sábado, 20 de setembro de 2014

IMPRENSA INVESTIGA, SIM, PRESIDENTA. MAS, NÃO JULGA

20.09.2014
Do blog CONVERSA AFIADA, 
Por Paulo Henrique Amorim

Pior que imprensa que não investiga só a que investiga apenas o PT

Como se sabe, a Operação Lava-jato, nas mãos do ministro  da Justiça, criou aquela figura do Direito Penal que o grande jurista, amigo navegante, Ayres Brotta chamou de “delação seletiva”.

Só vaza para atingir a Dilma.

Um fenômeno.

Como já disse esse Conversa Afiada, o Yousseff é o único doleiro do mundo que discrimina cliente pela orientação eleitoral: só lava de trabalhista.

É como assistente de palco que só “fica” com tucano.

Por isso, a Presidenta Dilma tentou conseguir na Procuradoria-Geral da República a delação (seletiva) do Paulo Roberto Costa, indicado pelos tucanos para a Petrobras.

Clique aqui para ler “Clesio é Aécio. Paulo Roberto não foi vice da Dilma”.

O Dr. Janot não deu acesso.

Ela, então, resolveu recorrer ao Supremo.

Por quê ?

Porque ela se recusa a acreditar na delação seletiva do PiG (*).

E quer conhecer os fatos para tomar providências.

Foi nesse contexto que ela cometeu um deslize sério:

“Quero ser informada se no Governo tem alguém envolvido. Eu não reconheço na imprensa o status que tem a Polícia Federal, o Ministério Público e o Supremo. Não é função da imprensa fazer a investigação; a função é divulgar.”

O Estadão, em estado comatoso, já distorceu e deu no título:

“Não é função da imprensa investigar”, diz Dilma.

Nao foi isso o que ela disse, mas ”não é função da imprensa fazer A investigação”. (Ênfase minha – PHA

Mesmo assim, alto lá !, presidenta !

É função da imprensa, sim, investigar.

Apurar.

Respeitar a acuidade factual.

E buscar a imparcialidade.

E ai está o câncer.

O PiG investiga (os trabalhistas), não respeita a verdade factual e é parcial.

No Brasil, o PiG – no “mensalão” (o do PT) – investigou, mentiu, julgou, condenou e aplicou as penas.

Chegou a impedir que um ministro tomasse posse.

Antecipou voto de ministro para constranger os demais ministros.

Conseguiu um ministro para escrever um artigo para impedir que outro ministro desse determinado voto.

Foi um julgamento de exceção, que não provou a existência de um mensalão, coonestou a falsa teoria de um dominio de fato, negou o direito universal à dupla jurisdição, considerou que o acusado é quem tem que provar a inocência; e, portanto, nas palavras imortais de um ministro, “a verdade é uma quimera” ! 

Os trabalhistas foram condenados pelo PiG !

Mas, isso não retira da imprensa o dever de investigar.

O problema é essa imprensa aí, o PiG.

O problema é o ministro da Justiça que os peemedebistas  e o Cid Gomes idolatram !

E nos braços deles, peemedebistas e o Cid, chegará ao Supremo – da PUC de São Paulo.

O problema é faltar uma Ley de Medios, e, no PT,  ninguém ter a coragem do Garotinho.

Imprensa que não investiga, presidenta, só não é pior que a imprensa que só investiga os trabalhistas.

Paulo Henrique Amorim

(*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.
*****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/pig/2014/09/20/imprensa-investiga-sim-presidenta-mas-nao-julga/
Postar um comentário