quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Significado do acordo entre Irã e G5+1

28.11.2013
Do BLOG DO MIRO, 26.11.13
Por Editorial do sítioVermelho:


O acordo entre o Irã e o Grupo 5+1 – membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas mais a Alemanha – anunciado neste domingo (24) tem causado reações diversas, mas predominantemente positivas. Depois de tantos anos de construção midiática de um Irã ameaçador e radical, chegou o momento de noticiar sobre um governo persa diplomático e conciliador. Chegou o momento da outra versão.


 A República Islâmica do Irã tem se dedicado há décadas a negociações infindáveis e se submetido a inspeções regulares da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), da qual é membro desde 1959. 

Entretanto, isso não eximiu o país das sanções devastadoras introduzidas pelos Estados Unidos em 1979, quando a Revolução Islâmica derrubou um regime monárquico autocrático, governado pelo xá Mohammed Reza Pahlavi, cuja família era historicamente apoiada pelos estadunidenses. Uma revolução popular e nacionalista, liderada pelos xiitas, passou a ser contada pela mídia ocidental como o agouro de uma era de extremos.

Depois dos Estados Unidos, que renovam e expandem as sanções impostas ao Irã regularmente, a Organização das Nações Unidas (ONU) e a União Europeia (UE) também entraram no jogo. Estas medidas de coerção visam a punição dos persas através da sua indústria petrolífera e do sistema financeiro, por exemplo, com o congelamento dos capitais persas no exterior.

O motivo: um programa nuclear sobre o qual um temor paranoico foi assentado na ameaça de “terrorismo” e de “fundamentalismo” religioso, construído cuidadosa e paulatinamente pela mídia ocidental, sobretudo a estadunidense. Neste sentido, ficam sem eco os diversos apelos dos persas pela diplomacia, e sua reivindicação por respeito à soberania é transformada em esbravejo de um regime radical que, supostamente nas entrelinhas, afirmaria um direito à possessão de armas nucleares.

Além de membro da AIEA, o Irã é signatário do Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP), do qual países também vistos como ameaça pelos persas se esquivam. Israel não assinou o TNP (nem ratificou outros tratados contra armas de destruição em massa, para que conste), enquanto a França (que tomou temporariamente as rédeas da retórica agressiva do Ocidente) é signatária, mas também declarada “potência nuclear”, ou seja, detentora deste tipo de arsenal.

Mais uma vez, um sistema e um regime internacional de coerções hipócritas se desvelam. Ainda assim, o Irã intensificou esforços pela diplomacia desde a eleição do presidente mais “moderado”, Hassan Rohani. Os resultados são positivos, sem dúvida: enquanto reafirmam seus direitos soberanos ao desenvolvimento de um programa nuclear de fins civis (sobretudo para a energia e para pesquisas médicas), os persas sentam-se à mesa de negociações com as potências do Conselho de Segurança, Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China, acompanhadas pela Alemanha.

Depois de diversas rodadas de negociações (e de outro acordo com AIEA), um consenso, ainda que a duras penas, foi alcançado. Um concerto temporário – de seis meses, assentado na troca do alívio das sanções pela redução do enriquecimento de urânio persa e maior acesso dos inspetores da agência nuclear às instalações nucleares – oferece um “início de bom caminho” a seguir, como disse o próprio líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei. 

A ver se o belicoso de plantão, desta vez representado quase isoladamente por Israel, visivelmente excluído, em brados agressores, permitirá a passagem da diplomacia.


*****

BARBOSA MANIPULA?Quem são os médicos de Barbosa que examinaram Genoíno

28.11.2013
Do blog O CAFEZINHO,27.11.13
Por Miguel do Rosário

O Cafezinho foi investigar quem são os médicos selecionados por Barbosa para fazer um laudo médico que justifique trazer Genoíno de volta para Papuda. Todos os laudos anteriores indicavam que seria muito mais seguro para Genoíno se tratar em casa. Barbosa não se deu por satisfeito e pediu um último laudo, feito com médicos mais velhos, a maioria professores, acadêmicos, ou empresários da saúde, que aceitaram o jogo de Barbosa e prepararam um documento que prima por ser “contra” o réu.  É a primeira vez que eu vejo uma junta médica agir, deliberadamente, com apavorante frieza, com vistas à sabotar qualquer tratamento à Genoíno. 
Vê-se que Barbosa foi cuidadoso. Depois de trocar o juiz, escolheu cinco médicos perfeitos para executar sua missão. A maioria são médicos já maduros, com longa carreira acadêmica e donos de clínicas particulares. Barbosa não se arriscou com nenhum jovem idealista. Chamou só macaco velho.
Vamos a eles. Os nomes são: Luiz Fernando Junqueira Júnior, Cantídio Lima Vieira, Fernando Antibas Atik, Alexandre Visconti Brick, e Hilda Maria Benevides da Silva de Arruda.
Segue a ficha cada um:
  • Luiz Fernando Junqueira Júnior, professor de cardiologia da Universidade de Brasília e presidente da junta:
Consegui reunir pouco material sobre sua pessoa, mas obtive indícios do ambiente em que vive. Há uma página no Facebook dedicada à turma Luiz Fernando Junqueira Junior – Medicina UNB.
O administrador é Paulo Machado Ribeiro Junior.
ScreenHunter_2970 Nov. 27 02.39
página de Ribeiro Junior é repleta de acusações contra médicos cubanos, ódio contra o PT, festejos pela prisão dos “mensaleiros”.  Essa é a turma do chefe da junta que foi examinar Genoíno.
ScreenHunter_2974 Nov. 27 02.41
ScreenHunter_2973 Nov. 27 02.41
***
Cantídio Lima Vieira, cardiologista e especialista em perícia médica:
Esse aí tem uma história interessante. É um dos “marajás de jaleco” do Senado Federal. Médico do serviço público do Senado, Cantídio Lima Vieira possui clínicas privadas que oferecem serviços aos… senadores. Denúncia da Istoé foi logo abafada.
ScreenHunter_2978 Nov. 27 02.47
mi_561484965151303
Trecho da matéria: “Duas unidades médicas dos funcionários operam no Sudoeste, outro bairro nobre de Brasília. Uma delas pertence ao médico Cantídio Lima Vieira (foto). Ele tem participação em mais quatro clínicas. Duas delas, a Policlínica Planalto e a Cordis são prestadoras de serviço da mesma associação de médicos contratada pelo Senado.”
***
Fernando Antibas Atik, especialista em cirurgia cardiovascular:
Fernando Atik tem um Twitter, no qual tem 16 seguidores e segue 33 arrobas. Destas 33, as únicas fontes de informação são Jornal Nacional, Globo, G1, Globonews, CBN, Veja e Conselho Federal de Medicina. Seus últimos 2 tweets aconteceram no dia 16 de novembro, quando respondeu a uma pergunta da Veja a seus leitores:
ScreenHunter_2983 Nov. 27 04.25
***
Alexandre Visconti Brick, professor de cirurgia cardiovascular:
Esse aí tem um histórico legal. Ganhou o título de cidadão honorário de Brasília por indicação do deputado distrital Junior Brunelli. Brunelli é o deputado da “oração da propina”, religioso exemplar.

ScreenHunter_2980 Nov. 27 03.11
ScreenHunter_2979 Nov. 27 03.10

***
Hilda Maria Benevides da Silva de Arruda é mais nova e tem atuação mais discreta. Como a maior parte dos médicos brasileiros, odeia o programa Mais Médicos. E faz questão de deixar isso bem claro em sua página no Facebook.
ScreenHunter_2984 Nov. 27 04.43
***
Claro que a suposição de que Barbosa escolheu a dedo médicos com antipatias políticas fortes contra José Genoíno é apenas isso, uma suposição. Entretanto, o laudo médico me parece negligente, porque aponta algumas condições extremamente frágeis do paciente mas conclui que ele pode continuar numa prisão.  Por exemplo, o primeito item da conclusão diz, textualmente, que o paciente deve se submeter a acompanhamento ambulatorial periódico da sua condição pós-cirúrgica.

ScreenHunter_2985 Nov. 27 04.49
A má fé dos médicos aparece latente já no segundo item, onde se nota uma contradição que não pode ser inspirada em outra coisa, a meu ver, senão na maldade. Os médicos concluem que o réu, portador de hipertensão, deve usar medicamento de uso contínuo, e o tratamento deve incluir “dieta hipossódica, restrição de atividade física vigorosa, prática regular de leve a moderada atividade física aeróbica e  restrição de fatores psicológicos estressantes”. Repito a frase final: “restrição de fatores psicológicos estressantes”. Mesmo assim, os médicos concluem que não há necessidade do tratamento ser feito em domicílio. Ora, concluir que um homem idoso, sob exposição pública tão pesada, num processo tão polêmico, no qual se autoconsidera inocente, não vai ficar “estressado” dentro da cadeia é ser o que eu chamo, datavenia, de coxinha desalmado e psicótico. E se este stress se dá num homem que acabou de sair de uma cirurgia cujas chances de sobrevivência são de menos de 10%, a orientação de que ele pode se tratar na prisão me parece negligente e criminosa.

ScreenHunter_2986 Nov. 27 04.52
Todas as concluões são relativamente iguais, sempre repetindo expressões assim:
ScreenHunter_2988 Nov. 27 04.59
***
Não quero acusar nenhum médico. Vivemos uma democracia e cada um pode escrever o que quiser nas paredes virtuais de suas próprias redes.
Não consigo me livrar, porém, da impressão de que Barbosa catou médicos antipáticos aos réus apenas para que emitissem um laudo que chancelasse suas intenções de humilhar ainda mais José Genoíno. O laudo pode trazer informações verdadeiras, mas a conclusão me parece politicamente tendenciosa, contra o réu, contra a vida, contra o ser humano.uf
*****

ISMAEL CARDOSO: Devo te chamar de quê? Idiota, retardado, coxinha? escolhe aí

28.11.2013
Do BLOG  DO BRIGUILINO
Por  Ismael Cardoso na sua time line no Facebook

Você aí que comemorou a prisão do Genoino, você mesmo rapaz, não finja que não é com você! Tu é um idiota!

José Genoino foi condenado por ter contraído um empréstimo devidamente quitado! Eu que devo um monte e não consigo pagar to muito preocupado! Para piorar o cara é cardiopata, pior estágio para um cardíaco, está sendo submetido a prisão em regime fechado. Num país que não tem pena de morte este é o jeito de condena-lo a forca moderna.

Por outro lado, o escândalo do metrô de São Paulo, que a princípio desviou 400 milhões (uai, mas então os supostos 74 milhões do mensalão não representam o maior escândalo da história? Não, retardado!), sumiu dos noticiarias! Pior, estão criticando o ministro da justiça por ter aberto investigação, meu deus! O cara é o ministro da justiça, JUSTIÇA, essa não é função dele, seu coxinha?

A família Perrela, aliados de Aécio Neves, transporta 450 quilos de cocaína em um helicóptero, e a imprensa abafa vergonhosamente, como assim? São 450 quilos de cocaína cara! O Fernandinho Beira-Mar ta com inveja! Cadê os 15 minutos de jornal nacional? Cadê os artigos do Noblat, do Merdal Perreira?!! Pior ainda, a imprensa está tentando passar a ideia de que o piloto agiu sozinho, mesmo que ele tenha dito que o deputado dono do helicóptero sabia de tudo!!!

Devo te chamar de quê? Idiota, retardado, coxinha? escolhe aí
******

Momento culminante das negociações de paz na Colômbia

28.11.2013
Do BLOG DO EMIR, 07.11.132
Por Emir Sader

As negociações de paz na Colômbia entre o governo e as Farc chegam a seu momento culminante. 

Emir Sader
As negociações de paz na Colômbia entre o governo e as Farc chegam a seu momento culminante. A agenda de discussões tem 5 temas, o primeiro, a questão agrária, foi superado, com acordos, pelo menos no papel.
    
O segundo é o crucial, porque tem a ver com a reinserção institucional das Farc. Esta semana se revelou que há uma vontade políitica comum de se chegar a um acordo para que isso se dê.
    
As dificuldades começam na forma de implementação desse acordo. A decisão é que as Farc serão representadas no Parlamento através de zonas especiais e que a presença das suas forças é determinante. Mas não se decidiu ainda quem pode ser candidato pelas Farc.

A opinião pública é amplamente favorável a uma participação das Farc no processo político. Porem há muita resistência a que dirigentes que foram condenados com acusação de terem sido responsáveis da morte de civis seja anistiados e possam ter cidadania política normal. A que se agregam resistências no próprio Judiciário a conceder anistia a todos eles.

O presidente Santos tem pressa. Ele está pressionado por Uribe, que já escolheu como candidato para disputar a presidência um ex-ministro seu, com a plataforma de ruptura das negociações de paz. Santos quer apresentar resultados concretos num tema que mobiliza a opinião pública. Propõe até que esses acordos sejam submetidos a um referendo no próprio processo eleitoral.

Já as Farc não se anima com essa via e com a pressa de Santos. Consideram que não deveria assinar acordos com um governo que não se sabe se terá continuidade. Além de que são contra o referendo, preferindo uma Assembleia Constituinte, que incorporaria a todos os temas  das negociações.

São, portanto, meses decisivos na Colômbia, tanto para a presidência do país, quanto para as próprias negociações de paz. O próximo ano poderá terminar com parlamentares das Farc no Congresso. Ou com novo fracasso no longo processo de paz, que desta vez, até aqui, avançou mais do que nunca.
*****

GLOBO MANIPULA: Seletividade da Globo no noticiário sobre denúncias envolvendo tucanos

28.11.2018
Do blog ESCREVINHADOR, 27.11.13
Por Helena Sthephanowitz na Rede Brasil Atual

O Jornal Nacional da TV Globo de terça-feira (26) teve uma, digamos assim, recaída na edição de um debate político que se deu em duas entrevistas coletivas diferentes.


De um lado, o senador Aécio Neves e a cúpula do PSDB convocaram repórteres para acusar o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, de fazer dossiês políticos contra adversários, por causa do aparecimento de nomes de altos tucanos paulistas como supostos beneficiários do esquema de propinas por licitações combinadas do Metrô e da CPTM. O esquema foi confessado por executivos de multinacionais como Siemens e Alstom, escândalo que ganhou o apelido de “trensalão”.

Do outro lado, o ministro Cardozo também convocou a imprensa, mas para rebater as acusações feitas por Aécio. Ao seu lado estavam o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, e o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Vinicius Marques de Carvalho.

Pois o telejornal da Globo selecionou “os melhores momentos” de Aécio, e os “piores momentos” de Cardozo. Na edição que foi ar, as críticas mais contundentes de Aécio foram as escolhidas para serem levadas ao público. Já a declaração mais contundente de Cardozo, em que ele disse “… a época dos engavetadores gerais de denúncias já acabou no Brasil há alguns anos. E eu me recuso a ser um engavetor geral de denúncias” foi suprimida pelo Jornal Nacional, que mostrou apenas as partes mais insossas do que foi dito pelo ministro.

Citamos recaída, porque existe precedentes que vêm, por exemplo, do episódio já fartamente conhecido e admitido da edição do debate nas eleições presidenciais de 1989, entre Lula e Collor em que a emissora manipulou as imagens e contribuiu decisivamente para a eleição deste último.

Na mesma edição de terça-feira, outra estranheza: não foi noticiada a apreensão de 450 quilos de cocaína em um helicóptero da empresa do deputado estadual Gustavo Perrella (SDD-MG), filho do senador Zezé Perrella (PDT-MG). Afinal não é todo dia que se vê um helicóptero da família de um senador ser flagrado pela polícia com carga tão exótica.

A TV Record correu atrás da notícia, entrevistou o advogado do piloto Rogério Almeida Antunes que, preso, contradisse a versão do deputado de que a aeronave teria sido usada sem seu conhecimento. O piloto afirmou que fez duas ligações para Gustavo Perrella e foi autorizado a transportar a carga, oferecendo o sigilo telefônico como prova. Alega porém ter sido informado que seriam implementos agrícolas e que o deputado também não sabia tratar-se de drogas.

Os problemas do deputado Perrella não se resumem ao incidente. Descobriu-se que o piloto foi nomeado para um cargo na Assembleia Legislativa mineira. Segundo o que disse o advogado, seu cliente era um funcionário fantasma no serviço público, pois não comparecia ao trabalho no Legislativo, ficando à disposição da empresa Limeira Agropecuária, de propriedade do deputado, como piloto. Gustavo Perrella confirmou a nomeação dizendo que o havia demitido na segunda-feira.

Não se sabe dos bastidores que levaram a Globo a esconder uma notícia que, se envolvesse integrantes do PT, por exemplo, dificilmente deixaria de noticiar. O que se sabe é que o senador Zezé Perrella é do grupo político do senador do PSDB Aécio Neves. Chegou ao senado como suplente de Itamar Franco, eleito com apoio do tucano nas eleições de 2010.

Zezé Perrella foi presidente do Cruzeiro Esporte Clube e ainda é influente entre os atuais cartolas do time. A TV Globo mantém negócios regulares com o Cruzeiro pelos direitos de transmissão dos jogos de futebol – interesses ampliados agora que o time mineiro disputará a Copa Libertadores no ano que vem.

Voltando a falar em recaídas, lembremos que a emissora também blindou durante muito tempo o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira contra denúncias de corrupção em sua gestão. Em entrevista à revista Piauí, Teixeira disse que chegou a retaliar a Globo, mudando o horário de jogos da Seleção Brasileira para atrapalhar a grade de programação, quando a emissora divulgava notícias contra ele.

Enfim, a emissora dos Marinho acrescenta mais um item à coleção de fatos a explicar à opinião pública e sobre que justificativas encontra para omitir informações relevantes sobre políticos com os quais mantém relações.

Leia outros textos de Geral
*****

TCU determina que usuário não deve pagar taxas extras no pedágio eletrônico

28.11.2013
Do portal da Agência Brasil 
Por Sabrina Craide
Brasília - O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou hoje (27) acórdão que determina que os usuários de pedágio automático não deverão pagar por serviços adicionais de adesão e mensalidade nas rodovias federais concedidas. Segundo a decisão, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) deverá adotar, em 30 dias, as providências para que as concessionárias permitam que os usuários não precisem pagar pelos serviços adicionais.
Atualmente, quem usa o sistema de pedágio eletrônico, além de pagar pelo pedágio, que é cobrado posteriormente em um boleto enviado pelos Correios, deve desembolsar uma taxa de adesão e uma mensalidade para as administradoras, que são empresas terceirizadas pelas concessionárias. O relator da proposta no TCU, ministro José Múcio Monteiro, disse que o custo do serviço deveria ter sido considerado para o cálculo da tarifa proposta pelas concessionárias, pois constitui o conjunto de obrigações da contratada.
Para ele, a cobrança de taxa de adesão e mensalidade é indevida porque é um serviço inerente à concessão e previsto nos editais de licitação e nos contratos, ainda que sua execução tenha sido atribuída a terceiro. “Por esse motivo, deve ser permitido ao usuário optar entre as duas modalidades, sem custo adicional”, disse o ministro.
As empresas argumentaram que a taxa é cobrada para fazer a gestão entre as diferentes concessionárias, assim como por operadoras de estacionamentos, que também utilizam o sistema. As empresas deverão recorrer da decisão no próprio TCU.
O tribunal também recomendou que a ANTT avalie a pertinência de encaminhar a questão da concorrência entre as empresas especializadas na cobrança automática de pedágio ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).
Edição: Juliana Andrade
******

JOAQUIM BARBOSA:Ser ou Não Ser

28.11.2013
Do blog DoLaDoDeLá, 24.11.13

O Ministro Joaquim Barbosa não tem mais utilidade. Deve começar a ser desconstruído pelas mesmas forças a que serviu e às quais passa agora a ser um incômodo.
No post anterior, tratei do que via de perdas pessoais, humanas no julgamento da AP 470. Preferi tratar Joaquim Barbosa como um caso à parte. Não que ele não seja um perdedor. Na AP 470 não há vencedores. E Joaquim Barbosa é um dos grandes perdedores.
O Ministro Joaquim Barbosa é patético. Carrega consigo uma dimensão trágica, como só os patéticos conseguem ter. Mas não trágico como Otelo, pois que Otelo não era patético. Patético e trágico tal qual Macbeth.
E, coerente a Macbeth, se os maus presságios que me desassossegam a alma a respeito de sua pessoa estiverem certos, Joaquim Barbosa estará cumprindo uma trajetória parabólica que começa sua descendente.
O início:
A indicação de Joaquim Barbosa ao STF foi um gesto político de Lula. Mas esse gesto político, uma justa homenagem e uma forma de reparação aos negros do Brasil, também é uma maldição a pesar sobre o indicado.
Interessante, poderia pesar também sobre a ex-ministra Ellen Gracie, a primeira mulher a assumir como ministra da suprema corte do Brasil. No entanto, todos parecem entender o gesto político de sua indicação, mas ninguém considera que ela foi escolhida apenas por ser mulher. Por que isso pesa sobre os ombros de Joaquim Barbosa? Pesaria sobre os ombros de qualquer outro negro que assumisse o cargo?
De Frei Beto sobre Joaquim Barbosa:
“Em março (2003), Márcio Thomaz Bastos (então, ministro da Justiça) indagou se eu conhecia um negro com perfil para ocupar vaga no STF. Lula pretendia nomear um para a suprema corte do país. Lembrei-me de Joaquim Barbosa”.
Conhecera-o, meses antes, de forma prosaica, em uma agência de viagens, em 2002, quando o, então, procurador Joaquim Barbosa cultivava a arte de ser simpático e ainda cuidava de suas próprias passagens aéreas:
“Instalei-me no primeiro banco vazio, ao lado de um cidadão negro que nunca vira.
- Você é o Frei Betto? – indagou-me.
Confirmei. Apresentou-se: Joaquim Barbosa… Trocamos ideias e, ao me despedir, levei dele o cartão e a boa impressão.”
E assim ficou a indicação de Barbosa em função de sua cor e não de sua capacidade, apesar de sua respeitável formação acadêmica e de ter alçado aos cargos que ocupou sempre por concurso público.
Do ex-ministro Cesar Peluso sobre Barbosa:
 “A impressão que tenho é de que ele tem medo de ser qualificado como arrogante.Tem receio de ser qualificado como alguém que foi para o Supremo não pelos méritos, que ele tem, mas pela cor”.
Ou seja, como aos negros em geral, neste país, não era dado a Joaquim Barbosa o reconhecimento de estar em pé de igualdade nem quando alcançava o ponto máximo da carreira a que se propôs seguir.
Isso o incomoda? Basta ver o seu comentário após entrevero com o ministro Gilmar Mendes:
“Enganam-se os que pensavam que o STF iria ter um negro submisso, subserviente.”
Ou quando da resposta que deu a Peluso:
 “sempre houve um ou outro engraçadinho a tomar liberdades comigo, achando que a cor da minha pele o autorizava a tanto”. “porque alguns brasileiros não negros se acham no direito de tomar certas liberdades com negros”.  “Sempre minha resposta veio na hora, dura.”
Permitamo-nos um interregno, é interessante como, realmente, o tempo é o senhor da história. Comparemos a imagem que se forma hoje sobre Joaquim Barbosa – presidente do STF e a crítica do Ministro Joaquim Barbosa ao então presidente Cezar Peluso, em 2012:
 “as pessoas guardarão na lembrança a imagem de um presidente do STF conservador, imperial, tirânico, que não hesitava em violar as normas quando se tratava de impor à força a sua vontade”.
Voltando à história de Joaquim Barbosa, empossado ministro e com problemas ortopédicos, começam a fazer-lhe a fama de relapso com suas obrigações. Suas várias licenças médicas são vistas como uma forma de se ausentar do trabalho. Flagram-no bebendo em um bar, confraternizando com amigos durante uma das licenças.
Preto e indolente. Não é outro o motivo de sua discussão com o Ministro Gilmar Mendes:
 Eles discutiam duas ações que já haviam sido julgadas no Supremo em 2006:
“JB - Não se discutiu claramente.
GM - Se discutiu claramente e eu trouxe razão. Talvez Vossa Excelência esteja faltando às sessões. [...] Tanto é que Vossa Excelência não tinha votado. Vossa Excelência faltou à sessão.
JB - Eu estava de licença, ministro.
GM - Vossa Excelência falta à sessão e depois vem...”
Aqui, outra vez o tempo arma uma arapuca para Joaquim Barbosa usando suas próprias palavras. Na resposta já clássica de deu a Gilmar Mendes:
“Vossa Excelência está destruindo a justiça deste país...Vossa excelência não está nas ruas, Vossa Excelência está na mídia, destruindo a credibilidade do Judiciário brasileiro. ...Vossa Excelência, quando se dirige a mim, não está falando com os seus capangas do Mato Grosso, ministro Gilmar”.
“Vossa Excelência está na mídia, destruindo a credibilidade do judiciário brasileiro”.
Uma das acusações que se faz à AP 470 é justamente em relação ao seu caráter midiático. Os grandes grupos de mídia pautando o Supremo e Joaquim Barbosa a sua estrela maior.
A ascensão:
A mudança dos “donos do poder” em relação ao Ministro Joaquim Barbosa começa com a sua indicação para a relatoria da AP 470 – O mensalão.
A Ministra Carmen Lúcia não pode ser considerada uma “bruxa shakespeariana”, longe disso, mas, tal qual elas, foi profética, em 2007, ao comentar o que ocorreria com Joaquim Barbosa, a partir dessa relatoria, em uma troca de correspondência com o Ministro Lewandowisk flagrada por jornalistas bisbilhoteiros:
“Esse vai dar um salto social com o julgamento”
Com quanto possa carregar uma ponta de preconceito, o comentário de Carmen Lúcia denuncia que já era sabido, desde então, que o julgamento do “mensalão” era uma porta para a ascensão social. Claro, desde que as coisas certas fossem feitas. O ministro Lewandowisk, por exemplo, foi o revisor desse processo e ninguém dirá que obteve um “salto social”. O Ministro Celso Mello sentiu na pele o que é “não fazer a coisa certa”.
Mas, como vimos de seu diálogo com Frei Beto, Joaquim Barbosa sabia fazer a coisa certa.
A sua atuação, como magistrado, na AP 470 ainda será estudo de caso nos cursos de direito, tal o grau de “inovação”, se não, de desrespeito aos mais basilares direitos dos réus. Mas condenar o PT na figura de José Dirceu era a “coisa certa” que esperavam de Joaquim Barbosa. As outras 39 almas eram o bônus e Joaquim Barbosa não se fez de rogado em pena-las.
Desde então, o “preto indolente” transformou-se em “o menino pobre que mudou o Brasil”.
Passou a ser cumprimentado nas ruas, dava autógrafos. Nas fotos que vi, todos os que o cumprimentavam eram brancos de classe média, mas todos sorridentes e orgulhosos em estar junto do novo herói, Batman ou Anjo Vingador.
A brutalidade e a intolerância com que conduzia o julgamento foram relevadas – traços de uma personalidade “mercurial”, dizia a Folha.
Tudo lhe era permitido, de negar cumprimento à Presidente da República na recepção ao Papa a ofender jornalista, desde que a “coisa certa” fosse feita.
E ela foi feita, a condenação dos “mensaleiros” foi comemorada em manchetes da grande imprensa, dezoito minutos no “Jornal Nacional”. Algo só comparável ao frenesi quase orgiástico das grandes conquistas do esporte nacional.
A queda:
Desde então, algo mudou na relação de Joaquim Barbosa com a grande imprensa.
Sua atitude passou a ser relativizada. Em uma das muitas discussões com o Ministro Lewandowisk, chamou-o de “chicaneiro”. Coisas muito piores já havia dito – foi censurado publicamente. Agora havia limites.
Apareceu seu apartamento em Miami, adquirido com uma forma, digamos, “inovadora” em relação ao recolhimento de impostos. Apareceram suas passagens aéreas em viagens não oficiais.
Por fim, Joaquim Barbosa cometeu o seu grande erro.
Na busca pelos holofotes costumeiros, enviou para a prisão os mensaleiros que importavam, em dia de feriado nacional. Entre eles um homem convalescendo de extensa cirurgia cardíaca. Numa artimanha jurídica, pôs em regime fechado, por alguns dias, prisioneiros condenados ao semiaberto .
Quando li, no dia seguinte, a palavra “brutalidade” na Folha de São Paulo se referindo a ele, quando depois, Elio Gaspari, na mesma Folha, comparava sua atitude a de linchamento e depois soube que a Globo noticiou no mesmo Jornal Nacional a carta de repúdio a ele dirigida por artistas, intelectuais e juristas, pensei – “foi para o tronco”.
São esses os maus presságios que me desassossegam a alma – com os “mensaleiros” condenados e presos, o Ministro Joaquim Barbosa não tem mais utilidade. Deve começar a ser desconstruído pelas mesmas forças a que serviu e às quais passa agora a ser um incômodo.
Incômodo não só pela associação aos seus métodos truculentos que precisa ser evitada. Incômodo porque, como vimos, Joaquim Barbosa só presta reverência a si próprio, não compõem nem demonstra “gratidão”.
“A imprensa brasileira é toda ela branca, conservadora. O empresariado, idem. Todas as engrenagens de comando no Brasil estão nas mãos de pessoas brancas e conservadoras”.
Joaquim Barbosa será presidente do STF até novembro de 2014, depois, passará a presidência para Ricardo Lewandowisk e retornará à planície árida do plenário. Como abrir mão da figura do “Anjo Vingador”?
Joaquim Barbosa não encarna a figura do “menino pobre que mudou o Brasil”, esse é Lula. Oriundo da burocracia federal, é um classe-média típico.Típico até na necessidade de compensações simbólicas, e, no caso de Barbosa, até por outros e bons motivos. Estaria sonhando em ascender à alta burguesia, aos “donos do poder”?
Se é essa a sua intenção, aprenderá, como Macbeth aprendeu em relação ao trono da Escócia, que “os donos do poder” são uma oligarquia hereditária. 
******

Tomar refrigerante aumenta em 78% as chances de câncer de útero, diz estudo com 25 mil mulheres durante 14 anos

28.11.2013
Do portal JORNAL CIÊNCIA, 
Por OSMAIRO VALVERDE
Um novo estudo está demonstrando o potencial maléfico dos refrigerantes em mulheres.
De acordo com pesquisas, mulheres que tomam bebidas açucaradas têm mais de 78% de chances de desenvolver um tipo de câncer de útero. A doença atinge mulheres, em média, com 50 anos de idade, e é o quarto tipo de câncer mais comum no Reino Unido, matando mais de 2.000 mulheres todos os anos.
O estudo, que levou 14 anos para ser concluído, teve a participação de 25.000 mulheres entre 50 e 60 anos com câncer endometrial, que afeta o revestimento interno do útero.
Foto: Reprodução / DailyMail
Os participantes deram informações detalhadas sobre o que comeram e beberam. Mais de 50% das mulheres tomavam bebidas gaseificadas (refrigerantes) com açúcar. Quase 600 desenvolveram câncer de endométrio, a forma mais comum da doença, afetando gravemente o útero. No entanto, os pesquisadores não encontraram nenhum indício na versão diet (sem açúcar).

A Universidade de Minnesota disse que seus pesquisadores não podem descartar a possibilidade de que as mulheres que tomavam refrigerantes açucarados tivessem péssimos hábitos de saúde.
No entanto, os cientistas acreditam que o açúcar nos refrigerantes pode ser a chave, uma vez que pode fazer as mulheres aumentarem de peso. Isto é importante porque uma mulher obesa produz muito mais estrogênio que uma magra. Este hormônio induz a proliferação de várias células.
As mulheres com sobrepeso também tendem a produzir mais insulina, um hormônio ligado à doença. De acordo com o pesquisador Dr. Maki Inoue-Choi:“A investigação tem documentado a contribuição de bebidas adoçadas com açúcar na epidemia de obesidade”.
Células de câncer de útero. Foto: Reprodução / DailyMail
Ele prossegue: “Muito açúcar pode aumentar a ingestão total de calorias de uma pessoa e pode aumentar o risco de problemas de saúde como obesidade, diabetes, doenças cardíacas e câncer”.
O estudo, que foi publicado na revista Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, é o mais recente a levantar a ingestão de refrigerantes sobre os efeitos da saúde.
Estudos anteriores ligaram o açúcar a uma série de problemas como ataques cardíacos, diabetes, obesidade, fragilidade óssea, câncer de pâncreas e próstata, fraqueza muscular e paralisia.
No entanto, de acordo com o portalDailyMail, a indústria de refrigerantes rebatem a pesquisa e afirmam que seus produtos são responsáveis por uma pequena quantidade da ingestão diária de calorias de uma pessoa.
*******