segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Em coletiva, petistas comemoram vitória e ironizam adversários

27.10.2014
Do portal FOLHA DE PERNAMBUCO, 26.10.14

Aliados não deixaram de criticar o PSB (Foto: Felipe Ribeiro/Folha de Pernambuco)
Por Anderson Bandeira
Da Folha de Pernambuco

Minutos após sair à confirmação da reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), no Estado, correligionários e aliados da petista falaram sobre a vitória na sede coordenação da campanha de Dilma. Nos pronunciamentos, muita comemoração e alfinetadas aos adversários socialistas que em Pernambuco fizeram oposição ao governo federal. Coordenador de campanha da presidente no Estado, o senador Humberto Costa (PT) destacou que “foi uma vitória tripla” porque além de ter ganhado no País, Dilma venceu em Pernambuco e especificamente na capital pernambucana.
O petista ainda ironizou os adversários pedindo que eles respeitem a força do PT e do seu arco de alianças. “Continuamos a respeitar a força do PSB, mas eles precisam respeitar um pouquinho a força dos seus adversários também”.
Numa indireta aos adversários, Costa destacou que “ninguém é dono de voto do povo” e que “a arrogância muitas vezes é má conselheira”. “Isso é uma lição que precisam tomar. A arrogância muitas vezes ela é má conselheira. Imaginavam que simplesmente se mandassem o povo votar em Aécio, o povo votaria”.
O senador também avaliou que a vitória da correligionária em Minas, principal reduto do tucano, desmistificou ainda a excelência da gestão de Aécio enquanto governador. “Acho que foi muito importante a vitória lá porque desmitificou a ideia que os tucanos são grandes gestores. Que o povo Minas Gerais reconhecia o governo de Aécio. O que esta provado é que Aécio em Minas Gerais era blindado pela mídia, pela assembleia, por outros poderes e que no momento em que foi a nu de fato as mazelas que o governo tinha com certeza a população pode avaliar”.
A deputada estadual e presidente estadual do PT, Teresa Leitão, destacou o empenho da militância do partido na reta final que motivada pelos ataques adversários “reagiu em cadeira de forma positiva indo às ruas de forma espontânea”.
O aliado e senador licenciado Armando Monteiro Neto (PTB) ressaltou que se no primeiro turno houveram “fatos imponderáveis” que reproduziu um resultado adverso, no segundo, o pernambucano reconheceu a importância do governo federal.
“A importância de um projeto que promoveu transformações no País e, sobretudo, garantiu a Pernambuco muitas transformações e conquistas nos últimos anos. Portanto, foi um voto sábio do ponto de vista político, porque é um voto que expressa esse sentimento de gratidão, e ao mesmo tempo da identificação com esse projeto que não se esgotou e que ainda tem muito a oferecer ao Brasil e a Pernambuco”, disse Armando reafirmando que no Estado o PTB seguirá na oposição.
O deputado federal João Paulo (PT) destacou que o partido precisa fazer uma reflexão sobre as formas que a legenda foi tratada pelos adversários no estado. “Foi um total desrespeito a quem fez tanto por Pernambuco. A quem foi tão republicano por Pernambuco. As acusações gratuitas, coisas que lembrava ao Comando de Caça aos Comunistas (CCC). Pichações dizendo que o PT matou Eduardo (…) Não vamos deixar de ser republicanos de jeito nenhum. É a concepção que temos de estado democrático. Agora acho que o governo do PT tem que rever a relação com os aliados aqui. Quem são os verdadeiros aliados do partido e do governo, que eles sempre puderam contar a qualquer momento, em condição incondicional”.
Já o deputado federal Fernando Ferro (PT) destacou que o resultado no estado demonstrou que a população estava “descontaminada” da tragédia envolvendo o ex-governador Eduardo Campos. “Vimos finalmente que o que poderia ter acontecido no primeiro turno aconteceu agora. A população votando em cima dos projetos”, ironizou atestando que a vitória de Dilma foi à derrota de uma articulação de forças ampla e, inclusive, da aliança do PSB e PSDB.
****
Fonte:http://www.folhape.com.br/blogdafolha/?p=187087
Postar um comentário