terça-feira, 8 de setembro de 2015

A fala de Dilma e a mídia sem ter do que falar

07.09.2015
Do blog TIJOLAÇO
Por FERNANDO BRITO

desf
Deu para sentir como nossos jornais se condoeram pelo fato de não terem havido manifestações massivas contra o Governo no Sete de Setembro.

Fora uns poucos fanáticos – Batman, Bolsonaro, Revoltados, carregadores de “pixulecos” e outros que tais –  foi como qualquer outro desfile, com as famílias mais preocupadas em assistir à passagem dos militares, suas bandas, da Esquadrilha da Fumaça e dos equipamentos bélicos.

Claro que, mesmo assim, o poder de foco da mídia se voltou para o grupo de alucinados que batia como podia numa cerca que isolava – como é normal – a área diante do palanque presidencial. Não era de se esperar outro cuidado, depois que um facínora ameaçou “arrancar a cabeça” da Presidenta, não é?

Apesar do esforço da mídia, porém, o  “acontecimento” do Sete de Setembro, foi a fala de Dilma Rousseff na internet, para driblar o inevitável “panelaço” – mesmo que este seja apenas em áreas mais nobres do país – e que reproduzo abaixo.

A mídia, nela, prende-se à desnecessária frase: “Se cometemos erros, e isso é possível, vamos superá-los e seguir em frente”.

Ora, não existe a hipótese de terem-se cometido erros, pois erros sempre se comete.

O problema do governo Dilma é apontar saídas e apontá-las objetivamente.

Saídas, não milagres.

E nenhuma outra há senão a de voltarmos a crescer, sabe disso e quer isso a Presidenta.


Faltou reafirmar compromissos, como o de não arrochar salários dos mais humildes, os trabalhadores de salário-mínimo, como está sendo cumprido com a proposta orçamentária .

Faltou dizer que, nos “remédios amargos” – como ela própria definiu as medidas necessárias para os ajustes – a dose maior ficará para quem está mais gorducho e não para quem sempre pagou pelas crises no Brasil.

Faltou dizer que, a propósito do desfile das Três Armas, o Brasil não abre mão de defender suas riquezas, de equipar suas Forças Armadas para isso e de tê-las como projeção de nossos propósito de paz e de humanismo, como demonstraram os tripulantes da Corveta Barroso  nas águas do Mediterrâneo.

Que lindo o nosso Sete de Setembro ser comemorado lá, naquelas lonjuras, com 220 vidas sendo salvas!

Faltou dizer mais do que foi dito sobre a democracia expressar-se no voto, o dizer que ela não tem medo de grito, porque no grito não se vence discussão.

Faltou, sim, embora não tenha faltado muita coisa, a começar pela menção humanista e generosa sobre o destino de milhões de pessoas que estão balançando nas ondas e fronteiras da morte e que são, afinal, os mesmos que são avós, bisavós, antepassados de milhões de brasileiros de origem árabe, negra, pobre.

A Presidenta da República, entretanto, não tem porque e do que se desculpar: tem de agir.

Não é mais que isso o que espera o povo brasileiro daquela a quem concedeu a legitimidade necessária para dirigir o país.

Que não deve ser exercida com soberba, mas com autoridade.

Se há um erro que a Presidenta possa ter cometido é o de não ser clara e afirmativa, permitindo que a onda golpista semeasse a incerteza no Brasil.

Este é o erro que deve ser superado, com a afirmação clara de para onde se quer ir e  e a quem será necessário impor sacrifícios para chegar lá.

****
Fonte:http://tijolaco.com.br/blog/?p=29469
Postar um comentário