quinta-feira, 21 de maio de 2015

Essa guerra política está prejudicando a sua vida

21.05.2015
Do BLOG DA CIDADANIA
Por Eduardo Guimarães
tiro no pé

Escrevo poucos minutos antes de ir para o aeroporto tomar um voo até Teresina (PI), onde participarei de um encontro local de blogueiros pelos próximos três dias – minha participação será no sábado (23), por volta das 13 horas.

O post da sexta-feira, portanto, será escrito de uma região do país que quero muito conhecer, pois tal conhecimento me faz falta. Acredito que a viagem me permitirá exterminar estereótipos erigidos contra uma das regiões mais estereotipadas do Brasil.

Até lá, quero deixar o leitor com um apelo. Chegou a hora de cada um, não importando qual for sua visão político-ideológica, começar a pensar um pouco em si mesmo. Claro que este chamado não visa os que lucram ou perdem com a política; dirijo-me ao cidadão comum.

Você, homem da multidão, que não integra grupos de interesse organizados, tem que refletir sobre essa guerra política incessante que o Brasil vem travando em um momento em que o país deveria estar voltado para reativar a sua economia.

Não será tirando o PT do poder ou elegendo medidas administrativo-econômicas como o grande satã que a economia voltará a andar – está paralisada por uma crise política que rouba confiança dos agentes econômicos.

Na terça-feira, o PSDB levou ao ar um programa eleitoral televisivo em que tentou vender ao brasileiro que sua vida não melhorou ao longo da última década e que o problema da corrupção no país é uma invenção do PT.

Vamos falar sério: isso é uma loucura.

Na quinta-feira, o partido entra com uma denúncia criminal contra o PT e diz que o impeachment “não é para agora”.

Interesses políticos à parte, essa Espada de Dâmocles foi colocada sobre a cabeça dos agentes econômicos por um partido político da importância do PSDB, que não apenas já governou o país por oito anos como tem chances consideráveis de voltar ao poder.

Você que apoia os panelaços e as manifestações antipetistas, e que vibra com iniciativas como essa do PSDB, ainda que não saiba está se prejudicando – a menos, é claro, que seja ligado a grupos políticos ou econômicos de oposição ao governo Dilma, que buscam lucro político-econômico decorrente do enfraquecimento da situação.

Se você, porém, tem apenas tendência político-ideológica mas depende do funcionamento do país – e, sobretudo, da economia – para viver bem, com tranquilidade e segurança, saiba que insuflar essa guerra política é um tiro no pé.

Essa paralisia que a política está impondo à economia a fará piorar muito antes de melhorar. E tudo por nada.

Não caia nessa esparrela de que a corrupção vai acabar se o PT for “exterminado”. Se fuzilassem todos os políticos, filiados e simpatizantes petistas, a corrupção não diminuiria um milésimo por cento.

Você odeia o PT? Ótimo, vote na oposição em 2018. Quer criticar, critique. Mas não apoie essa política de terra-arrasada que o PSDB e setores da imprensa estão fazendo. Não apoie os presidentes das duas Casas do Congresso usarem suas influências sobre a maioria dos congressistas em prol da “solução” dos rolos deles com a Justiça.

Essas trocas de insultos incessantes entre “petralhas” e “coxinhas”, esses protestos antipetistas que agridem pessoas na rua por parecerem – apenas parecerem – petistas é mais um fator de insegurança social e econômica.

Há milhões de brasileiros favoráveis ao PSDB, ao PT, ao PMDB etc. Não são todos bons ou ruins. Entre todos, há os bons, os maus e os que não são nem bons nem maus, mas, apenas, humanos.

Já ultrapassamos todos os limites da insensatez. Chegou a hora de refletir que o Brasil é uma grande nave e que estamos todos a bordo dela.

O país tem um governo democraticamente eleito que você pode até não gostar, mas que, se não conseguir governar, mesmo que seja derrubado antes da hora, lá na frente, até lá os efeitos desse processo vão fazer vítimas. Muitas vítimas.

Você pode ser uma delas.

A economia irá afundar, a intolerância e até a violência vão aumentar, enfim, a sua vida irá piorar. Poderá pagar com seu emprego e até com a sua vida, pois o clima de beligerância entre correntes políticas contrárias já começa a descambar para a violência.

Quanto mais crise, mais gente desesperada. Quanto mais gente desesperada, maior o contingente daqueles que buscam “soluções” erradas, muitas vezes até criminosas, no auge do desespero.

O Brasil vive um problema econômico que nem é de tão difícil solução, se as paixões político-ideológicas forem deixadas de lado. Imagine o país como uma família que está gastando mais do que a renda familiar e que precisa fazer cortes de gastos. Claro que é legítimo cada familiar lutar para ser menos atingido, mas essa disputa tem que se ater a essa questão sem que cada membro dessa família fique puxando a faca um para o outro.

Contudo, não é o que está acontecendo. Há uma guerra política que chega a flertar com a violência. Não é caso, ainda, de prever um confronto civil, mas essa intolerância, esse ódio todo que se vê por aí impede a economia de retomar seu funcionamento normal.

Como já foi dito, isso assusta os agentes econômicos; torna o futuro extremamente imprevisível e o que o capital mais almeja é previsibilidade.

A próxima eleição está logo aí. Você não gosta do PT, do PSDB, do PMDB? Seja qual for o partido – ou os partidos – do qual não gosta, em 2016 você poderá mandar seu recado votando em quem quiser. E 2018 vem logo depois.

Seria bom, também, lembrar que ninguém é seu inimigo mortal só por ver a política de forma diferente da sua. Os “petralhas” e “coxinhas” têm os mesmos interesses. Nenhum deles quer ver o país afundar.

Isso não significa que não se deve criticar o governo, mas essa visão de que é preciso arrumar um pretexto para depor ou manietar um governo legitimamente eleito, repito, é um tiro – de bazuca – no seu pé.

Trocando em miúdos: enquanto Dilma estiver no poder ela tem que ter condições de governar ou você se ferra. Simples assim.

Não pense que dá para entregar o Poder Executivo a outro; ele será exercido por quem o ocupar. Se essa pessoa estiver de mãos amarradas, quem sai perdendo é o povo – do mais rico ao mais pobre.

Um governante manietado não interessa nem a quem apoia nem a quem não apoia. Um processo fajuto de impeachment – do tipo que “não é para já” – tampouco interessa ao país. Nesse meio tempo, a economia sofrerá ainda mais e você é quem vai pagar o pato.

Claro que se existisse alguma razão legítima, não decorrente do mero inconformismo com a derrota eleitoral de 2014, o país teria que passar por esse trauma. Mas porque alguns políticos querem se fortalecer para 2018 você vai deixar que o governo não consiga governar?

Aí é roça. Para você

Ora, se você não tem perspectiva de uma boquinha no governo que vier a substituir o de Dilma, não vai ganhar nada com isso. Pense bem. Ponha suas paixões de lado e, pelo amor aos seus filhos, netos ou a você mesmo: reflita.
*****
Fonte:http://www.blogdacidadania.com.br/2015/05/essa-guerra-politica-esta-prejudicando-a-sua-vida/
Postar um comentário