quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Pobre leitor do jornal Estadão!

28.01.2015
Do BLOG DO  MIRO

Do blog de Zé Dirceu:
Corretíssimos tanto a iniciativa quanto o texto publicado no site do PT e já compartilhado no perfil oficial da presidenta da República no Facebook, no qual o partido contesta, por incorretos, os dados da reportagem “Em 4 anos de Dilma, MEC teve a pior execução do orçamento, desde 2001″, publicada no jornal O Estado de S.Paulo nesta 2ª feira.

Foi o contrário, Estadão! “A presidenta Dilma Rousseff foi responsável por um aumento nominal de 93% nos investimentos na educação, quando comparado com o último governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, contesta a nota no site do PT. O partido chama atenção, ainda, para um detalhe na reportagem: a informação veio escondida no pé da matéria.
“O jornal paulistano preferiu esconder o aumento no orçamento do setor – cerca de R$ 265 bi – em quatro anos. Optou por manipular as estatísticas”, diz um trecho da nota petista. Na verdade a reportagem do Estadão faz uma comparação entre os governos petista (2003-2014) e tucano (1995-2002).

Estadão consegue transformar boa em má notícia contra Dilma
“Quem se aventurou até o fim do texto, no entanto, foi surpreendido pela verdade: o desempenho em execução do orçamento só foi menor nos dois últimos anos de FHC”. Somente no penúltimo parágrafo a reportagem reconhece: “Mesmo com execução orçamentária abaixo da média, os gastos com educação tiveram forte ampliação no governo Dilma”.

O partido questiona, também, que as informações, embora positivas em relação ao desempenho da presidente, podem ter sido utilizadas contra ela. “No governo Dilma, foi a primeira vez que a proporção da educação passou a representar mais de 5% do orçamento previsto e também do gasto” lembra o partido.

“Contra Dilma, investimento recorde em educação vira notícia negativa”, destaca o PT. Coisa que nossa grande mídia consegue fazer! Como ninguém!
*****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com.br/2015/01/pobre-leitor-do-jornal-estadao.html
Postar um comentário