sexta-feira, 31 de julho de 2015

JORNAL DIÁRIO DE PERNAMBUCO:Servidores da Juntas de Recursos da Previdência aderem à greve nacional do INSS

31.07.2015
Do portal do DIARIO DE PERNAMBUCO
CADERNO DE ECONOMIA
Por Augusto Freitas
Categoria deseja uma reestruturação das Juntas, além de pontos como aumento dos órgãos, número de conselheiros e concursos públicos para funcionários, principalmente médicos peritos
Servidores da Junta de Recurso, em Pernambuco, fortalecem a greve. Ato Público foi realizado em frente ao prédio onde funciona a Junta.
Servidores da Junta de Recurso, em Pernambuco, fortalecem a greve. Ato Público foi realizado em frente ao prédio onde funciona a Junta. Fotos  via whatsapp de Jeane Gonçalves
Não bastasse a paralisação dos servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), de braços cruzados há 20 dias em Pernambuco, outra categoria ligada ao Ministério da Previdência Social (MPS) resolveu fortalecer o movimento e aderir à paralisação. Nesta quinta-feira, os servidores da Junta de Recursos da Previdência Social (JRPS), órgão que garante ao segurado do INSS recorrer de forma administrativa, sem nenhum custo, toda vez que seu direito é cessado ou negado junto ao INSS, também cruzaram os braços pela melhoria do serviço público.
De acordo com o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federais em Saúde e Previdência Social no Estado de Pernambuco (Sindsprev-PE), Irineu Messias, a greve dos funcionários das Juntas é por tempo indeterminado. Em Pernambuco, existe apenas uma Junta de Recursos (3ª) e no Brasil são 29. Na pauta de reivindicações, há semelhanças com a defendida pelos colegas do INSS.
Segundo Messias, a categoria deseja uma reestruturação das Juntas espalhadas pelo Brasil, além de pontos como aumento dos órgãos, número de conselheiros e concursos públicos para funcionários, principalmente médicos peritos. Na unidade do Recife, na Boa Vista, são cerca de 10 conselheiros atuando nos litígios entre trabalhadores e Previdência Social. Outro ponto importante, revelou Messias, é a revisão no reajuste pagos aos conselheiros por cada processo avaliado.
“Atualmente, está em R$ 41, congelado desde 2008. Defendemos, também, uma equiparação salarial com os servidores do INSS, pois nas três esferas do setor, Previdência Social, Ministério da Previdência Social e INSS, as remunerações são diferenciadas”, revelou Messias. “As Juntas funcionam dentro das agências do INSS de forma precária e defendemos uma completa reestruturação, pois não há autonomia, administrativa e financeira. Trata-se de um órgão vital para os trabalhadores, empresas e governo”, completou. 
Para fortalecer o movimento e chamar atenção da sociedade, a categoria vai realizar, amanhã, um ato de manifestação a partir das 9h, em frente ao prédio da Junta de Recursos, localizada na Rua João Fernandes Vieira, nº 190, na Boa Vista. O dirigente destacou que a classe está recebendo apoio de várias centrais sindicais e outros servidores públicos na causa.   
****
Postar um comentário