terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Janio e a manipulação do Datafalha

09.12.2014
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim

 Perguntas dúbias alteram resultados da pesquisa.
Conversa Afiada reproduz trechos do artigo de Janio de Freitas, extraído da Fel-lha (ver no ABC do C Af):

OS OUTROS NÚMEROS


Os 43% que de fato atribuem “muita responsabilidade” a Dilma “sobre o caso” Petrobras, na sondagem Datafolha, não proporcionam à oposição uma base informativa sobre as perspectivas de sua atual ação, nem ao governo oferecem uma noção dos efeitos do escândalo em sua imagem. Dados indiretos dão melhor ideia, talvez surpreendente para os dois lados, da situação do confronto no que mais lhes interessa: a opinião pública, ou do eleitorado.


A dubiedade da pergunta tornou possível uma quantidade indefinida dos que a interpretaram com um sentido e dos que lhe deram outro. “Responsabilidade SOBRE o caso” pode ser a de quem, detentor de uma posição hierárquica –chefe de família, dirigente de empresa, governante– deve as providências para o melhor e correto andamento do que está sob sua responsabilidade. É admissível, para não dizer certo, que muitos terão recebido a pergunta nesse sentido.


Mas a “responsabilidade SOBRE” também podia ser entendida como implicação NO caso, responsabilidade como parte, em alguma medida, da ocorrência.


As duas interpretações levam a respostas com profunda diferença, estando, porém, embaralhadas tanto nos 43% subscritos em “muita responsabilidade” de Dilma, como nos 25% de “um pouco” de responsabilidade. Índices que, somados de maneira discutível, fizeram a notícia de que 68% responsabilizam Dilma por corrupção.


(…)


e aí com muito interesse para a oposição, 46% consideram que o governo Dilma é o que mais investigou a corrupção. O segundo, longe, é o de Lula, com 16%. (Outro caso de deformação por pouca informação: foi no primeiro mandato de Lula que o então ministro Márcio Thomaz Bastos preparou e destinou a Polícia Federal para as investigações de corrupção, com escândalos cujo ineditismo os tornou históricos, como o da Daslu).


A pergunta que complementa a anterior é ainda mais expressiva, embora o percentual menor, para a aferição da atividade oposicionista concentrada no escândalo da Petrobras. “Em qual governo os corruptos foram mais punidos?”. No de Dilma: 40% das opiniões colhidas. Parte dos que votaram em Aécio Neves ou dos sem votos válidos, ou de ambos, estão contribuindo para esse índice recordista, que é maior até do que o contingente, no eleitorado total, que elegeu Dilma.


O investimento agressivo que a oposição faz para responsabilizar Dilma Rousseff pela corrupção na Petrobras, como também por assuntos menos gritantes, reproduz (com menos brilho, é verdade) mais de um período caracterizado pela mesma linha de oposicionismo. O resultado a que chega também reproduz o de seus inspiradores.


Leia mais:

FEL-LHA VOLTA A MANIPULAR “PESQUISA”

MELO DESMONTA A FARSA DO IMPEACHMENT

*****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/politica/2014/12/09/janio-e-a-manipulacao-do-datafalha/
Postar um comentário