Pesquisar este blog

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Marco Civil da Internet corre perigo se Aécio for eleito

15.10.2014
Do portal BRASIL247, 
Por Sérgio Amadeu da Silveira*

Professor universitário e especialista em tecnologia e internet lança alerta sobre perda de conquistas caso Aécio se eleja presidente do Brasil. Além do histórico de perseguições do candidato, os principais detratores do Marco Civil e apoiadores do AI-5 Digital são do PSDB

aécio neves marco civil da internet
Eleição de Aécio representaria risco ao Marco Civil da Internet. Candidato tucano tentou, recentemente, censurar jornalistas e twiteiros e é ligado a Eduardo Azeredo, autor do AI-5 digital
Sérgio Amadeu da Silveira*, Fórum
Não tenho dúvida que as conquistas do Marco Civil estão em perigo. A lei que foi apoiada pelos criadores dos principais protocolos que fazem a rede funcionar livremente, tais como Tim Berners-Lee e Vint Cerf, que teve a declaração de apoio de Julian Assange (Wikileaks), Jacob Appelbaum (TOR), Jeremmi Zimmerman (Quadrature du Net) precisará ainda ser regulamentada. Quem irá regulamentar a Lei? A Presidência da República, ouvindo a Anatel e o CGI.
Mas quem decidirá como será a guarda dos nossos registros de navegação, quais serão as exceções à exigência da neutralidade da rede, se vamos ou não interpretar que as forças policiais podem obter registros sem ordem judicial, entre outras definições importantes, será a Presidência da República por meio de um Decreto.
Recentemente, a Campanha Nacional de Banda Larga convidou os três candidatos principais a presidente para discutir a implantação das redes de alta velocidade, a regulamentação do Marco Civil e o incentivo à produção cultural e tecnológica nacional. Dilma Rousseff e Marina Silva vieram e apresentaram suas ideias, sendo questionadas pelos representantes do movimento. Aécio Neves nem se dignou a responder o convite. Por que será?
Aécio Neves articula as principais forças que tentaram impedir a aprovação do Marco Civil. Ele é ligado ao ex-senador Eduardo Azeredo, ex-presidente do PSDB, e o autor do AI-5 Digital, que queria transformar práticas cotidianas dos jovens na Internet em crime passível de pena de prisão. Aécio tem o apoio de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o deputado que comandou o lobby das operadoras de telefonia contra a neutralidade da rede. Aécio Neves também é apoiado pelos defensores da vigilância massiva, tais como Jair Bolsonaro e outros deputados da “bancada da bala”, que conseguiu inserir nas últimas negociações para aprovar o Marco Civil, o famigerado artigo 15.
Na regulamentação, podemos tentar minimizar os absurdos do artigo 15 que obriga todos os provedores de aplicação comerciais a guardarem os registros dos IPs de quem acessou suas páginas, com data e todos os links que foram clicados. O Facebook e o Google fazem isso sem a nossa autorização, ou seja, armazenam dados de tudo que fazemos e utilizam estes dados para formar nosso perfil de comportamento, preferências, consumo, para vendê-lo aos diversos interesses do mercado. Ocorre que esse mercado de violação da nossa privacidade não foi controlado pelo Marco Civil, os deputados ligados aos interesses dos aparatos de repressão do Estado, ao inserirem o artigo 15, estão obrigando todos os sites comerciais a guardarem os registros completos daqueles que os acessaram, por seis meses. Assim, a bancada da vigilância quer mais violação de privacidade enquanto precisamos exatamente do contrário.
No artigo 15 está escrito que o regulamento definirá como esses dados serão guardados. Os deputados ligados a empresas de segurança da informação buscarão criar regras absurdas para a guarda desses logs, para criar um novo campo de negócios muito lucrativo, uma vez que todos os sites comerciais terão que guardar os dados. Além disso, se não cuidarmos corretamente de reduzir os efeitos nocivos desse artigo, não obrigaremos a destruição dos dados logo depois do período de guarda obrigatória por seis meses.
Quando, em 2013, nos reunimos com a presidente Dilma para solicitar empenho na aprovação do Marco Civil, o principal lobista das operadoras de telefonia me disse que o compromisso que havíamos conseguido da presidente, de não aceitar a remoção de conteúdos sem ordem judicial, levaria à derrota do projeto de Lei. Dilma foi firme em afirmar que não aceitaria a censura. De fato, naquele momento, a Globo queria que o Marco Civil tivesse um artigo para bloquear e retirar um conteúdo e um site da rede. Para a Globo, bastaria avisar o provedor de conteúdos que ele estaria violando o direito autoral ou conexos. Fui contra essa aberração porque seu efeito seria a censura travestida de violação da propriedade intelectual. Veja o caso da Falha de São Paulo, em que o site do Lino Bochinni foi excluído por uso indevido da marca. Se com o Judiciário temos esses excessos, imagine a quantidade de denúncias vazias que os provedores receberiam e executariam. Teríamos a censura prévia implantada em larga escala e a transformação dos provedores em juízes privados.
Enfim, minha preocupação é que se Dilma perder para Aécio Neves, a neutralidade, privacidade e liberdade na Internet estarão em risco. Basta ver que os detratores do Marco Civil e principais apoiadores do AI-5 Digital eram do PSDB, partido de Aécio. O vice de Aécio é um dos parlamentares que apresentou diversas emendas no Senado para paralisar o Marco Civil. Algumas delas pioravam o projeto formulado pela sociedade civil. Peço voto em Dilma, em defesa da liberdade, privacidade e neutralidade da Internet. Não vamos brincar com nossos direitos fundamentais.
*Sérgio Amadeu da Silveira é um dos principais divulgadores do Software Livre e da Inclusão Digital no Brasil. Foi um dos implementadores dos Telecentros na América Latina e presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação. É Doutor em Ciência Política e professor da Universidade Federal da ABC
*****
Fonte:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/10/o-resumo-debate-da-band-entre-dilma-e-aecio.html

MAMATA DE ÁECIO: AÉCIO ADMITE CARGO NO RJ E QUER ABRIR NÚMEROS DE MG

15.10.2014
Do portal BRASIL247

*****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/156992/A%C3%A9cio-admite-cargo-no-RJ-e-quer-abrir-n%C3%BAmeros-de-MG.htm

Fabrício de Oliveira: “Choque de gestão” em Minas é uma farsa

15.10.2014
Do blog VI O MUNDO, 13.10.14

aecio-neves-

O canto de cisne do “choque de gestão” do governo Aécio Neves
por Fabrício Augusto de Oliveira*

A verdade é que, a não ser na propaganda, em momento algum o governo de Minas conseguiu minimamente equilibrar as suas contas, tendo incorrido, em alguns anos (2003, 2008, 2010, 2013) em déficits nominais monumentais, superiores a 20% de sua receita corrente líquida

O “déficit zero”, pilar central e símbolo de um ajuste fiscal estrutural e de eficiência da gestão pública do programa do Governo Aécio Neves, no estado de Minas Gerais (2003-2010), parece ter entoado, finalmente, o seu canto de cisne em 2013.

Naquele ano, o governo de Minas conseguiu a proeza de incorrer em déficit em todos os conceitos existentes: orçamentário, primário e nominal. Se forem confirmadas as projeções contidas na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), de 2014, de um déficit nominal de R$ 11 bilhões, neste ano poderá ser lançada a pá de cal no que dele ainda resta, pelo menos no que diz respeito à situação das finanças do estado.

Em 2013, o déficit orçamentário do governo atingiu R$ 948 milhões, o que não ocorria desde 2004, o déficit nominal R$ 8,9 bilhões, e o déficit primário R$ 86 milhões, depois de 12 anos de registro de superávits primários consecutivos (desde 1999, ou seja, desde a administração Itamar Franco).

Por isso, a dívida consolidada líquida (DCL) deu um salto no ano de mais de R$ 9 bilhões, passando de R$ 70,4 bilhões, em 2012, para R$ 79,7 bilhões, em 2013, correspondendo a 185% de sua receita corrente líquida (ECL). Dependendo do desempenho das finanças do estado em 2014, não será nenhuma surpresa se essa relação da dívida com a receita se aproximar temerariamente de 200%, que é o limite estabelecido pela Resolução n° 40 do Senado Federal, de 2001.

Por se ter vendido durante um bom tempo a imagem de uma gestão eficiente e de que se teria conseguido, em pouco tempo, sanear as finanças do estado, tal situação pode parecer decepcionante para os que acreditaram na política de marketing do governo.

Mas, a verdade é que, a não ser na propaganda, em momento algum o governo de Minas conseguiu minimamente equilibrar as suas contas, tendo incorrido, em alguns anos (2003, 2008, 2010, 2013) em déficits nominais monumentais, superiores a 20% de sua receita corrente líquida. Apenas por ter utilizado e divulgado para o público um conceito enganoso de desempenho das suas finanças – o de resultado orçamentário -, o qual infla indevidamente as receitas, de um lado, e subestima (reduz) as despesas, de outro, o governo conseguiu iludir a população sobre este feito.

Se isso de fato tivesse ocorrido, a dívida consolidada líquida do estado não teria saltado de R$ 32,9 bilhões em 2002, último ano do Governo Itamar Franco, para R$ 79,7 bilhões em 2013, um crescimento nominal de 142%.

Porque, se há alguma coisa na teoria das finanças públicas de que não se pode discordar é a que associa o aumento da dívida com as necessidades de financiamento, independentemente de onde elas surjam.

Por isso, se a dívida aumentou foi porque o estado não contou com receitas suficientes para financiar suas atividades ou para honrar seus compromissos, tendo incorrido, portanto, em déficits que foram, no caso de Minas, obliterados pelo conceito enganoso de resultado orçamentário.

Isso não quer dizer que a situação das finanças do estado após 2003 não tenha conhecido alguma melhoria. Mas o fato é que tal melhoria se explica menos pelo “Choque de Gestão” e mais pelo quadro macroeconômico bem mais favorável que se registrou a partir deste ano e se prolongou pelo menos até 2010.

Do “Choque de Gestão” guarda-se, na lembrança, o remédio amargo do congelamento dos salários do funcionalismo público, em 2003, que provocou uma queda de 5% em termos reais de seu poder aquisitivo no ano, da extinção de alguns de seus benefícios previdenciários, e do contingenciamento indiscriminado de 20% das despesas públicas, subtraindo recursos das políticas sociais.

Entre as medidas cosméticas, a fusão de algumas secretarias, que depois foram, pouco a pouco, retomando seu lugar na estrutura administrativa do estado, para atender as demandas de aliados políticos, e que, pelo menos em 2013, já eram superiores ao número existente em 2003.

Além do congelamento do salário do funcionalismo naquele ano, o maior ganho obtido para essa melhoria veio, na verdade, da expansão expressiva das receitas catapultadas pelo crescimento econômico que se prolongou pelo menos até o final da década.

Este, contudo, começou a perder força a partir da crise do crédito subprime nos Estados Unidos e da dívida soberana europeia, quando se tornou mais claro que o “Choque de Gestão” não passou de uma farsa, pelo menos do ponto de vista da situação das contas do estado.

Pode ser que os resultados finais de 2014 não venham tão ruins como tudo indica.

Afinal, o governo conseguiu que fosse aprovada na Assembleia Legislativa, numa manobra eticamente condenável, a extinção do Fundo de Previdência do Estado de Minas Gerais (o FUNPEMG), criado em 2002, e a transferência, para o seu caixa, de seu saldo de R$ 3,2 bilhões.

Mas, considerando o quadro macroeconômico adverso para este ano e para 2015, não se pode esperar ajuda de receitas mais robustas do crescimento, num contexto em que as fontes de receitas extraorçamentárias parecem ter ou estar se esgotando.

Por isso, sem contar com o alardeado, mas fictício, ajustamento fiscal estrutural do “Choque de Gestão”, e se não se beneficiar com o avanço do projeto de renegociação das dívidas dos estados, o que também não parece possível no horizonte de curto prazo, a próxima administração do estado, que terá início em 2015, pode se defrontar com uma situação financeira ainda mais crítica do que a existente em 2002.

*Doutor em economia pela Unicamp, membro da Plataforma de Política Social e autor, entre outros, do livro “Dívida pública do Estado de Minas Gerais: a renegociação necessária”, de 2012

Leia também:

*****
Fonte:http://www.viomundo.com.br/denuncias/fabricio-de-oliveira-choque-de-gestao-em-minas-e-uma-farsa-relacao-entre-divida-e-receita-pode-chegar-200.html

A reeleição de Dilma e a luta pela Reforma Política

15.10.2014
Do portal do PARTIDO DOS TRABALHADORES, 14.10.14
Por Bruno Elias*

Ao receber representantes do movimento, Dilma apontou a reforma política como prioridade de um novo mandato e condição indispensável para o combate à corrupção no País

Em artigo, o secretário de Movimentos Populares do PT, Bruno Elias, fala da mobilização nacional que culminou com a entrega, à presidenta Dilma Rousseff, das assinaturas recolhidas durante o plebiscito popular pela realização de uma Constituinte exclusiva para tratar da reforma do sistema político brasileiro.

Diante de movimentos sociais de todo o Brasil, Dilma reafirmou compromissos em consolidar as conquistas sociais e aprofundar as mudanças dos últimos anos”, relata.

Leia a íntegra:

“Depois de meses de mobilização e quase 8 milhões de votos, Dilma recebeu na noite do dia 13 de outubro os resultados do plebiscito popular por uma Constituinte exclusiva e soberana do sistema político. 

Mobilizando centenas de pessoas, tanto de Brasília quanto dos vários estados presentes na plenária nacional da campanha que se estenderá até o próximo dia 15 de outubro, a atividade foi um momento importante da luta do campo democrático e popular.

Demarcando as profundas diferenças entre os dois projetos em disputa no Brasil, Dilma apontou a reforma política como prioridade de um novo mandato e como condição indispensável para o combate à corrupção, tão cinicamente alardeada e não enfrentada pela oposição de direita e o oligopólio da mídia.

Dilma também recordou as manifestações de junho de 2013 e o momento em que propôs um pacto pela reforma política por meio de uma constituinte exclusiva. Considerando-a uma boa proposta, acrescentou que a iniciativa na época não unificou a base do governo, mas que o resultado do plebiscito popular representa um passo importante na construção de uma maioria na sociedade sobre a “mãe das reformas”.

Dando conteúdo ao seu programa sobre reforma política, Dilma reiterou seu compromisso com a realização de um plebiscito oficial sobre o tema anunciando de forma inédita pontos que, ao seu ver, são fundamentais para mudar o sistema político: a) centralidade da participação popular por meio de plebiscitos e outros instrumentos de consulta à população; b) a proibição do financiamento empresarial de campanha; c) a paridade de mulheres e homens nas candidaturas e d) o fim das coligações nas eleições proporcionais.

Aécio, por sua vez, tem sustentado propostas regressivas de reforma política. Representante do campo conservador e do poder econômico que sustenta o atual sistema político, o tucano tem resumido sua plataforma à unificação do calendário eleitoral, ao fim da reeleição, ao mandato de cinco anos e ao voto distrital misto, proposta prejudicial aos segmentos historicamente subrepresentados, como os trabalhadores, as mulheres, as negras/os, os jovens, indígenas, LGBTs e demais setores populares.

O resultado do primeiro turno e a eleição, segundo o DIAP, do Congresso Nacional mais conservador desde 1964 reforça nossas convicções sobre a importância de uma constituinte do sistema político. Sem mobilização da população e com o atual e o próximo congresso não haverá espaço para uma reforma política popular. Vale a pena reiterar: os maiores beneficiados deste sistema político não serão seus reformadores.

Diante de movimentos sociais de todo o Brasil, Dilma reafirmou compromissos em consolidar as conquistas sociais e aprofundar as mudanças dos últimos anos. Convocando a militância presente a se mobilizar para as eleições do dia 26 de outubro e polarizando o debate político e programático com os tucanos, Dilma apontou para um caminho a ser seguido até o final da campanha. É hora de relembrar o povo dos “fantasmas do passado”, reivindicar as realizações do presente mas, principalmente, anunciar as mudanças para o futuro.”

*Bruno Elias é secretário de Movimentos Populares do PT
******
Fonte:https://www.pt.org.br/a-reeleicao-de-dilma-e-a-luta-pela-reforma-politica/

Aécio admite que foi funcionário fantasma da Câmara no gabinete do papai. #DebateDaBand

15.10.2014
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA, 14.10.14

Quem diria hein! Quem dia que uma matéria exclusiva desse blog pudesse pautar a toda poderosa Folha de São Paulo.Foi o que aconteceu nessa terça feira.Depois de o leitor espalhar nas redes sociais  a informação que o candidato Aécio Neves foi funcionário fantasma da Câmara aos 17 anos, o jornal Folha de São Paulo, foi perguntar ao candidato se realmente era verdade ou se este blog estava contanto inverdade. Claro que a Folha torcia para que fosse uma invenção nossa...Assim, receberíamos um processo por calúnia e perderíamos a credibilidade. E não é que Aécio confirmou: O pai de Aécio Neves era deputado federal em Brasília.

Aécio morava e estudava no Rio, mas ganhava salário dos cofres públicos para trabalhar no gabinete do pai em Brasília, sem comparecer.

A assessoria de Aécio, acuada, admitiu que fez tudo isso aos 19 anos, segundo o jornal Folha de São Paulo.

Mas nem pediu desculpas ao cidadão eleitor.

Deu como desculpa que "cuidava da agenda" e na época, segundo a assessoria, não havia irregularidade em morar no Rio.

Ahã. O que cada cidadão brasileiro pensa dessa versão peculiar de "bolsa família para filho de deputado que vivia na praia de Ipanema", enquanto naquela época, ainda tinha criança passando fome no Brasil?

O dia de hoje fica marcado como, o dia em que o blog pautou a Folha

E nós do blog, agradecemos nossos leitores queridos por ter nos ajudado a desmascarar Aécio Neves
*****
Fonte:http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2014/10/aecio-admite-que-foi-funcionario.html

O plano terrorista de Aécio e Armínio

15.10.2014
Do BLOG DO EMIR, 14.10.14
Por Emir Sader

Aécio Neves e Armínio Fraga querem fabricar a ideia de que a economia não cresce por causa da inflação e porque o salário mínimo é muito alto.

1. Criar o clima de que o maior problema brasileiro é uma suposta inflação descontrolada. (Mesmo se é de 6% ao ano, quando FHC entregou pro Lula uma inflação de 12,5% ao ano.

2. Fabricar a ideia de que a economia não cresce pela inflação e porque “o salário mínimo é muito alto”, segundo o Arminio Fraga. (Apesar de que os salários são um componente mínimo dos custos de qualquer mercadoria.)

3. Difundir a ideia de que o governo gasta muito, que é necessário um duro ajuste fiscal. (As tais “medidas impopulares” de que fala o Aecio que está pronto para tomar.)

4. Pregar que “um certo nível de desemprego é saudável”, como disse o Arminio Fraga.

5. Se ganhar, implementar uma forte política de corte de salários, tanto do setor público, como pressionando as negociações no setor privado. Baixar o salário mínimo.

6. Promover o desemprego para favorecer as condições de negociações dos empresários com os trabalhadores e os sindicatos.

7. Reduzir os bancos públicos a um mínimo, como disse o Arminio. O que significa também cortar muito os recursos para as políticas sociais, que só podem ser realizadas através de bancos públicos.

8. Assinar Tratado bilateral de Livre Comercio com os Estados Unidos, saindo do Mercosul e rompendo todos os acordos de integração regional com os países latino-americanos, deslocando o comercio do Brasil para os EUA como parceiro fundamental.

9. Endurecer a repressão com os sindicatos e os movimentos sociais que resistirem a essas medidas.

10. Instaurada a recessão, com as políticas de austeridade, voltar a tomar empréstimos do FMI, com as cartas de intenção respectivas e os cortes dos gastos sociais do Estado requeridos.

É um plano para voltar aos anos de terror econômico e social dos anos 1990, nos quais Arminio Fraga foi personagem central. Tudo seria feito colocando a culpa nos gastos sociais excessivos dos governos do PT e nos aumentos salários desmedidos por parte dos sindicatos.

Colocado em prática o plano de terror, o Brasil voltaria à recessão, à miséria, ao endividamento com o FMI, à subserviência com os EUA, à repressão dos movimentos populares – como os tucanos promoveram no passado e querem retomar no presente.
****
Fonte:http://www.cartamaior.com.br/?/Blog/Blog-do-Emir/O-plano-terrorista-de-Aecio-e-Arminio/2/31990

Foi um DilmaBATE! Será isso o que explica a cara fechada dele, os olhos fechados, a boca crispada ?

15.10.2014
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim


Em debate da Rede Bandeirantes, na noite da última terça-feira (14), a primeira exposição foi da Presidenta e candidata à reeleição Dilma Rousseff. Acompanhe as frases de Dilma:

Acho estarrecedor que o sr. venha falar pra mim de creches. Mais de 2 mil creches construídas e mais 4 mil em construção

O senhor (Aécio), recentemente teve uma condenação no STF, por ter contratado funcionários públicos sem concurso público

Pergunto ao Aécio: O que está em questão é se vai ou não vai continuar tendo emprego no Brasil. O que o senhor fará para criar empregos?

Está em questão se vai ou não continuar havendo emprego

Nós empregamos 12 milhões de pessoas, enquanto o mundo desempregou 100 milhões
Só quem nunca esteve desempregado pode achar que uma pessoa sem emprego está melhor do que uma pessoa com emprego

O senhor está inventando uma história que não existe. O Bolsa Família não tem parentesco com os programas tucanos
Nós estamos fazendo um esforço imenso pra colocar todas as crianças de 0 a 3 na creche.
É importante lembrar que a história das creches está mal contada. O sr. não entende dessa questão.

Quantas crianças de 4 e 5 anos estão nas pré-escolas? 89%. Por isso é possível universalizar até 2016


Demos extrema atenção à formação científica e tecnológica com o Ciência Sem Fronteiras

Nos 10 anos do governo do senhor e do governador que o sucedeu em MG, as taxas de homicídio cresceram 52%

O senhor sabe que, pela CF, é dos estados a responsabilidade pela segurança

Nós vamos integrar as polícias e formar os centros de comando e controle, tomando para a União a responsabilidade

Candidato, eu acredito que o senhor não quer que eu diga que a responsabilidade pelo ensino médio é dos estados

Fizemos o Pronatec para tratar o ensino médio como uma questão também profissional

Eu considero fundamental reformar os currículos de ensino fundamental e ensino médio

A reforma vai tornar a educação mais atrativa para o jovem e diminuir o índice de evasão escolar

Nós duplicamos o número de estudantes universitários, voltamos a fazer Escolas Técnicas e fizemos o Pronatec

Dilma defende investimento em Cuba, como  financiamento de empresas brasileiras.

FHC fez financiamento para vender ônibus e ela para serviços de engenharia.

Ressalta o Minha Casa Minha Vida com mais de 3,5 milhões de moradias.

E o Bolsa Familia, que não eram os 5 milhoes do FHC para 50 milhões de Lula e Dilma.

E dizer que o BF nasceu no Governo Feernando henrique – não aplicaram dinheiro em programas sociais.

Estamos aí no capitulo da lenda.

Os brasileiros jamais vão acreditar que o Bolsa Família seja do FHC, chegamos à fabulação

Vocês impediram a criação de Escolas Técnicas Federais, candidato

O financiamento não foi a Cuba, porque não pode ser feito a Cuba, só a empresas brasileiras
O que o senhor (Aécio) está querendo é reduzir o papel dos bancos públicos 

No caso dos programas sociais, nós não condicionamos nossos programas à medidas impopulares e choque de gestão 

O Minha Casa Minha Vida é o maior programa habitacional já feito no país 

No governo FHC, vcs fizeram o mesmo financiamento a Cuba, pra exportação de ônibus
O que o senhor acha da violência contra a mulher? A Lei Maria da Penha foi um gde avanço nesse sentido

O senhor (Aécio) pretende acabar com a secretaria de mulheres da presidência? 

Eu estou falando de violência contra a mulher. Nós não nos apropriamos da Lei Maria da Penha, pelo contrário, nós a incentivamos

A Casa da Mulher brasileira que estamos construindo em todos os estados, ela é algo que nós realizamos

No Minha Casa Minha Vida e no Pronatec, as mulheres são maioria, porque priorizamos políticas públicas para elas

Ele provavelmente achava que ela ia medar.

E ele perdeu a cabeça.

Está raivoso, com os olhos fechados, a expressao marcada, e, como sempre cinico: arrogante, machista e irreposnsável – “ela mente !”, “é o mar de lama !”.

O público percebe isso.

Ele faz sucesso com os convertidos e não converte mais nunguém.


Hoje, é proibido o nepotismo. O senhor tem uma irmã, um primo, uma prima e um tio no governo. Eu não tenho parentes lá

Aécio, o senhor está enganado com a decisão do MP. Ele não aceitou a ação criminal, mas mandou investigar a obra

O MP mandou investigar a obra de Claudio por mau uso dos recursos públicos

O terreno fica em terra do seu tio e a chave fica com ele.


Aecio volta à UDN: mar de lama !

E em Montezuma, pavimentou para beneficiar terra dele e das irmãs


Candidato, seria importante que o senhor dissesse ao telespectador o que ocorreu em Cláudio

Como é que o senhor explica ter construído um aeroporto de R$13,9 milhões na época, no terreno da sua família?

Onde estão todos os envolvidos no mensalão mineiro, no trensalão? Todos soltos. Eu quero todos os culpados presos

Onde estão os envolvidos na compra de votos para reeleição, no caso Sivam, no caso da pasta rosa, no caso do Metro de SP? 

Aécio, a minha indignação em relação a tudo o que acontece, inclusive com a Petrobras, é a de todos os brasileiros

A minha disposição a punir todos os investigados que forem culpados, corruptos e corruptores, é total

Nós acabamos com a realidade da impunidade no Brasil
Previsibilidade pra ter a segunda maior taxa de desempregados no mundo, como na época dos governos tucanos?

Em 2002, no governo de FHC, o PSDB tinha a maior taxa de desemprego do mundo, perdendo só para a Índia! 


O Pronatec tem 8 milhões de matrículas realizadas. Os programas que o senhor se refere, são pequenos programas pilotos, não têm escala
A educação é prioridade no meu governo. Eu e Lula triplicamos o valor gasto em educação

Pergunta para Aécio: a educação é prioridade no meu governo. Nós triplicamos o investimento em educação. O que o senhor acha do Pronatec?

Com a mesma receita e mesmo cozinheiro, como querem fazer novo prato?,  questionou Dilma sobre Armínio Fraga para eventual ministro da Fazenda.

Foi com o Pronatec que nós pudemos dar oportunidades de profissionalização aos jovens brasileiros

Quem está assistindo pode entrar no site do Tribunal de Contas e ver os números (sobre dinheiro aplicado na saúde)

O senhor tem memória curta. O meu governo garantiu uma inflação controlada, dentro dos limites da meta

Eu acredito que o senhor esqueceu o que ocorria no governo do FHC. Vocês deixaram, por duas vezes, a inflação superar o limite da meta

Diante da crise, mantivemos emprego, salário e continuamos investindo

Nós mantivemos salário e continuamos investindo. No governo tucano, as filas à procura de emprego davam volta nos quarteirões
Dilma lembrou que o candidato a Ministro da Fazenda vai jogar o BB , o BNDES e a Caixa no lixo !

E que MG é o terceiro pior SAMU do Brasil

Quanto ao SAMU, ela disse que Minas é o terceiro pior progama de Samus.

Dilma  falou sobre desvio de recursos e diz que mineiro não cuidou do Samu no Estado.

Aécio Neves (PSDB), na réplica, afirma que as declarações de Dilma são mentirosas e garante que vai tratar de formar mais médicos no Brasil.

Dinheiro destinado à saude para Minas, segundo Dilma, ele não aplicou.

Ela lembra que o PSDB detonou a CPMF e é contra o Mais Médicos.

Enquanto isso, ele não diz que é do PSDB, mas de um conjunto de partidos.
É o seu Ministro da Fazenda, Aécio, que está dizendo que vai diminuir o papel dos bancos públicos

É temerário que alguém proponha reduzir o papel dos bancos públicos

Quem faz a maior parte do crédito para o agronegócio e pra agricultura familiar é o Banco do Brasil

Vocês têm dois pesos e duas medidas. Nunca fizeram programas sociais quando puderam

Aécio, não coloca no meu governo reconhecimento de governo de Minas, que é o 3º pior estado no atendimento do SAMU

Minas tem a segunda maior dívida dos estados brasileiros, e foi governada pelo senhorEu acredito que dois projetos se apresentam. Fizemos o mais profundo processo de distribuição de renda das ultimas décadas. Elevamos uma Argentina inteira à classe média.

Tiramos 36 milhões pessoas da pobreza extrema e elevamos mais de 40 milhões para a classe média.

Todos ganharam, mas ganharam mais os que mais precisavam.

Nós lançamos as bases para um novo ciclo de desenvolvimento. Nesse novo ciclo haverá uma prioridade para a educação.

A educação estará no centro de tudo.

Nós lançamos as bases para um novo ciclo de desenvolvimento, um Brasil moderno, mais inclusivo, produtivo e competitivo. 

Considero ser muito importante para o Brasil a discussão de dois valores morais. O primeiro é a igualdade de condições. O segundo é o combate à corrupção.

Tenho certeza que se você conhecer as minhas propostas, você votará em mim no dia 26.

Candidato Aécio, vocês da oposição votaram contra a CPMF. Quando o governo de Minas foi dirigido pelo senhor, vocês não cumpriram a constituição, desviaram mais de R$ 7 bilhões da saúde. O senhor foi contra o mais Médicos. O que o senhor acha da minha proposta de criar o “Mais Especialidades”?
****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/politica/2014/10/14/aecio-foge-do-psdb/

Debate doeu na direita. Na CBN, Merval admite “empate” e até ligeira vitória de Dilma

15.10.2014
Do blog TIJOLAÇO
Por Fernando Brito

merval
Mais um sinal  de que Dilma se saiu muito melhor no debate de ontem é a espantosa concessão de Merval Pereira, hoje, em seu comentário na rádio CBN, de que teria havido um “empate” entre os dois candidatos ou até um “vitória de Dilma dentro da margem de erro”.
Na sua condição de Conde Afonso Celso da direita, Merval certamente teve acesso às métricas de acompanhamento encomendadas pelo PSDB sobre o debate e, ao dizer isso, sinaliza que a coisa já foi melhor para Aécio Neves.
Dilma tem um horror figadal à politicagem e uma visão gerencial da política.
Mas os poucos – e, convenhamos, civilizadíssimos – trancos que deu em Aécio podem tê-la feito sentir que é preciso desmontar um farsante.
Ainda há três debates e se ela conseguir relaxar e usar alguma ironia, tranquilidade e bom-humor como já vem fazendo nas entrevistas, o tucano perde as estribeiras.
E Merval, três outras vezes, será obrigado a admitir um empate que, nas contas dele, só merece o nome de derrota.
Que vai se amplificando, à medida que os “podres” que a mídia lhe encobre vão começando a rodar pela sociedade, porque o debate não se ganha apenas na horas, mas nas horas em que ele repercute na opinião pública.
Aécio apostou que seria um passeio, tanto que a sua propaganda, ontem, era quase que só convocar os eleitores para assistirem ao debate.
Ele deve, hoje, estar profundamente arrependido de tê-lo feito.
*****
Fonte:http://tijolaco.com.br/blog/?p=22121