quinta-feira, 11 de junho de 2015

Cinema francês: desemprego, delinquência e racismo

11.06.2015
Do portal da Agência Carta Maior, 10.06.15
Por  Leneide Duarte-Plon, de Paris

Reprodução/La loi du marché
Na França, o país em que os trabalhadores são acusados de responsáveis pelo desemprego estrutural reinante, o cinema desnuda toda mazela.


A tirania do mercado atinge sempre os mais fracos. Ela torna o trabalho cada vez mais precário e gera desemprego, sofrimento e miséria social. Na França, os trabalhadores são acusados de responsáveis pelo desemprego estrutural que mina a sociedade há 40 anos. Por isso, são alvo da batalha dos empresários para "reformar" as leis que garantem proteção social, prometendo a "modernização" do mercado.

Na realidade, essas reformas também chamadas de "flexibilização" podem levar ao fim de alguns dos direitos adquiridos nas lutas sociais do século passado. A ex-presidente do Medef (associação patronal francesa), Laurence Parisot teve a desfaçatez de dizer: "A vida, a saúde e o amor são precários. Por que o trabalho escaparia a essa lei?".

Prêmio de melhor ator em Cannes, Vincent Lindon encarna em La loi du marché (A Lei do Mercado), do cineasta Stéphane Brizé, um homem que vive a angústia do desemprego e a dificuldade de reencontrar um lugar num mercado cada vez mais estreito. A palma de ouro do ator, que contracena com atores não profissionais, desencadeou um sucesso estrondoso logo depois do lançamento do filme, não apenas pelo prêmio em si mas pela prodigiosa interpretação de Lindon e pelo tema, uma ferida aberta na sociedade francesa. 

O impacto do filme foi tão grande que o primeiro número da nova fase editorial do jornalLibération, de 1° de junho, tinha a foto de Lindon numa cena do filme e o título Le chômage superstar - o desemprego superstar. 
 
O filme projeta na ficção o principal problema econômico da França, que convive com o desemprego crônico (quase 11% de desempregados), responsável por uma provável derrota dos socialistas em 2017, se as políticas postas em prática por François Hollande se mostrarem incapazes de reverter a curva sempre ascendente. Quando, finalmente, se vê em novo trabalho, o personagem é confrontado a uma realidade de controle e suspeitas.  

No mundo do trabalho, lá onde os mais vulneráveis ganham o pão de cada dia, há mais sofrimento e suicídios do que podem supor os adoradores do deus mercado. Os desempregados, ainda protegidos na França por alguns meses de auxílio desemprego, são muitas vezes vistos como culpados pelo fato de não terem trabalho.

Emmanuelle Bercot, que ganhou em Cannes o prêmio de melhor atriz pelo filme Mon roi(Meu Rei), da cineasta Maïwenn, abriu o festival como diretora do filme La tête haute (De Cabeça Erguida), que retraça o percurso de um adolescente à deriva, num país que ainda vê os jovens delinquentes como seres humanos em perigo e não como monstros perigosos. No filme, Catherine Deneuve é a juíza de menores que tenta salvar Malony (o extraordinário Rod Paradot, descoberto numa escola profissional de formação de marceneiros) da prisão e da delinquência.

A atriz e o jovem Paradot vivem tensos momentos de confronto: Deneuve representando a Lei e o Estado, e o jovem adolescente, fruto de uma mãe totalmente desestruturada, incapaz de educar dois filhos. O que se vê no filme é que a presença do Estado, com uma estrutura de educadores e profissionais especializados para receber jovens em dificuldade, pode ser decisiva. Enquanto isso, no Brasil, elaboram-se leis para diminuir a responsabilidade penal e jogar menores na prisão, depósito de seres humanos considerados bestas selvagens.

Catherine Deneuve contou em entrevista que foi assistir no tribunal a julgamentos de menores para conhecer como funciona o juizado. O que viu deixou-a orgulhosa de seu país: 
"Fiquei impressionada com o tempo de escuta, com a atenção que eles recebem. Constatei que vivemos em uma verdadeira democracia".
 
Não se trata de uma visão edulcorada da realidade. Um Estado democrático que leva em conta a educação de seus cidadãos pode montar estruturas sócio-educativas para salvar jovens que, sem elas, seriam condenados à prisão e ao banditismo. 

Quanto ao filme La ligne de couleur, da cineasta Laurence Petit-Jouvet, ele desnuda outro problema que gangrena a sociedade francesa: o racismo. Os personagens reais que ilustram o documentário, que será lançado nos cinemas dia 17 de junho, são franceses, nasceram no país da Declaração Universal dos Direitos Humanos, mas carregam todos um defeito: não são brancos. Têm a pele morena ou negra, os olhos puxados de uma origem asiática e, muitas vezes, têm nomes que lembram as origens distantes dos pais ou avós.

Esses franceses não se sentem plenamente aceitos. Cada um deles conta uma história de quem tem que travar uma luta muitas vezes dura para ocupar um espaço na sociedade francesa que trouxe do passado colonial uma herança multiétnica mas que ainda não se convenceu que todos os habitantes do país não são descendentes dos gauleses.
 
Alguns podem ser alvo de controle de identidade por policiais, diversas vezes por dia, até mesmo com certa brutalidade, simplesmente pelo fato de serem negros ou mulatos. Um deles diz uma frase choque para mostrar a dificuldade de encontrar um emprego quando se tem um nome de origem estrangeira, mesmo com curso universitário no currículo: "a França é o país que tem os vigias mais diplomados do planeta".

*****
Fonte:http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Cultura/Cinema-frances-desemprego-delinquencia-e-racismo/39/33698
Postar um comentário