domingo, 26 de outubro de 2014

Direita fascista sai do armário para defender Aécio

26.10.2014
Do blog O CAFEZINHO, 25.10.14
Por Miguel do Rosário

Mussolini1
A campanha de Aécio cultivou o germe fascista. Médicos têm praticado chantagens sórdidas para tentar convencer pacientes a votar no tucano.
É incrível que não percebem que apenas geram revolta nas pessoas.
E a mídia tucana ainda vem acusar Dilma, que fez uma campanha orgânica, com mobilização espontânea de milhões de pessoas, de sórdida.
Tá bom, campanha legal é a dele, onde médicos ameaçam pacientes e boyzinhos truculentos xingam pessoas nas ruas.
Onde militantes tucanos pedem intervenção militar.
Leiam o relato e vejam se isso não lhes lembram o filme O Ovo da Serpente, de Ingmar Bergman?
*
Depoimento: Ginecologista fascista
Por Priscila Gontijo, cidadã brasileira
24 DE OUTUBRO DE 2014 ÀS 19:46
Assim que entrei em sua sala, o médico percebeu o adesivo da Dilma grudado no meu caderno. Ele então me olhou de cima abaixo, se levantou e rapidamente trancou a porta do consultório
Foi a minha primeira consulta com o médico ginecologista na zona oeste da cidade de São Paulo. O único que aceitava o meu plano de saúde para realizar a tal cirurgia. Seis meses nessa lenga-lenga.
Assim que entrei em sua sala, o médico percebeu o adesivo da Dilma grudado no meu caderno. Ele então me olhou de cima abaixo, se levantou e rapidamente trancou a porta do consultório.
Em seguida, sentou-se na minha frente lentamente e iniciou o interrogatório num tom sombrio com a seguinte frase:
“Tenho uma curiosidade: por que vocês querem destruir o país?”
Perplexa, minha boca secou. Estava ali para fazer exames.
Ele continuou exigindo os motivos do meu voto com voz pausada e baixa. E acrescentou: “Veja bem, sou nulo”. E amparado por essa neutralidade fictícia, fez diversas perguntas. Eu disse que não tinha ido conversar sobre política e sim agendar a cirurgia. Ele não arredou o pé. Mirava-me do alto do seu pós-doutorado estampado em letras garrafais na parede. Tão sabido e inteligente que não fazia ideia do que eram as políticas públicas de educação no Brasil. Quando eu revelei que na Puc vários alunos ingressaram na universidade pelo PROUNI e o ENEM o clima pesou ainda mais. Nesse instante, o doutor-nulo me olhou estupefato.
O golpe fatal veio quando eu lhe disse que diversos alunos de Osasco e do grande ABC estudavam na ilustre Pontifícia Universidade Católica do seu bairro. Repetiu a palavra “Osasco” com uma boquinha de nojo e enxugou o suor da testa.
Em seguida me perguntou sobre o PROUNI e o ENEM revelando uma ignorância alarmante:
“Esses programas PROUNI e ENEM por exemplo, as pessoas não precisam fazer vestibular nem prova alguma, né?”
Fiquei na dúvida em responder. Ele morava em Marte?
Seguiu-se o interrogatório. Pedi pra ele analisar os meus exames, afinal estava ali pra isso. Mas o singular doutor que se auto-intitulava apolítico insistia em me questionar. Diante do meu crescente constrangimento ele ganhou novo ânimo. Já bradava: “Você devia ter vergonha! Por que vai votar nessa mulher?”
Eu, mais encurralada do que nunca cheguei a pensar no tal código de ética dos médicos. Existia mesmo isso? Em que galáxia? Se eles podem fazer o que bem entendem e sem o menor pudor? Nesse exato momento, ele deu o berro triunfal repetindo a pergunta: “Por que votar nessa mulher? Exijo explicações.” Olhei pra porta. Trancada. Pensei no plano de saúde. O único médico que aceitava meu plano para a cirurgia. Demorei mais de seis meses pra encontrar um e agora tinha urgência. Não podia pagar o procedimento em uma clínica particular. Resolvi falar sobre os projetos sociais do atual governo e das aulas que ministro há mais de seis anos na periferia da cidade de São Paulo e de como estava feliz em ver meus alunos, que antes não tinham acesso, ingressarem nas universidades. Era por esse e outros motivos que iria votar “nessa mulher”, expliquei. Nesse instante, ele estufou o peito e gritou:
“Não estou perguntando do social. O social não interessa. Quero saber da questão financeira!”
Nesse instante mirei a imagem da Dilma no adesivo: uma jovem no tribunal totalmente oprimida e humilhada. Pedi socorro pra imagem. Saliva? Zero. E fixei a ilustre nulidade a minha frente com firmeza, dando a entender que não iria ceder. Ele sentenciou:
“Na época da ditadura não havia roubalheira.”
Ali tive a certeza: não iria me operar com médico torturador.
Mas ele era um maratonista da obtusidade. Um triatleta da ignorância. E conseguiu piorar ainda mais. Chegou ao ápice mórbido da seguinte pergunta:
“Por acaso na época do Figueiredo roubavam? E na época do Geisel?”
Eu respondi que na época do Geisel não só roubavam como matavam e ele retrucou sentencioso:
“Não estou perguntando isso! Não quero saber se matavam. Quero saber sobre o aspecto financeiro.”
Passando mal pedi pra sair.
O tal idiota da objetividade perguntou o que vinha no Bolsa Família e depois de ouvir, proferiu numa cínica afirmação exaurida pelo uso:
“Isso é esmola.”
Tonta, disse que realmente tinha pressa e me levantei.
Finalmente o doutor-torturador me libertou do cativeiro.
Livre, já fora do consultório-prisão desagüei num choro de impotência atroz no meio da rua.
Ionesco deve estar rindo de nós.
E com razão.
http://www.brasil247.com/pt/247/artigos/158214/Depoimento-ginecologista-fascista.htm
*****
Fonte:http://www.ocafezinho.com/2014/10/25/direita-fascista-sai-do-armario-para-defender-aecio/#sthash.WVqB5zR8.dpuf
Postar um comentário