quinta-feira, 30 de maio de 2013

Folha torce pelos aliados dos EUA

30.05.2013
Do BLOG DO MIRO, 29.05.13
Por Rodrigo Vianna, no blog Escrevinhador
 
A imprensa velha brasileira finalmente encontrou luz no fim do túnel. Além de torcer para golpistas que tomaram poder no Paraguai e Honduras, e de insuflar oposição contra Maduro e Cristina, os jornais brazucas agora comemoram a chegada da Aliança do Pacífico – o novo clube liberal comandado pelo México (e pelos EUA, nos bastidores) para confrontar o Mercosul.
Vejam o tom desse texto publicado pela Folha, que reproduzimos abaixo. Supostamente, trata-se de reportagem. Mas reparem no título, no encadeamento das ideias. Tudo no texto é torcida e ideologia liberal. Melhor seria convidar o embaixador dos EUA para escrever um bom artigo opinativo… Seria mais honesto. E talvez fosse mais bem escrito.

Confiram o texto da Folha abaixo.

Depois releiam a
entrevista que o professor Vagner Iglecias concedeu ao Escrevinhador, sobre o significado da Aliança do Pacífico.

E confiram também
artigo do sociólogo Marcelo Zero sobre o mesmo tema.

*****
Viés pró-mercado da Aliança do Pacífico desafia o Mercosul

ISABEL FLECK
DE SÃO PAULO

Com um PIB de 35% do total latino-americano e crescimento que supera os vizinhos do Mercosul, a jovem Aliança do Pacífico –que completa um ano em junho– dividiu a região e já desperta o interesse como “a alternativa pró-mercado” do continente.

Diante de um Mercosul com imagem fragilizada por decisões políticas recentes, como a suspensão do Paraguai, e pela lentidão em fechar um acordo de livre comércio com a União Europeia, o grupo formado por Colômbia, Chile, Peru e México tomou para si o papel de “novo motor econômico e de desenvolvimento da América Latina” –na definição do presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

De fora, o Brasil acompanha o crescimento do bloco vizinho tentando não mostrar preocupação. Segundo o assessor internacional da Presidência, Marco Aurélio Garcia, a Aliança “não tira o sono” do Brasil. Para o Itamaraty, não existe “inveja” ou medo de “perder espaço”.

No entanto, o contraponto mais liberal ao Mercosul está criado e ganha atenção –o que se deve, em parte, pelo papel “pouco ativo” do Brasil e do bloco do sul, na opinião do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

“O Brasil não conseguiu exercer uma liderança capaz de impedir a fragmentação da América do Sul”, disse FHC à Folha. “Os países do Mercosul, como se sabe, não se esforçaram muito por acordos comerciais e tampouco avançaram na direção de formar um verdadeiro bloco integrado.”

Em 2011, os quatro países da Aliança do Pacífico já exportaram 10% a mais em bens e serviços que os cinco membros do Mercosul (incluindo os dados da Venezuela, que então não fazia ainda parte do bloco).

O crescimento registrado em 2012 entre os integrantes do grupo do Pacífico foi de 4,9%, em média –índice bem acima dos 2,2% do Mercosul.

E enquanto as negociações de um acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia se desenrolam lentamente após mais de uma década de discussões, a Aliança já atraiu França, Espanha e Portugal como membros observadores.

Para o Brasil, em especial, o bloco do Pacífico ameaça o que era até então uma importante vantagem comparativa do país: o tamanho do mercado. Juntos, os países da Aliança têm população de 209 milhões e PIB de US$ 2 trilhões –importância próxima aos 198 milhões de habitantes e US$ 2,4 trilhões de PIB do Brasil.

“Para atrair investimentos, a Aliança é muito mais interessante que o Brasil, porque é do tamanho do país, mas cresce mais rápido e tem condições melhores em termos de qualidade de políticas, com inflação baixa e economias menos fechadas”, avalia Armando Castelar Pinheiro, coordenador de Economia Aplicada do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia) da Fundação Getulio Vargas.

O governo brasileiro nega ameaça, já que o “dinamismo” do comércio dos países da Aliança com os europeus é diferente do do Mercosul.

“O tamanho das economias e o fluxo de bens que exportamos para a Europa é outro. Pode haver uma ou outra sobreposição de interesses, mas tanto em escala como em produto não há por que temer perder espaço”, diz Tovar Nunes, porta-voz do Itamaraty.

COMPETITIVIDADE

O Brasil sabe, contudo, que o novo bloco na região exigirá maior competitividade para disputar o mercado tanto com os países que formam o bloco como dentro deles.

Na cúpula da Aliança em Cali, na última semana, o grupo definiu a exclusão total de tarifas para 90% dos produtos comercializados dentro do bloco –ao menos para 50%, as regras começam a valer em 30 de junho. Fora do bloco, os quatro membros mantêm, somados, acordos de livre comércio com mais de 50 países.

O Itamaraty destaca ter acordos de complementação econômica com Chile, Colômbia, Peru e México, o que garantiria benefícios tarifários nas trocas comerciais. Só no primeiro trimestre de 2012, porém, as exportações brasileiras para os quatro países caíram, em média, 10%.

“Se estamos perdendo mercado, não é por falta de acordo”, avalia Nunes.
******
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.fr/2013/05/folha-torce-pelos-aliados-dos-eua.html

Gilmar, o acrobata, tenta reverter derrotas

30.05.2013
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim

Depois de declarar a Constituição inconstitucional, ele também quer sufocar a liberdade de expressão. Vai perder num e noutro ataque.


Do Juiz Luiz Renato Pacheco Chaves de Oliveira:

Justiça manda arquivar ação de Gilmar contra PHA


“… o artigo 220 da Carta Magna determina que a manifestação de pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo, não sofrerão nenhuma restrição … o parágrafo 1º. do artigo 220 impõe limites à lei infra-constitucional, prescrevendo que não poderá conter dispositivo embaraçador da plena liberdade de informação jornalística…”


Da Procuradora da República Adriana Scordamagila:

“… e não faltaram reportagens questionando a atuação do ministro Gilmar Mendes e a ACROBACIA (ênfase minha – PHA) feita para legitimar a competência do STF na análise do HC (Canguru – PHA) impetrado em favor do mencionado (e imaculado – PHA) banqueiro. Pergunta-se, então, se todos os críticos do Governo deveriam ser processados e presos. A resposta, por obvio, é não.

Navalha
Esses trechos se referem – leia na aba “não me calarão” – a duas decisões judiciais que beneficiaram o ansioso blogueiro na luta pela liberdade de expressão contra Gilmar Dantas (*), entre outros – clique aqui para visitar a Galeria de Honra Daniel Dantas, cuja inspiração é “diz-me quem te processa e dir-te-ei quem és”.
Além de abduzir o artigo 52, Inciso X da Constituição Federal e demonstrar que a Constituicão é inconstitucional, Gilmar Dantas (*), reiteradamente, tenta suprimir a liberdade de expressão da Constituição Federal.
Não é só com o ansioso blogueiro.
É uma batalha que ele trava – e perde – também com a Carta Capital.
Portanto, amigo navegante, entenda esse novo lance da batalha como uma tentativa (provisória) do Gilmar de reverter derrotas acachapantes.
Um ministro do Supremo … duas vezes derrotado por um ansioso blogueiro.
Uma decisão histórica de Celso de Mello persegue seus planos autoritários.
Em tempo: numa das ações que moveu contra o ansioso blogueiro, o advogado de Gilmar Dantas (*) foi Sergio Bermudes, que defendeu Daniel Dantas, e empresta a limousine e o apartamento na Quinta Avenida em Nova York ao ministro da Suprema (?) Corte.
Clique aqui para ler “ação do Dr Piovesan equivale a um B.O.”.
O Dr Bermudes é aquele que ia patrocinar a festa dos 60 anos do Ministro Fux no Golden Room do Copacabana Palace.
(Ah!, os novos ricos !)
O Dr Bermudes emprega a mulher de Gilmar, a filha de Fux e o filho do Dr Macabu, que, no STJ, absolveu Dantas provisoriamente.

É o Catho da Classe “T”, “T”, de “toga” !

Noutra ação, o advogado de Gilmar Dantas (*) foi o Ministro do Supremo Sepúlveda Pertence.

Pertence enobreceu seu currículo, depois de ser ministro, com duas atividades.

Essa, de cercear a liberdade de expressão.

E, em outra, defendeu na Corte dos Direitos Humanos da OEA a Lei da Anistia que envergonha o Brasil no continente e deixa o Ustra soltinho da Silva.

Viva o Brasil !



Clique aqui para ler “Klouri e PHA derrotam Dantas (de novo)”.


Paulo Henrique Amorim


(*) Clique aqui para ver como um eminente colonista do Globo se referiu a Ele. E aqui para ver como outra eminente colonista da GloboNews e da CBN se refere a Ele. E não é que o Noblat insiste em chamar Gilmar Mendes de Gilmar Dantas ? Aí, já não é ato falho: é perseguição, mesmo. Isso dá processo…


























********
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2013/05/30/gilmar-o-acrobata-tenta-reverter-derrotas/

Petista questiona “autoridade moral” de Gurgel

30.05.2013
Do portal BRASIL247, 29.05.13