Pesquisar este blog

domingo, 1 de dezembro de 2013

ACIDENTES: Descarrilamento de trem em Nova York deixa 4 mortos e mais de 60 feridos

01.12.2013
Do portal do DIARIO DE PERNAMBUCO, 
Por AFP - Agence France-Presse

Equipes de resgate procuram por vítimas do descarrilamento de um trem de passageiros em Nova York (AFP)
© AFP TIMOTHY CLARY
Equipes de resgate procuram por vítimas do descarrilamento de um trem de passageiros em Nova York (AFP) © AFP TIMOTHY CLARY

Quatro pessoas morreram e 67 ficaram feridas, onze em estado grave, no descarrilamento de um trem de passageiros neste domingo, em Nova York, informou o corpo de bombeiros.

A cadeia local NBC New York falou de 4 mortos e 48 feridos, mas as autoridades se negavam por ora dar um balanço oficial de vítimas.

O descarrilamento aconteceu às 7H20 local e o serviço de trem foi suspenso na linha, informou a autoridade metropolitana de  transportes de Nova York, a MTA.

O trem procedia da cidade Poughkeepsie (estado de Nova York) e devia chegar à estação Grand Central um pouco antes das 8H00 local. 

Não está claro ainda se os vagões estavam lotados no momento do acidente. Neste domingo termina o final de semana prolongado por causa do feriado do Dia de Ação de Graças e muitos americanos se encontram em trânsito.

As equipes de emergência, entre elas mais de cem bombeiros, segundo a CNN, foram enviadas ao local, onde inúmeras pessoas estão sendo atendidas. 

O local do acidente fica no norte de Manhattan, no setor da Palisade Avenue, próxima à estação Spuyten Duyvil, paralelo ao rio Hudson.

O governador do estado de Nova York, Andrew Cuomo, também deve visitar o local.

As imagens aéreas mostram ao menos quatro dos oito vagões virados, bem próximos do rio, depois de uma longa curva da ferrovia.

O serviço de trens Metro-North informou que está sendo organizado um transporte alternativo na área e que novas informações serão divulgadas assim que disponíveis.

Já a Junta Nacional de Segurança nos Transportes (NTSB) examina as causas de todos os acidentes de transporte no país e deve iniciar uma investigação imediata do caso.
******

"Meritocracia": a lógica perversa que envenena a classe média brasileira

01.12.2013
Do blog TUDO EM CIMA, 04.11.13
Por Renato Santos de Souza (UFSM/RS)


O texto abaixo é simplesmente sensacional. Nele, o autor explica de forma cabal porque a nossa classe média é tão individualista, perversa, reacionária, mesquinha e fascista. E também porque tem tanto ódio dos valores da esquerda. 

Infelizmente o texto é um pouco longo e sabemos que a maioria dos "classe-medianos" só lê mesmo a capa da Veja e livros de auto-ajuda, mas desafio todos vocês a lerem até o final, se tiverem coragem, é claro!



"Meritocracia": a lógica perversa que envenena a classe média brasileira
- por Renato Santos de Souza (UFSM/RS)

"Vamos amigo! Se a gente se esforçar e vestir a
camisa um dia a gente também chega lá sozinho!"
A primeira vez que ouvi a Marilena Chauí bradar contra a classe média, chamá-la de fascista, violenta e ignorante, tive a reação que provavelmente a maioria teve: fiquei perplexo e tendi a rejeitar a tese quase impulsivamente. Afinal, além de pertencer a ela, aprendi a saudar a classe média. Não dá para pensar em um país menos desigual sem uma classe média forte: igualdade na miséria seria retrocesso, na riqueza seria impossível.

Então, o engrossamento da classe média tem sido visto como sinal de desenvolvimento do país, de redução das desigualdades, de equilíbrio da pirâmide social, ou mais, de uma positiva mobilidade social, em que muitos têm ascendido na vida a partir da base. A classe média seria como que um ponto de convergência conveniente para uma sociedade mais igualitária. Para a esquerda, sobretudo, ela indicaria uma espécie de relação capital-trabalho com menos exploração.
 
Então, eu, que bebi da racionalidade desde as primeiras gotas de leite materno, como afirmou certa vez um filósofo, não comprei a tese assim, facilmente. Não sem uma razão. E a Marilena não me ofereceu esta razão. Ela identificou algo, um fenômeno, o reacionarismo da classe média brasileira, mas não desvendou o sentido do fenômeno. Descreveu “O QUE” estava acontecendo, mas não nos ofereceu o “PORQUE”. Por que logo a classe média? Não seria mais razoável afirmar que as elites é que são o “atraso de vida” do Brasil, como sempre foi dito? E mais, ela fala da classe média brasileira, não da classe média de maneira geral, não como categoria social. Então, para ela, a identificação deste fenômeno não tem uma fundamentação eminentemente filosófica ou sociológica, e sim empírica: é fruto da sua observação, sobretudo da classe média paulistana. E por que a classe média brasileira e não a classe média em geral? Estas indagações me perturbavam, e eu ficava reticente com as afirmações de dona Marilena.
 
Com o passar do tempo, porém, observando muitos representantes da classe média próximos de mim (coisa fácil, pois faço parte dela), bem como a postura desta mesma classe nas manifestações de junho deste ano, comecei lentamente a dar razão à filósofa. A classe média parece mesmo reacionária, talvez não toda, mas grande parte dela. Mas ainda me perguntava “por que” a classe média, e “por que” a brasileira? Havia um elo perdido neste fenômeno, algo a ser explicado, um sentido a ser desvendado.
 
Então adveio aquela abominável reação de grande parte da categoria médica – justamente uma categoria profissional com vocação para classe média - ao Programa Mais Médicos, e me sugeriu uma resposta. Aqueles episódios me ajudaram a desvendar a espuma. Mas não sem antes uma boa pergunta! Como pode uma categoria profissional pensar e agir assim, de forma tão unificada, num país tão plural e tão cheio de nuanças intelectuais e políticas como o nosso? Estudantes de medicina e médicos parecem exibir um padrão de pensamento e ação muito coesos e com desvios mínimos quando se trata da sua profissão, algo que não se vê em outros segmentos profissionais. Isto não pode ser explicado apenas pelo que se convencionou chamar de “corporativismo”. Afinal, outras categorias profissionais também tem potencial para o corporativismo, e não o são, ao menos não da mesma forma. Então deveria haver outra interpretação para isto.
 
Bem, naqueles episódios do Mais Médicos, apesar de toda a argumentação pretensamente responsável das entidades médicas buscando salvaguardar a saúde pública, o que me parecia sustentar tal coesão era uma defesa do mérito, do mérito de ser médico no Brasil. Então, este pensamento único provavelmente fora forjado pelas longas provações por que passa um estudante de medicina até se tornar um profissional: passar no vestibular mais concorrido do Brasil, fazer o curso mais longo, um dos mais difíceis, que tem mais aulas práticas e exigências de estrutura, e que está entre os mais caros do país. É um feito se formar médico no Brasil, e talvez por isto esta formação, mais do que qualquer outra, seja uma celebração do mérito. Sendo assim, supõe-se, não se pode aceitar que qualquer um que não demonstre ter tido os mesmos méritos, desfrute das mesmas prerrogativas que os profissionais formados aqui. Então, aquela reação episódica, e a meu ver descabida, da categoria médica, incompreensível até para o resto da classe média, era, na verdade, um brado pela meritocracia.
 
A minha resposta, então, ao enigma da classe média brasileira aqui colocado, começava a se desvelar: é que boa parte dela é reacionária porque é meritocrática; ou seja, a meritocracia está na base de sua ideologia conservadora.
 
Assim, boa parte da classe média é contra as cotas nas universidades, pois a etnia ou a condição social não são critérios de mérito; é contra o bolsa-família, pois ganhar dinheiro sem trabalhar além de um demérito desestimula o esforço produtivo; quer mais prisões e penas mais duras porque meritocracia também significa o contrário, pagar caro pela falta de mérito; reclama do pagamento de impostos porque o dinheiro ganho com o próprio suor não pode ser apropriado por um Governo que não produz, muito menos ser distribuído em serviços para quem não é produtivo e não gera impostos. É contra os políticos porque em uma sociedade racional, a técnica, e não a política, deveria ser a base de todas as decisões: então, deveríamos ter bons gestores e não políticos. Tudo uma questão de mérito.
 
Mas por que a classe média seria mais meritocrática que as outras? Bem, creio que isto tem a ver com a história das políticas públicas no Brasil. Nós nunca tivemos um verdadeiro Estado do Bem Estar Social por aqui, como o europeu, que forjou uma classe média a partir de políticas de garantias públicas. O nosso Estado no máximo oferecia oportunidades, vagas em universidades públicas no curso de medicina, por exemplo, mas o estudante tinha que enfrentar 90 candidatos por vaga para ingressar. O mesmo vale para a classe média empresarial, para os profissionais liberais, etc. Para estes, a burocracia do Estado foi sempre um empecilho, nunca uma aliada. Mesmo a classe média estatal atual, formada por funcionários públicos, é geralmente concursada, portanto, atingiu sua posição de forma meritocrática. Então, a classe média brasileira se constituiu por mérito próprio, e como não tem patrimônio ou grandes empresas para deixar de herança para que seus filhos vivam de renda ou de lucro, deixa para eles o estudo e uma boa formação profissional, para que possam fazer carreira também por méritos próprios. Acho que isto forjou o ethos meritocrático da nossa classe média.
 
Esta situação é bem diferente na Europa e nos EUA, por exemplo. Boa parte da classe média europeia se formou ou se sustenta das políticas de bem estar social dos seus países, estas mesmas que entraram em colapso com a atual crise econômica e tem gerado convulsões sociais em vários deles; por lá, eles vão para as ruas exatamente para defender políticas anti-meritocráticas. E a classe média americana, bem, esta convive de forma quase dramática com as ambiguidades de um país que é ao mesmo tempo das oportunidades e das incertezas; ela sabe que apenas o mérito não sustenta a sua posição, portanto, não tem muitos motivos para ser meritocrática. Se a classe média adoecer nos EUA, vai perder o seu patrimônio pagando por serviços privados de saúde pela absoluta falta de um sistema público que a suporte; se advém uma crise econômica como a de 2008, que independe do mérito individual, a classe média perde suas casas financiadas e vai dormir dentro de seus automóveis, como se via à época. Então, no mundo dos ianques, o mérito não dá segurança social alguma.
 
As classes brasileiras alta e baixa (os nossos ricos e pobres) também não são meritocráticas. A classe alta é patrimonialista; um filho de rico herda bens, empresas e dinheiro, não precisa fazer sua vida pelo mérito próprio, portanto, ser meritocrata seria um contrassenso; ao contrário, sua defesa tem que ser dos privilégios que o dinheiro pode comprar, do direito à propriedade privada e da livre iniciativa. Além disso, boa parte da elite brasileira tem consciência de que depende do Estado e que, em muitos casos, fez fortuna com favorecimentos estatais; então, antes de ser contra os governos e a política, e de se intitular apolítica, ela busca é forjar alianças no meio político.
 
Para a classe pobre o mérito nunca foi solução; ela vive travada pela falta de oportunidades, de condições ou pelo limitado potencial individual. Assim, ser meritocrata implicaria não só assumir que o seu insucesso é fruto da falta de mérito pessoal, como também relegar apenas para si a responsabilidade pela superação da sua condição. E ela sabe que não existem soluções pela via do mérito individual para as dezenas de milhões de brasileiros que vivem em condições de pobreza, e que seguramente dependem das políticas públicas para melhorar de vida. Então, nem pobres nem ricos tem razões para serem meritocratas.
 
A meritocracia é uma forma de justificação das posições sociais de poder com base no merecimento, normalmente calcado em valências individuais, como inteligência, habilidade e esforço. Supostamente, portanto, uma sociedade meritocrática se sustentaria na ética do merecimento, algo aceitável para os nossos padrões morais.
 
Aliás, tenho certeza de que todos nós educamos nossos filhos e tentamos agir no dia a dia com base na valorização do mérito. Nós valorizamos o esforço e a responsabilidade, educamos nossas crianças para serem independentes, para fazerem por merecer suas conquistas, motivamo-as para o estudo, para terem uma carreira honrosa e digna, para buscarem por méritos próprios o seu lugar na sociedade.
 
Então, o que há de errado com a meritocracia, como pode ela tornar alguém reacionário?
 
Bem, como o mérito está fundado em valências individuais, ele serve para apreciações individuais e não sociais. A menos que se pense, é claro, que uma sociedade seja apenas um agregado de pessoas. Então, uma coisa é a valorização do mérito como princípio educativo e formativo individual, e como juízo de conduta pessoal, outra bem diferente é tê-lo como plano de governo, como fundamento ético de uma organização social. Neste plano é que se situa a meritocracia, como um fundamento de organização coletiva, e aí é que ela se torna reacionária e perversa.
 
Vou gastar as últimas linhas deste texto para oferecer algumas razões para isto, para mostrar porquê a meritocracia é um fundamento perverso de organização social.
 
a) A meritocracia propõe construir uma ordem social baseada nas diferenças de predicados pessoais (habilidade, conhecimento, competência, etc.) e não em valores sociais universais (direito à vida, justiça, liberdade, solidariedade, etc.). Então, uma sociedade meritocrática pode atentar contra estes valores, ou pode obstruir o acesso de muitos a direitos fundamentais.
 
b) A meritocracia exacerba o individualismo e a intolerância social, supervalorizando o sucesso e estigmatizando o fracasso, bem como atribuindo exclusivamente ao indivíduo e às suas valências as responsabilidades por seus sucessos e fracassos.
 
c) A meritocracia esvazia o espaço público, o espaço de construção social das ordens coletivas, e tende a desprezar a atividade política, transformando-a em uma espécie de excrescência disfuncional da sociedade, uma atividade sem legitimidade para a criação destas ordens coletivas. Supondo uma sociedade isenta de jogos de interesse e de ambiguidades de valor, prevê uma ordem social que siga apenas a racionalidade técnica do merecimento e do desempenho, e não a racionalidade política das disputas, das conversações, das negociações, dos acordos, das coalisões e/ou das concertações, algo improvável em uma sociedade democrática e pluralista.
 
d) A meritocracia esconde, por trás de uma aparente e aceitável “ética do merecimento”, uma perversa “ética do desempenho”. Numa sociedade de condições desiguais, pautada por lógicas mercantis e formada por pessoas que tem não só características diferentes mas também condições diversas, merecimento e desempenho podem tomar rumos muito distantes. O Mário Quintana merecia estar na ABL, mas não teve desempenho para tal. O Paulo Coelho, o Sarney e o Roberto Marinho estão (ou estiveram) lá, embora muitos achem que não merecessem. O Quintana, pelo imenso valor literário que tem, não merecia ter morrido pobre nem ter tido que morar de favor em um hotel em Porto Alegre, mas quem amealhou fortuna com a literatura foi o Coelho. Um tem inegável valor literário, outro tem desempenho de mercado. O José, aquele menino nota 10 na escola que mora embaixo de uma ponte da BR 116 (tema de reportagem da ZH) merece ser médico, sua sonhada profissão, mas provavelmente não o será, pois não terá condições para isto (rezo para estar errado neste caso). Na música popular nem é preciso exemplificar, a distância entre merecimento e desempenho de mercado é abismal. Então, neste mudo em que vivemos, valor e resultado, merecimento e desempenho nem sempre caminham juntos, e talvez raramente convirjam.
 
Mas a meritocracia exige medidas, e o merecimento, que é um juízo de valor subjetivo, não pode ser medido; portanto, o que se mede é o desempenho supondo-se que ele seja um indicador do merecimento, o que está longe de ser. Desta forma, no mundo da meritocracia – que mais deveria se chamar “desempenhocracia” - se confunde merecimento com desempenho, com larga vantagem para este último como medida de mérito.
 
e) A meritocracia escamoteia as reais operações de poder. Como avaliação e desempenho são cruciais na meritocracia, pois dão acesso a certas posições de poder e a recursos, tanto os indicadores de avaliação como os meios que levam a bons desempenhos são moldados por relações de poder; e o são decisivamente. Seria ingênuo supor o contrário. Assim, os critérios de avaliação que ranqueiam os cursos de pós-graduação no país são pautados pelas correntes mais poderosas do meio acadêmico e científico; bons desempenhos no mercado literário são produzidos não só por uma boa literatura, mas por grandes investimentos em marketing; grandes sucessos no meio musical são conseguidos, dentre outras formas, “promovendo” as músicas nas rádios e em programas de televisão, e assim por diante. Os poderes econômico e político, não raras vezes, estão por trás dos critérios avaliativos e dos “bons” desempenhos.
 
Critérios avaliativos e medidas de desempenho são moldáveis conforme os interesses dominantes, e os interesses são a razão de ser das operações de poder; que por sua vez, são a matéria prima de toda a atividade política. Então, por trás da cortina de fumaça da meritocracia repousa toda a estrutura de poder da sociedade.
 
Até aí tudo bem, isso ocorre na maioria dos sistemas políticos, econômicos e sociais. O problema é que, sob o manto da suposta “objetividade” dos critérios de avaliação e desempenho, a meritocracia esconde estas relações de poder, sugerindo uma sociedade tecnicamente organizada e isenta da ingerência política. Nada mais ilusório e nada mais perigoso, pois a pior política é aquela que despolitiza, e o pior poder, o mais difícil de enfrentar e de combater, é aquele que nega a si mesmo, que se oculta para não ser visto.
 
e) A meritocracia é a única ideologia que institui a desigualdade social com fundamentos “racionais”, e legitima pela razão toda a forma de dominação (talvez a mais insidiosa forma de legitimação da modernidade). A dominação e o poder ganham roupagens racionais, fundamentos científicos e bases de conhecimento, o que dá a eles uma aparente naturalidade e inquestionabilidade: é como se dominados e dominadores concordassem racionalmente sobre os termos da dominação.
 
f) A meritocracia substitui a racionalidade baseada nos valores, nos fins, pela racionalidade instrumental, baseada na adequação dos meios aos resultados esperados. Para a meritocracia não vale a pena ser o Quintana, não é racional, embora seus poemas fossem a própria exacerbação de si, de sua substância, de seus valores artísticos. Vale mais a pena ser o Paulo Coelho, a E.L. James, e fazer uma literatura calibrada para vender. Da mesma forma, muitos pais acham mais racional escolher a escola dos seus filhos não pelos fundamentos de conhecimento e valores que ela contém, mas pelo índice de aprovação no vestibular que ela apresenta. Estudantes geralmente não estudam para aprender, estudam para passar em provas. Cursos de pós-graduação e professores universitários não produzem conhecimentos e publicam artigos e livros para fazerem a diferença no mundo, para terem um significado na pesquisa e na vida intelectual do país, mas sim para engrossarem o seu Lattes e para ficarem bem ranqueados na CAPES e no CNPq.
 
A meritocracia exige uma complexa rede de avaliações objetivas para distribuir e justificar as pessoas nas diferentes posições de autoridade e poder na sociedade, e estas avaliações funcionam como guiões para as decisões e ações humanas. Assim, em uma sociedade meritocrática, a racionalidade dirige a ação para a escolha dos meios necessários para se ter um bom desempenho nestes processos avaliativos, ao invés de dirigi-la para valores, princípios ou convicções pessoais e sociais.
 
g) Por fim, a meritocracia dilui toda a subjetividade e complexidade humana na ilusória e reducionista objetividade dos resultados e do desempenho. O verso “cada um de nós é um universo” do Raul Seixas – pérola da concepção subjetiva e complexa do humano - é uma verdadeira aberração para a meritocracia: para ela, cada um de nós é apenas um ponto em uma escala de valor, e a posição e o valor que cada um ocupa nesta escala depende de processos objetivos de avaliação. A posição e o valor de uma obra literária se mede pelo número de exemplares vendidos, de um aluno pela nota na prova, de uma escola pelo ranking no Ideb, de uma pessoa pelo sucesso profissional, pelo contracheque, de um curso de pós-graduação pela nota da CAPES, e assim por diante. Embora a natureza humana seja subjetiva e complexa e suas interações sociais sejam intersubjetivas, na meritocracia não há espaço para a subjetividade nem para a complexidade e, sendo assim, lamentavelmente, há muito pouco espaço para o próprio ser humano. Desta forma, a meritocracia destrói o espaço do humano na sociedade.
 
Enfim, a meritocracia é um dos fundamentos de ordenamento social mais reacionários que existe, com potencial para produzir verdadeiros abismos sociais e humanos. Assim, embora eu tenda a concordar com a tese da Marilena Chauí sobre a classe média brasileira, proponho aqui uma troca de alvo. Bradar contra a classe média, além de antipático pode parecer inútil, pois ninguém abandona a sua condição social apenas para escapar ao seu estereótipo. Não se muda a posição política de alguém atacando a sua condição de classe, e sim os conceitos que fundamentam a sua ideologia.
 
Então, prefiro combater conceitos, neste caso, provavelmente o conceito mais arraigado na classe média brasileira, e que a faz ser o que é: a meritocracia.
*****

MÍDIA SELETIVA E MANIPULADA: O incrível helicóptero das neves

01.12.2013
Do blog ESQUERDOPATA, 01.12.13



P.S.: quando escrevo "fonte" estou me referindo ao lugar onde achei, não ao autor. Isso vale para todas as postagens onde o nome do autor não aparece.
*****

Globo apoia fraudadores de Honduras

01.12.2013
Do BLOG DO MIRO, 29.11.2013
Por Altamiro Borges


Os protestos diários contra as fraudes nas eleições presidenciais de Honduras, realizadas no domingo passado, ganharam importante reforço. O ex-juiz espanhol Baltazar Garzón, famoso por ter levado à prisão o falecido ditador Augusto Pinochet, deu entrevista à imprensa mundial confirmando o roubo. Ele acompanhou o pleito como observador da Federação Internacional de Direitos Humanos e afirma: “Há claros indícios de manipulação e fraude eleitoral”. Mesmo assim, a mídia colonizada do Brasil já parabeniza os fraudadores hondurenhos. O Globo é o porta-voz dos golpistas.

Segundo o Tribunal Supremo Eleitoral da nação centro-americana, Juan Hernández, do direitista Partido Nacional, obteve 36% dos votos e venceu Xiomara Castro, mulher do presidente deposto Manuel Zelaya, que teve 29%. Vale lembrar que o poder judiciário local deu total apoio ao golpe militar de junho de 2009, orquestrado pelos EUA e pela oligarquia nativa. Além do partido Libre (Liberdade e Refundação), liderado por Xiomara, todas as outras legendas que disputaram as eleições de domingo questionaram o resultado do pleito.

Para Baltazar Garzón, “o alcance da fraude ainda não está determinado, mas houve compra de votos, compra de credenciais, clara influência e tentativas de manipulação através da contagem eletrônica e da transmissão de atas”. O ex-juiz espanhol também criticou o financiamento da campanha do candidato governista. Há suspeitas de ingerência externa e do uso de dinheiro do tráfico de drogas. As críticas de Baltazar Garzón reforçam as mobilizações populares na capital hondurenha. Novo protesto está marcado para este sábado (1).

Apesar das suspeitas de fraude, a mídia brasileira já manifestou total apoio ao ‘presidente’ direitista – assim como tinha apoiado o golpe no país. O Globo foi o mais descarado. Em editorial nesta quinta-feira (28), o jornal da famiglia Marinho festejou: “Chavismo sai derrotado em Honduras”, estampou no título. Para o diário, “com a derrota de Xiomara quem perde é o chavismo, ao qual Zelaya aderira; e, por tabela, o ex-presidente Lula, que apoiou a candidata... Mais uma vez, Lula não se furta à ingerência em assuntos internos de outro país para ajudar ‘companheiros’”.

Contra as forças progressistas e populares da América Latina – sempre rotuladas de “chavistas” –, O Globo prefere mesmo a “ingerência” dos EUA, os golpes militares e as fraudes eleitorais! Num recente editorial, o jornal fez “autocrítica” do seu apoio ao golpe militar de 1964 no Brasil. Como se observa, era pura falsidade.

*****

Leia também:




****

Príncipe da privataria e imperador do cinismo

01.12.2013
Do BLOG DA CIDADANIA
Por Eduardo Guimarães

Rameira! Ponha-se daqui pra fora!

O escritor Palmério Dória não poderia ter sido mais feliz ao iniciar o best-seller “O Príncipe da Privataria” (Geração Editorial) com o relato da expulsão da jornalista da Globo Miriam Dutra do gabinete do então senador Fernando Henrique Cardoso, no início dos anos 1990, quando ele se preparava para disputar a Presidência da República pela primeira vez.
Dória sabia que sua obra deveria mostrar, para começo de conversa, o caráter de seu protagonista. E nada melhor para mostrar o caráter de um homem do que uma situação em que é colocado diante de sua responsabilidade na concepção de um filho.
FHC agiu da forma mais vil que um homem pode agir com uma mulher: além de fugir da própria responsabilidade pela concepção de uma nova vida, ainda humilhou aquela a quem, quando o desejo carnal falou mais alto, por certo não tratou de “rameira” nem expulsou da alcova em que foi inseminada.
A conduta reveladora de FHC, imortalizada por Dória, coaduna-se à perfeição com o seu último artigo nos jornais O Estado de São Paulo e O Globo, os quais lhe dão espaço todo início de mês. Seu texto revela, acima da falta de caráter, um cinismo quase sobrenatural.
Se existe um político que não poderia criticar uso de dinheiro público para comprar parlamentares, esse alguém é Fernando Henrique Cardoso. O livro “Príncipe da Privataria” mostra, sem deixar dúvida (a quem tiver uma réstia de honestidade intelectual), que, na pior das hipóteses, o ex-presidente teve o domínio do fato da compra de votos de parlamentares para que aprovassem a emenda constitucional que lhe permitiu disputar a própria sucessão.
FHC não nega que votos tenham sido comprados – quem não souber disso, que se informe. Já deu várias entrevistas em que reconhece que “alguém” comprou deputados para que votassem a favor de sua reeleição. Até a CNBB denunciou isso, à época – e antes da denúncia pela Folha de São Paulo. Mas ele diz que “não sabia” de nada.
Ganha um exemplar de “O Príncipe da Privataria” quem postar aqui o link de uma coluna, de um artigo ou de um editorial de algum grande meio de comunicação em que o “não sabia” de FHC tenha sido ironizado como foi, tantas vezes, o de Lula ao negar que soubesse do mensalão.
Nunca houve uma única prova material que tornasse inquestionável a acusação ao PT de que “comprou” deputados para aprovar matérias de interesse do governo Lula. Os membros do partido que hoje mofam em uma masmorra qualquer no Planalto Central foram condenados pela “verossimilhança” que ministros do STF viram na acusação.
Com a compra de votos para a reeleição de FHC, foi muito diferente. Havia abundância de provas de que os votos foram comprados, sendo a principal um conjunto de gravações de deputados governistas confessando que foram corrompidos por 200 mil reais cada um para votarem a favor da emenda da reeleição.
Era o tempo do engavetador-geral da República, o ex-procurador-geral da República Geraldo Brindeiro, nomeado por FHC e que, ao longo de oito anos, nunca incomodou o governo ao qual prestou serviços – infringindo a lei, diga-se.
Isso não impediu que FHC escrevesse, nesse último artigo, acusações aos adversários petistas de terem feito aquilo que ele diz que não fez, mas que a teoria do domínio do fato, tal como foi usada pelo Supremo, diria que só pode ter feito, pois não se imagina que alguém cometa um crime para favorecer a outrem desinteressadamente e sem que o favorecido saiba de nada.
E se algum defensor do tucano disser que, se é assim, Lula também teria que “saber”, engana-se:  o mensalão não beneficiaria o ex-presidente petista pessoalmente, mas a compra de votos de FHC foi um benefício pessoal para ele e só para ele, pois poderia ter feito como Lula e elegido algum “poste” para continuar sua “obra”, mas seu projeto de poder era pessoal.
Sobre o artigo de FHC em questão, no entanto, há pouco mais que dizer. Sob o ridículo título “Sinais alarmantes”, apenas escancara seu cinismo sobrenatural enquanto tenta construir um risco qualquer para a democracia que haveria em seus adversários simplesmente fazerem política.
O primeiro parágrafo dessa peça lamentável resume tudo:

“Finalmente fez-se justiça no caso do mensalão. Escrevo sem júbilo: é triste ver na cadeia gente que em outras épocas lutou com desprendimento. Estão presos ao lado de outros que se dedicaram a encher os bolsos ou a pagar suas campanhas à custa do dinheiro público”

Só esse parágrafo basta para ilustrar a falta de caráter de alguém que, se tivesse ao menos um pingo de decência, trataria de se fechar em copas, de não apontar o dedo para quem, no máximo – mesmo acedendo à tese farsesca de que o PT compraria os próprios deputados –, pode ter feito o que ele mesmo fez. Só que sem as provas que abundam contra si.
Mas o que esperar de um homem que, sob insultos pesados, expulsa a mulher que inseminou ao ser comunicado por ela de que o ato que praticaram gerou um fruto? A falta de caráter desse sujeito não precisava desse artigo deplorável em que, além de “príncipe” da roubalheira de patrimônio público, confirmou ser o imperador do cinismo.
Datafolha
Enquanto a mídia e o PSDB continuarem apostando no mensalão para convencer os brasileiros a votarem como querem, o PT pode ficar tranquilo. Só FHC e os barões da mídia seus amigos acreditam que alguém dará bola à tese maluca de que só petistas merecem estar na cadeia.
Como diz o novo marqueteiro do PSDB – ao qual o partido e seu aparato midiático teimam em não dar bola –, o mensalão não lhes dará um único voto.
Só existe um meio de o PSDB ou qualquer outro impedir a reeleição de Dilma Rousseff: há que convencer o eleitorado de que (1) sua vida vai mal e de que (2) pode-se fazer melhor do que está sendo feito. Do contrário, o conservadorismo brasileiro vai manter tudo como está.
*****

Como se manipula a informação

30.11.2013
Do portal da Agência Carta Maior, 25.11.13

William Bonner, ao vetar esta ou aquela reportagem, diz: "essa o Homer não vai entender". Ele refere-se ao "telespectador médio" do Jornal Nacional.

Latuff
Não é de hoje que vários pensadores sérios estudam o mecanismo da manipulação da informação na mídia de mercado. Um deles, o linguista Noam Chomsky, relacionou dez estratégias sobre o tema.


Na verdade, Chomsky elaborou um verdadeiro tratado que deve ser analisado por todos (jornalistas ou não) os interessados no tema tão em voga nos dias de hoje em função da importância adquirida pelos meios de comunicação na batalha diária de “fazer cabeças”.
Vale a pena transcrever o quinto tópico elaborado e que remete tranquilamente a um telejornal brasileiro de grande audiência e em especial ao apresentador.
O tópico assinala que o apresentador deve “dirigir-se ao público como criaturas de pouca idade ou deficientes mentais. A maioria da publicidade dirigida ao grande público utiliza discursos, argumentos, personagens e entonação particularmente infantil, muitas vezes próxima da debilidade, como se o espectador fosse uma pessoa de pouca idade ou um deficiente mental. Quanto mais se tenta enganar o espectador, mais se tende a adotar um tom infantil”.
E prossegue Chomsky indagando o motivo da estratégia. Ele mesmo responde: “se alguém se dirige a uma pessoa como se ela tivesse 12 anos ou menos, então, por razão da sugestão, ela tenderá, com certa probabilidade, a uma resposta ou reação também desprovida de um sentido crítico como a de uma pessoa de 12 anos ou menos”.
Alguém pode estar imaginando que Chomsky se inspirou em William Bonner, o apresentador do Jornal Nacional que utiliza exatamente a mesma estratégia assinalada pelo linguista.
Mas não necessariamente, até porque em outros países existem figuras como Bonner, que são colocados na função para fazerem exatamente o que fazem, ajudando a aprofundar o esquema do pensamento único e da infantilização do telespectador.
De qualquer forma, o que diz Chomsky remete a artigo escrito há tempos pelo professor Laurindo Leal Filho depois de ter participado de uma visita, juntamente com outros professores universitários, a uma reunião de pauta do Jornal Nacional comandada por Bonner.
Laurindo informava então que na ocasião Bonner dissera que em pesquisa realizada pela TV Globo foi identificado o perfil do telespectador médio do Jornal Nacional. Constatou-se, segundo Bonner, que “ele tem muita dificuldade para entender notícias complexas e pouca familiaridade com siglas como o BNDES, por exemplo. Na redação, o personagem foi apelidado de Homer Simpson, um simpático mas obtuso personagem dos Simpsons, uma das séries estadunidenses de maior sucesso na televisão do mundo”.
E prossegue o artigo observando que Homer Simpson “é pai de família, adora ficar no sofá, comendo rosquinhas e bebendo cerveja, é preguiçoso e tem o raciocínio lento”.
Para perplexidade dos professores que visitavam a redação de jornalismo da TV Globo, Bonner passou então a se referir da seguinte forma ao vetar esta ou aquela reportagem: “essa o Homer não vai entender” e assim sucessivamente.
A tal reunião de pauta do Jornal Nacional aconteceu no final do ano de 2005. O comentário de Noam Chomsky é talvez mais recente. É possível que o linguista estadunidense não conheça o informe elaborado por Laurindo Leal Filho, até porque depois de sete anos caiu no esquecimento. Mas como se trata de um artigo histórico, que marcou época, é pertinente relembrá-lo.
De lá para cá, o Jornal Nacional praticamente não mudou de estratégia e nem de editor-chefe. Continua manipulando a informação, como aconteceu recentemente em matéria sobre o desmatamento na Amazônia, elaborada exatamente para indispor a opinião pública contra os assentados.
Dizia a matéria que os assentamentos são responsáveis pelo desmatamento na região Amazônica, mas simplesmente omitiu o fato segundo o qual o desmatamento não é produzido pelos assentados e sim por grupos de madeireiros com atuação ilegal.
Bonner certamente orientou a matéria com o visível objetivo de levar o telespectador a se colocar contra a reforma agrária, já que, na concepção manipulada da TV Globo, os assentados violentam o meio ambiente.
Em suma: assim caminha o jornalismo da TV Globo. Quando questionado, a resposta dos editores é acusar os críticos de defenderem a censura. Um argumento que não se sustenta.
A propósito, o jornal O Globo está de marcação cerrada contra o governo de Rafael Correa, do Equador, acusando-o de restringir a liberdade de imprensa. A matéria mais recente, em tom crítico, citava como exemplo a não renovação da concessão de algumas emissoras de rádio que não teriam cumprido determinações do contrato.
As Organizações Globo e demais mídias filiadas à Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) raciocinam como se os canais de rádio e de televisão fossem propriedade particular e não concessões públicas com normas e procedimentos a serem respeitados.
Em outros termos: para o patronato associado à SIP quem manda são os proprietários, que podem fazer o que quiserem e bem entenderem sem obrigações contratuais.
No momento em que o Estado fiscaliza e cobra procedimentos, os proprietários de veículos eletrônicos de comunicação entram em campo para denunciar o que consideram restrição à liberdade de imprensa.
Os governos do Equador, Venezuela, Bolívia e Argentina estão no índex do baronato midiático exatamente porque cobram obrigações contratuais. Quando emissoras irregulares não têm as concessões renovadas, a chiadeira do patronato é ampla, geral e irrestrita.
Da mesma forma que O Globo no Rio de Janeiro, Clarin na Argentina, El Mercurio no Chile e outros editam matérias com o mesmo teor, como se fossem extraídas de uma mesma matriz midiática.



Créditos da foto: Latuff
****

CUIDADOS COM O 13º

01.12.2013
Do portal BRASIL247,28.11.13
Por ANTÔNIO TEODORO

Antônio TeodoroPara sanar suas dívidas, elabore uma lista, enumerando-as de acordo ao valor, taxa de juros e data vencida. Para quem está com o orçamento pessoal em dia, é hora de criarmos uma reserva financeira para emergências

Estamos na última semana de novembro. Além de já nos encaminharmos para o último mês do ano, que traz consigo o início das festividades, das comemorações e das celebrações, começamos um período onde muitos dos trabalhadores brasileiros esperam ansiosamente. Até o dia 30 de novembro, a primeira parcela do décimo terceiro salário será paga, e a partir daí, começam as operações financeiras que podem traduzir em soluções ou pesadelos.

Muitos, é verdade, já executaram as despesas de décimo terceiro antes mesmo de recebê-lo. Outros tantos já vêm planejando o que fazer com o dinheiro quando receber. Alguns poucos o reservarão para aplicação em poupança para casos de emergência, e outros já optaram por investimentos junto aos agentes financeiros.

Apesar de ser um período onde o fluxo de recebimento é crescente, há armadilhas importantes que precisam ser desarmadas para que, antes mesmo de iniciarmos um novo ano, velhas práticas e antigas dívidas permaneçam.

Os valores da primeira parcela, faz necessário registrar, para a maioria dos casos é a parcela recebida de maior volume, uma vez que os descontos legais ocorrem apenas na segunda parcela. Significa dizer que, caso a pessoa tenha trabalhado todo o ano de 2013 na mesma empresa, no dia 30 de novembro haverá o recebimento de metade de seu salário. Simples e direto assim.

Já em 20 de dezembro, data máxima para o pagamento da segunda parcela, haverá desconto de INSS, IRRF e o valor adiantado em novembro. Desta forma, o valor da segunda parcela será inferior ao valor recebido na primeira parcela.

Por este motivo, o destino dos recursos da primeira parcela torna-se tão importante. Caso o fluxo pessoal de recursos esteja apontando um saldo negativo, é hora de repensarmos as dívidas e quitá-las. Férias, presentes e outros itens de consumo devem ficar em um segundo momento.

Para sanar suas dívidas, elabore uma lista, enumerando-as de acordo ao valor, taxa de juros e data vencida. As contas antigas sofrem correções monetárias, e, para tanto, faz-se necessário que consulte os credores antes de elaborar sua listagem com valores de pendências.

Com a listagem preparada, é hora de encararmos a realidade. Antes de qualquer negociação, veja se o valor que será recebido via primeira parcela do décimo terceiro conseguirá honrar todas as dívidas. Caso sim, comece fase de negociação. Caso não, priorize as dívidas antigas, com juros maiores e que oferecem facilidades na quitação dos débitos. Barganhar descontos nos juros e multas é sempre uma grande opção quando se oferece quitação integral da dívida.

Durante a fase de negociação realize contatos juntos aos credores a fim de obter descontos nos juros, parcelamentos e todas as possibilidades. Apenas feche a negociação se realmente haverá condições de honrá-la.

Após todo processo de escolha de credores e esgotadas as possibilidades de negociação, honre os compromissos assumidos. Não pense que, por ter renegociado a dívida, você esteja livre dela. É preciso quitá-la. A inadimplência de uma renegociação de dívida indica a perda total de seriedade, confiança e encerra diversos canais de negociação.

Reitero que se deve observar as dívidas com maior taxa de juros e periodicidade de atraso para elencar suas prioridades.

Para quem está com o orçamento pessoal em dia, é hora de criarmos uma reserva financeira para emergências. Neste caso, desaconselho investimentos em previdência privada, títulos de capitalização ou qualquer outro produto em que seu gerente de conta venha lhe oferecer e caracterize-o como investimento e que faça seu dinheiro ficar indisponível por mais de 30 dias. Não considero título de capitalização um investimento, e o objetivo desta reserva é para emergências, funcionar como um capital de giro, e por isso, o capital não deve ficar indisponível.

Se o recurso for destinado como uma reserva para emergências, aplique-o na famosa caderneta de poupança, ou até mesmo, dependendo de seu autocontrole consumista, deixe-o na conta correte. Não recomendo deixar em conta corrente mais de 50% de seu salário bruto. A diferença deve estar aplicada em alguma espécie de investimento, com alta liquidez. O objetivo destes recursos é o giro mensal, um verdadeiro "colchão de recursos".

Para quem já possui uma reserva de segurança, que acredito ser no mínimo de 3 meses de seu salário bruto guardado, aconselha-se buscar investimentos atrelados a taxa de inflação, Selic ou fundos de investimento cotistas de crédito privado. LCI, LCAs são também excelentes produtos para investimento. Fundos imobiliários também podem render alguns bons retornos, desde que observada as taxas de administração, desempenho e outros custos administrativos.

Se o horizonte for de curto prazo, esqueça o mercado acionário brasileiro, e também fundos de investimento que tenham em sua carteira títulos variáveis. O mercado acionário não possui data de vencimento para resgate do investimento. Oscilações são partes integrantes deste mercado.

Aplicação em moeda estrangeira pode ser uma grande aposta, porém, não há certeza de ganhos e seu risco poderá ser superior ao lucro possivelmente produzido. Pense sobre este caminho. Ouro também pode ser uma possibilidade, com restrições.

Não se esqueça que, o poupar de hoje pode ajudar no desenvolvimento de um negócio próprio, por exemplo. Quem possui a vontade empreendedora precisa se planejar, e quem sabe, este recurso extra não será o primeiro passo neste caminho?

Enfim, de forma muito sintética, são algumas proposições merecedoras de pensar, idealizar e colocar em prática. Mesmo com o clima de consumo, não podemos perder a racionalidade.
*****

Cocaína no helicóptero. Cadê a mídia?

01.12.2013
Do BLOG DO MIRO, 
Por Cadu Amaral, em seu blog:


Quase meia tonelada de pasta base de cocaína foi encontrada no Espírito Santo no último dia 24 de novembro. A droga estava em um helicóptero do filho do senador mineiro Zezé Perrella (PDT), o deputado estadual em Minas Gerais, Gustavo Perrella (Solidariedade), ambos aliados do também senador mineiro e pré-candidato à Presidência da República Aécio Neves (PSDB).


Cada quilo de pasta base cocaína pode render até dois quilos da droga. Então no helicóptero de Perrella continha até uma tonelada de cocaína. Uma tonelada! Tráfico de drogas como nos filmes de Hollywood.

Isso deveria abalar as coisas no Senado Federal. Um dos seus pares é traficante de drogas, ou melhor – como gosta a “grande imprensa” quando trata das mazelas dos seus –, “suposto traficante”.

Pior, o senador e “suposto traficante” é aliado de Aécio Neves, o salvador da pátria para os aliados do tucanato. Mas essa relação política entre Perrella e Neves você não vê, nem lê, nem ouve da grande mídia. Por quê?

Já imaginaram se essa quantidade de droga fosse encontrada em posse de alguém ligado ao PT como o trato seria diferente? Não precisava nem ser quase meia tonelada de pasta base de cocaína, bastaria ser um quilo da droga. Num carro de um amigo do vizinho do primo do Lula. Provavelmente teríamos uma capa de Veja com a seguinte frase: além de pingunço, cheirador de pó!

Será que o judiciário brasileiro vai adotar a teoria do domínio do fato nesse caso e prender o Zezé Perrella e todos ao seu redor? Sim, por que agora já empurram a culpa de tudo para o piloto do helicóptero que, aliás, é nomeado na Assembleia legislativa de Minas Gerais. Mas já sabemos que a cobertura sobre esse caso não será nem um décimo do que foi a cobertura sobre a Ação Penal 470.

Empurram a culpa de tudo para o piloto, como tentam fazer com o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo no caso da máfia dos fiscais em São Paulo. Os tucanos não mudam. E a “grande imprensa” também. A aeronave tem dono, a fazenda para onde a droga seria levada também, mas a cocaína não. Maravilha! 

Agora diante disso tudo algo me incomoda: qual o tamanho do dedo do Serra sobre a pasta base de cocaína no helicóptero? Será que seria surpresa que ele ajudou a revelar tudo isso apenas para desgastar seu obstáculo a ser – mais uma vez! – candidato a presidente em 2014? Do Serra pode se esperar tudo. E onde tem o Serra tem baixaria.

*****

Uma encrenca chamada Joaquim Barbosa

01.12.2013
Do porta JORNAL GGN, 30.11.13
Há um pensamento majoritário na opinião pública leiga e um consenso no sistema judicial – incluindo desembargadores, juízes, procuradores, advogados. O pensamento majoritário leigo é de que o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa é um herói. O consenso no meio jurídico é que trata-se de um desequilibrado que está desmoralizando a Justiça e, principalmente, o mais alto órgão do sistema: o STF.
No seminário de dois dias sobre “Democracia Digital e a Justiça” – promovido pelo Jornal GGN – Barbosa foi a figura dominante nos debates e nas conversas.
O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakai, lembrou a cena da semana passada, na qual Barbosa acusou todo o tribunal de fazer “chicana” – na linguagem jurídica, malandragem para atrasar julgamentos. A única voz que se levantou protestando foi a do calado Teori Zavascki. Os demais recuaram, com receio da baixaria – o mesmo receio que acomete um cidadão comum no bar, quando entra um bêbado ou um alucinado distribuindo desaforos.
***
Hoje em dia, há um desconforto generalizado no meio jurídico com a atuação de Barbosa.
O Código da Magistratura proíbe que juízes sejam proprietários de empresas ou mantenham endereço comercial em imóveis funcionais. O órgão incumbido de zelar por essa proibição é o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Barbosa é a única exceção de magistrado que desobedeceu a essa obrigação. Ao mesmo tempo, é o presidente do STF e do CNJ. Como se pode tolerar essa exceção?
Se algum juiz federal abrir uma representação junto ao CNJ para saber se liberou geral, qual será a resposta do órgão? E se não abriu, como tolerar a exceção?
***
Outro princípio sagrado é o do juiz natural. Um juiz não pode ser removido de uma função por discordância com suas opiniões. Barbosa pressionou o Tribunal de Justiça do Distrito Federal a remover o juiz da execução das penas dos condenados do “mensalão”, por não concordar com sua conduta.
A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) entrou com uma representação junto ao CNJ, não contra Barbosa – respeitando seu cargo de presidente do STF, mas contra o presidente do TJ do Distrito Federal. Se o CNJ acatar a representação, automaticamente Barbosa estará incluído. E como conviver com um presidente do STF que não respeita a própria lei?
Seu desrespeito a associações de magistrados, de advogados, aos próprios pares há muito ultrapassou os limites da falta de educação. Por muito menos, juizes foram cassados por tribunais por perda de compostura.
***
No fechamento do seminário, o decano dos juristas brasileiros, Celso Antônio Bandeira de Mello, falou duramente sobre Barbosa. “Dentre todos os defeitos dos homens, o pior é ser mau. Por isso fiquei muito irritado com o presidente do STF: é homem mau, não apenas pouco equilibrado, é mau”.
Na sua opinião, a maneira como a mídia cobriu as estripulias de Barbosa colocou em xeque a própria credibilidade dos veículos. “Como acreditar em quem dizia que Joaquim era o grande paladino da justiça e, agora, constata-se que é um desequilibrado? Devemos crer em quem?”.
***
O fato é que o show midiático na cobertura da AP 470 criou o maior problema da Justiça brasileira desde a redemocratização.
Ninguém do meio, nem seus colegas, nem os Ministros que endossaram seus votos, nem a própria mídia que o incensou, têm dúvidas sobre seu desequilíbrio e falta de limites.
Mas quem ousará mostrar a nudez de um herói nacional de histórias em quadrinhos?
*****