terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Adesão ou Conversão? Eis a questão

13.01.2015
Do portal GOSPEL PRIME
Por Pb. Josiel Dias*


Hoje em dia está na moda ser evangélico. Celebridades, apresentadores, cantores, jogadores, políticos, muitos se declaram evangélicos, cristãos. Não estamos aqui para julgar ninguém nem temos tal autoridade pra isso, mas cristianismo sem cruz não é cristianismo; cristianismo sem renúncia não é cristianismo; cristianismo sem Jesus pode ser tudo menos cristianismo.

 Adesão ou Conversão? Eis a questãoQual a diferença da adesão para a conversão?

Adesão: É quando não há compromisso algum nem com a comunidade [Igreja] nem tão pouco com Deus. É quando pessoas agem com religiosidade, frequentam apenas por sentirem bem no ambiente. É quando essas pessoas optam por serem evangélicas por gostarem da música gospel, por exemplo. É quando frequentam por interesse, é quando seguem apenas porque seus pais o obrigam. Em toda igreja há frequentadores, por conversão e adesão. Mas é notório o crescimento de denominações que erguem seus mega templos onde grande parte de seus frequentadores são motivados por interesses.

 “O testemunho de vida mostra de fato quem é convertido”

É fácil identificar essa moda da adesão, basta ver o testemunho de vida dessas pessoas. Adesão pode ser entendida por uma opção de escolhas motivadas por necessidades pessoais imediatas, ou ainda, por outros interesses de ordem material, psicológica, social, religiosa, familiar e etc. Enquanto que na análise da conversão o fator de experiência interna, crise de sentido, mudança radical e reorganização de valores estão presentes como categorias determinantes, a prática da adesão, por si mesma, não exige necessariamente, estas categorias. Assim, adesão é simplesmente uma escolha. Não há necessariamente, uma evidência de arrependimento, que leva à uma mudança comportamental.

Conversão: É quando há mudança de vida, é quando há uma vida de renúncia, é quando Jesus é o Senhor de sua vida. Conversão é quando se nasce de novo, (II Co 5.17) é quando os frutos são visíveis e há um bom testemunho. Conversão é quando se morre pra si mesmo, é quando Jesus é dono de tudo. Conversão é viver uma vida totalmente submissa e dependente de Deus. Conversão é viver o que se prega.

“A conversão implica em uma ruptura com a idolatria, com o pecado e com os cultos pagãos, ou seja, o abandono radical das raízes religiosas atuais e aceitação de uma nova verdade de fé que, por sua vez, conduz a um novo estilo de vida, envolvendo crenças, moral, ética e costumes. Nesta nova revelação, a fé e o cotidiano são inseparáveis. Ou seja, a conversão está diretamente associada à uma mudança de caráter, que determinará uma alteração no comportamento do indivíduo.

Paulo, um personagem bíblico que experimentou a conversão genuína, confirma esta mudança radical: “Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas” (II Co 5.17). A conversão bíblica é algo muito profundo. Trata-se de uma experiência que vai muito além de uma simples escolha motivada por necessidade ou identificação.

É um ato de fé, uma decisão dirigida pelo Espírito Santo, marcada pelo abandono do pecado e, consequentemente, pela transformação de vida. Não é uma experiência exterior, mas interior, gerada de dentro para fora, motivada por uma única coisa: arrependimento.”
Para reflexão:  Conversão ou Adesão? O que você tem vivido?

SEID- Seminário Evangélico da Igreja de Deus- Verdadeira Conversão Oliveira (2004, p. 203), Brown (Ibidem, p. 417)

Deus te abençoe ricamente

Pb. Josiel Dias
*****
Postar um comentário