quarta-feira, 15 de outubro de 2014

MARINA DETONA SEU PARTIDO, A REDE, PARA APOIAR AÉCIO: Cúpula da Rede deixa partido denunciando que ele se tornou mercadoria à venda

15.10.2014
Do portal JORNAL GGN
LUIS NASSIF ON LINE
Por  Luis Nassif

Jornal GGN - Sete coordenadores do Rede Sustentabilidade em São Paulo saíram do partido em protesto à adesão de Marina Silva à candidatura de Aécio Neves. São eles os coordenadores executivos Valfredo Pires e Marcelo Pilon; os coordenadores de comunicação Emílio Franco e Renato Ribeiro; os coordenadores de finanças Gérson Moura e Marcelo Saes e o coordenador de organização Washington Carvalho.
No manifesto divulgado dizem que "Um apoio, explícito ou velado, por parte da Rede a qualquer um dos candidatos finalistas reforça o argumento daqueles que acusam a sigla de ser mais do mesmo, de ser só uma nova roupagem para a velha e corrupta política que tanto nos dispusemos a combater".
Na parte mais dura do manifesto, o grupos salienta que  "As nossas esperanças de um Brasil mais justo, mais ético e mais sustentável mostraram-se como mercadorias, à venda por promessas que não surtirão resultados a médio e a longo prazo".
Da Folha

Apoio a Aécio provoca debandada na cúpula da Rede em São Paulo

Em carta, sete coordenadores do partido pediram renúncia de suas atribuições
GUSTAVO URIBEDE SÃO PAULO
O apoio da ex-senadora Marina Silva (PSB) ao candidato do PSDB à sucessão presidencial, Aécio Neves, causou uma debandada na Executiva Estadual da Rede em São Paulo.
Em carta divulgada nesta segunda-feira (13) sete coordenadores do partido, que não conseguiu autorização na Justiça Eleitoral e foi abrigado pelo PSB na disputa eleitoral deste ano, pediram renúncia de suas atribuições no comando estadual.
No texto, o grupo afirma que o apoio a qualquer um dos candidatos à sucessão presidencial neste segundo turno reforça a polarização entre PT e PSDB, criticada pela Rede no primeiro turno da disputa eleitoral.
"Um apoio, explícito ou velado, por parte da Rede a qualquer um dos candidatos finalistas reforça o argumento daqueles que acusam a sigla de ser mais do mesmo, de ser só uma nova roupagem para a velha e corrupta política que tanto nos dispusemos a combater", disse.
Em uma crítica ao PSDB, o grupo afirma que não pode servir indiretamente a um projeto de poder que "já foi testado" e com o qual não concorda. Ele ressalta ainda que não responderá pelo "assassinato" de ideais e princípios que o atraíram à Rede.
"As nossas esperanças de um Brasil mais justo, mais ético e mais sustentável mostraram-se como mercadorias, à venda por promessas que não surtirão resultados a médio e a longo prazo", ressaltou.
Ao todo, deixaram a Executiva da Rede em São Paulo os coordenadores executivos Valfredo Pires e Marcelo Pilon; os coordenadores de comunicação Emílio Franco e Renato Ribeiro; os coordenadores de finanças Gérson Moura e Marcelo Saes e o coordenador de organização Washington Carvalho.
"No primeiro turno, a Rede tinha como discurso sair da polarização entre PSDB e PT. E, agora, quebra-se essa posição", criticou Pires.
Em nota divulgada na última sexta-feira (10) a Executiva Nacional da Rede manifestou como legítimos no segundo turno os votos de seus militantes "em branco, nulo ou em Aécio Neves".
O porta-voz da Rede em São Paulo Alexandre Zeitune lamentou o desligamento dos coordenadores do comando estadual do partido.
"A Rede esclarece que, apesar da tentativa de construir um diálogo com respeito a opiniões diversas, não foi possível se chegar a um consenso", afirmou, por meio de nota.
*****
Fonte:http://jornalggn.com.br/noticia/cupula-da-rede-deixa-partido-denunciando-que-ele-se-tornou-mercadoria-a-venda
Postar um comentário