quinta-feira, 25 de junho de 2015

Deus Como a Primeira Causa - William Lane Craig e Robert Lawrence Kuhn

26.06.2015
Do blog DEUS EM DEBATE,01.05.2011 




*****
Fonte;http://deusemdebate.blogspot.com.br/2011/05/deus-como-primeira-causa-william-lane.html

Câmara aprova plano de Educação

26.06.2015
Do portal da CÂMARA MUNICIPAL DO RECIFE, 24.06.15

Suspensa por duas vezes em virtude de tumulto criado pelas galerias do Plenário, a votação do Plano Municipal de Educação na Câmara do Recife ontem, foi transferida para o Plenarinho, sem a presença dos manifestantes contrários ao projeto enviado pelo Executivo. Antes mesmo da votação do projeto, os parlamentares discutiram um substitutivo apresentado pelo vereador André Régis (PSDB), que foi rejeitado pela maioria dos presentes. Em duas votações - por 28 votos “sim” e 5 “não” e durante reunião extraordinária, 29 a 6 - o Plano de Educação foi aprovado. A medida recebeu emenda retirando a ideologia de gênero do texto original, considerado ponto polêmico pela maioria.
Câmara aprova plano de Educação
Mesmo suprimindo a parte que fala da ideologia de gênero, antes da votação do projeto os vereadores discutiram exaustivamente a supressão desse conteúdo.  Michele Collins (PP) defendeu a retirada do ensino de gênero nas escolas municipais. Ela explicou que a emenda coletiva de um grupo de vereadores propondo a retirada da ideologia de gênero das escolas se baseou no fato de que a Câmara dos Deputados rejeitou  no Plano Nacional de Educação, assim como o Estado também rejeitou. Para ela não teria sentido que o município contemple esse conteúdo. "O que a ideologia de gênero propõe é que as crianças aprendam nas escolas que elas não são homens, nem mulheres, são seres humanos que podem decidir depois o que querem ser".
O  vereador Luiz Eustáquio (PT) falou sobre a emenda apresentada por ele e aprovada no Plano Municipal de Educação  que inclui nas escolas o debate sobre drogas. "Os professores serão orientados para enfrentar o problema das drogas que está destruindo nossa cidade".  Ele defendeu também a retirada da ideologia de gênero do texto original."Permitir a aprovação dessa questão é ruim para as crianças e à sociedade. Não é apenas uma questão do evangélico, várias pessoas entraram em contato para questionar. Trata-se de uma questão mais ampla".
Aimée Carvalho (PSB)  citou a Constituição Federal afirmando que "a liberdade de consciência é inviolável" e ainda , que "não é competência do Estado discutir sobre a ideologia de gênero". Para a vereadora "há um clamor popular contra essa ideologia, recebemos e-mails, telefonemas, mensagens nas redes sociais e representantes de diversas classes que pedem nosso repúdio a tal tema".
Alfredo Santana (PRB)  compartilhou da opinião, ressaltando que a ideologia de gênero deve ser discutida pela família e não pela escola. "Este é um assunto que  sempre existiu  em outras épocas e cabe à família. Se mais tarde a pessoa, por si mesma, escolher um caminho a seguir , seja por um lado ou por outro, a responsabilidade é sua e não da escola".
Antonio Luiz Neto foi além, questionando "como ficaria a cabeça das crianças  ao ouvir do professor como deveria ser a sua maneira de vir e ouvir, mesmo sendo diferente do que pensam seus pais". Ficou a cargo do vereador Carlos Gueiros (PTB) explicar que a emenda aprovada, condena todas as formas de discriminação. "A redação atende a todas as preocupações de promover a superação das desigualdades educacionais e erradicação de todas as formas de discriminação. Nós estamos atendendo aos pedidos da sociedade civil".
Além de Luiz Eustáquio, Carlos Gueiros, Michele Collins, Aimée Carvalho e Antonio Luiz Neto, também subscreveram a emenda os vereadores Aerto Luna (PRP), Eurico Freire (PV), Jadeval de Lima ( PTN), Gilberto Alves (PTN), Marcos Di Bria ( PTdoB) e Romerinho Jatobá (PR).

Mas Isabella de Roldão (PDT) defendeu o ensino da ideologia de gênero, embora ela ache que tenha havido uma sombra sobre a discussão deturpando o debate. “Sendo retirado, o público LGBT das escolas ficará desprotegido e continuará sendo morto”. Henrique Leite (PT) também defendeu a inclusão do debate nas escolas por entender que o professor é formador de caráter. Compartilham o mesmo pensamento os vereadores Jurandir Liberal (PT), Osmar Ricardo (PT) e Jairo Britto (PT).

André Régis defendeu o substitutivo dele alegando que o plano enviado pela Prefeitura não continha objetivos e metas a cumprir. Ele disse que quem ler o projeto não saberá como será a educação do Recife daqui a 10 anos. “Não houve discussão sobre o assunto, não há diagnóstico da infraestrutura da rede. Proponho que a iniciativa privada seja chamada a colaborar construindo as escolas e cuidando da administração, ficando a cargo da rede o conteúdo pedagógico”.

Isabella de Roldão lamentou que não houve tempo para conhecer melhor o substitutivo do colega. Ela reclamou ainda do plano enviado, por não ter sido debatido. Jurandir Liberal lembrou que houve diversas contribuições, incluindo as do  Comude, além do substitutivo de André Régis, mas que a discussão ficou prejudicada porque essas contribuições não estavam disponíveis. Jairo Britto lamentou a falta de planejamento da PCR. Para ele seria necessário adiar a votação para avaliar direito todas as propostas. 

Já Osmar Ricardo afirmou que o Plano  não passa de uma junção de letras. Considerou o substitutivo melhor elaborado, mas ponderou que não haveria perdas se a votação fosse adiada. Antônio Luiz Neto (PTB) alertou que a discussão era entre o real, o legal e o ideal. Para ele o plano não é bom. Segundo o vereador, a maioria dos colegas concordava que o plano não era bom. “Seria preciso mais tempo para elaborar plano de tamanha envergadura. A rede é competente e capaz de se autogerir. Já foi modelo de educação para todo o país”. 

Ao enviar o projeto de lei para a Câmara do Recife, o prefeito Geraldo Júlio justificou que ele “trata das metas e estratégias da política municipal de educação para o próximo decênio, elaborado com a participação da comunidade educacional e sociedade civil”.
*****
Fonte:http://www.recife.pe.leg.br/noticias/camara-aprova-plano-de-educacao/

Seja sincero: Você ainda acredita que o tucano Moro é um juiz imparcial e honesto?

26.06.2015
Do Twitter de Emanoel Messias, 24.06.15

Seja sincero: Você ainda acredita que o tucano Moro é um juiz imparcial e honesto? Eu não acredito.

Link permanente da imagem incorporada
****
Fonte:https://twitter.com/Emanoel1953/status/613899781933518848/photo/1

Moto que anda até com água do Tietê faz 500 km por litro

26.06.2015
Do portal UOL NOTÍCIAS, 25.06.15
Por Eduardo Schiavoni,do UOL, em Ribeirão Preto (SP)













Andar até 500 quilômetros sem uma gota de gasolina. E, ao reabastecer, conseguir encher o tanque de graça, em qualquer torneira. Não, não se trata do sonho de um motoboy. Esse é o resultado de um sistema, desenvolvido pelo funcionário público Ricardo Azevedo, 56, capaz de fazer com que motocicletas utilizem o hidrogênio obtido através da água como COMBUSTÍVEL.

Diversos leitores escreveram para o UOL duvidando que o experimento seja verdadeiro. Tentamos solucionar algumas das dúvidas neste link

Nomeado Moto Power H²O, o sistema utiliza os princípios da propulsão por hidrogênio, já conhecido da indústria automobilística. A inovação foi fazer o sistema ser acoplado a uma motocicleta. "Essa tecnologia pode ser adaptada em caminhões, ônibus, carros, enfim, qualquer veículo. E é muito eficiente", ressalta ele. 

Azevedo, que já foi mecânico e preparador de motos de corrida, desenvolveu seu produto na garagem de casa, em Itu (SP), onde mora, em momentos de folga, especialmente nas madrugadas. Ele explica que o sistema é composto por um reservatório de água, colocado na parte traseira da moto. Esse reservatório é ligado, por um cano, a um recipiente que fica ao lado da roda traseira onde Azevedo acoplou uma série de placas metálicas negativas e positivas, com canais de diferentes diâmetros e ranhuras intercalados.

As placas são alimentadas por uma bateria de carro, acoplada próximo à roda traseira. Com a eletricidade, ocorre a separação do hidrogênio da molécula de água. Através de um outro cano, o hidrogênio, altamente explosivo, é enviado a um outro recipiente, acoplado por Azevedo próximo ao reservatório, que envia o combustível para o carburador da moto, onde ocorre a combustão.

"Eu utilizei um craqueador, que separa as partículas de hidrogênio e de oxigênio da água. O hidrogênio vai para o carburador e, de lá, é utilizado pelo motor comoCOMBUSTÍVEL. Já o oxigênio é liberado para a atmosfera", disse ele, ressaltando que o hidrogênio tem um poder de combustão quase três vezes superior ao da GASOLINA.

O inventor explica ainda que, embora o hidrogênio seja um gás com alto poder de combustão, o fato de a produção de hidrogênio ser utilizada imediatamente pela moto, sem o armazenamento, diminui a chance de explosão.

De acordo com o professor de Química Ernesto Gonzalez, professor da USP (Universidade de São Paulo) em São Carlos e cientista que está na lista dos mais citados do mundo em sua área, o sistema desenvolvido pelo inventor de Itu se baseia no processo de eletrólise. "Com a bateria de carro, ele consegue efetivamente separar, pela eletricidade, o hidrogênio da água. A quantidade gerada pode realmente fazer um veículo como uma moto se movimentar. É um sistema relativamente simples", informa.

Gonzalez ressaltou ainda que o processo de utilização do hidrogênio no sistema desenvolvido por Azevedo é similar ao que ocorria com carros convertidos para funcionar, irregularmente, com gás de cozinha nos anos 1980 e 1990. "O modelo de combustão desses combustíveis é bem similar. A diferença, nesse caso, é que o sistema consegue extrair o combustível, que é o hidrogênio, da água. Mas a forma de o motor trabalhar é praticamente a mesma", disse.

Diferenciais

Entre os diferenciais do sistema está a não emissão de poluentes, já que apenas o vapor d'água é eliminado pelo escapamento. Além disso, a economia em relação à gasolina é outro diferencial, já que Azevedo relata que é possível fazer até 500 quilômetros com um único litro de água. As motos convencionais raramente fazem mais de 50 quilômetros por litro.

Segundo Azevedo, ele gastou, até o momento, R$ 6 mil no projeto, que começou a ser desenvolvido há seis meses. Ele informou ainda que, para uma possível utilização industrial, o projeto ainda precisa de adaptações, mas que considera que "70% do produto está desenvolvido". "Mas usei muita coisa que quebrou, materiais que, se fosse fabricar hoje, não seriam usados. O custo para fazer um sistema desses, hoje, seria bem menor", disse.

Azevedo conta ainda que esperou um estágio adequado de evolução de suas pesquisas para divulgar os resultados que conseguiu. "Eu testei na minha moto, uma NX 200 cilindradas, e ando com ela sem problemas. Trabalho em São Paulo, e viajei todos os dias com essa moto, movida a água, durante o desenvolvimento do produto", conta.

Desenvolvimento

O sistema foi desenvolvido em parceria com o filho dele, Gabriel, que é químico. "Eu cuidei da parte de mecânica e meu filho acrescentou conhecimentos de química que eu não tinha. Fizemos tudo com um grande embasamento científico", disse.

Azevedo informa ainda que não precisou modificar o motor da motocicleta, que pode funcionar, também, comGASOLINA. "Pode rodar só com a água ou um híbrido, que aceita os dois combustíveis. A estrutura do motor é a mesma, não altera, só muda o combustível", disse.

Recarga da bateria

Já sobre a recarga e os custos eventuais de energia elétrica, Gabriel Azevedo informa que, embora recargas adicionais possam ser necessárias, o sistema desenvolvido por ele trabalha com recuperação de energia de outros sistemas da moto, como os freios. "É um sistema parecido com o KERS utilizado na Fórmula 1. Armazenamos essa energia, que abastece a bateria. Mas não posso revelar mais do que isso sem expor os segredos do sistema que criamos", disse.

Questionado sobre a autonomia do sistema, Azevedo informou que ainda não terminou de fazer as quantificações, mas que, em pequenos deslocamentos urbanos, o sistema é capaz de manter a bateria por até uma semana sem a necessidade de recarga externa.


Qualquer água

Embora tenha ressaltado que a utilização de água destilada dá maior eficiência ao sistema, Azevedo informa que qualquer fonte de água pode ser utilizada. Ele afirma que já chegou a abastecer a moto com água do rio Tietê, que corta a cidade.

"Toda água, por mais poluída que seja, é composta por duas moléculas de hidrogênio e uma de oxigênio. Então, a moto pode ser abastecida em qualquer torneira", disse.

Azevedo informou ainda que está à procura deINVESTIDORES que possam se interessar em participar do projeto. "Eu faço isso de acordo com minhas possibilidades, e sou funcionário público. Claro que um parceiro poderia acelerar muito o desenvolvimento", disse.
*****
Fonte:http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2015/06/25/moto-que-anda-ate-com-agua-do-tiete-faz-500-km-por-litro.htm