domingo, 22 de novembro de 2015

Dono da Globo e FHC voaram em avião oficial 'emprestado' por Aécio

22.11.2015
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO, 20.11.15

FHC e Roberto Irineu Marinho estão entre os passageiros para quem Aécio Neves cedeu aeronaves oficiais do governo de Minas Gerais. Lista completa dos passageiros de Aécio traz informações ignoradas pela reportagem da “Folha de São Paulo”, que denunciou inicialmente o caso

Aécio aeronave FHC Minas Gerais
Quando noticiou o episódio, Folha omitiu que FHC era um dos passageiros da aeronave oficial cedida por Aécio Neves
O escândalo do uso indevido de aeronaves do governo de Minas Gerais pelo então governador Aécio Neves (PSDB) ganhou novos capítulos.
Denúncia publicada nesta quinta-feira (19), pelo portal DCMmostra a lista completa dos vôos de Aécio durante os sete anos e três meses de seu governo, entre 2003 e 2010, ao ter acesso por meio da Lei de Acesso à Informação.
A lista completa, no entanto, traz informações ignoradas pelas reportagens do jornal “Folha de São Paulo”, que denunciou o caso na época. Entre as novidades está a presença do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC).
O tucano usou os aviões e o helicóptero do governo de Minas em pelo menos dez ocasiões, sem a presença do governador Aécio Neves. A maioria em 2006 (três, uma delas com uma “comitiva”) e 2008. Em quatro viagens o pacote foi completo: de Belo Horizonte direto para São Paulo.
Roberto Irineu Marinho, um dos donos da “Globo”, foi de Belo Horizonte a Brasília em 11 de setembro de 2007. No dia seguinte, da capital mineira a Diamantina. Esteve acompanhado do então senador Sérgio Guerra, do PSDB. Todos a bordo das aeronaves públicas.
Consta nos documentos Aécio 1430 viagens ao todo, 110 com pouso ou decolagem do famoso aeroporto de Cláudio, construído nas terras do tio Múcio Toletino. A maioria dos trajetos feita de dois jatos, um helicóptero Dauphin e um turboélice pertencentes ao estado de Minas.
Pelo menos 198 vezes ele não estava a bordo. No entanto, um decreto de 2005 estabeleceu que esse equipamento destinaria-se “ao transporte do governador, vice-governador, secretários de Estado, ao presidente da Assembleia Legislativa e outras autoridades públicas” e serve “para desempenho de atividades próprias dos serviços públicos”.
Ex-presidente do partido, Guerra foi citado pelo delator Paulo Roberto Costa, no âmbito da operação Lava Jato. O ex-diretor da Petrobras afirmou ao Ministério Público Federal ter dado propina ao tucano fruto de corrupção na estatal, em 2009.

*****
Fonte:
Postar um comentário