sábado, 25 de julho de 2015

JORNALISTAS VENDIDOS:Jornalista da Globo quer ganhar menos

25.07.2015
Do BLOG DO MIRO, 24.07.15


Da coluna "Notas Vermelhas", no siteVermelho:

O jornal O Globo vem fazendo uma série de reportagens denunciando distorções no sindicalismo brasileiro. Na edição desta quinta-feira (23), O Globo publica, inclusive, um editorial dedicado ao tema, sobre o qual falaremos mais adiante. Desvios, abusos e roubos, é certo, existem no mundo sindical e os sindicalistas que lutam de verdade não só conhecem esta realidade como a combatem, assumindo todos os riscos que isto implica.

Seria, no entanto, excesso de ingenuidade acreditar que o sistema Globo estaria preocupado com o sindicalismo brasileiro. Lendo o relato que o jornalista Marcos Pereira faz para o Notas Vermelhas, sobre recentes acontecimentos no Sindicato dos Jornalistas do Rio, entendemos com que tipo de sindicalismo o sistema Globo sonha.

“Queremos receber menos” – O relato de Marcos Pereira

Realmente o mundo está de cabeça para baixo. Agora, trabalhadores querem receber menos do que deveriam. O que parece surreal está acontecendo entre os jornalistas do Rio de Janeiro, que estão em plena campanha salarial. Tudo começou quando foi aprovado o piso salarial no Estado, incluindo a profissão de jornalistas, de R$ 2.432,72, em jornadas de cinco horas. O governador do Rio aprovou o piso, mas excluiu os jornalistas. O projeto voltou para a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, que derrubou o veto, ou seja, o piso virou lei.

Foi então que o imbróglio tomou ares ainda mais surpreendentes. Em uma assembleia, jornalistas do sistema Globo, que nunca compareciam, desta vez foram e votaram em massa CONTRA o piso regional e aprovaram a proposta patronal de REDUÇÃO do valor, até o momento de R$ 1.600 para TV, de R$ 1.450 para rádio e de R$ 1.550 para jornais e revistas. A pressão dos chefes foi intensa, alguns até estavam presentes. Houve, inclusive, relatos do uso de carros da própria emissora. Vejam bem, quando é que o patrão deixaria o funcionário usar um veículo da empresa para uma assembleia sindical de trabalhadores?

Outros jornalistas se sentiram lesados e enviaram ofício ao Sindicato para que convocasse nova assembleia, quando foi decidido que o legislado é o patamar mínimo para negociação sobre o piso. A novela continua, pois a segunda assembleia desperta polêmica e persiste a confusão entre os jornalistas. De um lado aqueles capitaneados pelos patrões (Globo), de outro o Sindicato da categoria e os outros jornalistas.

Enquanto isso, as grandes redações de jornais e TVs continuam desrespeitando os trabalhadores, com o não pagamento de horas extras e outras irregularidades.

Os colegas dos Irmãos Marinho

O Marcos Pereira é mais prudente do que o redator destas Notas Vermelhas e preferiu, com louvável elegância, não dizer o óbvio: a rica Globo, cujos proprietários (irmãos Marinho) detêm a maior fortuna do Brasil, R$ 64 bilhões, coagiu seus profissionais da seguinte forma: “se formos obrigados a pagar o piso da lei (esta fortuna de R$ 2.432,72), vamos demitir vocês. O único jeito é o sindicato aprovar que aceita salários menores do que a lei obriga”.


Assim, jornalistas da empresa, na maioria jovens em início de carreira, se prestaram ao triste papel de representar os mesquinhos interesses dos patrões, votando contra seus colegas e contra toda a categoria. Isso só torna mais escandaloso o cinismo do editorial do jornal O Globo intitulado: “Mundo dos sindicatos é um desafio à transparência”.

Editorial de O Globo – Um magnífico exercício de hipocrisia

No citado editorial, vemos em destaque a seguinte frase “O país venceu a superinflação, a ditadura militar e gerenciou com habilidade a redemocratização. Mas não consegue modernizar os sindicatos deixados por Vargas”. Não existe palavra suficientemente dura para adjetivar tanta hipocrisia junta. O país venceu a ditadura a qual a Globo apoiou, da qual a Globo se serviu e pela qual a Globo lutou politicamente até quando deu. E o que existe hoje de roubo e distorção nos Sindicatos é, em boa parte, herança direta da intervenção militar que afastou, prendeu, torturou e assassinou diversos sindicalistas de luta, para - com o entusiasmado incentivo do Sistema Globo - colocar em seus lugares vendilhões, pelegos e corruptos. 

Em 1964, a edição do dia 27 de maio de O Globo registrava com satisfação o andamento das intervenções sindicais e dizia em reportagem que: “O Delegado Regional do Trabalho, Sr. Damiano Gullo, vem recebendo dezenas de relatórios remetidas pelas juntas governativas nomeadas para inúmeros sindicatos do Estado e que evidenciam as atividades subversivas a que as entidades de trabalhadores se vinham dedicando”. Alguns interventores (ou seus “herdeiros”) estão aí até hoje e milionários. Eles talvez pensem, ao lerem o editorial: “Ué, mas a gente só fez o que O Globo queria, na época, que a gente fizesse”. 

Editorial de O Globo – Um magnífico exercício de hipocrisia II

Diz também o editorial – pretextando criticar o arcabouço trabalhista da era Vargas - que em 1930 “O país era ainda agrário, a indústria, incipiente e os trabalhadores necessitavam mesmo ter uma representação para negociarem condições e contrato de trabalho com o patronato”. Da mesma forma que só condenou o regime militar depois que a ditadura estava morta e enterrada e já não era mais, portanto, capaz de lhe beneficiar, é quase comovedor ver O Globo reconhecer, com quase 90 anos de atraso, que os trabalhadores devem ter seus representantes para brigar por seus interesses. Logo o sistema Globo que historicamente se coloca contra toda e qualquer conquista trabalhista (vejam no início destas Notas Vermelhas o que disse o sistema Globo quando do surgimento do 13º salário). 

O Globo propõe agora a “modernização” dos sindicatos. Como vimos pelo relato que nos enviou Marcos Pereira, sabemos aonde os Irmãos Marinho querem chegar. O sistema Globo - que em nome da democracia defendeu a ditadura e em nome do sindicalismo quer instituir a peleguice - age com a mesma ética sorrateira de uma serpente. Se bem que isso pode ser uma ofensa para as serpentes, que merecem todo o respeito, afinal só atacam para se proteger ou se alimentar e, além disso, para o veneno do sistema Globo, ainda não se encontrou um soro antiofídico. Mas este dia vai chegar.

*****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com.br/2015/07/jornalistas-da-globo-querem-ganhar-menos.html
Postar um comentário