quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

As guerras coloniais originaram a agressiva mentalidade tucana?

10.12.2014
Do portal JORNAL GGN, 09.12.14
Luis Nassif On Line


Desde que perdeu as eleições, a oposição liderada por Aécio Neves está a beira de um ataque de nervos. FHC questionou a legitimidade da vitória de Dilma, o próprio Aécio convocou manifestações de rua. Lobão vai se destacando como o improvável general que comandará ou derrubará todos os generais da ativa comprometidos com a preservação da legalidade.
A imprensa alimenta diariamente a revanche dos derrotados. Petistas são impiedosamente atacados com base em delações deformadas em razão de terem feito na Petrobras as mesmas coisas que os tucanos fizeram na companhia. Mas como FHC tem amigos nas diretorias das empresas de comunicação, raramente algum tucano desonesto é chamado de corrupto nos jornais, telejornais e revistas. A paranóia do antipetismo publicado nos faz lembrar o feroz anticomunismo da Ditadura Militar. Os mesmos jornais e redes de TV que  saldaram o caráter democrático do golpe de estado de 1964 começam a exigir o Impedimento de Dilma Rousseff.
Não é difícil encontrar a origem mais antigo do comportamento da elite brasileira. No primeiro parágrafo de se livro Monções, Sérgio Buarque de Holanda afirma que:
“Durante os primeiros tempos da colonização do Brasil, os sítios povoados, conquistados à mata e ao índio, não passam geralmente de manchas dispersas ao longo do litoral, mal plantadas na terra e quase independentes dela. Acomodando-se à arribada de navios mais do que ao acesso do interior, esses núcleos voltam-se inteiramente para o outro lado do oceano.” (Monções, Sérgio Buarque de Holanda, Coleção Estudos Brasileiros, Editora da Casa do Estudante do Brasil, Rio de Janeiro, 1945, p. 11)
A conduta dos tucanos sugere que a mentalidade dos primeiros colonos ainda sobrevive. Isto explica porque a oposição se acomoda mais às Embaixadas das potências estrangeiras distantes do que ao interior do país onde Dilma Rousseff foi bem votada. Eles, os oposicionistas, parecem se sentir dispersos e sitiados pela mata e por índios hostis - muito embora os antepassados deles tenham derrubado a mata e exterminado os índios. Os petistas são identificados aos índios e, em razão disto, devem ser expurgados. Eles não devem ter um partido, tampouco podem governar o território ou fazer propaganda. É fato: os tucanos não conseguem conviver com os petistas assim como os colonos não conseguiam conviver com os índios.
Também não é difícil rastrear um componente ainda mais irracional na mentalidade de alguns líderes da oposição: o racismo. Sempre que questionam o resultado das eleições, os tucanos dão a entender que Dilma não tinha condições de ser eleita ou, pior, que a maioria do povo brasileiro não deveria ter o direito de investir ela de autoridade presidencial. No primeiro caso a presidenta é considerada um ser humano inferior, no segundo 56 milhões de brasileiros é que são tratados como Untermenschen. Para alguns tucanos, apenas os candidatos do PSDB são homens dignos e somente os eleitores do PSDB são seres humanos dignos e intelectualmente capazes (superiores). A proximidade entre tucanos e nazistas neste momento não é, portanto, um acaso. As ideologias de ambos os grupos são autoritárias e excludentes, não causando estranhamento o surgimento do vocábulo nazistucanos para nomeá-los.
As últimas aparições públicas de Aécio Neves sugerem que ele está a beira de um ataque de nervos. Acostumado às vitórias eleitorais fáceis, o candidato do PSDB parece estar sofrendo profundamente em razão da derrota. Ele é incapaz de demonstrar isto, algo que pode agravar sua situação. Afinal, como diz Orison Switt Mardem em obra hoje esquecida:
“O enfermo tem imaginação muito activa, e, consequentemente, é muito mais suscetível de receber sugestões do que em estado de saúde, assim como também propende a exagerar sua doença e temor da morte.” (Domínio dos Nervos, Orison Switt Mardem, Livraria Figueirinhas - Porto, Portugal, p. 207)
O precário estado emocional de Aécio Neves ficou evidente semana passada. Apesar de ter admitido a derrota no final da apuração, o candidato tucano convocou uma passeata para derrubar a presidenta e não foi a mesma. Ele ficou com medo de sofrer um atentado em São Paulo? Quem está usando a instabilidade emocional Aécio Neves para desestabilizar o Brasil?
Até o presente momento os petistas, que são mais numerosos e organizados do que os tucanos, não tem reagido às provocações da oposiç,ão nas ruas. Em algum momento, porém, as coisas podem desandar. Se continuarem os tucanos continuarem a provocar os petistas estes reagirão. Caso sejam atacados por petistas nas ruas, os tucanos provavelmente reagirão como os colonos reagiam quando atacados pelos índios: com extrema violência. Neste momento, seria melhor para todos que os tucanos mandassem Aécio Neves recuperar o domínio dos seus nervos. Também seria bom que os jornalistas parassem de estimular a barbárie e começassem a mostrar as sujeiras dos seus amigos tucanos.
O PT não é a fonte de todos os males do Brasil. O PSDB está bem longe de ser o partido ético e honesto. Dilma Rousseff derrotou Aécio Neves numa eleição legítima e deve governar, pois a soberania popular precisa ser respeitada. Caso contrário, o país mergulhará no caos e os quem tem mais a perder - os produtores rurais, o empresariado urbano e aristocracia financeira - certamente serão os maiores prejudicados.
*****
Fonte:http://jornalggn.com.br/blog/fabio-de-oliveira-ribeiro/as-guerras-coloniais-originaram-a-agressiva-mentalidade-tucana
Postar um comentário