domingo, 20 de abril de 2014

A cruz do calvário é o centro do tempo e da eternidade

19.04.2014
Do portal ULTIMATO ON LINE, 16.04.14

http://www.freeimages.com/photo/1219325
Nesta “sexta-feira da paixão” (dia 18) todas as ramificações do cristianismo ao redor do mundo vão comemorar a morte vicária de Jesus Cristo numa pequena colina ao redor de Jerusalém. A elevação rochosa chama-se Calvário (na forma latina) ou Gólgota (na forma aramaica), cujo significado é “o lugar da caveira”. Tem esse nome sinistro porque, visto de um determinado ângulo, a encosta parece-se de fato com uma caveira.

A data mais aceita desse evento seria o dia três de abril do ano 33 da era cristã.

Embora a cruz seja o símbolo mais conhecido e precioso do cristianismo, nenhum de nós está por dentro de seu verdadeiro significado. Temos dado mais ênfase ao aspecto doloroso de que ao aspecto vitorioso da cruz.

Para nos obrigar a pensar no lado positivo da cruz, transcrevo aqui alguns pensamentos de Oswald Chambers, colhidos por sua esposa por ocasião de suas conferências no acampamento da Associação Cristã de Moços realizadas no Egito há quase cem anos.

“Não podemos jamais tolerar a ideia de martírio associada à cruz de Jesus Cristo. A cruz foi um sublime triunfo, que abalou os fundamentos do inferno”.

“Não há nada mais certo, no tempo ou na eternidade, do que o que Jesus fez na cruz. De um momento para o outro ele recolocou toda a raça humana num relacionamento correto com Deus. Ele fez da redenção a base da vida humana - a cruz abriu o caminho para que todo ser humano possa entrar em comunhão com Deus”.

“A cruz não foi um acaso para Jesus: ele veio propositalmente para ela. Ele é o “Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo”. Todo sentido de encarnação está na cruz”.

“A cruz é o centro do tempo e da eternidade, a resposta aos enigmas de ambos”.

“A cruz é o portal através da qual qualquer indivíduo da raça humana pode entrar em união com Deus. Podemos chegar à cruz, mas não podemos transpô-la. Vivemos a vida para a qual a cruz é o portal”.

“O centro da salvação é a cruz de Jesus. A razão porque é tão fácil obter a salvação está no alto preço que ela custou a Deus”.

“A cruz é o ponto em que Deus e o pecador colidem e o caminho para a vida se abre!”

Leia também


*Diretor-fundador da Editora Ultimato e redator da revista Ultimato, Elben César é autor de, entre outros, Mochila nas Costas e Diário na MãoPara Melhor Enfrentar o SofrimentoConversas com LuteroRefeições Diárias com os Profetas MenoresA Pessoa Mais Importante do MundoHistória da Evangelização do Brasil Práticas Devocionais. Ex-presidente da Associação de Missões do Terceiro Mundo e fundador do Centro Evangélico de Missões, do qual é presidente de honra, é também jornalista e pastor emérito da Igreja Presbiteriana de Viçosa.

*****
Fonte:http://www.ultimato.com.br/conteudo/a-cruz-do-calvario-e-o-centro-do-tempo-e-da-eternidade

Como explicar os fósseis de hominídeos e dinossauros à luz da Bíblia

19.04.2014
Do PROGRAMA VEJAM SÓ, 11.06.2012
Postado porRafael Medeiros·

*****
Fonte:https://www.youtube.com/watch?v=236e12hHGvA

MINO, GILMAR, ELLEN E DANTAS A Carta Capital trata da “doce vida do corruptor”.

20.04.2014
Do blog CONVERSA AFIADA, 
Por Paulo Henrique Amorim

A Carta Capital trata da “doce vida do corruptor”.

Conversa Afiada reproduz magistral artigo de Mino Carta na edição da Carta desta semana que tem como tema “a doce vida do corruptor”.

Por falar nisso, quando o Presidente Barbosa vai levar a julgamento a legitimação da Satiagraha, contida na RE 680967 ?

Ou abrir ao distinto público o Inquérito 2474 ?

Viva o Brasil, não é, Mino ?:

RECORDAR É MAL VIVER


Lembranças de dois momentos vividos como jornalista e como cidadão, a mostrar um Brasil muito complicado
por Mino Carta 

Nunca esquecerei aquele dia de 2008, em que o ministro da Justiça, Tarso Genro, me telefonou em estado de graça. “Viu, viu – disse no tom do entusiasmo –, acabamos de prender Daniel Dantas.” Em ótima fé, premiava CartaCapital, que nunca esmoreceu na denúncia das façanhas ilegais do banqueiro do Opportunity. A Operação Satiagraha atingira o alvo. Em vão, como todos sabem.

Com a colaboração inicial de Gilmar Mendes, que ao longo do episódio chegou a “chamar às falas” o presidente Lula e, secundado pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, pediu a cabeça do então diretor da Abin Paulo Lacerda, Dantas foi solto e vive até hoje livre como um passarinho feliz. Melhor, como um pássaro graúdo e de rapina a sobrevoar o País. Lacerda sofreu o ostracismo e foi exilado para a embaixada em Lisboa, enquanto Gilmar Mendes afirmava ter sido grampeado pela Abin juntamente com o então senador Demóstenes Torres, de deplorável memória.

Mais tarde verificou-se que a Abin não tinha condições técnicas para grampear quem quer que seja, nem por isso houve algum gênero de desagravo a Lacerda, honrado delegado de límpida carreira, tampouco para Protógenes Queiroz, que comandara a Satiagraha e de quem pretendeu-se alegar a incompetência.

Também não consigo esquecer um dia do final de 2005, quando Paulo Lacerda, então diretor da própria Polícia Federal, me iluminou, e espantou notavelmente, a respeito do destino do disco rígido do Opportunity, apreendido pela Operação Chacal. Entregue o disco ao Supremo, esperava-se que fosse aberto. Cabia a decisão final à ministra Ellen Gracie, mas o tempo passava e o nihil obstat não vinha.

Perguntei a Lacerda qual seria a razão da demora. Respondeu, rápida e textualmente: “Se abrirem, acaba a República”. A mesma frase eu ouviria mais tarde de outras bocas. O enterro da Chacal e da Satiagraha é um excelente exemplo de quanto move a reportagem de capa desta edição.

2

Aqui e acolá aparecem na mídia nativa referências à possibilidade de que Lula assuma o lugar de Dilma no próximo embate eleitoral. Pergunto aos meus intrigados botões: por que será? Hoje estão loquazes, começam de longe, só faltaria evocarem os sumérios. Felizmente, não é bem assim, mas verdade factual é que do assunto fala-se há tempo, assim como havia gente de boa-fé entre quem aventava a hipótese.

Sim, sim, digo eu, mas por que agora? Sem contar que a boa-fé não é própria da mídia nativa. Ora, dizem os botões, o propósito é claro e óbvio: trata-se de inquietar o ambiente petista e tentar criar fricções entre Dilma e Lula. Semear a cizânia, diria um evangelista. O jornalismo pátrio não prima pela sutileza. Isto é da tradição: afirma isenção, equidistância, pluralidade, enquanto toma partido sempre e sempre a favor da casa-grande. Normal, não é mesmo? Os patrões da mídia nativa são inquilinos estáveis da mansão, além de hipócritas natos e hereditários.

Volto à carga: mas por que Lula haveria de arrancar a candidatura da sua criatura? Pois é, dizem os botões, não há razão alguma, conveniência política que seja. Sim, caiu um pouco a popularidade da presidenta, as pesquisas, entretanto, teimam em apontar sua vitória no primeiro turno. E se ganha Dilma, o PT fica no poder por 16 anos e, quem sabe, Lula venha a ser o candidato, isto sim, em 2018. A tigrada, observam os botões, ficou animada com a entrevista do ex-presidente aos blogueiros confiáveis porque ali não deixou de chamar a atenção da criatura quanto a algo evidente: cabe a ela, em primeiro lugar, expor as razões de sua reeleição.

De fato, os papéis de cada qual mudaram. Em 2010, era dever de Lula expor os motivos de sua escolha. Agora, o dever de defender o governo, o seu governo, fica para Dilma. A qual não errou ao dizer que a campanha desencadeada pelo affair Pasadena (mau e nebuloso negócio) visa à destruição da Petrobras. Trata-se, parece-me, de uma visão a médio, ou longo, prazo, caso se encerre o reinado petista. A presidenta poderia ter lembrado que, com o tucanato no poder, cogitou-se da privatização da estatal com o apoio dos jornalões, em delírio. Em outros tempos, a isto se chamava de entreguismo.
*****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2014/04/19/mino-gilmar-ellen-e-dantas/

“Globo não tem estatura moral para ser fiscal de blogueiro”

20.04.2014
Do blog ESCREVINHADOR, 19.04.14
Por Ramon de Castro, para Rádio Vermelho

Em matéria publicada nesta quinta-feira (17), no jornal “O Globo”, nota-se uma grande manipulação dos fatos para tentar deslegitimar e intimidar os jornalistas e blogueiros que participaram da entrevista com o ex-presidente Lula na semana passada. Rodrigo Vianna, do Blog Escrevinhador, que estava na coletiva de Lula, concedeu uma entrevista exclusiva ao Portal Vermelho sobre os fatos.
“O que fica claro é o interesse da Globo em intimidar os blogueiros que – apesar de suas limitações – oferecem uma narrativa que é uma alternativa ao poder da Globo de manipular”, disse Rodrigo Vianna. Para o blogueiro, trata-se de “uma retaliação clara, uma tentativa de intimidar.” Mas, ao invés disso, “estão ajudando a tornar os blogs ainda mais conhecidos”, completou.


Vianna foi procurado pelas jornalistas da Globo para dar a entrevista e recusou, pois o único pedido do blogueiro para dar a entrevista foi negado. “Pedi para a jornalista mandar as perguntas por escrito e avisei que só daria a entrevista se a Globo esclarecesse o caso da suposta sonegação fiscal de R$1 bilhão.”, revelou. “Como a jornalista não quis nem ao menos mandar as perguntas, não respondi”, indagou.

Para Rodrigo, nenhum dos participantes da coletiva com Lula deveria falar com a Globo. “Eles pensam em nos deslegitimar e por que vamos lhes dar legitimidade? A Globo não tem estatura moral para ser fiscal de blogueiro”, falou.


Especificamente sobre o papel das jornalistas que assinaram a matéria publicada nesta quinta-feira (17) no jornal “O Globo”, Rodrigo acredita que as repórteres fazem esse papel talvez por medo e pensando na ascensão no mercado de trabalho. “Um dia elas vão descobrir que entre elas e a empresa há uma diferença, vão perceber que há uma grande diferença entre o jornalista e o dono da empresa de jornalismo, e assim vão perceber o papel a que estão se prestando”, disse.


Leia outros textos de Radar da Mídia
*****
Fonte:http://www.rodrigovianna.com.br/radar-da-midia/globo-nao-tem-estatura-moral-para-ser-fiscal-de-blogueiro.html