domingo, 14 de junho de 2015

A Coréia do Sul se Rende às Demandas do Criacionismo

15.06.2015
Do portal MINISTÉRIO FIEL, 05.06.2012
Por Soo Bin, Park, Coreia do Sul

Mencione criacionismo e o pensamento de muitos cientistas se voltam aos Estados Unidos, onde os esforços para limitar o ensino da evolução conseguiram lograr progresso em uns poucos Estados.1 Mas esses sucessos são modestos quando comparados com aqueles na Coréia do Sul, onde o sentimento anti-evolução parece estar vencendo a batalha contra a predominância da ciência.
A petição para que se removesse dos livros de textos das Escolas Secundárias, as referências sobre a evolução, alegou vitória no mês passado depois que o Ministério da Educação, Ciência e Tecnologia (acrónimo em inglês, MEST) revelou que muitas das publicadoras produziriam edições revisadas que excluem exemplos da evolução do cavalo ou do ancestral aviárioArchaeopteryx.O movimento alarmou os biólogos que reclamaram não haverem sido consultados. "O Ministério simplesmente enviou a petição diretamente às companhias publicadoras e deixou que elas julgassem," disse Dayk Jang, um cientista evolucionário da Universidade Nacional de Seul.
A campanha foi liderada pela Sociedade para a Revisão de Livros de textos" (acrónimo em inglês, STR) que pretende apagar o "erro" da evolução nos livros de textos a fim de "corrigir" a ótica do mundo tida pelos estudantes, de acordo com a "website" da dita sociedade. Esta diz que entre seus membros se incluem professores de biologia e professores de ciências de Escolas Secundárias.
A STR também está fazendo campanha para remover o conteúdo sobre a "evolução dos humanos" e "a adaptação de bicos tentilhões baseada no hábitat e meio de subsistência," uma referência a uma das mais famosas observações no livro de Charles Darwin, "A Origem das Espécies." Para reforçar a campanha, o grupo destaca as descobertas recentes de que o Archaeopteryxé uma das muitas espécies de dinossauros penados e não, necessariamente, o ancestral de todos os pássaros.2 Explorar tais debates sobre a linhagem das espécies, comenta Joonghwan Jeon, um evolucionário psicólogo da Universidade Kyung Hee em Yongin, "é uma estratégia típica dos cientistas do criacionismo para atacar o ensino da evolução."
A Sociedade para a Revisão de Livros de textos (STR) é uma ramificação da Associação de Pesquisa Criacionista (acrónimo em inglês, KACR), de acordo com o porta-voz da dita associação, Jungieol Han. Graças, em parte, pelos esforços da KACR, a ciência criacionista – que busca prover evidências em suporte do mito criacionista descrito no Livro de Gêneses – tem alcançado crescente influência na Coréia do Sul, ainda que a Sociedade para a Revisão de Livros de textos (STR), tenha-se distanciado de tais doutrinas. Desde o princípio de 2008, a KACR marcou vantagem com a bem-sucedida exibição em "Seoul Land," um dos parques de diversões mais frequentados da nação. De acordo com o grupo, a exibição atraiu mais de 116.000 visitantes em três meses e o parque está, atualmente, fazendo projetos para criar outra exibição que deverá funcionar num período de um ano.
Mesmo o instituto de ciências líder na nação – o Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coréia – já tem uma exibição de ciência criacionista em campus. "A exibição há sido organizada por cientistas que crêem na ciência do criacionismo desde os idos de 1993," diz Gab-duk Jang, um pastor da igreja em campus. O instituto também tem uma próspera Associação de Pesquisas para a Ciência Criacionista administrada por professores e estudantes, acrescenta.
Antipatia contra a evolução
Em uma pesquisa conduzida em 2009 para o documentário "A Era de Deus e Darwin," na Coréia do Sul, quase um terço dos entrevistados não cria na evolução. Destes, 41% afirmou não haver suficiente evidência científica para apoiar a teoria; 39% disse que o ensino contradizia suas crenças religiosas; e 17% disse não entender a teoria. Os números se aproximam aos mesmos dos Estados Unidos onde outra pesquisa levada a cabo pela firma Gallup, demonstrou que 40% dos americanos não crêem que os humanos evoluíram de uma forma menos avançada de vida.
A raiz da antipatia Sul Coreana contra a evolução não é muito clara, ainda que Jeon sugere que, parcialmente, "se deve a um forte Cristianismo no país." Mais ou menos a metade da população Sul Coreana pratica uma religião, na maioria dividida entre Cristianismo e Budismo.
A pesquisa feita pelos professores estagiários do país concluíram, porém, que as crenças religiosas não foram um forte determinante em sua aceitação da teoria da evolução.3 Encontrou também que 40% dos professores de biologia concordam com a afirmação de que "muitos da comunidade científica duvidam que a evolução de fato ocorra " e metade discorda de que "a humanidade moderna é o produto de um processo evolucionário."
Até o momento, diz Dayk Jang, a comunidade científica tem feito pouco para combater o sentimento anti-evolucionário. "O problema maior é que existem somente 5 – 10 cientistas evolucionários no país que ensinam a teoria da evolução nas Universidades," ele afirma. Tendo visto o ferocidade do debate a respeito da evolução nos Estados Unidos, acrescenta, alguns cientistas também se preocupam de que, engajar-se com os criacionistas, poderá dar às argumentações criacionistas maior credibilidade entre o público.
O silêncio não é a resposta, diz Daryk Jang que, agora, está organizando um grupo de peritos que inclui cientistas evolucionários e teólogos que crêem na evolução, a fim de contrariar a campanha da SRT trabalhando no sentido de melhorar o ensino da evolução na sala de aula e num âmbito mais amplo da vida pública.
Referências:
1. Thompson, H. Nature http:dx.doi.org/10.1038/nature.2012.10423 (2012);
2. Xu, X, You, H., Du, K. & Han, F, Nature 475, 465-470 (2011);
3. Kim, S. Y. & Nehm, R. H. Int. J. Sci. Edu. 33, 197-227 (2011).
Traduzido por: Roberto Freire
Texto original: www.nature.com
****
Fonte:http://www.ministeriofiel.com.br/artigos/detalhes/457/A_Coreia_do_Sul_se_Rende_as_Demandas_do_Criacionismo
Postar um comentário