quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Gilmar ateou fogo às vestes e ao Golpe

17.09.2015
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim

Ele é o que sempre foi: cria do FHC
bessinha não vem ao caso no STF
O voto miseravelmente derrotado do ministro (sic) Gilmar foi mais do que um ato tresloucado.

Foi um patético suicídio político.

Com duas consequências saudáveis para o teor de oxigênio que se respira na República.

Primeiro, ele se desqualificou definitivamente como juiz.

Esse voto despudorado não o credencia a arbitrar um jogo de porrinha.

Qualquer veredito passa a ser suspeito.

Segundo, o voto partidário, odiento, black bloc, paneleiro, enterra o impítim.

Como diz o tartúfico Fernando Henrique, não haverá impítim porque não há quem o dê.

Não haveria de ser esse juiz desqualificado para arbitrar concurso de Miss Diamantino.

O discurso/voto/confissão foi um canto de cisne.

Para uma causa desde sempre perdida, porque era um impítim sem povo.


Uma causa sem líder, porque não havia ideias com que liderar.

O voto de Gilmar foi uma benção.

A teatral retirada do plenário, para repudiar a palavra concedida à OAB, não foi uma ofensa aos advogados a quem ele não respeita desde sempre.

Com exceção do insigne Dr Sergio Bermudes, com quem ele conversa por telefone duas vezes por dia.

Foi uma resposta desaforada à recriminação direta, insofismável, que recebeu do Presidente Lewandowski.

Gilmar demonstrou que não passa do que sempre foi: a mais daninha das heranças do FHC.

Paulo Henrique Amorim
****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/brasil/gilmar-ateou-fogo-as-vestes-e-ao-golpe
Postar um comentário