domingo, 10 de maio de 2015

Coxinha paneleiro e analfabeto político bate na panela de barriga cheia porque sente ódio da inclusão social

10.05.2015
Do blog PALAVRA LIVRE, 06.05.15
Por Davis Sena Filho

O juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, é um brasileiro que “faz a diferença”, como pretendem fazer crer as Organizações(?) Globo, useira e vezeira em premiar aqueles sujeitos que, de preferência, fazem oposição ao Partido dos Trabalhadores e investigam, prendem e punem somente autoridades ou pessoas ligadas ao PT, porque tal partido venceu quatro eleições presidenciais consecutivas, realiza administrações republicanas e faz um governo de inclusão social, com o enfoque para a igualdade de oportunidades, realidades essas que deixam por demais furibundas as oligarquias brasileiras, que se mostram presentes nos setores públicos e privados.

A verdade é que com a prisão do tesoureiro do PT, João Vaccari, Moro fere gravemente o Governo Trabalhista, que desde a vitória eleitoral de Dilma Rousseff, em outubro de 2014, não teve um dia sequer de sossego para poder trabalhar a favor do desenvolvimento do País e da emancipação do povo brasileiro. Essa gente conservadora e reacionária, encastelada no Judiciário, no Ministério Público, nos partidos políticos de direita, na Polícia Federal dos delegados aecistas, na comunidade coxinha e, principalmente, nos meios de comunicação privados pertencentes aos magnatas bilionários de imprensa, tem apenas dois itens em sua agenda política: o golpe de estado e o impeachment de Dilma Rousseff.

Fascistas de carteirinha como o senador do DEM, Ronaldo Caiado, e playboys oportunistas, inconformados e furiosos com a derrota, a exemplo do senador Aécio Neves (PSDB), apostam todas suas fichas nesses dois processos draconianos, antidemocráticos e ilegais. Ilegais, sim, porque a presidenta Dilma não incorreu em malfeitos, não cometeu quaisquer corrupções e sua campanha eleitoral foi comprovadamente considerada legal, como apontam as resoluções quanto a isto do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O presidente do PT, Rui Falcão, pronunciou-se sobre a prisão de Vaccari e garantiu que os advogados da legenda vão recorrer contra a prisão. O fato é que se percebe nitidamente que a prisão do tesoureiro tem por finalidade criminalizar as doações ao PT, já que o PSDB, o PSB e o PMDB também receberam dinheiro para financiar suas campanhas de empresas que estão a ser investigadas pelo Operação Lava Jato.

Por sua vez, torna-se inacreditável e até mesmo surreal a seletividade do juiz Moro, de promotores e de setores da PF, que até agora não prenderam ninguém do lado tucano e de outros partidos, porque no Brasil certos grupos são inimputáveis, o que reafirma que o status quo é blindado, ainda mais quando ele é o representante legítimo dos interesses da burguesia nacional e dos conglomerados econômicos internacionais.

É o fim da picada a seletividade de juízes, como o Sérgio Moro, e de procuradores, como Rodrigo de Grandis e Deltan Dellagnol, o primeiro “esqueceu” o pedido de investigação do MP da Suíça sobre a roubalheira acontecida no metrô e nos trens de São Paulo, e o segundo posa de herói, juntamente com seus colegas de Operação Lava Jato, e sai em foto de capa do diário conservador, Folha de S. Paulo, ferrenho opositor ao PT e à Dilma. O jornal da família Frias jamais aceitou o resultado das urnas, ou seja, a derrota de Aécio Neves.

Ao fazer a vez da oposição partidária, a imprensa de mercado recrudesceu a espetacularização nada republicana de servidores públicos da Procuradoria da República, propositalmente promovida por uma mídia golpista, que sabe o que faz com seu canto de sereia, que embriaga procuradores atraídos pelas luzes da ribalta. A prisão de João Vaccari significa a criminalização do PT, que apresentou ao TSE as doações recebidas, tanto quanto se beneficiaram os partidos da oposição, que, entretanto, não são denunciados, investigados, punidos e muito menos saem nas manchetes e chamadas dos jornais, rádios e televisões dos oligarcas das comunicações.

Vaccari foi à CPI da Petrobras e apresentou documentos e dados que comprovam que as doações recebidas pelo PT são legais. Para não deixar dúvidas, ainda informou, volto a comentar, que o PMDB, o PSB e o PSDB também receberam dinheiro e nem por isso são investigados pelos seletivos, juiz Moro, procurador Dellagnol e delegados aecistas. E por quê? Porque fazem política, aliaram-se à imprensa corporativa, aos partidos de direita e de oposição e querem, de uma forma ou de outra, que o PT saia do poder, afinal existem movimentos golpistas, que desejam a extinção do PT e a destituição de Dilma Rousseff da Presidência da República. Seria cômico ou surreal se não fosse trágico.

O que quer esse Juiz nada confiável, pois político, e esses promotores que pensam ser os “Intocáveis” de Hollywood? O que se pode esperar de juízes, imprensa dos magnatas e de promotores partidários, ideologicamente conservadores e que lutam desesperadamente e incansavelmente para manter o status quo, a defender esse sistema de capitais injusto e perverso e a tentar preservar os privilégios das classes sociais abastadas.

Tratamos, sem dúvida, de um embate político duríssimo e tão violento e insensato quanto os ocorridos nos idos de 1954 e 1955, 1961 e 1964. As questões desses fatos e acontecimento não se resumem em prisões e punições, porque sou plenamente favorável às prisões de ladrões do dinheiro público, sejam eles membros do PT, do PSDB, do funcionalismo público, do empresariado, seja de onde for e vier. O que está em jogo, porém, não é simplesmente prender ou não prender, porque a reação quer apagar o fogo com gasolina e apostar no quanto pior, melhor.

O que está em jogo é a estabilidade democrática, a Constituição, o equilíbrio entre os poderes e a submissão aos resultados das urnas, quando Dilma Rousseff, do PT, recebeu do povo brasileiro mais de 54 milhões de votos e derrotou pela quarta vez o candidato da direita, das oligarquias e dos interesses internacionais, desta vez na pessoa de Aécio Neves. O resultado disse tudo é que ficam no ar muitas dúvidas quanto à lisura e o republicanismo da Justiça. Muita gente fica com a impressão que o PSDB e seus aliados não recebem doações, não tem caixa dois e muito menos tesoureiros responsáveis pelas contas dos partidos.

Os tucanos falam muito de corrupção. O DEM também. A imprensa familiar e empresarial está histérica com o assunto sobre corrupção. São todos contra a corrupção. No entanto, os magnatas bilionários de imprensa e seus empregados de confiança se dizem a favor do financiamento privado para as campanhas eleitorais. Os partidos de direita também, sendo que muitas dessas pessoas ou grupos não querem nem saber de efetivar uma reforma política. São cínicos e hipócritas, porque não são sinceros. Como pode você se dizer contra a corrupção, mas quer o financiamento privado de campanhas eleitorais, o maior responsável, inegavelmente, pela corrupção entre empresas privadas e o poder público.

A crise política está a vicejar, a recrudescer e longe de seu fim porque não interessa à direita que ela acabe, pois a intenção é engessar o governo e não deixar a presidenta Dilma governar. O negócio é infernizar, mesmo ao preço de prejudicar a economia do País e a paz social. Combate-se, sem trégua, um governo de caráter popular e que está a prender, pela primeira vez neste País, ricos empresários e executivos. Sem dúvida, é exatamente o Governo Trabalhista do PT que começou a limpar a sujeira dentro do Estado nacional. Só não vê quem não quer. Ou é de oposição, aquela que está desesperada, inconformada, irada e furiosa por estar sem controlar o Governo Federal há mais de 12 anos. O juiz Sérgio Moro é político e quer criminalizar o PT para derrubar do poder a presidenta Dilma Rousseff. É isso aí.
*****
Fonte:http://davissenafilho.blogspot.com.br/2015/05/coxinha-paneleiro-e-analfabeto-politico.html
Postar um comentário