Pesquisar este blog

segunda-feira, 2 de junho de 2014

CASO EIKE: MALAN E ELLEN DENUNCIADOS POR CRIMES

02.06.2014
Do portal BRASIL247
****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/relacoes_com_investidores/142127/Caso-Eike-Malan-e-Ellen-denunciados-por-crimes.htm

JB quer a sua opinião s/ JB

02.06.2014
Do blog MEGACIDADANIA, 01.06.14

A solicitação do CNJ 01 06
Incrível a desfaçatez de Joaquim Barbosa. Ele só pode estar imaginando que ninguém conheça os documentos que ele sozinho ocultou no ainda sigiloso 2474.

O Conselho Nacional de Justiça - CNJ ainda é presidido por ele Joaquim Barbosa e o CNJ oficialmente está solicitando opiniões de tod@s sobre ele com a seguinte pergunta: Na sua opinião, qual o maior destaque na atuação do ministro?

O blog Megacidadania sugere que façamos um mutirão cívico de comentários por lá no endereço oficial do CNJ onde está a solicitação oficial inusitada.

Aqui mesmo no blog temos os documentos que ele ocultou das defesas e dos demais ministros impedindo a ampla defesa, e o que é pior, impedindo os demais ministros de julgarem com base em laudos, perícias e documentos ardilosamente ocultados.

Para facilitar, quem deseje utilizar estes documentos nos comentários lá no portal do CNJ, seguem os links:











*
Além das sugestões dos links acima, aqui mesmo no blog temos diversas outras postagens de outros blogs a disposição de tod@s.

*****
Fonte:http://www.megacidadania.com.br/jb-quer-a-sua-opiniao-s-jb/

As mentiras da Veja sobre gravidez e partos no Brasil

02.06.2014
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO

Parto normal vs. cesárea: desmascarando as mentiras do menino maluquinho da revista Veja


rodrigo constantino nascer brasil parto
Colunista da Veja, Rodrigo Constantino (foto) produziu um texto histérico e mentiu deliberadamente sobre estudo “Nascer Brasil” (Pragmatismo Político)
Carolina Brulher, Mãe em Treinamento
Há alguns dias, a Fiocruz publicou o estudo “Nascer Brasil” onde acompanhou 24 mil mulheres e analisou alguns dados importantes sobre gravidez/parto. Concluiu o que todos já sabemos: embora o índice de cesarianas no Brasil seja de 56% (46% na rede pública e 88% na rede privada) a maior parte das mulheres iniciam o pré-natal desejando o parto normal (70%).
A pesquisa lembrou ainda dos riscos provenientes da cesárea e os motivos desse índice tão alto: conveniência dos médicos, desinformação da mulher. Nada de novo, também.
A Associação de Ginecologia Obstetrícia do Rio de Janeiro (SGORJ) apressou-se em tentar desmentir a pesquisa. O médico Raphael Câmara, representante desta entidade, cumprindo seu papel corporativo,concedeu entrevista à Globo News usando todas as armas para desqualificar a pesquisa feita pela Fiocruz. Entre muitos contra-ataques, disse que não há provas científicas e nem estudos que comprovem os malefícios da cesárea indicados pelo estudo da Fiocruz.
A mesma associação enviou uma carta exclusivamente (!) ao blog do Rodrigo Constantino (!), da revista Veja (!), repetindo os argumentos do Dr. Raphael Câmara de que não existem provas científicas das conclusões da pesquisa a Fiocruz e, ainda, acusando a pesquisa de estar contaminada por ideologia (!).Rodrigo Constantino publicou a carta com o título de “É preciso fazer uma cesariana para extirpar o comunismo da Fiocruz”.
A SGORJ e Rodrigo Constantino mentem deliberadamente. A um, por ignorar que a Guerra Fria acabou; a dois, por fingir que não sabem dos diversos estudos científicos que concluíram basicamente o mesmo que este estudo da Fiocruz (acusado de ser comunista).
Estarrecida com o ataque de pelancas do corporativismo da SGORJ e com a síndrome de adolescente pirracento de Rodrigo Constantino, a Professora Dra. Carla Andreucci Polido, da UFSCAR, ginecologista obstetra, apressou-se em apresentar (mais uma vez) uma série de estudos científicos a corroborar o resultado da pesquisa da Fiocruz.
Constantino e SGORJ, deliberadamente, omitem que:
1. Em 8.026.415 mulheres submetidas a um parto vaginal ou a uma cesariana, a taxa de mortalidade perinatal na cesárea foi 2,4 vezes maior que no parto vaginal (“Neonatal Mortality for Primary Cesarean and Vaginal Births to Low-RiskWomen: Application of an ‘‘Intention-to-Treat’’ Model. MacDorman et al., BIRTH, 2008.);
2. A pesquisa na Coorte prospectiva (WHO Global Survey) com 97.095 nascimentos, concluiu que na cesariana a chance de antibioticoterapia é até 5 vezes maior que nos partos normal e natural, até 3 vezes maior a chance de morbidade materna na cesariana eletiva, até 5 vezes maior a taxa de mortalidade materna, até 4 vezes maior a chance de histerectomia e até 2 vezes maior a chance de internação na UTI ou internação maior que 7 dias (“Maternal and neonatal individual risks and benefits associated with caesarean delivery: multicentre prospective study, Villar et al., BMJ, 2007.”);
3. Um estudo em 24 países, com 373 instituições de saúde e 290.610 nascimentos, concluiu que mulheres submetidas a cesarianas apresentaram 5,93 mais chances de morbidade grave. (“Caesarean section without medical indications is associated with an increased risk of adverse shortterm maternal outcomes: the 2004-2008 WHO Global Survey on Maternal and Perinatal Health. Souza et al., BMC, 2010″);
4. A taxa de cesariana acima de 15% não é justificada do ponto de vista médico. (“Searching for the Optimal Rate of Medically Necessary Cesarean Delivery. Ye J1, Betrán AP, Vela MG, Souza JP, Zhang J., BIRTH Abril 2014″);
5. Constantino e SGORJ mentem deliberadamente ao alegar que as mulheres brasileiras preferem a cesárea por medo da dor: o aumento nas taxas de cesarianas no Brasil deve-se, também, a um grande número de cesarianas indesejadas na saúde suplementar. (Potter et al., BJOG, dez 2001);
6. O menino maluquinho e o médico corporativista também decidiram não contar que médicos da saúde privada no Brasil, com frequência, convencem suas pacientes a agendar cesarianas por motivos inexistentes ou irreais. (Potter et al., BIRTH, dez 2008).
Por fim, comprovada o festival de mentiras e omissões deliberadas da VEJA/Constantino e da SGORJ/Raphael Câmara, é bom dizer que: i) a Unicef/OMS/ONU recomenda que não mais que 15% dos partos sejam feitos via cirurgia; ii) a CPMI do Congresso Nacional chegou às mesmas conclusões de todos estes estudos internacionais e nacionais, o que levou a elaborar um profundo relatorio denominado “Parirás com dor” onde, além da problemática da cesariana, aborda o complexo tema da violência obstétrica (vale a leitura); e iii) depois de muita luta das mulheres e da comunidade científica internacional, esta semana foi protocolado, pelo mandato do deputado federal Jean Wyllys, do PSOL-RJ (talvez aqui seja o nascedouro da paranoia do Rodrigo Constantino) o Projeto de Lei 7633/2014, que visa garantir à gestante o direito ao parto humanizado, conforme sua vontade, à mínima interferência médica, acompanhamento, correta informação sobre procedimentos e direitos, e ao abortamento seguro, nos casos já previstos em lei, concedendo à mulher o protagonismo do parto ante a todas as informações necessárias para que a mulher tenha condições de escolher o tipo de parto.
Constantino, no início do seu texto disse que não iria entrar no mérito da discussão porque não entendia do assunto. Esse fato, que fala por si, esclarece boa parte dos equívocos e alucinações de sua coluna: na ânsia de usar a Veja para nos salvar de mais essa “ameaça comunista” (o direito das mulheres não sofrerem violências durante o pré-parto, parto e pós-parto), produziu um texto histérico, com argumentos vazios e repetitivos, que mostraram-se incapazes de rebater os dados da pesquisa que pretendia invalidar.
******
Fonte:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/06/mentiras-da-veja-sobre-gravidez-e-partos-brasil.html

O repúdio aos escravocratas da Ellus

02.06.2014
Do BLOG DO MIRO, 01.06.14

Por Altamiro Borges
A marca de grife Ellus até que merecia irreverentes protestos com o slogan: “Ellus: trabalho escravo é atrasado”. Daria para confeccionar adesivos e produzir camisetas bonitinhas, que seriam usados em singelos “desfiles” nas lojas que comercializam os seus produtos. Seria uma forma de escrachar a empresa que, durante a “São Paulo Fashion Week” na semana passada, exibiu uma camisa escrota com a estampa: “Abaixo este Brasil atrasado”. Seria também uma forma de lembrar aos mais tapados que a Ellus já foi acusada de explorar trabalho escravo no Brasil – a exemplo de várias outras marcas da moda, como Zara, Gregory, M.Officer, Collins, Marisa, Pernambucanas e C&A.

Como já apontou o jornalista Kiko Nogueira, do blog Diário do Centro do Mundo, a iniciativa destrambelhada da Ellus foi um “incrível tiro no pé”. Ela utilizou a velha de tática de “bater a carteira e gritar pega ladrão”, mas se deu mal. Nas redes sociais, a marca de grife foi motivo de chacota. A empresa até tentou justificar seu “protesto” diante da plateia de “mauricinhos e patricinhas”, mas não convenceu. “Na São Paulo Fashion Week, foi lido um manifesto cabeça-oca chamado ‘Desabafo’. Se a intenção era provar o estereótipo de que a indústria da moda é forrada de pessoas superficiais, iletradas e magras, o objetivo foi plenamente alcançado”, ironizou o blogueiro.
Num dos trechos, o tal manifesto afirma: “Brasil = ineficiência, improdutividade. Isso faz com que fiquemos isolados do mundo, acarretando esse atraso todo em relação ao mundo moderno. É claro que os maiores responsáveis são os políticos e os governos antiquados, cartoriais, quase medievais, que com suas ideias atrasadas de protecionismo acabam por gerar atrofia. Precisamos desburocratizar, simplificar, avançar, abrir, internacionalizar, se não, cada vez mais, ficaremos isolados nas geleiras do Polo Sul”. Haja besteirol e cinismo! Será que a Ellus quer simplificar e desburocratizar as regras para explorar ainda mais o trabalho escravo? Quem mesmo defende ideias medievais e atrasadas?

Na terça-feira (27), finalmente o Senado aprovou a Proposta de Emenda Constitucional do Trabalho Escravo, que fixa a expropriação dos imóveis urbanos e rurais onde se comprovar o uso de trabalho análogo à escravidão. A PEC determina que as propriedades que forem expropriadas sejam destinadas à reforma agrária e a programas de habitação popular – sem indenização ao proprietário. Ela ainda impõe o confisco de “todo e qualquer bem de valor econômico” que seja encontrado na propriedade, que deve ser revertido a um fundo especial a ser regulamentado por lei. A expropriação também não retira eventuais sanções legais a serem aplicadas ao titular do imóvel.

A PEC tramitou durante 15 anos e segue agora para a promulgação no Congresso. Ela foi alvo da sabotagem das bancadas ruralistas e patronais, que já anunciaram que tentarão mudar os critérios de classificação do trabalho escravo na sua fase da regulamentação. Neste longo período, a Ellus nunca promoveu qualquer desfile contra esta prática “medieval e atrasada” – por motivos óbvios. Em 2012, foi instaurado processo contra a marca, que segue tramitando na 2ª Região do Ministério do Trabalho. A procuradora Carolina Vieira Mercante instaurou inquérito civil através da portaria 1083/2012, acusando a empresa de usar trabalho análogo à escravidão na confecção de suas roupas de grife. 

Como disse Kiko Nogueira, a Ellus “bate carteira e grita pega ladrão”. Patético. Merecia realmente uns escrachos!

*****

Leia também:
- Zara admite uso de trabalho escravo

- Trabalho escravo em cruzeiro de luxo

- Trabalho escravo não dá cadeia

- A "lista suja" do trabalho escravo

- Trabalho escravo está na moda

- Trabalho escravo e espírito natalino

*****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com.br/2014/06/o-repudio-aos-escravocratas-da-ellus.html

O complexo de “vira-latas” de nossa mídia.

02.06.2014
Do blog TIJOLACO
Por Fernando Brito

tumulto
É difícil, todos os dias, ter de ler os jornais com a prevenção que se deve ter ao conversar com uma pessoa desonesta com a qual tenhamos de travar relações.

Reproduzo aí em cima a foto e a legenda da Folha mostrando o “tumulto” entre os torcedores no teste do Itaquerão ontem à tarde.

É o tumulto mais pacífico e organizado que me foi dado ver nos últimos anos, como acontece em qualquer evento que reúne 40 mil pessoas e têm controle de entrada.

Que nem é no estádio, mas nos arredores, no trecho em que foi feita uma triagem de acesso.
Nada “funciona” na preparação do  Brasil para a Copa.

Uma tábua aqui, um monte de terra ali, tudo é um fracasso.

Só que as coisas estão funcionando.

Dentro da normalidade e de algum improviso que nunca faltou em coisa alguma.

Transformou-se a Copa em uma espécie de “razão de ser” do Brasil e onde qualquer restinho de entulho aqui ou ali é “prova da incapacidade brasileira”.

E a “incapacidade brasileira” , já ficou claro, vai ser capaz de fazer a Copa em níveis corretos e competentes, apesar da “uruca” da mídia e da elite.

E aí?

Como fica este discurso?

Quanto tempo ele resistirá?

A aposta da mídia e da oposição no fracasso da Copa é um altíssimo risco, mesmo com um Governo que, exceto por alguns espasmos, não reage e não enfrenta a polêmica.

Apesar desta inação, porém, a “onda”  vai se desfazendo.

No final das contas, o que estamos provando mesmo é que temos uma mídia e uma sub-elite incapazes de separar um evento que é de todo o país de uma exploração eleitoreira absolutamente mesquinha.
*****
Fonte:http://tijolaco.com.br/blog/?p=17972

Isto É jornalismo? Resposta à calúnia da revista

02.06.2014
Do BLOG DA CIDADANIA, 01.06.14
Por Eduardo Guimarães

Se fosse calcular quanto despendi para manter este Blog desde 2005, provavelmente desistiria de editá-lo. Não só pelo custo com hospedagem da página na internet, com deslocamentos e ligações telefônicas para apuração de matérias, mas com o tempo gasto para produzir tudo o que o Blog da Cidadania produz há cerca de nove anos.

Aliás, minha atividade como blogueiro sofre oposição da família há anos, pois esposa e filhos acham que eu deveria me dedicar mais ao trabalho remunerado por conta de minha quarta filha, Victoria, de 15 anos, que padece de grave enfermidade neurológica e que, portanto, requer considerável dispêndio de recursos financeiros.

Porém, como representante comercial autônomo sou dono do meu tempo e, assim, não abro mão desta empreitada já quase decenal. Este Blog faz com que me sinta útil à sociedade. Após passar 4/5 da vida sentindo-me amordaçado como tantos outros brasileiros, e ainda tendo que ver esses grandes grupos de mídia mentirem, deturparem fatos, é um bálsamo poder finalmente dizer o que penso, divulgar o que julgo necessário e saber que muitos leem.

Ao longo de quase uma década como blogueiro, de alguns anos para cá passei inclusive a receber propostas de veiculação de publicidade nesta página, o que me permitiria inclusive uma dedicação maior a este trabalho. Além de publicidade oficial que praticamente todo veículo jornalístico recebe, eu poderia pôr aqui publicidade do Google – que sempre rende um bom dinheirinho – e, inclusive, pedir doações aos leitores, como fazem tantos blogueiros.

Como tenho que trabalhar em outra atividade para me sustentar, como mantenho sempre o mesmo ritmo como blogueiro há muitos anos – em geral, um post por dia – e por saber que, se transformasse este blog em um negócio acabaria tendo que dispender mais tempo com ele, sempre recusei ofertas de veiculação de publicidade oficial – isso mesmo, já recusei inúmeras ofertas, inclusive de órgãos públicos.

A única coisa que aceitei, ao longo dos anos, foram as ofertas de doação dos leitores. Generosamente, eles vêm me ajudando a manter a página, mas todas as doações foram feitas por oferta deles após eu mencionar, há alguns anos, que estava com dificuldades porque, com o crescimento da audiência, o blog estava saindo do ar com frequência porque eu não podia pagar servidores mais parrudos para arcar com o imenso banco de dados e os acessos crescentes.

Contudo, como não institucionalizei o processo de doações de leitores como tantos outros blogs fazem, em geral as pessoas acabam esquecendo de doar e fico constrangido em “cobrar”.

Poderia, por exemplo, colocar aquele recurso que permite aos leitores doarem com cartão de crédito, do qual seria debitado mensalmente um valor. Mas o fato é que sinto certo constrangimento e acabei empurrando com a barriga e nunca oficializando pedidos de doações. Assim, arrecado bem menos do que poderia.

Já deveria ter inclusive colocado propaganda do Google. O desenvolvedor desta página diz que com a audiência que tem o Blog eu levantaria um bom dinheirinho. Contudo, vou sempre empurrando com a barriga e acabo não fazendo.

Pois bem: há mais ou menos uns 3 meses, recebo ligação no celular de uma moça de uma agência de publicidade dizendo que a Prefeitura de Guarulhos queria anunciar no meu Blog. Diferentemente de outras vezes, até por conta das dificuldades causadas por expressivo aumento que a empresa que hospeda esta página aplicou, disse à moça que “tudo bem”.

Passaram-se várias semanas e eis que recebo e-mail da mesma agência com a proposta de veiculação de campanha da Prefeitura de Guarulhos neste Blog. Assim, no dia 4 de abril, pela primeira vez desde 2005, passei a divulgar publicidade de um órgão público. A primeira campanha foi de 30 dias. Em maio, foi renovada.

Não conheço ninguém da Prefeitura de Guarulhos. Não conheço o prefeito, não conheço o secretário de Comunicação. Ninguém, absolutamente ninguém. Nunca me reuni com ninguém. Nunca falei ao telefone com ninguém.

A esta altura, alguns dos leitores desta página devem ter tomado conhecimento de matéria da edição desta semana da revista IstoÉ que, de forma leviana e até criminosa, acusa este Blog e a revista Fórum de integrarmos um “Bunker da calúnia” montado pela Prefeitura de Guarulhos para atacar Aécio Neves.

A matéria mistura este Blog e a revista Fórum com caso recente envolvendo uma servidora da Prefeitura de Guarulhos que postou críticas ao pré-candidato a presidente da República Aécio Neves usando os computadores daquele órgão público, o que é ilegal. A Folha de São Paulo divulgou o caso com grande estardalhaço, como sempre defendendo tucanos.

Todavia, casos assim, envolvendo servidores de órgãos públicos que decidem fazer política na internet usando equipamentos públicos, são comuns.

No fim do ano passado, a então ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, divulgou nota comentando ofensas sofridas por ela em dois perfis do Facebook (“Gleisi Indelicada” e “Gleisi Não”), que acabaram desativados pela rede social após determinação do Tribunal Regional Eleitoral (TRE).  Informações do próprio Facebook dão conta de que as páginas eram financiadas por José Gilberto Maciel, cargo comissionado da Agência Estadual de Notícias (AEN), o órgão de comunicação oficial do Governo do Estado do Paraná.

Há, também, o caso envolvendo o filho do tucano Xico Graziano, que trabalha no Instituto Fernando Henrique Cardoso e que vinha disseminando informações falsas sobre um dos filhos do ex-presidente Lula usando os computadores do IFHC.

O filho de Graziano disseminava pela internet boatos contra Lulinha dizendo-o sócio da Friboi, dono de um jato executivo da Gulfstream e de uma grande propriedade rural. A foto da propriedade utilizada na fraude é, na verdade, da sede da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), faculdade localizada em Piracicaba e ligada à Universidade de São Paulo. Tampouco existe jatinho algum e obviamente o filho de Lula não é sócio da Friboi.
Apesar de esses casos de uso de equipamentos públicos contra petistas não terem despertado a fúria da mídia tucana, o caso da Prefeitura de Guarulhos provocou uma revolução na mídia.

Tudo começou com matéria do jornal O Globo traçando o perfil de nove blogueiros – entre os quais, este que escreve – que entrevistaram Lula no dia 8 de abril deste ano. O Globo mencionou o banner da Prefeitura neste e em outros blogs que entrevistaram o ex-presidente, insinuando, por exemplo, que um banner que está aqui há cerca de 45 dias é a razão de tudo que esta página publica, apesar de ser a primeira publicidade oficial que este Blog teve em 9 anos.

Enfim, a matéria de IstoÉ configura calúnia e difamação desde o título. Renato Rovai, editor da revista Fórum, já adiantou que estuda medidas judiciais contra a IstoÉ. Este Blog ainda irá avaliar. Até porque, milhares de pessoas que leem esta página há quase uma década sabem muito bem que ela nunca teve publicidade oficial além dessa que aqui está há um mês e pouco.

Não existe maior preocupação inclusive com investigação da Prefeitura de Guarulhos que o PSDB conseguiu abrir no Ministério Público usando como desculpa o caso da servidora daquela administração que fez bobagem e que inclusive já foi demitida. Podem procurar à vontade que não encontrarão nada ligando esta página ao caso.

A matéria da IstoÉ não é jornalismo, mas um release para o PSDB e para Aécio Neves, que se diz “caluniado” por este Blog por ter, em 2012, respondido a ataque que o hoje pré-candidato tucano fez à época ao ex-presidente Lula, chamando-o de “chefe de facção”.

A matéria desta página que a IstoÉ cita como ofensiva a Aécio Neves alude ao noticiário de 2011, quando o tucano foi parado no Rio de Janeiro em uma blitz da lei seca e teve sua carteira de motorista apreendida por se recusar a fazer o teste do bafômetro. Abaixo, vídeo de matéria da Globo sobre o assunto.

A matéria da IstoÉ causa indignação por fazer afirmações sobre o que não pode ser provado – que este Blog ou a revista Fórum publicam o que publicam por serem pagos pela Prefeitura de Guarulhos – e, mais do que isso, por a revista não ter se dado ao trabalho de ouvir aquela prefeitura, este blogueiro e a Fórum e, de forma mentirosa, dizer que tentou nos ouvir.

Não ouviu coisa nenhuma. IstoÉ não me procurou, não procurou Renato Rovai e desconfio de que tampouco procurou a Prefeitura de Guarulhos.

Seja como for, minha preocupação com esse caso é zero. Não sou filiado ao PT, não presto serviços ao PT, não recebi proposta de veiculação do banner daquela prefeitura sob condição alguma. E se eu prestasse serviços ao PT, seria absolutamente legítimo. Mas nunca tive esse tipo de relação com partido nenhum, com administração pública nenhuma.

Mas, claro, há que avaliar muito bem a matéria da revista. Nos próximos dias, encaminharei à publicação um pedido de explicações e a minha versão dos fatos, além de levar a cabo as consultas jurídicas que se fazem necessárias. Vários jornalistas da grande mídia vêm caluniando blogueiros que simpatizam com Lula, Dilma e o PT e isso já foi longe demais.
*****
Fonte:http://www.blogdacidadania.com.br/2014/06/isto-e-jornalismo-resposta-a-calunia-da-revista/

QUINCAS DO STF, O INGRATO: Recibo de ingratidão

02.06.2014
Do portal BRASIL247
Por Ricardo Fonseca
Barbosa, mesmo que tenha demonstrado sentimentos negativos em relação à presidenta Dilma, e obviamente ao PT, jamais poderia ter esquecido que foi pelas mãos desse partido que alcançou o STF
 
"Se quiser me homenagear, basta não votar no PT". A frase, que tem sido divulgada em alguns portais atribuída a Joaquim Barbosa, se for mesmo verdadeira, é o maior recibo de ingratidão absurdamente de pessoa pública que se terá notícia por muito tempo. O Sr. Barbosa, mesmo que em inúmeras oportunidades tivesse demonstrado sentimentos negativos (ou contrários) em relação à presidenta Dilma, e obviamente ao PT e seus integrantes, jamais, em tempo algum, poderia ter esquecido que foi pelas mãos desse mesmo partido, mais precisamente do ex-presidente Lula, que ele alcançou o sonho de chegar à mais alta corte desse País.
 
Segundo a revista Carta Maior (em artigo de Chico Vigilante no Brasil 247 de 19 de maio), em um determinado momento, o Sr. Barbosa procurou o então Ministro Chefe da Casa Civil José Dirceu (2003-2007) apresentando um pedido para que seu nome fosse levado ao Presidente Lula, a quem caberia indicar à Suprema Corte. Dirceu recebeu o pedido e teria comentado com o pretenso candidato ao STF: "Bom mesmo será o dia em que os que pretendem chegar ao Supremo obtenham sua indicação por seus próprios méritos, e não por indicações políticas como a que está me pedindo".
 
Conforme a lenda, esse seria o motivo pelo qual ele teria perseguido tanto o Sr. José Dirceu e seus aliados, na famosa farsa da chamada AP 470, ou mensalão (que nunca foi mensalão) petista.
 
Barbosa passou pelo STF como um cometa fugaz, destinado a arrasar com o que julgara estar completamente errado. Muitas das vezes escreveu torto por linhas certas. Desafiou juristas e criou leis para credibilizar os seus grandiosos atos. Colocou em cheque decisões de juízes de execuções e também a vida de 10 mil detentos que estão em regime semiaberto no País.
 
Ele foi herói e anti-herói, protagonista e coadjuvante, amado e odiado. Criou um espetáculo sem precedentes na justiça brasileira, expondo o STF a um certo grau de insegurança jurídica. Menosprezou decisões de colegas togados, criou a norma 154 de execução penal que determina que o relator de cada caso, seja também o juiz responsável pela fase de execução (na qual está incluída a decisão de vistoriar e decidir sobre os pedidos de saída para trabalho) e que ele próprio descumpriu. Fez do STF a extensão dos seus mais nobres devaneios.
 
Resta-lhe agora gozar dos mais paradisíacos roteiros em Miami, Flórida. Das galerias e cafés da vintage "Lincoln Road" aos passeios de air boat nos everglades abarrotados de crocodilos. Aproveitar a gastronomia de "Bay Side" ou simplesmente curtir os barzinhos da Ocean Drive. Dar uma voltinha de barco no navio-casino Princesa, ou quem sabe fazer até uma fezinha no Miccosukee Resort & Gaming.
 
Joaquim Barbosa, após a sua aposentadoria precoce, poderá palestrar livremente pela Europa, Ásia ou Estados Unidos. Terá tempo de sobra para dar autógrafos e entrevistas, para ler e até escrever a sua polêmica biografia. Enfim, ele terá de fato o descanso dos justos.
 
Segundo a minha teoria do meu domínio do fato, apesar das declarações dos poucos políticos enaltecendo o seu trabalho, quem sentirá mais a falta dele no STF será a oposição do governo Dilma.

Entretanto, algumas pessoas realmente sentirão saudades, do mesmo jeito que sentem do Lex Luthor, Coringa e Darth Vader. Ou seja, dos anti-heróis que conquistaram e fizeram uma bela história nesse mundo. Au revoir, arrivederci, Auf Wiedersehen, despedida, goodbye. Vá com Deus! #PorUmaJustiçamelhor.
*****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/artigos/142078/Recibo-de-ingratidão.htm

Graça: País será 6º maior produtor de petróleo

02.06.2014
Do portal BRASIL247
 
          :                                                              
Presidente da Petrobras, Graça Foster, reafirmou nesta segunda-feira plano da estatal de elevar produção nacional para 4,2 milhões de barris diários em 2020; segundo ela, em um período de 12 anos, a empresa terá investido o montante de US$ 102 bilhões no pré-sal desde quando a área foi descoberta, em 2006; avanço no ranking global de produtores deve elevar Brasil à sexta posição até 2035