sexta-feira, 29 de agosto de 2014

A Rede Globo tem medo de comunista?

29.08.2014
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO

flávia dino globo comunista
Em entrevista à afiliada da Globo, candidato Flávio Dino foi confrontado com perguntas conspiracionistas do submundo da internet (Divulgação)
"Se o senhor for eleito, vai implantar o comunismo?" Candidato entrevistado pela Globo é confrontado com perguntas típicas de um submundo paranoico e bitolado da internet

Na sexta-feira 22, a TV Mirante, afiliada à Rede Globo que pertence à família do senador José Sarney (PMDB-AP), levou ao ar uma entrevista com Flávio Dino (PCdoB), candidato ao governo do Maranhão, e concorrente de Lobão Filho (PMDB), aliado de primeira ordem dos Sarney, como parte de uma série de entrevistas com os candidatos ao governo do estado. Mas o programa quase não tratou de propostas. Isso porque o repórter da emissora Sidney Pereira e a âncora do Jornal do Maranhão, Amanda Couto, gastaram boa parte do tempo da conversa para questionar se Dino irá “implantar o comunismo no Estado”.

Não por coincidência, há aproximadamente um mês, em um artigo publicado no jornal ‘O Estado do Maranhão’, também controlado pela família Sarney, o próprio senador atacou o candidato do PCdoB. Segundo José Sarney, Dino “deseja o comunismo no Maranhão”. E foi a esse ponto que o jornalista da emissora de TV se agarrou. Pereira começou a entrevista citando um trecho do estatuto do PCdoB que diz que os mandatos conquistados nas urnas pertencem ao partido e não ao candidato. Diante disso, ele questionou se Flávio Dino iria submeter suas decisões à consulta de membros da legenda. “Claro que não. Pelo contrário. Na verdade nosso mandato, se acontecer, será de todos os maranhenses. O que nosso estatuto diz que é que os partidos políticos que são garantidos e assegurados pela Constituição têm a sua importância na democracia”, rebateu o candidato.

Depois de insistir no tema, o repórter partiu para outra pergunta sobre o mesmo assunto. Mas já de forma mais enfática: “Ainda segundo o estatuto do partido, ele deixa muito claro que os comunistas visam a conquista do poder pelo proletariado e seus aliados e tem como objetivo superior o comunismo. Se o senhor for eleito, o senhor vai implantar o comunismo no Maranhão?”, questionou Pereira apesar disso ser incompatível com a Constituição Federal.

Coube ao candidato, então, explicar essa impossibilidade constitucional ao jornalista. “Sidney, isso implicaria em revogar a Constituição e todas as leis brasileiras. Nenhum governo pode fazer isso. Realmente a pergunta parte de uma premissa segundo a qual o Maranhão seria algo contrário à Constituição e às leis”, resumiu Dino antes de criticar o tom da pergunta. “O meu compromisso, a minha vida toda, é cumprir a Constituição e as leis e assim vai ser feito. Eu sou um democrata. O meu partido defendeu a democracia e eu não entendo, Sidney, porque tanta perseguição que tem um, inclusive, um sabor de ditadura militar. Eu acho que esse tempo passou. A ditadura faz 50 anos. Nosso partido foi legalizado há 30 anos e causa-se muita estranheza ao Brasil e ao Maranhão tanta perseguição e tanto ódio a um partido que serve ao Brasil”, rebateu.

A entrevista seguiu. Couto questionou o candidato sobre a coligação com partidos conservadores, sobre a aliança entre PT e PMDB no Estado e ainda sobre o uso da imagem do ex-governador de Eduardo Campos no horário eleitoral do PCdoB. O candidato respondeu todas as questões. Mas a vez voltou para Sidney Pereira que, novamente, quis falar sobre comunismo. O repórter disse que “teve o cuidado” de olhar o programa de governo de Flávio Dino e que no documento consta a proposta de criar uma rede solidária em parceria com as igrejas católicas. Em seguida, perguntou: “Como comunista, como é que o senhor pretende convencer a Igreja Católica e os católicos a votar no senhor e apoiar esse projeto? Qual o argumento?”.

“Primeiro que o estado é laico”, retrucou Dino. “Na verdade, a religião não se confunde com a política. E eu sou católico, por isso talvez seja mais fácil até convencer os católicos. E sou cristão, por isso que há muitos evangélicos ao nosso lado. Tenho muita alegria e muito orgulho de ter milhares de militantes de várias igrejas ao nosso lado. Por isso estamos propondo uma grande parceria na campanha. Políticas sociais de combate às drogas, ao analfabetismo…a igreja tem e terá grande papel no meu governo”, complementou Dino.

Se o motivo da pergunta ainda não tinha ficado claro, o próprio repórter resolveu explicar. 

“Então é bom esclarecer, né, porque a partir do momento em que se é comunista fica a ideia de que é [também] ateu. Não é bem assim?”, concluiu ele antes de ser corrigido pelo candidato. “Eu sugiro a você, Sidney, ler o livro Ato dos Apóstolos, capítulo quatro, versículo 32, que dá uma boa definição do modo de vida dos cristãos. E como quem é comunista defende a comunhão, defende a comunidade, e é contrário ao império do dinheiro, à ditadura do dinheiro. É um bom caminho você ver que é possível, sim, como eu, ter a alegria de ser comunista, cristão, maranhense e brasileiro”.

Quem acompanha a política brasileira sabe que os estatutos dos partidos são, em geral, manifestos ideológicos com pouca ou nenhuma conexão com a realidade, até porque costumam ser desatualizados. Ataques com base nesses documentos são comuns no submundo da internet, onde também viceja a teoria conspiratória de que grupos esquerdista planejam implantar uma ditadura comunista no Brasil. Em maio, quem teve problemas com seus estatuto foi o PSB, então com Eduardo Campos na cabeça da chapa presidencial. Por conta dos ataques que sofria no submundo virtual, o partido cogitava atualizar seu manifesto para retirar referências a “socialização dos meios de produção” e limites à propriedade privada.

Vídeo:

Renan Truffi, CartaCapital
****
Fonte:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/08/rede-globo-tem-medo-de-comunista.html

TORCEDORA RACISTA DO GRÊMIO É AFASTADA DO TRABALHO

29.08.2014
Do portal BRASIL247
:
"Era uma funcionária competente, mas a postura pessoal que ela assumiu vai totalmente contra os nossos princípios de trabalho. É um fato profundamente lamentável", disse o major Régis Reche, chefe do Centro Médico Odontológico da Brigada Militar, onde trabalhava Patrícia Moreira, flagrada pelas câmeras chamando o goleiro do Santos, Aranha, de "macaco" no jogo de ontem; nesta sexta-feira, o árbitro da partida incluiu o episódio na súmula, o que pode resultar em punição para o clube.

247 – A torcedora do Grêmio que foi flagrada pelas câmeras chamando o goleiro do Santos, Aranha, de "macaco" foi afastada do emprego nesta sexta-feira 29. A jovem Patrícia Moreira foi apenas uma das dezenas de torcedores que ofenderam o jogador com comentários racistas no jogo entre Grêmio e Santos na Arena, na noite desta quinta-feira, mas uma imagem pôde identificar claramente seu rosto.

"Conversei com o diretor da empresa, mas não consegui contato com ela. Era uma funcionária competente, mas a postura pessoal que ela assumiu vai totalmente contra os nossos princípios de trabalho. É um fato profundamente lamentável", disse ao jornal Zero Hora o major Régis Reche, chefe do Centro Médico Odontológico da Brigada Militar onde trabalhava Patrícia, como auxiliar de saúde bucal.

O episódio pode agora resultar em punição para o Grêmio, uma vez que o árbitro da partida, Wilton Pereira, incluiu nesta sexta-feira os atos de racismo na súmula do jogo, que será atualizada no site da CBF. Na primeira versão, o fato não foi relatado. De acordo com o procurador do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Paulo Schmitt, "o clube poderá responder por infração ao inciso do artigo 243-G do CBJD".

Caso a procuradoria do STJD denuncie o clube, ele seria enquadrado no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD): "praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência". A punição pode envolver perdas de mandos de jogo ou mesmo a exclusão da Copa do Brasil. 

******
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/esporte/151736/Torcedora-racista-do-Gr%C3%AAmio-%C3%A9-afastada-do-trabalho.htm

Estadão desnuda a hipocrisia de Aécio com “cortes” de funcionários

29.08.2014
Do blog TIJOLAÇO
Por Fernando Brito

hipocrita
Há hoje, no Estadão, uma matéria que deveria ser lida por todo brasileiro e brasileira sérios, que não gostam de discutir o serviço público com a estupidez supérflua de bêbados de botequim.
Mostra quanto a promessa de Aecio Neves em cortar um terço dos cargos comissionados representaria de economia.
0,4% da folha de pagamentos.
40 centavos em cada 100 reais gastos.
Mas o repórter Daniel Bramatti foi mais fundo.
Mostrou que Lula tornou obrigatório que boa parte do cargos fosse provida por funcionários de carreira.
E é, em escala muito maior: mais de dois terços dos ocupantes dos cargos mais elevados são de  servidores  concursados.
Entre outras razões, além das cotas legais, porque os salários dos cargos dirigentes na administração direta são muito mal remunerados.
Não falo por teoria, mas por vivência própria.
Fui Chefe de Gabinete de um Ministério, até pouco mais de um ano.
O vencimento, para administrar uma máquina de sete mil funcionários, não chegava a R$ 10 mil, no ano passado.
Sem plano de saúde, sem FGTS e com um auxílio alimentação que não chegava a R$ 25 por dia.
Posso mostrar os contracheques a quem o desejar.
É claro que parecerá muito (e é) perto de um humilde trabalhador de salário mínimo. Mas também parecerá piada perto de qualquer gerente de empresa.
Conseguia sobreviver, pagar pensão alimentícia e atender às necessidades especiais de meu filho porque recebia um pouco mais como gratificação por integrar conselhos (raríssimos) ligados ao poder público.
Muitos dos funcionários subordinados a mim mais que eu, por aquele cargo.
Os servidores dos cargos comissionados, além de só serem nomeados depois de investigação – não podem ser processados, não podem ter execuções judiciais e nem mesmo estar devendo uma prestação das Casas Bahia, porque negativação no SPC e Serasa significa veto da Casa Civil – também se sujeitam a responder, pessoalmente, por qualquer gasto irregular – não necessariamente desonesto, apenas irregular – feito pela administração.
Aécio Neves sabe de tudo isso, pois administrou um Estado e cortou na carne dos servidores mineiros, embora tenha se permitido luxos como um aeroporto de lazer eventual em Cláudio.
Não deveria levar para a campanha, embora tenha familiaridade a isso, conversas de botequim.
*****
Fonte:http://tijolaco.com.br/blog/?p=20586