar o pano.
***
Fonte:http://tijolaco.com.br/blog/?p=29202