terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Justin Trudeau: o 'Mujica canadense'?

29.12.2015
Do portal BBC BRASIL, 27.12.15
Por João Fellet - @joaofellet Da BBC Brasil em Washington

Trudeau foi eleito em 2015 e acabou com uma década de domínio conservador no Canadá

O novo primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, teve uma infância confortável, viajou por mais de cem países e acaba de se tornar o segundo político mais jovem a assumir o governo de seu país.
Já o ex-presidente uruguaio José "Pepe" Mujica lutou num grupo guerrilheiro, passou 13 anos na cadeia e ficou conhecido como "o presidente mais pobre do mundo".
Essas duas trajetórias parecem ter pouco em comum. Mas as propostas do jovem político canadense - que incluem legalizar a maconha e refundar as relações com os povos indígenas - têm despertado reações similares às suscitadas pelo veterano uruguaio.
Filho do ex-primeiro ministro canadense Pierre Trudeau (1919-2000), Justin Trudeau, de 44 anos, levou o Partido Liberal ao poder após uma década de domínio conservador.
Poucas semanas depois de assumir o cargo, em novembro, ele despertou a atenção internacional ao receber pessoalmente refugiados sírios num momento em que vários países restringem a entrada de estrangeiros.
A BBC Brasil listou cinco das principais plataformas de governo de Trudeau que têm lhe atraído a simpatia de progressistas - e a reprovação de conservadores - mundo afora.

Representatividade

Cumprindo uma promessa de campanha, Trudeau nomeou mulheres para chefiar a metade de seus ministérios. "Eu sou feminista. Tenho orgulho de ser feminista", ele disse numa entrevista, em outubro.

Primeiro ministro formou sua equipe colocando mulheres para chefiar metade dos ministérios

Entre os escolhidos, há ainda dois indígenas, uma deficiente visual, um gay e quatro ministros de origem indiana. Ao escolhê-los, Trudeau disse ter levado em conta a diversidade do Canadá.

Relação com povos indígenas

Trudeau diz que uma de suas prioridades são os povos indígenas, também conhecidos no Canadá como as Primeiras Nações e que compõem 4,3% da população do país. Para o premiê, grupos indígenas e o governo devem negociar "de nação para nação".

Trudeau quer promover uma "renovação total" das relações do governo com os povos indígenas

Ele lançou uma série de audiências públicas para investigar as mortes e sumiços de cerca de 1.200 mulheres e crianças indígenas e anunciou 2,6 bilhões de dólares canadenses (R$ 7,4 bilhões) para a educação de indígenas nos próximos quatro anos.
Para Trudeau, conciliar-se com as Primeiras Nações é essencial para que o Canadá assuma sua vocação de "Estado pós-nacional", formado por múltiplos povos e sem uma identidade étnico-cultural predominante.

Legalização da maconha

Trudeau defendeu a legalização da maconha em sua campanha e já admitiu ter consumido a erva algumas vezes, inclusive após se tornar parlamentar, em 2008.
O premiê diz que, desde 2006, 465 mil pessoas tiveram suas vidas "arruinadas" no Canadá por serem condenadas pela posse da droga, que para ele é menos nociva que o cigarro ou o álcool.
No fim de novembro, ele pediu ao ministro da Justiça que se coordenasse com os ministérios da Saúde e Segurança Pública para lançar um processo para a legalização e regulamentação da substância.

Mais impostos para os ricos

Trudeau aumentou em quatro pontos percentuais o imposto sobre a renda dos mais ricos.
Canadenses com renda anual superior a 200 mil dólares canadenses (R$ 572 mil), que são 1% da população, passarão a pagar uma alíquota de 33%. Já o imposto de renda sobre canadenses com renda média (salários anuais entre R$ 129 mil e R$ 259 mil) baixou de 22% para 20,5%.

Trudeau ganhou a simpatia dos canadenses com medidas mais liberais

O ministro das Finanças, Bill Marneau, disse que a mudança busca tornar o sistema tributário "mais justo para quem mais precisa - aqueles na classe média".

Abertura a refugiados

Trudeau se comprometeu a receber 25 mil refugiados sírios no Canadá até fevereiro.
O número é 2,5 vezes maior que o total de refugiados sírios que o governo dos Estados Unidos se disse disposto a aceitar e mais de dez vezes o que o Brasil recebeu entre 2011 e agosto de 2015.
Trudeau recebeu pessoalmente um grupo de 163 sírios e pediu, em sua mensagem de Natal, que os canadenses dessem as boas vindas ao grupo em conformidade com os "nossos valores de compaixão, gentileza e generosidade".
*****
Fonte:http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/12/151226_mujica_canadense_jf_rm
Postar um comentário