quinta-feira, 23 de julho de 2015

ESTADÃO, O MENTIROSO: Nassif acusa Estado de manipular informações contra Lula

23.07.2015
Do blog BRASIL247

247 – O jornalista Luis Nassif acusou o jornal Estado de S. Paulo de manipular informações, em sua manchete de ontem, sobre ações do Itamaraty em países da África, para tentar atingir o ex-presidente Lula. Confira:


Por , no jornal GGN
 
Um dos fenômenos menos estudados no século 20 foi o do enorme poder conferido aos grupos de mídia e como dele se prevaleceram negociantes pouco escrupulosos, usando os conceitos de liberdade de imprensa como biombo para suas jogadas.

A melhor descrição desse método "empresarial" na mídia apareceu no Estadão, em uma crítica de Luiz Zanin Oricchio ao livro "Número Zero"  de Umberto Eco (http://goo.gl/gV5ZqV).

O livro é uma ficção sobre um jornal montado em 1992 na Itália - no ano em que foi deflagrada a operação mãos limpas, que liquidou com o mundo político italiano, em nome da moralização de costumes, e abriu espaço para que o  parceiro Silvio Berlusconi, magnata da mídia, aparecesse "como salvador de uma Itália falida".
***
Eco monta um "um sarcástico anticompêndio jornalístico, descrevendo práticas que bem podem servir de carapuça para parte da imprensa contemporânea", diz Oricchio.
Algumas das lições:

* Como produzir acusações vagas, e sem provas, de modo que certas pessoas se sintam intimidadas, mas não consigam processar o jornal por difamação. (Ou, como) distorcer a realidade apenas relatando verdades.

* Como inserir declarações de testemunhas em meio ao texto, colocando o ponto de vista do jornal na boca do entrevistados.

* O uso de teorias da conspiração e da ameaça comunista contra o “mundo livre e cristão”.
***
Ontem, no mesmo Estadão, o experiente correspondente do jornal em Genebra escreve matéria "EUA monitoram obras da Odebrecht no exterior e apontam sinais de corrupção" (http://goo.gl/x0OjEr). A reportagem se baseia em telegramas do serviço diplomático americano reproduzidos no site Wikileaks.

Uma jovem repórter do jornal GGN fez uma leitura cuidadosa dos documentos (http://goo.gl/bbKAxI) e constatou:
  • O documento intitulado "Uma visita produtiva de Lula", é um relatório da visita do ex-presidente ao país, nos dias 17 e 18 de outubro de 2007. O encontro resultou em sete acordos de assistência técnica, a duplicação para US$ 2,3 bilhões da linha de crédito do Brasil para a Angola e o anúncio de um acordo de negociação para construir uma usina de etanol com a produção de cana.  O relatório diz:  "Apesar de não ser um acordo de governo-governo, a visita de [Lula] Silva ajudou a concluir um acordo entre a brasileira gigante da construção Odebrecht, a estatal petrolífera angolana Sonangal, e Damer, uma empresa angolana até então desconhecida".

  • Continua o relatório: "A Angola vê o Brasil como um parceiro natural, e muitos dos principais homens de negócios de Angola, incluindo membros do clã do Santos [presidente angolano], supostamente têm interesses comerciais substanciais no Brasil. As grandes construtoras brasileiras também estão se beneficiado do crescimento da construção na Angola. (...) Os brasileiros também enxergam investimento na infra-estrutura angolana, especialmente para vinculá-la para o resto da SADC, como um sábio investimento e uma entrada potencial para eles e para o resto do mercado da África do Sul".

  • O segundo documento em que Lula é citado é o apoio do ex-presidente à candidatura à reeleição de Hugo Chavez.  "Poderia parecer um passo diplomático errado, mas realmente foi simplesmente um bom negócio", diz a embaixada.
*****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/190010/Nassif-acusa-Estado-de-manipular-informa%C3%A7%C3%B5es-contra-Lula.htm
Postar um comentário