segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

SOBRE FRENTE AMPLA CONTRA O GOLPE

13.12.2015
Do portal OPERA MUNDI, 10.12.15
ficadilma
Se a esquerda quiser um movimento amplo, massivo e unitário, a lógica da campanha contra o impeachment não pode ser a defesa do governo Dilma Rousseff, mas da legalidade democrática.
Neste barco tem que caber o oficialismo, mas também quem acha a atual gestão indefensável e pressiona por mudanças.
Não é um movimento “Dilma fica”, palavra de ordem estreita para a gravidade do momento, mas contra o golpe.
As forças progressistas serão vitoriosas se for recriado o clima do segundo turno de 2014. Para tanto, é preciso haver espaço para os que apoiaram a presidente naquele momento, mas se sentiram traídos pela política econômica e a composição do governo no segundo mandato.
A revalidação da aliança popular e democrática exige generosidade, tolerância, combatividade e muito espírito autocrítico.
Para impedir o golpe e reconstruir condições políticas para a disputa contra o conservadorismo, o petismo e o governo precisam estar abertos a mudanças profundas de sua orientação, especialmente da política econômica.
A batalha em curso precisa servir para reaglutinar a base social dividida e frustrada por conta dos rumos pós-eleitorais.
Não ao golpe, fora Cunha, muda Dilma: talvez seja esse tripé que melhor expresse o sentimento de quem faz a diferença na hora do bom combate.
*****
Fonte:http://operamundi.uol.com.br/brenoaltman/2015/12/10/sobre-frente-ampla-contra-o-golpe/
Postar um comentário