terça-feira, 16 de junho de 2015

Veja não noticia operação contra sonegação de escolas de SP. Grupo Abril atuou no setor

16.06.2015
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA, 15.06.15
 

A Receita Federal e a Receita Municipal da Prefeitura de São Paulo deflagraram a operação "Segunda Época" para recuperar aos cofres públicos cerca de R$ 100 milhões em impostos e multas, produto da sonegação de empresários do ensino privado.

A operação “Segunda Época” tem como alvo 50 escolas privadas que atuam no ensino infantil, fundamental, médio e superior. O caso com maiores indícios de irregularidades é o de uma universidade que, apenas no ano de 2013, teria deixado de recolher tributos num total de R$ 6,6 milhões.

As instituições que são fiscalizadas apresentaram evidências de sonegação pelo cruzamento de informações federais e municipais, que apresentaram inconsistências. Notas Fiscais eletrônicas de serviço emitidas, declarações de informações econômico-fiscais, escrituração contábil fiscal não batiam entre si.

Teve escolas que também caíram na malha fina do Imposto de Renda porque o valor declarado como pago por alunos não bateu com o valor declarado com recebido pelas escolas fiscalizadas.

A operação, ainda que discretamente, foi noticiada pela maioria dos veículos de imprensa desde o dia 11, data da deflagração. Mas ao buscamos nos mecanismos de busca da internet não encontramos notícia desta operação no portal da revista Veja.

O Grupo Abril, dos mesmos donos da revista Veja, atuou no setor educacional privado entre 2009 e 2015. Através da Abril Educação adquiriu colégios e cursos particulares com atuação em São Paulo. Mas nem a Receita Federal nem a Municipal divulgaram nomes, devido ao sigilo fiscal, por isso ainda não é possível saber quais foram as escolas que sonegaram.

Unidade do Anglo, que já foi ligado à Abril Educação, foi alvo da Polícia Federal em 2010.

Em julho de 2010 a
Abril Educação anunciou a compra do Grupo Anglo, tradicional rede de escolas.

Em 13 de dezembro de 2010, as unidades do Anglo/COC Campinas foram alvo de uma
operação conjunta da Polícia Federal, Receita Federal e da Delegacia Regional do Trabalho. Foram apreendidos computadores, materiais e documentos relacionados à contratação de professores.

A operação partiu de denúncia feita em abril de 2010 (antes da aquisição pelo Grupo Abril), pelo Sindicato dos Professores de Campinas e Região (Sinpro) ao Ministério Público do Trabalho (MPT) para preservar os direitos trabalhistas de cerca de 300 professores.

Segundo o Sindicato, no final de 2009 os professores passaram a ser abordados pela direção das unidades para assinarm novos contratos de trabalho lesivos a seus direitos, com redução da hora-aula, registro em carteira com valor inferior e recebimento da diferença por fora e sem os recolhimentos devidos de INSS, IR e FGTS, trabalho sem registro em carteira e adesão à licença não remunerada.

Os professores acionaram o Sinpro tão logo começaram a ser assediados e coagidos. O Sindicato então alertou a direção do Anglo/COC para a série de irregularidades e ilegalidades que estavam sendo cometidas e participou de um Foro Conciliatório na tentativa de buscar uma solução amigável.

Depois de esgotar todos os canais de negociação com a direção do Anglo/COC, o Sinpro decidiu então oferecer denúncia ao Ministério Público do Trabalho (MPT), quando tiveram início as investigações.
*****
Fonte:http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2015/06/veja-nao-noticia-operacao-contra.html
Postar um comentário