domingo, 14 de setembro de 2014

Por que Aécio e o PSDB fracassaram?

14.09.2014
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO, 12.09.14

Aécio murcha junto com o PSDB. Pela primeira vez em 20 anos tucanos devem ficar fora do segundo turno. Partido também pode perder metade dos Estados que governa

aécio neves psdb eleições 2014
Aécio Neves amarga papel de coadjuvante nas eleições 2014 e PSDB deverá se transformar numa legenda média a partir de 2015 (divulgação)
O PSDB caminha para uma transformação inesperada neste ano. De grande e protagonista, o partido possivelmente passará a ser uma legenda média, coadjuvante. Uma das razões é o mau desempenho que o candidato presidencial Aécio Neves deve ter nas próximas eleições. Se as pesquisas eleitorais se confirmarem, pela primeira vez em 20 anos o PSDB estará fora do segundo turno na luta pelo Palácio do Planalto.
Será também a primeira derrota eleitoral de Aécio, que desde 1987 ocupa cargos eletivos. Foi deputado federal por quatro mandatos, governador de Minas Gerais por duas vezes e atualmente é senador. Além disso, o desempenho dos tucanos nos Estados tende a ser fraco, em comparação com as últimas cinco eleições. Conforme as últimas pesquisas eleitorais, o PSDB lidera a disputa para o Governo de quatro Estados. É exatamente a metade dos governos que elegeu em 2010. De 1994 a 2010, o PSDB elegeu pelo menos seis governadores por eleição.
“Sem um candidato a presidente forte, sem governadores o partido perde competitividade. Por isso, a bancada de deputados e senadores, que já vinha caindo desde o início dos governos do PT, tende a cair ainda mais”, ponderou o cientista político Fernando Azevedo, professor da Universidade Federal de São Carlos.
Após a entrada de Marina Silva (PSB) na corrida presidencial, Aécio caiu cinco pontos percentuais nas pesquisas. No último levantamento, divulgado nesta quinta-feira, ele cravou 15% das intenções de votos e se distanciou ainda mais do segundo turno, que deverá ficar entre a ambientalista e a atual presidenta, Dilma Rousseff (PT).
“Ainda que seja de uma maneira mais lenta, os tucanos terão o mesmo caminho do DEM, que hoje não tem quase nenhuma força”, afirmou Gonzalo Rojas, doutor em ciência política pela USP (Universidade de São Paulo) e professor da Universidade Federal de Campina Grande.
O DEM (Democratas), citado pelo especialista, sempre foi um partido auxiliar ao PSDB. Antes de se chamar Democratas era o PFL (Partido da Frente Liberal) e chegou a eleger sete governadores, em 1998. Nos últimos anos, porém, enfrentou uma debandada de seus quadros políticos. Neste pleito, tem apenas um candidato com chances de se eleger governador (Paulo Souto, na Bahia) e nacionalmente se aliou a Aécio.

Santo de casa

Nem mesmo em seu próprio quintal, Minas Gerais, Aécio Neves tem tido sucesso neste ano. Ele enfrenta dificuldade para eleger o seu candidato ao governo. Conforme o Datafolha publicado na semana passada, o tucano tem 22% dos votos dos mineiros, fica atrás de Roussef (35%) e Marina (27%). Enquanto foi governador Aécio desenvolveu o choque de gestão, uma política marcada pela diminuição dos gastos do Estado e a modernização dos serviços públicos. As taxas de homicídio reduziram, nos primeiros anos de sua gestão, mas voltaram a subir quando ele passou o bastão para o seu sucessor, o afilhado político Antonio Anastasia (PSDB).
Em Minas, Aécio era visto não só como um bom gestor, mas também como um político que sabia costurar alianças. Foi por meio de suas mãos, por exemplo, que o PSDB fez uma aliança até então incomum com o PT para eleger Marcio Lacerda, do PSB, prefeito de Belo Horizonte, a capital de Minas, em 2008. Hoje, o “criador” de Lacerda se vê em um beco praticamente se saída e precisa lutar contra o partido de sua “criatura” para dar uma sobrevida à sua agremiação.
Com exceção da eleição de 2002, quando José Serra (PSDB) perdeu para Luiz Inácio Lula da Silva (PT), os tucanos sempre conseguiram mais de 33 milhões de votos no primeiro turno. Dessa vez, se nada mudar, Aécio deve ficar entre os 15 milhões e 17 milhões de votos. É menos do que Marina Silva, na época no minúsculo PV, obteve em 2010, e o mesmo tanto que Anthony Garotinho, do também pequeno PSB na época, atingiu em 2002.
“Os dados mostram que nem o fiel eleitor do PSDB confia no próprio Aécio. Nas pesquisas ele não conseguia passar da casa dos 20%. Acho que já está em um caminho sem volta”, analisou o professor Azevedo.
Para o cientista político Rojas, os tucanos estão em uma situação paradoxal. “O PT se firmou no governo usando a política econômica do PSDB e criando uma série de políticas sociais compensatórias. O que os tucanos vão criticar? Se atacarem a economia, jogam contra si mesmos. Se criticarem as políticas sociais, perdem votos”, disse.
O mal desempenho de Aécio já virou motivo de piadas. O Piauí Herald, site de humor da revista Piauí, chegou a dizer que se iniciou um movimento volta Serra e que Aécio irá processar os institutos de pesquisa que o colocam em terceiro lugar.
Em sua defesa e buscando reverter o quadro, o candidato passou a atacar suas principais adversárias, disse que é a mudança segura para o Brasil e que acredita que irá para o segundo turno. “Todos que disputam a eleição podem ou não chegar ao segundo turno. Em Minas, por exemplo, nunca cheguei ao segundo turno. Ganhei todas antes do segundo turno, exatamente, do PT. Tenho uma proposta para o Brasil. Uma proposta consistente”.
A. Benites, El País
*****
Fonte:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/09/por-que-aecio-e-o-psdb-fracassaram.html
Postar um comentário