quinta-feira, 20 de novembro de 2014

'Após eleição, verdade começa a aparecer com mais clareza', diz Dilma

20.11.2014
Do portal da Agência Carta Maior
Por Najla Passos

Segundo a presidenta, a inflação está sob controle e o combate à corrupção mais forte e severo. Também há sinais de recuperação do crescimento, destacou.

Roberto Stuckert Filho/PR
Brasília - A presidenta reeleita Dilma Rousseff afirmou nesta quinta (20), durante a Conferência Nacional de Educação (Conae), que, com o fim da eleição, “a verdade começa a aparecer com mais clareza”. De acordo com ela, a inflação continua sob controle, conforme ela sustentou durante a campanha, em contraposição aos argumentos da oposição de que o país estava à beira do abismo. 
“Com o fim da campanha eleitoral, a verdade começa a aparecer com mais clareza. A inflação está sob controle. Há sinais de recuperação do crescimento e a renda do trabalho continua subindo. Soubemos essa semana que a taxa de desemprego de outubro foi de 4,7%: a mais baixa de toda a série para este ano… aliás, para este mês de outubro de 2014”, esclareceu.

Ela também ressaltou que continuará atuando para que o trabalhador brasileiro não sofra tão intensamente os efeitos da crise, como já o fez neste seu primeiro mandato. “Eu estive, na semana que passou, na reunião anual das 20 maiores economias do mundo, o chamado G20. Lá ficou claro que os efeitos da crise econômica internacional vão persistir por mais algum tempo. Por isso, no Brasil, nós devemos e vamos continuar lutando para que essa crise não se traduza em desemprego, recessão e sofrimento para os trabalhadores”, destacou.

A presidenta reafirmou ainda seu compromisso com o combate à corrupção.
 
"Falamos a verdade quando destacamos que o combate à corrupção nunca foi tão firme e severo como no meu governo. A Polícia Federal e o Ministério Público estão investigando os corruptos e os corruptores e não há qualquer tipo de pressão do governo para inibir as investigações", ressaltou.

Para a presidente, o país sairá mais forte após o processo de investigação ser concluído. "Não tenho, nunca tive e nunca terei qualquer tolerância com corruptos e corruptores. Queremos investigação e também garantiremos o amplo direito de defesa. O Brasil sairá mais forte desse processo. Mais forte ainda por respeitar as regras do estado de direito", disse.

Prioridade para a educação

A presidenta voltou a afirmar que a educação será a prioridade das prioridades do seu próximo mandato, conforme sua promessa de campanha. Para Dilma, a educação é fundamental para o aprofundamento da democracia e do modelo de inclusão social que os governos dela e do ex-presidente Luiz Inácio da Silva vêm fazendo há 12 anos.

A presidenta também lembrou os avanços que o governo dela já conquistou nesta área. Entre eles, a aprovação do PNE após 3,6 anos tramitando no congresso, a ampliação do número de creches, que somam 8.390 do final do governo Lula até agora, a obrigatoriedade do ensino dos 4 aos 17 anos, que os municípios têm até 2016 para implantar, além do Pacto pela Alfabetização na Idade Certa, que via melhorar a qualidade da relação das crianças com o saber.

Como suas principais vitórias, Dilma citou o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) que, a partir de 2015, abrirá mais 12 milhões de vagas para capacitação.  “O Pronatec é gratuito, o que o torna uma grande política para o brasil”, afirmou ela, lembrando que iniciativas semelhantes selecionavam o acesso pela rena da pessoa.

No Dia Nacional da Consciência Negra, ela destacou a importância da Lei de Cotas, que garantiu maior acesso da população negra à universidade. “A Lei de Cotas foi o primeiro passo de um país que, no censo de 2010, se declarou majoritariamente da raça negra”, avaliou. A presidenta ressaltou também o Programa Ciências sem Fronteiros, que já distribuiu 101 mil bolsas para brasileiros estudarem no exterior e, a partir do ano que vem, oferecerá mais 100 mil.

Dilma pediu ajuda aos delegados para a auxiliarem a seguir com as mudanças que o país precisa. “Vou continuar coerente com o que penso e com o que temos feito pelo Brasil e pelos brasileiros nos últimos 12 anos. Os votos que eu recebi foram votos claros, votos pela inclusão social, pelo emprego, pelo desenvolvimento, pela estabilidade política e econômica, por investimento maior na infraestrutura e na modernização do nosso país. E, sobretudo, foram votos por mais investimentos em educação. Não vamos esquecer isto”.

Compromisso com a participação social

A presidenta também reafirmou seu compromisso com a participação social, regulada por decreto assinado por ela em maio deste ano e sob forte ataque das forças conservadoras do país.  “Nós sabemos que em regimes democráticos - regimes verdadeiramente democráticos, não formalmente democráticos, mas verdadeiramente democráticos -, as políticas relevantes para a população podem e devem ser debatidas diretamente com a sociedade. Esse debate é um debate muito rico, é um debate que dá sugestões, traça caminhos, aponta prioridades”, justificou.

A presidenta atacou o argumento contrário usado por muitos parlamentares de que a participação social retirará poder e representatividade do Congresso Nacional.
 
“Nós sabemos que a democracia representativa, que é a nossa, tem o Congresso e as casas legislativas como um dos espaços privilegiados e fundamentais de deliberação. Agora, garantir à sociedade civil organizada o direito de opinar, de falar, de criticar, de dar sugestões e de contribuir com a sua experiência, seu conhecimento e suas reivindicações caracteriza a democracia numa sociedade moderna e inclusiva”, defendeu.

Para Dilma, “a inclusão social é também a inclusão da participação popular nas políticas públicas”. E como exemplo de como a participação social pode ser importante para mudar um país para melhor, ela citou o próprio Conae, que definiu como um evento histórico para a educação e a democracia brasileiras.

“Sua preparação envolveu 776 mil delegados, com 2.824 conferências municipais e intermunicipais de educação, e 22.175 delegados das 26 conferências estaduais e da uma distrital. É algo, de fato, que deve nos orgulhar. Poucos países têm um processo de participação desse porte: 1 milhão e 800 mil participantes nas conferências livres e de interações da rede social da Conae. No total, 2 milhões e 600 mil pessoas discutiram e pensaram a educação do país. Quase um Uruguai: 2 milhões e 600 mil pessoas”, contabilizou.

 A 4ª Conae reúne quatro mil participantes de todas as regiões do país e, até o próximo domingo (23), pretende apontar soluções para a regulamentação do Plano nacional de Educação (PNE), aprovado este ano sem vetos pela presidenta Dilma Rousseff. O evento acontece no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), em Brasília.
****
Fonte:http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/-Apos-eleicao-verdade-comeca-a-aparecer-com-mais-clareza-diz-Dilma%0a/4/32277
Postar um comentário