segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

'Dói ver o panorama político do Mercosul', diz Evo Morales após vitória de Macri na Argentina

28.12.2015
Do portal OPERA MUNDI, 27.12.15
Por  Mercedes López San Miguel 
Página/12 | Buenos Aires 

Presidente da Bolívia afirma que ele e Nicolás Maduro estão sozinhos no bloco como líderes anti-imperialistas. Além disso, Evo diz ter “o desejo de criar confiança” com Mauricio Macri através do diálogo

Evo Morales esteve na despedida de Cristina Fernández de Kirchner no dia 9 de dezembro: junto à presidente que deixava o cargo, revelaram um busto de Néstor Kirchner na Casa Rosada, idêntico ao do ex-presidente, segundo diz com um sorriso o líder da Bolívia. Morales ressalta a confiança única que teve com ambos os políticos.
Mais tarde, o presidente do país vizinho fez o que tanto gosta: junto à sua equipe de governo, jogou futebol com bolivianos residentes na Argentina. Mauricio Macri também compareceu ao estádio do Boca Juniors e participou do jogo. Em política, os gestos falam por si próprios.
Divulgação/Prensa Palacio Bolivia

Evo: "Eu e Maduro nos sentimos sozinhos como líderes anti-imperialistas"


No dia 10 de dezembro, pela manhã, antes de chegar à cerimônia da posse de Macri, Morales concedeu uma entrevista ao Página/12 em uma sala de um hotel de Buenos Aires. Com um tratamento afável e tranquilo, o presidente diz que o seu desejo é criar confiança com o novo inquilino da Casa Rosada porque os povos argentino e boliviano precisam um do outro mutuamente.
Olhando em perspectiva ao Mercosul, Morales faz uma reclamação. “Eu e Maduro nos sentimos sozinhos como líderes anti-imperialistas... dói ver o panorama político regional.”
Página/12: Qual a avaliação que o senhor faz da chegada ao poder de Mauricio Macri na Argentina, após 12 anos de governos de esquerda?

Evo Morales: Na Unasul, nós temos uma cláusula em temas democráticos, por isso respeitamos o presidente que ganha as eleições e começamos a trabalhar em conjunto. Pode haver diferenças ideológicas ou programáticas, porém cada país tem a sua particularidade. Com Néstor e Cristina, criamos uma confiança única para trabalhar nos dois países, e, quando acontecia qualquer coisa, nós nos falávamos por telefone. Lembro-me que antes de Néstor não havia estabilidade econômica nem política, apenas se ouvia falar de mudança de presidentes e povo mobilizado. No entanto essa gestão deu estabilidade econômica, política e social. Tenho muitas lembranças de Néstor, de momentos difíceis que vivemos na Bolívia, por exemplo, com o processo constituinte. Com Cristina houve muita confiança, colaboração, investimento, coincidências em eventos internacionais, cúpulas e por isso vim acompanhá-la em sua despedida da presidência... dói, não é mesmo? Foi um ato importante. Com o novo presidente, tenho o desejo de criar confiança; a mesma será gestada com sinceridade e diálogo, pensando sempre em nossos povos. Nunca tive amizade com ele, e queremos construir uma amizade, porque nossos povos têm necessidades mútuas. Algo que podemos levar para a Argentina. A Bolívia depois de muito tempo se levantou. Estamos muito melhor do que antes, e não apenas podemos colaborar como países, mas também compartilhar experiências de trabalho.

Página/12: O senhor se preocupa que haja sinais de mudança na região, por exemplo, a derrota eleitoral de Maduro no congresso e o pedido de impeachment contra Dilma?

EM: Me preocupa e devemos nos ocupar para nos libertarmos da guerra econômica. A crise do sistema capitalista tem efeitos no mundo todo e devemos enfrentá-la em conjunto. A Bolívia enfrentou diversas guerras econômicas. Quando cheguei ao governo, permanentemente alguns meios de comunicação, que eu chamo de meios de conspiração, diziam na base de mentiras: ‘curralito’ [confisco de poupanças] ou corrida bancária. Também diziam que Evo iria apresentar seu plano de desenvolvimento com a poupança da população, e que seu dinheiro seria confiscado. Eu participei de reuniões com banqueiros e lhes explicava que eles poderiam causar uma convulsão social com mentiras. E que os empresários iriam perder, e a Bolívia iria perder afinal de contas.

Em 2008, alguns empresários de médio porte compravam arroz a preço baixo de pequenos produtores e faziam seus estoques com finalidades políticas. Estes senhores fizeram com que faltasse arroz. Em seguida fizeram a mesma coisa com a carne, o açúcar, a farinha. Antes, os Estados Unidos davam de presente farinha para a Bolívia, e depois eles quiseram vendê-la. Isso é uma agressão econômica. Os fundos abutres são uma agressão econômica do império. Uma vez, eu disse a Maduro que ele mantém dois países, a Venezuela e a Colômbia. O combustível é tão barato e sai de contrabando. Está bem, o subsídio é bom, mas com algum limite.

Com pedido de união e crítica aos Kirchner, Macri toma posse como presidente da Argentina

Protesto contra Macri e em defesa da Lei de Meios reúne 15 mil pessoas em Buenos Aires

'Enquanto o rico fala, o pobre compartilha': moradores se mobilizam para ajudar refugiados na rota dos Bálcãs


Página/12: O governo venezuelano fechou os postos das fronteiras. Porém o problema parece ser o cansaço da população ao fazer filas nos supermercados para conseguir produtos básicos, e a economia que não decola…

EM: Houve um 40% de votos duramente anti-imperialistas na Venezuela, apesar das filas, da falta de alimentos, da inflação. [Nota da redação: o chavismo obteve 40,8%, e a MUD, de oposição, 56,2% dos votos]. Agora os empresários estão reivindicando com os parlamentares mudar as leis trabalhistas para tirar os benefícios sociais. E aqui começa a luta dos trabalhadores. Porém, felizmente, nossos povos são anti-imperialistas.

EFE

Evo e Mauricio Macri, presidente da Argentina, jogaram futebol na véspera da posse deste

Página/12: Como o senhor vê o Mercosul com estas mudanças em andamento?

EM: Nos sentimos sozinhos com Maduro, me dói muito ver este panorama político regional. Porém eu sei que os trabalhadores, não apenas da Bolívia, mas também da América Latina, vão acompanhar. Tampouco estamos assustados. Olhe o exemplo de Cuba, que esteve décadas sozinha na América Latina. Se as guerras econômicas não dão resultado para o império, ele usa política de ameaças, porém, com sorte, já não há mais golpes de Estado. Há um confronto ideológico.

Página/12: O senhor mencionou Maduro, porém também há Correa. O Equador faz parte do Unasul.

EM: Apesar das diferenças ideológicas que há entre os presidentes do Unasur, primeiro devemos debater a economia regional. Compartilhar o que temos como países, porque não podemos depender totalmente da economia norte-americana ou do mercado europeu ou do asiático. Lembre-se de 2008, quando os Estados Unidos tinham sérios problemas financeiros. Então devemos ampliar nosso mercado regional.

Página/12: No caso do Brasil, a crise econômica se soma à crise política. Ou é o contrário?

EM: É um golpe parlamentar em etapas. Já houve um golpe no Congresso do Paraguai, e agora ele está acontecendo no Brasil. Respeitamos, são constituições diferentes, às vezes importadas; porém são grupos oligárquicos os que detêm o poder político.

Página/12: Alguns aliados de Dilma Rousseff parecem pouco confiáveis.

EM: Talvez em alguns países, para ganhar  as eleições, incorpora-se a chamada centro-direita ou a centro-esquerda. Para mim, ou se é anti-imperialista ou se é imperialista. Quando, para ganhar, incorporamos alguns centros, estes não têm definição ideológica nem disciplina orgânica.

Página/12: Qual é a contribuição dos meios de comunicação no confronto mencionado?

EM: Na Bolívia, eu não tenho oposição. Apenas dos meios de comunicação. A direita boliviana não tem nada para festejar no meu país, e vem festejar na Argentina, ou vai para a Venezuela.

Divulgação/Ministério de Cultura da Argentina

Evo, sobre Cristina: "Houve muita confiança, colaboração, investimento e por isso vim acompanhá-la em sua despedida da presidência... dói, não é mesmo?"

Página/12: Porém, surgiram novas lideranças, como, por exemplo, Soledad Chapetón, que tirou a prefeitura do Movimento ao Socialismo [partido de Evo] em El Alto.

EM: Entendo isso, nós também cometemos erros. Nosso candidato era ruim.

Página/12: Segundo uma pesquisa revelada há uma semana, 53% da população é contra alterar a Constituição para permitir uma nova reeleição presidencial. Qual será a resposta de seu governo se o referendo de fevereiro der errado?

EM: Nunca acreditei em pesquisas. Em 2005, quando ganhei as eleições presidenciais, todas as pesquisas diziam que eu iria ganhar com 32%. E ganhei com 54%. Em 2009, disseram que eu iria ganhar com 48%. E foi com 62%. Há uma contradição nas pesquisas de hoje: cerca de 68% apoia minha gestão, porém cerca de 53% recusa a reforma constitucional. Estamos seguros de que vamos vencer, porque queremos um período a mais para continuar com a agenda patriótica, garantindo os investimentos. O melhor é consultar a população: se o povo me quer, continuo. Se não quer, respeitamos. Isso é o mais democrático.


(*) Publicado em Página/12
Tradução: Mari-Jô Zilveti

*****
Fonte:http://operamundi.uol.com.br/conteudo/samuel/42713/doi+ver+o+panorama+politico+do+mercosul+diz+evo+morales+apos+vitoria+de+macri+na+argentina.shtml
Postar um comentário