Pesquisar este blog

sexta-feira, 28 de março de 2014

FHC ACHA CPI “ELEITOREIRA”. QUÁ, QUÁ, QUÁ !

28.03.2014
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Amorim

Saiu no UOL a 765a. entrevista do Príncipe da Privataria neste mês:

FHC DIZ QUE INCLUIR CASO ALSTOM NA CPI É ‘ELEITOREIRO’


O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou nesta sexta-feira, 28, a intenção de parlamentares governistas de incluir as investigações do caso Alstom numa possível CPI da Petrobras. O tucano classificou a estratégia como “puramente eleitoreira”. “Neste momento, o importante para o País é esclarecer o mau manejo da Petrobras, como é que a tal ponto”, disse o ex-presidente.

FHC disse que a proposta da CPI é de investigar a questão da Petrobras e afirmou que ela não é contra o governo Dilma. “A CPI não pode se transformar em palco político, tem que ser realmente para investigar o que aconteceu na Petrobras porque é sério, está pondo em risco a maior empresa do Brasil, a credibilidade dela”, afirmou, reforçando que é contra a investigação de outros temas nesta comissão. “A CPI tem que ter um fato determinado. O fato determinado está posto lá e é o caso da Petrobrás. Se houve corrupção (no caso Alstom), e pode ter havido, tem que punir quem foi corrupto. Mas não houve até agora nenhuma ligação entre eventuais corrompidos e corruptores com o governo.”

(…)

Navalha
O Príncipe está numa encruzilhada.
Com medo de ter que enfrentar o Ricardo Sergio, ele foi contra a CPI.
Depois, o Aécio ligou pra ele e ele ficou a favor.
Ai, o Governo resolveu botar Suape, Alstom, Siemens na roda e ele ficou assustado.
E se o Roberto Amaral aparece para falar do Daniel Dantas, não é Rubens Valente ? Clique aqui para ler “Não haveria Dantas sem Gilmar” .
Como se sabe, FHC virou um ectoplasma.
Ele não passa de uma ficção borgiana, um espécime de zoologia fantástica, que só se manifesta fisicamente no PiG (*).
E Dudu ?
Deu uma punhalada nas costas do Lula, fez seus quatro senadores assinarem a CPI e, agora, quando entrou SUAPE na roda, ele diz que é infantilismo.
Não deixe de votar na enquete trepidante: com que traidor o Dudu mais se parece ?
E aqui para ler “Quem governou Pernambuco foi o Lula” .

Paulo Henrique Amorim
(*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.
*****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/politica/2014/03/28/fhc-acha-cpi-eleitoreira-qua-qua-qua/

BARACK OBAMA ESPIONA NOSSO BLOG DESDE 2010 - AFIRMO E PROVO

28.03.2014
Do blog 007BONDeblog, 14.06.2013

Está prestes a completar três anos, o período / dias em que recebi várias visitas do Departamento de Estado do Governo Americano e também da CIA. Felizmente uma dessa 'visitas' eu consegui REGISTRAR através do controle de audiência do SITER METER. O fato se deu quando ainda fervilhava o episódio do menino Sean Goldman, e o então embaixador americano no Brasil  fez declarações das mais desrespeitosas ao nosso país e a nossa justiça. 

Publiquei algumas matérias sobre o tema e sobre a conduta arrogante do embaixador, a quem não poupei críticas, da mesma forma que à postura dos EUA em relação aos Palestinos e, para minha surpresa, nessas postagens apareceu a marca da VISITA do governo americano. Qual a surpresa com o fato que eles monitoram e espionam o mundo todo, indo do simples acompanhamento de cidadão e suas opiniões (como a minha) para balizar a repercussão dos seus atos e alinhamentos, até a invasão de privacidade de telefonemas e emails. Sempre fizeram, fazem e continuarão fazendo. Os sistemas do Facebook, Google, Yahoo e outros, apenas facilitam a vida dos espiões americanos. 

RELEMBRE
quinta-feira, 17 de junho de 2010


DEPARTAMENTO DE ESTADO DO GOVERNO AMERICANO VISITA O 007BONDeblog


007bondeblog

Por detalhes > Detalhe da visita

Visite 84603 

Nome de Domínio state.gov ? (U. S. Governo) 
Endereço IP 169.252.4. # (U. S. Department of State) 
ISP U. S. Departamento de Estado 
Localização Continente : América do Norte 
País : Estados Unidos (Fatos) 
Estado : Virgínia
Cidade : Reston

Lat / Long : 38,9579, -77,3439(Mapa)
Linguagem Inglês (E.U.)

*****
"Grato pela visita e um abraço. Uma pena que não tenham feito comentário, eu responderia com o máximo prazer".
*****
Fonte:http://007bondeblog.blogspot.com.br/2013/06/barack-obama-espiona-nosso-blog-desde.html

PETROBRAS GANHOU 5 "PASADENAS" EM VALOR SÓ ONTEM

28.03.2014
Do portal BRASI247

*****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/economia/134797/Petrobras-ganhou-5-Pasadenas-em-valor-s%C3%B3-ontem.htm

Altman: acerto sobre Azeredo desmascara AP 470

28.03.2014
Do portal BRASIL247
Por Breno Altman, especial para o 247


O Supremo Tribunal Federal deliberou, por 8 votos a 1, pela remessa do processo contra o ex-deputado Eduardo Azeredo à primeira instância, nas montanhas de sua Minas Gerais, onde responderá pelo mensalão tucano. 

Tal resolução, a bem da verdade, guarda coerência com outra, tomada há algumas semanas, que estabeleceu desmembramento de processos que envolvam cidadãos com e sem foro privilegiado, ainda quando partilhando a mesma denúncia penal. Aqueles que não possuírem alçada federal, serão remetidos para o pé da pirâmide judicial, com direito a dois ou até três graus de apelação.

Pode-se especular que o ex-presidente do PSDB renunciou ao mandato parlamentar por razões maliciosas, apenas para ganhar tempo e aumentar as chances de prescrição para eventuais crimes, além de buscar a tranquilidade de uma comarca na qual exerça maior influência. Mas não há qualquer dúvida que a atitude tomada por Azeredo, trocando sua cadeira na Câmara por maior segurança jurídica, está protegida por direitos constitucionais. Como reconheceu, aliás, a própria corte suprema.

Talvez seja pertinente a crítica moral. Ao contrário de José Dirceu, que recusou abdicar do parlamento para escapar da cassação, preferindo o combate político ao cálculo de oportunidades, o outrora governador mineiro resolveu escapar pela porta dos fundos. Não é bonito, tampouco ilegal. Dirceu tem obrigação histórica e biográfica de ser como é. Azeredo contou com a possibilidade regulamentar de agir como o fez. 

O mais relevante, no entanto, está na jurisprudência que acarretam as novas deliberações do STF. Depois de revisado o crime de quadrilha, caiu a segunda das quatro pilastras sobre as quais se ancorou a AP 470, qual seja, a  unificação de todas as denúncias em um só processo na corte suprema quando qualquer dos réus goza de foro privilegiado. Quando foi analisado o caso contra os petistas, apenas três dos 39 acusados eram parlamentares nacionais, mas todos foram conduzidos a julgamento em instância única.

Este procedimento, considerado fundamental para as condições de espetáculo e resultado contra Dirceu e companheiros, foi devidamente arquivado depois de ajudar o relator Joaquim Barbosa a alcançar seus objetivos. Não é à toa que o único voto contra Azeredo tenha sido o do atual presidente do STF, possivelmente pouco à vontade em corroborar, com sua própria incoerência, o caráter de exceção do encaminhamento anterior.

A mudança de critérios, de toda forma, desmascara parte dos métodos arbitrários do processo precedente, que também se encontram sob acosso da Corte Interamericana de Direitos Humanos, reiteradamente exigindo que todos os signatários do Pacto de San Jose ofereçam julgamento recursal em ações penais, mesmo quando os réus são enquadrados na instância superior do sistema judiciário.

Com o tempo, não irá restar pedra sobre pedra das armações que determinaram a AP 470, cujas operações foram tecidas sob medida, para ocasião única, na alfaiataria dirigida pelo ministro Barbosa. Ainda restam outras duas colunas: o domínio do fato como teoria que dispensa provas materiais concretas para condenação e o fatiamento do suposto crime de suborno em diversos delitos independentes, com a meta de garantir a devida exacerbação penal. Tampouco essas aberrações sobreviverão à via constitucional que o STF está obrigado a retomar.

Quando a normalidade jurídica estiver plenamente recuperada, porém, a corte suprema terá que resolver um dos maiores dilemas de sua história. Como irá corrigir as injustiças e desmandos que levaram à cadeia líderes históricos do PT? Quem irá pagar a conta do circo judicial e midiático montado com a única finalidade de degolá-los por crimes que jamais cometeram?
*****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/134810/Altman-acerto-sobre-Azeredo-desmascara-AP-470.htm

Presidente do Senado declara apoio à luta dos servidores pela DPNI/VPNI

28.03.2014
Do portal do SINDSPREV.PE

CLIQUE PARA AMPLIAR
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), em audiência na manhã desta quarta-feira (26) com líderes sindicais dos trabalhadores em Seguridade Social, prometeu auxiliar na negociação para incluir na Medida Provisória 232/2013 emendas que garantem a legalidade das gratificações Vantagens Pessoais Nominalmente Especificadas (VPNI) e Diferenças Pessoais Nominalmente Especificadas (DPNI). Essas gratificações foram retiradas da remuneração dos funcionários desde janeiro último.

CLIQUE PARA AMPLIAR
Da esquerda para a direita: Maria Moura(AL), Cláudia Jane(AL), Heleno Teixeira(PB), Irineu Messias(PE), Célio dos Santos(AL), Deputado Federal Paulão(PT.AL), Senador Renan Calheiros,Presidente do Senado(PMDB.AL), José Bonifácio(PE) e Eulálio Nascimento(RN) 
 
Na audiência com Renan Calheiros, os sindicalistas se fizeram acompanhar do deputado Paulão (PT-AL) e do vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Seguridade Social de Alagoas, Célio dos Santos. O líder sindical entregou ao presidente do Senado um documento da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Seguridade Social pedindo a aprovação das emendas propostas pela entidade para a referida medida provisória.
 
CLIQUE PARA AMPLIAR
 

******
Fonte:http://sindsprev.org.br/index.php?categoria=noticias_principais_01&codigo_noticia=0000002996&cat=noticias

Entrevista com Gabrielli que a Globo escondeu: Pasadena funciona e dá lucro

28.03.2014
Do blog CAFEZINHO, 21.03.14
Por Miguel do Rosário

A Petrobrás não fala nada, com medo sabe-se lá de quê, mas Gabrielli, ex-presidente da companhia, falou. Eis a íntegra da entrevista que o JN mutilou para deixar a impressão que o petista se voltava contra Dilma. Depois compare com a matéria editada do JN.
*****
Fonte:http://www.ocafezinho.com/2014/03/21/entrevista-com-gabrielli-que-a-globo-escondeu-pasadena-funciona-e-da-lucro/

Tudo para os amigos, nem a lei para os adversário

28.03.2014
Do blog ESQUERDOPATA

Entre a justiça e a farsa

Depois da vitória correta de Azeredo no STF cabe perguntar por que os réus da AP 470 não tiveram o mesmo direito

Ao decidir, por 8 votos a 1, que Eduardo Azeredo deve ser julgado em Minas Gerais pelas denúncias ligadas ao mensalão tucano, o Supremo fez a opção correta entre a farsa e a justiça.

A farsa, como se sabe, consistia em negar a Azeredo o direito de ser julgado em primeira instância – e depois pedir um segundo julgamento em caso de condenação, como a lei assegura a todo cidadão sem prerrogativa de foro – apenas para manter um teatrinho coerente com a AP 470.

Eduardo Azeredo teve seu direito reconhecido pacificamente, por 8 votos 1, placar tão folgado que desta vez não se ouvirá o coralzinho de quem culpa os “dois ministros da Dilma” por qualquer resultado que não lhe agrada. 

Em nome da mitologia em torno do “maior julgamento da história” se poderia querer repetir uma injustiça por toda a história.

Assim: já que nenhum réu ligado ao PT teve direito a um julgamento em primeira instância, o que permite a todo condenado entrar com um recurso para obter um segundo julgamento, era preciso dar o mesmo tratamento a pelo menos um dos réus ligados ao PSDB.

Para esconder um erro, era preciso cometer um segundo – quando todo mundo sabe que isso não produz um acerto, mas apenas dois erros.

Com decisão de ontem ficou um pouquinho mais fácil reconhecer um fato que já é reconhecido por um número crescente de estudiosos, de que a AP 470 foi resolvida como um julgamento de exceção.

Nas fases iniciais das duas ações penais, não custa lembrar, o STF deu sentenças diferentes para situações iguais, o que sempre pareceu escandaloso.

Desmembrou o julgamento dos tucanos. Apenas réus com mandato parlamentar – Azeredo e o senador Clésio Andrade – ficaram no Supremo.

 O mesmo tribunal, no entanto, fez o contrário na AP 470. Todos – parlamentares ou não -- foram julgados num processo único, num tribunal único.

 Mesmo quem não tinha mandato parlamentar foi mantido no STF, onde as decisões não têm direito a recurso e, apenas em casos muito especiais, é possível, entrar com os embargos infringentes.

Mesmo assim, na AP 470 havia até o risco, como se viu, de negar embargos, não é mesmo?

Ao decidir que o ex-deputado mineiro deve ser julgado nas regras que a  Constituição e a jurisprudência  sempre asseguraram  a todos os réus em situação semelhante – a única exceção foi o notório Natan Donadon, com  várias particularidades – o STF  coloca outro debate em questão.

Se Eduardo Azeredo terá direito – corretamente -- a um segundo julgamento, caso venha a ser condenado, por que os réus da AP 470 não podem fazer o mesmo?

Essa é a pergunta, desde ontem. Se os réus da AP 470 não tiveram direito a um novo julgamento -- seja através de uma revisão criminal, seja na Corte Interamericana de Direitos Humanos -- teremos a confirmação da farsa dentro da farsa, a exceção dentro da exceção. Tudo para os amigos, nem a lei para os adversários.
*****
Fonte:http://esquerdopata.blogspot.com.br/2014/03/tudo-para-os-amigos-nem-lei-para-os.html

GEAP - Comissão eleitoral homologa resultado das eleições

28.03.2014
Do portal da GEAP - FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL, 26.03.14

Transcorrido o prazo regimental para recebimento e julgamento dos recursos às eleições 2014 para os conselhos de Administração (CONAD) e Fiscal (CONFIS) da GEAP, a Comissão Eleitoral aprovou aresolução nº 009/CE, nesta quarta-feira (26), em que homologa o resultado do pleito. A chapa eleita para o CONAD foi a “Nossa Chapa”, com 43,6% dos votos válidos e a chapa eleita para o CONFIS foi a “Nossa Chapa” com 45,5% dos votos válidos.
A Comissão Eleitoral irá encaminhar os nomes dos eleitos, titulares e suplentes de cada colegiado, ao Conselho de Administração. A posse dos novos conselheiros ocorrerá em 15 de abril.
*****
Fonte:http://www.geap.com.br/_geap/ge_notic_publi_ultim_notic.asp?NroNoticia=3021

PT e PSDB: o fim da farsa de tratamento igual para denúncias iguais

28.03.2014
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO, 19.03.14

Chega ao fim a farsa de que haveria tratamento igual para denúncias iguais contra PT e PSDB. 'Mensalão tucano' não terá o mesmo tratamento do 'mensalão petista'
Com a renúncia ao mandato de deputado federal, Eduardo Azeredo vai escapar do julgamento no STF e garante transferência automática para a primeira instância.
É o fim da farsa de que a Justiça iria dar tratamento igual para denúncias iguais.
Eduardo Azeredo passa a ter direito, agora, a um duplo grau de jurisdição, em Belo Horizonte. Mas, na capital mineira, o processo sequer terminou a fase inicial.
As testemunhas não foram ouvidas, a defesa não apresentou suas alegações nem o Ministério Público apresentou a denúncia.
E quando tudo isso for feito, quem for condenado terá direito a segunda instância. Quando isso vai acontecer? Ninguém sabe.
Mas todo mundo sabe, por exemplo, que o mensalão PSDB-MG chegou ao STF dois anos antes do que a denúncia contra os petistas.
A renúncia de Azeredo destrói uma ilusão. Impede que se salvem as aparências. É o absurdo jurídico na forma de fratura exposta.
Mas há responsabilidades por isso. Não é “o sistema.”
Em agosto de 2012 o STF negou, por 9 votos a 2, que os réus da AP 470 tivessem direito ao desmembramento. Meses antes, os ministros asseguraram o desmembramento aos réus do mensalão PSDB-MG.
A desigualdade nos direitos dos réus foi definida ali e era só uma questão de tempo que mostrasse sua utilidade.
Dois pesos, dois mensalões, escreveu Janio de Freitas, na época. No mesmo dia, há dois anos, alertei que esse tratamento desigual teria um efeito duradouro sobre o julgamento.
Claro que teve. Garantiu a impunidade de alguns e a pena máxima, agravada artificialmente, de outros.
Quem dizia que o STF estava punindo “ poderosos “, que isso “ nunca fora feito antes” pode cancelar o baile e pedir o dinheiro dos ingressos de volta.
Essa visão foi coberta de ridículo pela decisão de Azeredo. O deputado federal não está errado. Fez aquilo que os juízes disseram que poderia fazer. Quem vai condenar?
A outra face da AP 470 foi escrita agora, com todas as letras.
Ao verificar que não era possível livrar-se de uma denúncia e que corria o risco de ser condenado a 22 anos, Azeredo caiu fora.
Estava autorizado a fazer isso pela decisão do STF.
Se este critério tivesse sido aplicado na AP 470, José Dirceu, Delúbio Soares, Henrique Pizzolato e outros 30 réus sequer teriam passado pelo STF. Estariam na primeira instância. E, se resolvessem seguir o exemplo de Azeredo, Genoíno, João Paulo Cunha e outros parlamentares só precisavam renunciar para ter acesso aos mesmos direitos.
A História da AP 470 teria sido outra.
Com a renúncia, Eduardo Azeredo dá adeus a Joaquim Barbosa, a Gilmar Mendes e outros leões do “ maior julgamento da história.”
Para os ministros, vai ser um alívio, tenho certeza.
Uma coisa foi aplicar a Teoria do Domínio do Fato contra Dirceu, Genoíno e Delúbio, sob aplauso dos meios de comunicação. Ali era possível falar em “ flexibilidade “ das provas, em condenar réus enquanto se mantinha, em caráter sigiloso, documentos e testemunhas que poderiam ser úteis em sua defesa.
Outra coisa seria encontrar atalhos equivalentes para condenar Eduardo Azeredo com o mesmo rigor.
Não que não houvesse provas para isso. Havia, e até mais robustas que as provas da AP 470. Se você acredita que era um caso regional, mineiro, saiba que é um conto do vigário. Quando a vida de Marcos Valério e outros publicitários do esquema ficou difícil, em Minas Gerais, por causa da oposição do governador Itamar Franco, suas agências se mudaram para Brasília. Ganharam contratos no Banco do Brasil, no Ministério dos Esportes. Mobilizaram verbas milionárias do Visanet. Tudo como se faria depois, no governo Lula. Mas agora, era o governo Fernando Henrique.
Os diretores do Banco do Brasil eram os mesmos. Até o responsável pelos pagamentos a Visanet, nomeado pelo PSDB, permaneceu no posto quando o governo mudou. Como Azeredo, ele também escapou, deixando toda a culpa para Henrique Pizzolato. Não foi sequer indiciado.
Mas imagine um réu do PSDB sendo acusado de corrupção, em 2014, quando o julgamento poderia tornar-se uma pedra no discurso ético de Aécio Neves?
Quem iria chamar tucano de mensaleiro, estimulando atitudes agressivas, de tipo fascista, contra Azeredo?
Nada disso, meus amigos.
A farsa acabou.
De minha parte, acho até que durou muito.


*****

Fonte:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/02/pt-e-psdb-o-fim-da-farsa-de-tratamento-igual-para-denuncias-iguais.html

Mensalão tucano: Pizza e deboche

28.03.2014
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO

Supremo alivia e manda mensalão tucano de volta para a 1ª instância, em Minas Gerais. Nove anos depois de ter autorizado a PF a investigar Azeredo, sete anos depois de ter recebido a denúncia da Procuradoria, STF decidiu que não vai mais julgar o mensalão do PSDB

azeredo psdb mensalão tucano
STF manda processo do chamando mensalão tucano para a primeira instância. Eduardo Azeredo, ex-senador e ex-deputado, é o principal réu na ação (Agência Câmara)
Com a decisão de mandar para a Justiça de Minas o processo do chamado mensalão tucano, os ministros do Supremo Tribunal Federal “chancelaram o deboche”, afirma o jornalista Josias de Souza, do portal Uol. Depois que Eduardo Azeredo renunciou ao mandato de deputado federal, o STF entendeu que não tinha mais competência para julgá-lo.
O jornalista lembra que “não é a primeira vez que um parlamentar escapa do Supremo pela porta da renúncia”, como fez Azeredo. Para ele, a corte suprema vem lidando com ‘fugas’ de réus “de forma errática”, favorecendo uns e punindo outros. A sentença contra o grão-tucano pode agora “cair no vazio”, escreve Josias em seu blog.
Na Justiça comum, Azeredo tem direito a vários recursos e é grande a chance de acontecer com ele o que se passou com o ex-ministro Walfrido dos Mares Guia, contra quem as acusações foram consideradas prescritas pela Justiça. Com a decisão de ontem, “foi como se os ministros pendurassem no plenário uma tabuleta: ‘Atenção, senhores réus. Nós aceitamos o deboche!’”, conclui o colunista.
Leia o texto de Josias de Souza aqui.
*****
Fonte:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/03/mensalao-tucano-pizza-e-deboche.html

BARROSO ESTÁ CERTO E DESNUDA BARBOSA

28.03.2014
Do blog CONVERSA AFIADA
Por  Paulo Henrique Amorim

 Dirceu, Genoino e Delúbio não tiveram os mesmos direitos do Azeredo.

Perplexo com a decisão do Supremo de encaminhar o julgamento do mensalão tucano à Primeira Instâncias em Minas, o ansioso blogueiro localizou o grande ministro do Supremo Evandro da Silva, que participava de uma tertúlia com Hermes da Pérsia, nome que também ilustra o Supremo.

Ministro, como explicar a relatoria do Barroso, que, por oito votos a um, encaminhou o destino dos tucanos à Primeira Instância ? – foi a pergunta do ansioso blogueiro.

“Veto do Barroso foi brilhante !

Pelo que foi e pelo que significa.

O Supremo só pode julgar ações penais originárias – ou seja, que se iniciam no Supremo.

As ações que envolvam autoridades com prerrogativa de função – que é o termo técnico.

Presidente da República, deputados federais … só eles podem ser originariamente julgados no Supremo.

A decisão do Barroso está corretíssima.

O Azeredo não é mais deputado federal.

Se renunciou ao mandato por ardil ou não, não é uma questão que se resolva no que ontem se decidia.

O voto do Barroso é importante por dois motivos, portanto:

1) juridicamente é impecável, porque a causa não é originária;

2) explicita que o julgamento do Dirceu, do Delúbio e do Genoino foi um julgamento de exceção.

Nenhum deles tinha prerrogativa de função.

Nem o Marcos Valério ou o Roberto Jefferson.

Foi uma exceção de amplo espectro – à Direita e à Esquerda.

Só João Paulo, deputado federal, tinha prerrogativa e poderia ser julgado no Supremo.

Portanto, escolher o Dirceu, o Genoino e o Delúbio – além do Gushiken – foi uma decisão POLÍTICA !

(Clique aqui para ler “Ataulfo Merval (*) acredita em Papai Noel e em Barbosa”.. 

Barroso assegurou a Azeredo os direitos que a Constituição confere a todo cidadão brasileiro: duplo grau de jurisdição, e ser julgado pelo “juiz natural”, ou seja, o juiz de onde mora, o de primeiro grau.

O STF NUNCA praticou uma execução penal: inaugurou com o PT !

Esse festival de arbitrariedades – Barbosa manda o Dirceu, o Genoino e o Delubio para Brasília; o juiz de execuções dá trela a denuncia da Folha; o Lewandowski manda o Dirceu trabalhar, o Barbosa volta das férias e rasga a decisão de um Presidente do STF … isso tudo deriva da excepcionalidade do julgamento do PT no Supremo.

Sem falar que o Dirceu foi condenado a ter o domínio do fato sobre uma quadrilha que não existe – segundo o Supremo !

Ansioso blogueiro, como diz o teu leitor, o Marcelo C:

“Placa na entrada do STF: FAVOR SE IDENTIFICAR ANTES DE SER JULGADO.”

15

Evandro da Silva, psicografado pelo ansioso blogueiro


(*) Ataulfo de Paiva foi o mais medíocre – até certa altura – dos membros da Academia. A tal ponto que seu sucessor, o romancista José Lins do Rego quebrou a tradição e espinafrou o antecessor, no discurso de posse. Daí, Merval merecer aqui o epíteto honroso de “Ataulfo Merval de Paiva”, por seus notórios méritos jornalísticos,  estilísticos, e acadêmicos, em suma. Registre-se, em sua homenagem, que os filhos de Roberto Marinho perceberam isso e não o fizeram diretor de redação nem do Globo nem da TV Globo. Ofereceram-lhe à Academia.E ao Mino Carta, já que Merval é, provavelmente, o personagem principal de seu romance “O Brasil”.
*****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2014/03/28/barroso-esta-certo-e-desnuda-barbosa/

Cesar Bolaño: O projeto cultural da ditadura militar foi vitorioso

28.03.2014
Do blog VI O MUNDO, 27.03.14
Por Luiz Carlos Azenha


Roberto Marinho com o ditador Figueiredo

César Ricardo Siqueira Bolaño
 é jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) e doutor em Economia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), no sábado ele estará em São Paulo para participar do evento TV Globo: Do golpe de 1964 à Censura hoje.

Ele é um dos autores de Rede Globo – 40 anos de Poder e Hegemonia.

No livro, César explica a origem da hegemonia da emissora nos dias de hoje: aliança com o capital internacional, através do grupo Time Life, que permitiu a ela adotar técnicas modernas de gerenciamento e contratar as melhores equipes, além da proximidade com o projeto político da ditadura militar.

No caso, houve uma acomodação: a ditadura abriu mão da produção de conteúdo, que passou a controlar via censura. Ao mesmo tempo, com a estatal Embratel, promoveu a expansão da rede de telecomunicações, através da qual a Globo pode criar o primeiro telejornal de alcance realmente nacional, oJornal Nacional.

Foi assim que a emissora conseguiu a gigantesca vantagem de “formar o público” da TV brasileira. Mal comparando, é como aquele traficante que oferece a droga gratuitamente para depois tirar proveito econômico do vício alheio.

Porém, os conhecedores da história da TV Excelsior sabem que a emissora, que chamou a “revolução” pelo verdadeiro nome, golpe, foi na verdade a primeira a estabelecer uma grade de programação com horários fixos.

Aliás, quando a Excelsior faliu, nos anos 70, com a concessão cassada pelo ditador Médici, o Grupo Folha ficou com parte do espólio e a Globo acabou de herdar o elenco da emissora — já havia contratado, inclusive, Tarcísio Meira e Glória Menezes. A Globo também herdou gente da TV Tupi, quando esta foi para o buraco.

Para quem não sabe, a Excelsior teve Barbosa Lima Sobrinho como editor de seu telejornal, além de um elenco que incluia de Bibi Ferreira aos Trapalhões. No Teatro Cultura Artística, em São Paulo, onde ficava sua sede, fez um programa ao vivo com Jean-Paul Sartre e Simone Beauvoir.


O dono da Excelsior, Mário Wallace Simonsen, legalista, foi trucidado pela ditadura, que destruiu a empresa dele que exportava café, a Panair e a emissora de TV — nesta ordem.
Diz o pesquisador Fabio Venturini que os militares, estudiosos da ditadura Vargas, que teve problemas com o barão da mídia Assis Chateaubriand, escolheram um empresário que não criava problemas: Roberto Marinho.

Vejam como o censor mor da época da ditadura, o ministro da Justiça Armando Falcão, falava da Globo:


Segundo Cesar Bolaño, a Globo teve de se desfazer do capital do grupo Time Life mas adotou um padrão cultural do capitalismo associado, ou seja, dependente dos Estados Unidos. É neste sentido que ele diz que “o padrão cultural da ditadura militar foi vitorioso”: a Globo está aí para quem quiser saber o que é subordinação a ideias vindas de fora.
Ouça a interessante entrevista do professor abaixo e compareça sábado à palestra dele, 18 horas, na sede do Sindicato dos Bancários na avenida Paulista:

*****
Fonte:http://www.viomundo.com.br/denuncias/cesar-bolano-o-projeto-cultural-da-ditadura-militar-foi-vitorioso.html