segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Sergio Moro e a naturalização do fascismo

16.11.2015
Do BLOG DO MIRO, 15.11.15


Por Miguel do Rosário, no blog O Cafezinho:


Estava pensando com meus botões.

O fascismo é uma praga que se infiltra subrepticiamente na sociedade.

A gente vai se acostumando ao arbítrio.

No julgamento do mensalão, denunciado por muita gente de bem (não só por blogueiros sujos, quero dizer) como um julgamento de exceção, acusou-se pesadamente, de variados crimes, o ex-presidente nacional do PT, José Genoíno, o tesoureiro do partido, Delúbio Soares e um de seus nomes mais proeminentes, o ex-ministro e ex-deputado José Dirceu.

Mas não seu prendeu preventivamente ninguém. Deu-se a todos a chance de se defenderem, embora tenhamos visto que foi tudo uma farsa. A condenação midiática se sobrepôs a tudo.

Com Sergio Moro, o fascismo judicial-midiático subiu a outro patamar.

Sob forte proteção midiática, Moro saiu prendendo todo mundo preventivamente, bem antes de condenar. Na maioria dos casos, antes mesmo de possuir qualquer prova.

Mais tarde, foi atrás de provas, qualquer coisa, e tudo que foi encontrado foi vazado de maneira sensacionalista e confusa à imprensa, como maneira de justificar o arbítrio.

O tesoureiro do PT ficou preso preventivamente por meses. E agora, muito tempo depois, é que Moro quebra o sigilo telefônico do PT nacional para procurar provas que possam justificar sua prisão.

Reparem bem: o STF, a mais alta corte do país, mesmo com acusações pesadas contra o PT, contra o presidente nacional do partido, contra o tesoureiro, não tocou jamais no sigilo do partido, nem tentou destruir-lhe.

Moro e os procuradores da Lava Jato, oriundos de uma vara obscura do interior do Paraná, quebram o sigilo nacional do partido, e tentam impor multas bilionárias que naturalmente inviabilizariam politicamente a legenda.

Eu queria saber, junto aos cientistas políticos, se isso já existiu em outra democracia ocidental: essa ataque fascista emergindo de dentro de uma democracia, contra o principal partido de esquerda desse país, um partido com um patrimônio democrático de centenas e centenas de milhões de votos acumulados nos últimos 30 anos.

O IBGE acaba de divulgar o Pnad deste ano: a população 10% mais pobre do país viu a sua renda dobrar nos últimos dez anos. Em nenhum lugar do mundo, se viu um avanço tão rápido de um contingente tão expressivo da população.

Todas as outras faixas sociais também viram sua renda crescer de maneira impressionante nos últimos 10 anos, sob influência direta de políticas públicas organizadas por esse mesmo partido, que hoje está sendo criminalizado por setores fascistas da mídia e dos estamentos judiciais.

Um dos procuradores da Lava Jato, o Dallagnol, esteve presente na abertura do Instituto Cristão do Direito. Para você ver o nível desses caras.

Eu sou cristão. Ateu, mas cristão, seja lá o que isso signifique.

Antes de tudo, porém, sou republicano, amante da democracia e defensor de um Estado de Direito laico.

Um representante do ministério público frequentar um lugar como esse é uma afronta, um escárnio.

Acabamos de ver, em Paris, o perigo que é misturar religão com política...

Em nome da isonomia, este procurador - cujos salários altíssimos vêm de um Estado lastreado numa Constituição laica, e que deixa isso bem claro - deveria também participar da inauguração de um Instituto Candomblé de Direito, de um Instituto Judeu de Direito, e por aí vai.


Outro escárnio é Sergio Moro se recusar a receber prêmio dos golpistas da Câmara Federal, tentando posar de isento.

A esta altura do campeonato, isso é ridículo, mas a esta altura, qualquer atitude de Moro é ridícula.

Receber prêmio da TV Globo, aí pode, né? Da Câmara dos Deputados, não.

As imagens de Moro recebendo prêmio do miliardário João Roberto Marinho (ou seria José Roberto Marinho, difícil saber), ficarão nos anais da história da submissão da justiça brasileira à mídia.


O que significa esse prêmio a Moro?

Que o fascismo judicial é uma criação eminentemente midiática.

A Globo é a única instância que teria o poder de sustar esse processo. Bastava criticar em editorial e dar espaço aos juristas, em número crescente, que se opõem veementemente à maneira fascista como Sergio Moro vem conduzindo uma investigação: prendendo como método de tortura psicológica, destruindo grandes empresas de engenharia; defendendo em público a prisão antes do recurso, vazando informações sensíveis de empresas e indivíduos à mídia; entregando informações estratégicas de nossas empresas mais importantes a potências estrangeiras.

São os melhores juristas do país que vem falando isso. A sisuda e conservadora OAB tem se posicionado de maneira cada vez mais crítica contra o autoritarismo judicial, cuja expressão máxima hoje é Sergio Moro.

O autoritarismo histórico das elites brasileiras, órfão com o fim do regime militar, transladou-se para o judiciário, criando uma situação ainda mais confortável para seus patrocinadores, porque desta vez sem a pecha de uma ditadura fardada.

Uma ditadura togada, branda, midiática, disfarçada, é uma maneira muito mais astuta de levar adiante a agenda de retrocesso e desigualdade que os 1% mais ricos querem impor ao resto do país.

Nas manifestações coxinhas, a mídia escondeu os seus exemplos mais grotescos: como aquele cartaz que perguntava porque não se havia matado todos em 1964.


São esses os mais ardorosos admiradores de Sergio Moro. Isso deveria fazer as pessoas refletirem, não?

Eu não acho mais que exista perigo do fascismo crescer demais no país. Acho que chegamos a um ponto limite, crítico, perigoso, a partir do qual temos que lutar para que ele, o fascismo, reflua.

Mas acho também que há um fascismo que sempre houve no país, embora mais escondido, um facismo minoritário, além do espírito de violência que caracteriza todo povo ainda vítima da ignorância.

Entre as pessoas mais esclarecidas, todavia, não predomina o fascismo.

Ou pelo menos eu me recuso a acreditar nisso, e esta é uma convicção na qual eu me agarro como minha derradeira esperança no país e na humanidade.

Por que não houve, na grande mídia, nenhum editorial comentando a enorme quantidade de exemplos de fascismo, como o desta senhora citada e seu cartaz psicopata, nas manifestações coxinhas?

Será porque a mídia sabe que esse fascismo vem dela, da própria mídia, com suas campanhas desonestas de criminalização da política, com seu histórico de apoio a golpes de Estado, com seus prêmios ao que existe de mais sórdido no judiciário, como ficou claro com os prêmios dados a Joaquim Barbosa e a Sergio Moro?


O fascismo no Brasil será debelado - nisso eu acredito.

Mas não posso negar que ele - o fascismo - vive um momento de arrogância, recebendo prêmios da mídia, dando palestras em institutos "cristãos", sendo paparicado por sociopatas que desejariam que a ditadura tivesse matado mais gente, perseguindo despudoramente partidos políticos de esquerda, sindicatos e movimentos sociais.

Não posso negar que vivemos um momento terrível e triste para nossa democracia.

Ateus também tem fé. Talvez mais do que qualquer religioso.

Não fé em Deus, e sim na história, no humanismo, na vitória do bom senso, na prevalência da democracia - que não é apenas um sistema de governo, mas um conjunto de princípios, uma ética, um destino, uma vocação para a liberdade.

Esta é a fé que me faz dormir tranquilamente e acreditar que esmagaremos o réptil nojento do fascismo, do arbítrio, da mentira midiática - antes que o réptil imagine, embora talvez um pouco mais tarde do que gostaríamos.
****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com.br/2015/11/sergio-moro-e-naturalizacao-do-fascismo.html
Postar um comentário