domingo, 24 de maio de 2015

A Ferrovia TransOceânica e as tendências do PSDB

24.05.2015
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim

Moro e o entreguismo são o que une as Tendências do PSDB.



Longe do ansioso blogueiro a pretensão de competir com o dos chapéus (ver no ABC do C Af), que, entre outros atributos, exibe o de “correspondente da Amazon no Brasil”.

O ansioso blogueiro recomenda a leitura de “Nothing Like it in the World – The men who built the Transcontinental Railroad – 1863 – 1869”, da editora Simon & Schuster, New York, 2000, do reputado historiador americano Stephen E-Ambrose.

É a aventura fascinante da construção da ferrovia que foi de Chicago, Illinois, a Sacramento, na Califórnia, e uniu a carne, o trigo e o milho ao ouro da Califórnia.

Chicago a Sacramento é a distância que vai de São Paulo a Manaus !

E três vezes a distância entre Rio e São Paulo !

Tudo isso por dentro da Cordilheira das Rochosas, com a mão de obra em regime servil de milhões de operários chineses.

Com o Homestead Act, essa ferrovia integrou os Estados Unidos, criou uma nação de pequenos proprietários rurais e forjou a Economia mais poderosa do Mundo.

As duas gigantescas obras foram do presidente Abraham Lincoln, que, para manter a União – seu objetivo principal – e, secundariamente, acabar com a escravidão do Sul, promoveu um inconfessado mensalão e comprou votos no Congresso – como se viu, aqui, no Conversa Afiada, na “análise” do filme do Spielberg.

O Homestead Act, o Brasil não realizou, apesar de André Rebouças e Joaquim Nabuco: não promoveu a Reforma Agrária ao abolir (?) a Escravidão em 1888.

A TransPacific o Brasil também não fez, porque preferiu construir estradas de rodagem para a indústria automobilística – a equivocada opção,  entre muitas – do Governo JK.

A Reforma Agrária foi para o beleléu.

A Transoceânica, o Brasil só vai construir agora com a China e o Peru.

Para desespero dos micrologísticos que aparecem e escrevem no Globo.

É o caso do dos chapéus.

Como previsto nesse Conversa Afiada, o correspondente piguento do New York Times no Brasil prenunciou o que os colonistas pigais iam dizer.

A Transoceânica não sairá do papel !

Porque a China não construiu o Ninho das Águias, não fez uma Olimpíada impecável, não construiu a Muralha da China, não tem bomba atômica, não manda chinês à Lua – é um povo de fracassados, como o Henry Kissinger e os japoneses podem constatar.

O correspondente piguento do New York Times está no papel dele…

E, paradoxalmente, os colonistas pigais, também !

O dos chapéus pertence a uma Tendência cada vez menos relevante do PSDB.

A Tendência Cerrista.

Ou “Tendência os Fins Justificam os Meios”.

O dos chapéus compara a Ferrovia Transoceânica ao trem bala, provisoriamente adiado.

E decreta que um nem o outro sairá do papel.

Cerra confessou que decidiu incluir Campinas no projeto do Trem Bala com o objetivo de explodi-lo.

E quem foi o maior aliado do cerrismo contra o Trem Bala ?

O dos chapéus.

Quem perseguiu o Malan no Ministério da Fazenda com a acusação de praticar “peleguismo cambial” ?

O Cerra e seu diligente aliado colonismo, o dos chapéus.

Cerra queria tomar o lugar de Malan.

Breve, o Cerra vai criticar a TransOceânica.

O dos chapeus dá entender que o Primeiro Ministro chinês chegou aqui, de sopetão, não tinha mais nada da cartola e tirou o coelho da Ferrovia.

Quem manda só ler o New York Times e não ir aos sites (em inglês) da China ?

E não se informar sobre um projeto que brasileiros, peruanos e chineses estudam e negociam há pelo menos dois anos.

A Itália, Inglaterra, França, a Grécia, a Rússia, os países do Cáucaso aderiram ao novo Banco de Investimentos da China e à ferrovia chamada de “Nova Rota da Seda”, porque compõem um conjunto de Estados Parvos …

Porque não tem o privilegio de ler o dos chapéus … e seu pigal aliado no New York Times.

Outra Tendência – chamada de “Espelho, Espelho Meu !”- , também minoritária, do PSDB é a do Príncipe da Privataria, que não vai contar netinho como comprou a reeleição.

A essa tendência, se aliou, por motivos eleitorais, o Aecím – e, como todos os que se aliam ao FHC para fins eleitorais, deu com os burros n’água.

A Tendência predominante do PSDB é a do Governador Alckmin – a “Picolé de Chuchu”.

Ela está no Governo de São Paulo há trinta anos, não construiu uma ponte, mas tem as fichas do jogo de 2018.

O que une as três tendências ?

O entreguismo.

Entregar o pré-sal à Chevron.

E, no mesmo balaio, detonar o Mercosul e o acordo com a China, porque a Transoceânica significa, irremediavelmente, um caminho a competir com o Canal americano do Panamá.

O outro ponto de união das três tendências é o Moralismo farisaico da UDN, que hoje se pendurou na Vara de Guantánamo, a do Dr Moro.

E o melhor analista sutilezas das três Tendências é o … Bessinha !

Em tempo: o Ataulpho Merval se inscreve nas três Tendências, indistintamente. Embora, ultimamente, fale de uma Terceira Via.

Em tempo2: recentemente, o dos chapéus assumiu o primeiro lugar no pódio do Manchetômetro dos colonistas que detonam a Dilma. Ele deve estar muito orgulhoso. Os patrões também !

Paulo Henrique Amorim
*****
Fonte: http://www.conversaafiada.com.br/economia/2015/05/24/a-ferrovia-transoceanica-e-as-tendencias-do-psdb/
Postar um comentário