sábado, 6 de abril de 2013

LULA SERÁ SUMARIAMENTE JULGADO. NÃO HAVERÁ REVISÃO DO DIRCEU

06.03.2013
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim

O MP, a PF do Zé e o Supremo estão prontos a interromper o ciclo trabalhista. É bom o PT levantar da cadeira.


Saiu na Folha (*)

PF VAI INVESTIGAR SE LULA PARTICIPOU DO MENSALÃO


Pela primeira vez ex-presidente será objeto de inquérito criminal sobre o caso.

Medida foi pedida pelo Ministério Público com base na afirmação de Valério de que Lula negociou repasse ao PT.

Navalha
O Ministério Público do Antonio Fernando e do brindeiro Gurgel – que o senador Collor chama de “prevaricador” – não quis saber quem botava grana no duto do Marcos Valério.
Eles procuram o que bem entendem.
A PF do Zé – é assim que os amigos de imaculado banqueiro se referem ao Ministro José Eduardo Cardozo – não vai atrás do imaculado banqueiro.
Não deixe de ler documento histórico sobre a “flexibilidade“ da PF do Zé e informações sobre como achar o imaculado as pegadas do imaculado banqueiro no duto do Valério.
(Clique aqui para ler “Fala, Valério, fala !” e aqui para ler “Fala, Pizzolatto, fala !”.
E, como o imaculado banqueiro está na outra ponto do duto do Valério, a PF do Zé, portanto, não quer saber quem botava grana no duto.
Mas, a PF do Zé, republicanamente, quer botar o Lula na cadeia.
Não tenha dúvida, amigo navegante, o objetivo da Casa Grande, na acepção do Mino Carta, expresso no PiG (**), no brindeiro Gurgel, na PF do Zé e no comportamento do Supremo no julgamento do mensalão (o do PT) é de solar obviedade: encanar o Lula em setembro ou outubro de 2014, na véspera da eleição de 2014.
Assim como o Big Ben de Propriá condenou o Dirceu na hora em que o eleitor de São Paulo se encaminhava para votar no Haddad.
Vai ser o mesmo Big Ben.
Preciso, implacável.
No julgamento do mensalão, o ansioso blogueiro previu, modestamente: primeiro, o pescoço do Dirceu; depois, o do Lula
E, por fim, o da Dilma.
A sequência se cumprirá inexoravelmente.
“Tecnicamente”, como faz a SECOM da Dilma.
O Marcos Valeriodantas está desesperado com medo da cana.
Diz qualquer coisa.
(Menos sobre o imaculado banqueiro.)
E blefa.
E se candidata a uma posição de honra no “Panteão dos Heróis da Pátria (e do Mensalão)”, ao lado do Thomas Jefferson.
Não conseguiram, ali, pegar o “safo” – como a Lula se refere o Ministro Marco Aurelio (Collor de) Mello –, ali na AP 470.
Mas, o MP e a Policia Federal, que tem medo do Dantas, tem uma missão histórica.
Interromper o ciclo trabalhista no Governo do Brasil.
E enfiar as algemas no Lula em 2014.
Como se sabe, a Casa Grande (na acepção do Mino Carta) e a Globo não tem voto: dão Golpe: “G” de Globo, “G”de Golpe.
Por isso, o Ataulfo Merval de Paiva (***), notável jurisconsulto, tem razão.
O Supremo não julgará os recursos do Dirceu.
Não julgará os recursos do Marcio Thomaz Bastos.
Não vai dar posse a ministro que, longinquamente, possa ouvir o Dirceu.
O Globo tomou conta do pedaço.
Levou o Big Ben de Propriá para o livro do Ataulfo – com a presença conspícua do Gilmar Dantas (****), e para a ONG da Souza Cruz, o “Palavra Aberta”.
E o Presidente Barbosa para a festa com o Alex Atalla e a Regina Casé: ele faz a diferença !
Ainda bem que ali deu um recado ao Gilmar Dantas (****) e defendeu a liberdade de expressão.
Mas, Barbosa já encurtou os prazos para os recursos, já deu um chega pra lá no Marcio Thomaz Bastos, não quer saber de pena alternativa e reclama dos prazos (breves) de prescrição.
E a sociedade (reunida na varanda da Casa Grande, na acepção do Mino Carta) bate palmas.
O Golpe está em marcha.
Leva a eleição ao segundo turno, com a mão de gato do Eduardo Campos e do PPS.
E, no segundo turno, o Gilberto Freire com ï”(*****), o do jornal da bolinha e dos 18′, encaminha a decisão ao STF do Paraguai.
Viva o Brasil !
Se o PT acha que a Dilma vai ser uma barbada, é melhor levantar da cadeira e começar a trabalhar o Contra-Golpe.
Depois, a Casa Grande arma um pelotão de fuzilamento no jardim e a opinião publicada – como diz o PML, um best seller – vai bater palmas.
Aqui, em Washington e em Assunção.




Clique aqui para ler no Edu “O indiciamento de Lula e o preço da covardia petista”. 


Paulo Henrique Amorim


(*) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que matou o Tuma e depois o ressuscitou; e que é o que é,  porque o dono é o que é; nos anos militares, a  Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.

(**) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

(***) Até agora, Ataulfo de Paiva era o mais mediocre dos imortais da história da Academia Brasileira de Letras. Tão mediocre, que, ao assumir, o sucessor, José Lins do Rego, rompeu a tradição e, em lugar de exaltar as virtudes do morto, espinafrou sua notoria mediocridade.

(****) Clique aqui para ver como um eminente colonista do Globo se referiu a Ele. E aqui para ver como outra eminente colonista da GloboNews e da CBN se refere a Ele. E não é que o Noblat insiste  em chamar Gilmar Mendes de Gilmar Dantas ? Aí, já não é ato falho: é perseguição, mesmo. Isso dá processo… 

(*****) Ali Kamel, o mais poderoso diretor de jornalismo da história da Globo (o ansioso blogueiro trabalhou com os outros tres), deu-se de antropologo e sociologo com o livro “Não somos racistas”, onde propõe que o Brasil não tem maioria negra. Por isso, aqui, é conhecido como o Gilberto Freire com ï”. Conta-se que, um dia, D. Madalena, em Apipucos, admoestou o Mestre: Gilberto, essa carta está há muito tempo em cima da tua mesa e você não abre. Não é para mim, Madalena, respondeu o Mestre, carinhosamente. É para um Gilberto Freire com “i”.

*****

42 feirantes instalados de forma irregular na Rua Padre Lemos serão transferidos para o Pátio de Feira, em Casa Amarel


06.04.2013
Do BLOG DE JAMILDO

A Prefeitura do Recife, através da Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano (Semoc), vai reordenar, nest domingo (7), a partir das 7h, 42 feirantes instalados de forma irregular na Rua Padre Lemos. Eles serão transferidos para o Pátio de Feira, área anexa ao Mercado de Casa Amarela, com cerca de 2500 metros quadrados.

Será a quarta ação de reordenamento do comércio informal e dos passeios públicos no entorno dos mercados públicos do Recife.

Segundo a PCR, em parceria com a Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Emlurb), Secretaria de Saúde (Samu, Vigilância Sanitária), Secretaria de Segurança Urbana (Guarda Municipal), Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, a ação visa desobstruir calçadas e faixas de rolamento para os pedestres e o transporte público – 12 linhas de ônibus passam diariamente pela Padre Lemos.

A Gerência de Operações da Secretaria-Executiva de Controle Urbano (Secon) já notificou os ambulantes sobre a ação.

Além do reordenamento, a Companhia de Trânsito e Transportes Urbano (CTTU), fará a transferência do ponto de táxi localizado na Rua de Casa Amarela para a Rua do Cemitério.

A secretaria enfatiza que agentes fiscalizarão o local diariamente, evitando que os ambulantes retornem ao local. Após essa etapa, haverá a retirada dos equipamentos fixos instalados na Rua Padre Lemos por agentes da Secon.

Depois de Água Fria, Afogados e Beberibe, essa é a quarta ação de reordenamento dos mercados públicos recifenses. Em 21 de janeiro, 150 ambulantes foram retirados da calçada da Avenida Beberibe, visando uma maior mobilidade na via. No dia 28 de janeiro, o entorno do mercado de Água Fria recebeu a ação através da transferência temporária de 210 ambulantes para quatro vias do bairro. Em 24 de fevereiro, 195 ambulantes foram retirados da Estrada dos Remédios, visando o reordenamento do entorno do Mercado de Afogados.
******

Estadão respira por aparelhos

06.04.2013
Do blog CRÔNICAS DO MOTTA



E lá vai o Estadão ladeira abaixo...

Travestido de "novo projeto gráfico", o jornalão anunciou na sexta-feira o maior passaralho* dos últimos anos. Ninguém sabe ao certo, mas dizem que cerca de 40 jornalistas foram demitidos.

Na redação, segundo informaram colegas, o clima era de velório.

"Nunca tinha visto algo assim em todo esse tempo em que estou aqui", contou uma das sobreviventes da chacina.

"Me lembrou a Gazeta Mercantil", resumiu, lembrando outro massacre histórico sofrido pela categoria.

A rádio peão informa que o jornal teve de fazer um empréstimo bancário para pagar o salário do mês.

Dizem ainda que, nos últimos dois anos, a circulação caiu 30% e a publicidade segue igual caminho.

Na notícia em que explica as mudanças, o diretor-presidente do grupo Estado, Francisco 
Mesquita Neto, dá uma informação preciosa:

"Nossas pesquisas confirmaram o que já vínhamos detectando: as pessoas querem mais eficiência no consumo da informação, sem abrir mão do aprofundamento e da análise."

Em outras palavras: as pesquisas mostraram que nem o leitor do Estadão conseguia mais ler 
o Estadão.

Noutro trecho da nota, Mesquita Neto indica qual será o futuro do jornalão:

"Estamos evoluindo com nosso portfólio de produtos e processos em direção a um mundo mais veloz, mais digital." 

Ou seja: o Estadão demorou uns 20 anos para descobrir a internet!

O novo Estadão praticamente acabou com os cadernos, recuando para um modelo gráfico que havia abandonado no fim da década de 80, quando criou o Caderno de Economia.

A "cadernização", diziam na época, era mais confortável para o leitor, pois permitia, por exemplo, que numa família assinante do jornal, cada um escolhesse a sua seção preferida para ler sem incomodar os outros.

Hoje, o mesmo argumento é usado para juntar todas as editorias num mesmo caderno.

O jornal deixará também de fazer o chamado "2º clichê", rodada que vai para os locais mais próximos, com as notícias mais quentes.

Assim, sinaliza que não poupará a gráfica dos cortes.

No ano passado, o passaralho visitou o prédio do bairro do Limão pelo menos três vezes, 
abocanhando dezenas de jornalistas.

Por enquanto, não há notícias sobre a visita da sangrenta ave à concorrente Folha de S. Paulo.

Mas nenhum jornalista tem esperanças de que ela poupará os ocupantes do edifício da Barão de Limeira.

É só uma questão de tempo: o tempo necessário para que os frios números dos relatórios dos tecnocratas mostrem que um jornal que é feito por 100 jornalistas pode muito bem ser feito por 50.

Principalmente com a qualidade desses que existem por aí.

*Demissões, na gíria jornalística

*****

As explicações de Lewandowski e o jogo pesado de Gurgel

06.04.2013
Do portal LUIS NASSIF ON LINE

É uma guerra política sem limites. Achava-se, no início, que estivesse restrita à mídia e ao submundo da política. Infelizmente, chegou aos escalões superiores, com ataques à honra do Ministro Ricardo Lewandowski por parte da própria Procuradoria Geral da República - do Procurador Geral Roberto Gurgel, diretamente ou através de emissários.
E tudo isso para impedir eventual nomeação para o STF (Supremo Tribunal Federal) de advogado apoiado pelo Ministro.
Abaixo, a explicação de Lewandowski para as acusações da revista Época.
A fonte é a PGR. E comete-se a indignidade de acusar Lewandowski de parcialidade, em favor de advogados do PT, sem  a honradez de detalhar as razões jurídicas para duas decisões distintas, sobre processos de extradição. Houvesse o mínimo de dignidade, seriam apresentados os argumentos de lado a lado e os contra-argumentos.
Em vez disso, preferiu-se a acusação frontal a Lewandowski, de inidoneidade intelectual pelo fato de um dos processos ser conduzido por advogado ligado ao PT.
A baixeza do ataque reforça as suspeitas sobre os jogos políticos da PGR. E dão um argumento a mais para os inimigos do Ministério Público.
Da Assessoria do Ministro Ricardo Lewandowski
Nota de esclarecimento ao jornalista Luis Nassif
1)  A nova orientação jurisprudencial do STF sobre a extradição evoluiu no sentido de não mais exigir a prisão preventiva automática dos extraditandos, salvo em situações excepcionais, a saber,  quando estes apresentem periculosidade ou exista risco de fuga iminente.
2) Essa alteração jurisprudencial deu-se porque a Corte passou a entender que não se poderia manter uma pessoa presa, em meio a criminosos com condenações definitivas, durante todo processo de extradição, por ser ele muito complexo e demorado, não sendo raro que se conclua pelo indeferimento do pedido extradicional.
3) O caso do Miscik é distinto dos demais, assemelhando-se ao caso Battisti, por ter aquele, tal como este, buscado formalmente refúgio no País e, portanto, encontrar-se sob a proteção do Estado brasileiro.
4)  O tratado de extradição firmado entre o Brasil e o Reino Unido determina que, se os documentos originais relativos à extradição não forem juntados aos autos do processo dentro de 60 dias, a prisão do extraditando deve ser imediatamente relaxada.
5) O prazo do tratado foi ultrapassado, sem que o Reino Unido tivesse apresentado no Supremo os documentos exigidos, nos autos do processo. Isso é fato.
6) A Lei de Refúgio, ademais,  determina a suspensão dos processos de extradição pelo tempo em que o pedido de refúgio estiver sendo apreciado pelo Ministério da Justiça.
7) Tecnicamente, pois, o indivíduo que ingressa com pedido de refúgio não ostenta a condição de extraditando.
8) Tendo em conta que inexiste prazo para a apreciação do pedido de refúgio, não se mostra razoável manter-se alguém preso indefinidamente no aguardo de uma decisão administrativa, ou seja, que não depende do Judiciário.
9) A ilegalidade da prisão do extraditando era manifesta e poderia ser atacada por meio de um habeas corpus junto ao Plenário do Supremo.
10) O extraditando está sob a supervisão de um juiz criminal em São Paulo, ao qual deve apresentar-se semanalmente para justificar as suas atividades, achando-se também sob a vigilância da Polícia Federal, não lhe sendo lícito sair do Estado, sem autorizão judicial.
11) De resto, o seu passaporte está retido no STF.
12) Transcrevo abaixo, em negrito, alguns trechos da Lei de Refúgio que se aplicam ao caso:
Assessoria do Ministro Ricardo Lewandowski
 
 
REFUGIADOS
LEI N. 9.474, DE 22 DE JULHO DE 1997
Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências.
O Presidente da República:
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
TÍTULO I
Dos Aspectos Caracterizadores
CAPÍTULO I
Do Conceito, da Extensão e da Exclusão
SEÇÃO I
Do Conceito
Artigo 1º - Será reconhecido como refugiado todo indivíduo que:
I - devido a fundados temores de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas encontre-se fora de seu país de nacionalidade e não possa ou não queira acolher-se à proteção de tal país;
II - não tendo nacionalidade e estando fora do país onde antes teve sua residência habitual, não possa ou não queira regressar a ele, em função das circunstâncias descritas no inciso anterior;
III - devido a grave e generalizada violação de direitos humanos, é obrigado a deixar seu país de nacionalidade para buscar refúgio em outro país.
SEÇÃO II
Da Extensão
Artigo 2º - Os efeitos da condição dos refugiados serão extensivos ao cônjuge, aos ascendentes e descendentes, assim como aos demais membros do grupo familiar que do refugiado dependerem economicamente, desde que se encontrem em território nacional.
(...)


CAPÍTULO II
Da Condição Jurídica de Refugiado
Artigo 4º - O reconhecimento da condição de refugiado, nos termos das definições anteriores, sujeitará seu beneficiário ao preceituado nesta Lei, sem prejuízo do disposto em instrumentos internacionais de que o Governo brasileiro seja parte, ratifique ou venha a aderir.
Artigo 5º - O refugiado gozará de direitos e estará sujeito aos deveres dos estrangeiros no Brasil, ao disposto nesta Lei, na Convenção sobre o Estatuto dos Refugiados de 1951 e no Protocolo sobre o Estatuto dos Refugiados de 1967,cabendo-lhe a obrigação de acatar as leis, regulamentos e providências destinados à manutenção da ordem pública.
Artigo 6º - O refugiado terá direito, nos termos da Convenção sobre o Estatuto dos Refugiados de 1951, a cédula de identidade comprobatória de sua condição jurídica, carteira de trabalho e documento de viagem.

(...)


CAPÍTULO II
Da Autorização de Residência Provisória
Artigo 21 - Recebida a solicitação de refúgio, o Departamento de Polícia Federal emitirá protocolo em favor do solicitante e de seu grupo familiar que se encontre no território nacional, o qual autorizará a estada até a decisão final do processo.
§ 1º - O protocolo permitirá ao Ministério do Trabalho expedir carteira de trabalho provisória, para o exercício de atividade remunerada no País.
§ 2º - No protocolo do solicitante de refúgio serão mencionados, por averbamento, os menores de quatorze anos.
Artigo 22 - Enquanto estiver pendente o processo relativo à solicitação de refúgio, ao peticionário será aplicável a legislação sobre estrangeiros, respeitadas as disposições específicas contidas nesta Lei.
  (...)
Artigo 30 - Durante a avaliação do recurso, será permitido ao solicitante de refúgio e aos seus familiares permanecer no território nacional, sendo observado o disposto nos §§ 1º e 2º do artigo 21 desta Lei.

(...)

TÍTULO V
Dos Efeitos do Estatuto de Refugiados Sobre a Extradição e a Expulsão
CAPÍTULO I
Da Extradição
Artigo 33 - O reconhecimento da condição de refugiado obstará o seguimento de qualquer pedido de extradição baseado nos fatos que fundamentaram a concessão de refúgio.
Artigo 34 - A solicitação de refúgio suspenderá, até decisão definitiva, qualquer processo de extradição pendente, em fase administrativa ou judicial, baseado nos fatos que fundamentaram a concessão de refúgio.
Artigo 35 - Para efeito do cumprimento do disposto nos artigos 33 e 34 desta Lei, a solicitação de como refugiado será comunicada ao órgão onde tramitar o processo da extradição.


(...)

TÍTULO VIII
Das Disposições Finais
Artigo 47 - Os processos de reconhecimento da condição de refugiado sério gratuitos e terão caráter urgente.
Artigo 48 - Os preceitos desta Lei deverão ser interpretados em harmonia com a Declaração Universal dos Direitos do Homem de 1948, com a Convenção sobre o Estatuto dos Refugiados de 1951, com o Protocolo sobre o Estatuto dos Refugiados de 1967 e com todo dispositivo pertinente de instrumento internacional de proteção de direitos humanos com o qual o Governo brasileiro estiver comprometido.
Artigo 49 - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

******

Petistas promovem encontro para tentar buscar clima de unidade

06.04.2013
Do portal do DIARIO DE PERNAMBUCO


Nas falas dos principais nomes petistas de Pernambuco que compareceram ao evento estadual do partido, na manhã deste sábado, 6, foi a palavra “unidade” que predominou. O encontro ocorreu no Plaza Hotel, no centro da cidade. Mês passado, o diretório havia se reunido para comemorar os 33 do PT e o clima ficou tenso com brigas entre os grupos do ex-prefeito João da Costa e os do deputado federal João Paulo e do senador Humberto Costa. Os três se desentenderam em 2012 durante o processo para escolha de quem disputaria a prefeitura do Recife.

“Essa reunião foi pautada em um olhar para a frente, sem esquecer que precisamos discutir nossos problemas e ajudar a presidenta Dilma nesse processo nacional que é o legado do partido”, disse João da Costa. Ele ressaltou, porém, a importância de se abrir espaço para as discussões de opiniões, chegando a alfinetar: “É preciso ouvir todo o partido. Não pode ser dois ou três a decidir porque a gente já viu que isso não dá certo”.

Costa não se encontrou com João Paulo, nem com o senador Humberto. Ambos haviam chegado juntos, pela manhã, e saíram, também juntos, após menos de uma hora. João da Costa só chegou ao hotel 30 minutos depois. Ao discursar, o senador Humberto voltou-se para as ações do governo federal no estado. Ele teria confirmado, ainda, que Pernambuco sediará o último seminário sobre o Decênio do governo Lula. Esse seminário tem sido realizado nas principais capitais do país, onde as alianças para 2014 estão mais delicadas. 

Desta vez a imprensa foi mantida do lado de fora do evento. O presidente do PT, Pedro Eugênio, preferiu não comentar o que havia ocorrido do lado de dentro da sala. “Eu acho que não devo falar nada. A palavra dessa reunião deve ser dada através de uma resolução e eu vou me ater a ela”, resumiu.

******

Arquivos secretos da ditadura: as apostilas da Aeronáutica

06.04.2013
Do portal do DIARIO DE PERNAMBUCO
PorVandeck Santiago - Diario de Pernambuco


Oito apostilas da Aeronáutica, obtidas com exclusividade pelo Diario, revelam como era a formação dos agentes do regime militar
 (Arte/DP)
Documentos obtidos pela reportagem doDiario de Pernambuco mostram como era a formação de agentes no serviço secreto da Aeronáutica, durante o regime militar. O material consiste em oito apostilas, que fazem uma descrição do que considera “forma subreptícia de atuar dos comunistas”,  dá orientações de como identificá-los, dita normas para vigilância, ataca d. Helder Camara e recomenda que os oficiais estejam “sempre alertas” - inclusive em relação aos familiares.  

Destaca ainda o fato de intelectuais, artistas, economistas, sociólogos e religiosos estarem na oposição, afirmando que eles “lamentavelmente, por formação, convicções ou desajustes com o meio ambiente [grifo no original], foram atraídos ou, em sua grande maioria, incentivados a uma linha de ação tipicamente de esquerda”. Em pelo menos uma apostila o dramaturgo Nelson Rodrigues (que apoiava a ditadura) é usado como exemplo de combate às ideias e ações da esquerda.

Diferentemente de documentos que têm sido revelados em outros estados (pertencentes a arquivos de instituições), estes conseguidos pelo Diario são de um acervo particular. Outra singularidade é que eles têm uma característica mais teórica, estão mais preocupados em “fazer a cabeça” dos orientandos - e ajudam a compreender como foram formados os homens encarregados do aparato de repressão do regime.  As apostilas não estão datadas, mas as informações nelas contidas indicam que são do período 1968-1969.  

Cada uma delas têm um título diferente: Guerra revolucionáriaInformaçõesContra-InformaçõesO ciclo de informaçõesMovimento Comunista InternacionalDemocraciaEu sou um ex-covarde e Segurança Interna.  Todas têm um carimbo indicando “Ministério da Aeronáutica” e “Gabinete do ministro”.  No centro do carimbo vem a sigla SISA, que é do Serviço de Informações e Segurança da Aeronáutica, criado em 24 de julho de 1968, e posteriormente rebatizado de Cisa (Centro de Informações e Segurança da Aeronáutica). Ainda existem outros documentos no mesmo acervo, segundo apurou  a reportagem.

******

A Semana Santa que a Globo quer esquecer

06.04.2013
Do blog DoLaDoDeLá, 05.04.13


Começou na sexta-feira da paixão, com a decisão do jornalista Luiz Carlos Azenha de desativar o sítio Viomundo. Logo em seguida, uma rede de solidariedade formou-se nas redes sociais. Viomundo, tocado voluntariosamente, sem recursos públicos e com publicidade apenas doAdsense, que é uma ferramenta do Google que premia cliques, é um dos canais independentes mais acessados do país (ao lado do de Paulo Henrique Amorim, ex-global, e Luis Nassif, que dispensa apresentações).

Na sexta-feira à noite, madrugada do outro lado do mundo, em Tunis, Tunísia, manifestações de solidariedade pipocavam pelo twitter, vindas do Forum Social Mundial. Ainda no fim de semana da Páscoa, o presidente do Centro de Estudos da Mídia Independente Barão de Itararé, Altamiro Borges, agendou um encontro na sede da organização (na última terça-feira) para discutir um tema reclamado pelos próprios internautas: a criação de um Fundo de Solidariedade para socorrer blogueiros perseguidos por ações judiciais.

Como bem sabemos, a Justiça brasileira - e as estatísticas não nos deixam mentir - só funciona implacavelmente para pretos, pobres e putas. Um documento divulgado pela ONU no início desta semana demonstra que os mais vulneráveis são os alvos preferenciais do aparato de segurança do Estado brasileiro. Neste sentido, os anônimos da internet entenderam o recado: as sentenças em primeira instância contra blogueiros graúdos e miúdos, que começavam a se avolumar, todas nascidas no seio de um dos maiores conglomerados de mídia do planeta, as Organizações Globo, eram um gesto de intimidação.

O principal litigante é um jornalista com carreira feita nas Organizações e que ocupa hoje o mais alto posto do telejornalismo brasileiro, Ali Kamel. Kamel atacou em várias frentes: questionou quem o relacionava a um homônimo, que foi ator pornô nos anos 80; quem criticava o mau jornalismo da emissora, considerando-o pornográfico e, até quem, a partir de situações reais escreveu ficção, como este Doladodelá.

Lima Barreto, Nelson Rodrigues, Danton Trevisan... uma galeria de célebres escritores se notabilizaram por escrever ficção a partir da realidade. Aliás, o que é a ficção, senão a realidade mais ou menos realista? Mesmo assim, a ficção se personificou e teve acolhida da Justiça, que entendeu ataque à honra de um homem que, poderoso, não sabe mais onde começa o jornalista e pai de família dedicado à mulher e às enteadas, e onde termina o executivo, que dá as ordens na emissora. Público, privado, profissional e institucional servem à uma confusão só, o que permite que use convenientemente a persona que melhor o "qualifica" jurisdicionalmente.

Não há que se discutir decisões judiciais. Elas devem ser questionadas tecnicamente, no âmbito dos tribunais. E é bom que seja assim. Ao tirar uma demanda das mãos da sociedade, a Justiça preserva seus cidadãos do impulso natural de fazê-la por seus próprios meios e com suas próprias mãos. Mas a Justiça tem que ter sensibilidade, quando percebe que está sendo manipulada, para fazer prevalecer o discurso autoritário do poder econômico e político, que vez ou outra apela a este artifício, para interditar o debate público de temas relevantes à sociedade.

Na quarta-feira foi a vez da Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares prestarem sua solidariedade e num encontro com com representantes de movimentos populares, coube ao representante jovem do MST questionar a presidente Dilma sobre o tema da Democratização das Comunicações. 

Neste sentido, o gesto de Azenha, antes de ser um ato de covardia, foi um grito, um alarme à sociedade, que respondeu prontamente. Na Câmara e no Senado Federal o tema ganhou destaque. O Ministro das Comunições, até então reticente ao tema da regulamentação de dispositivos previstos na Constituição Federal, é bom que se diga - e que já foram objeto de discussão pública em todo o país, antes de virarem proposta de Marco Regulatório - admitiu publicamente que sim, aceita declinar-se sobre o tema.

Justiça seja feita com a coragem do publisher Mino Carta que em uma capa ousada acusou Paulo Bernardo de fazer o jogo das empresas de comunicação e de telefonia, contra o interesse público. Bernardo é acusado de usar o cargo para fazer campanha para a mulher, também ministra, que tem pretensões de disputar o Governo do Paraná, no ano que vem, com o apoio da afiliada da Globo naquel Estado. Temas transversais, caros ao próprio governo Dilma, que se vê envolto em interesses que vão muito além da obstinação pelos pobres e oprimidos, objeto de acertadas políticas sociais e de transferência de renda.

A Rede Globo, acostumada a agir nos bastidores, sem barulho, enquanto ostenta a fleuma do jornalismo ético, da Fundação de amparo à pesquisa e ao desenvolvimento, em defesa da educação, do progresso e da justiça social, viu-se, como em 2006, mais uma vez nas cordas, igual a quando forjou um telejornal desequilibrado jornalisticamente, com o intuíto de influenciar o pleito daquele ano.

Naquela ocasião, correram e compraram um espaço publicitário na Revista Carta Capital (pagando preço de tabela cheia), usaram a Organização "a serviço do homem", e fizeram circular um abaixo-assinado apócrifo (ideia de Willian Bonner e Claudio Latgé), para defender Ali Kamel e depois calaram um a um seus opositores internos; hoje já não conseguem mais esta proeza.

"Insiders" informam que analistas consideraram que Ali Kamel deu mais um tiro no pé quando, impulsivamente, agiu com o fígado, para perseguir jornalistas que nada mais fazem do que contraditá-lo. Também informam que esse "espraiamento" de um tema antes restrito à meia duzia de obstinados blogueiros apelidados por José Serra em 2010, ano da bolinha de papel, de sujos, só prejudica a imagem da emissora, interna e externamente.

Isso não é bom para eles, principalmente num momento em que as próprias agências publicitárias começam a questionar uma mordaça chamada BV (bônus de volume), que é uma forma institucionalizada de corrupção (como um gerente de compras dos Supermercados Extra ganhar "um por fora" para preferir os iogurtes da Nestlé, em vez dos da Danone, por exemplo).

E mais, num momento delicado, em que a audiência não reage, um novo instituto de medição está a caminho, para disputar a hegemonia do IBOPE, e as pessoas começam a adquirir o péssimo hábito de procurar na internet a informação isenta, que tanto procuram. Espero que este "espraiamento" não se transforme em mais uma "ponte estaiada" a atravessar o caminho da nossa tão jovem e tão carente democracia participativa.

******

Ligações de fixo para celular ficam mais baratas a partir de hoje


06.04.2013
Do portal da Agência Brasil
Por Sabrina Craide
Economia

Brasília - Começa a valer hoje (6) a redução de 8,77% nas tarifas das ligações feitas de telefones fixos para celulares. Os novos valores, determinados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), serão aplicados pelas concessionárias de telefonia fixa Oi (na área da antiga Brasil Telecom), Telefônica (São Paulo), CTBC Telecom, Sercomtel e Embratel.

Para a concessionária Telemar Norte Leste, haverá redução de 18,6%, porque, no ano passado, a diminuição tarifária não foi aplicada pela Anatel para essa operadora por causa de determinações judiciais. As demais empresas aplicaram uma redução de 10,7% no ano passado.

A CTBC Telecom é a concessionária local que atende os estados de Minas Gerais, Goiás e São Paulo. A Sercomtel atende os municípios de Londrina e Tamarana, no Paraná, e a Embratel é a concessionária de longa distância nacional.

Edição: Juliana Andrade
*****

Ricardo Salles, o perfeito idiota paulistano

06.04.2013
Do blog ESQUERDOPATA
PorRodrigo Martins, CartaCapital



Ricardo Salles, secretário particular de Alckmin, o perfeito idiota paulistano 

A abertura de arquivos da ditadura é antiga reivindicação de historiadores e vítimas da repressão política. Não por acaso, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, preocupou-se em organizar uma pomposa cerimônia para anunciar que, a partir da segunda-feira 1º, todas as fichas do extinto Dops, uma das centrais de tortura do regime militar, estariam disponíveis para consulta na internet. A festa não saiu, porém, como o esperado. Ao lado do governador estava um ilustre convidado: seu novo secretário particular, o advogado Ricardo Salles, crítico ferrenho da Comissão da Verdade e defensor do golpe de 1964.

Fundador do Movimento Endireita Brasil, Salles -manifestou–se- em diversas ocasiões contra a possibilidade de punir os militares envolvidos nos casos de tortura, sequestro e morte, além de questionar a própria existência desses crimes, fartamente documentos. É desses cidadãos que gostam de se referir ao golpe como “o movimento de 31 de março”.

Durante sua fracassada tentativa de se eleger deputado estadual pelo DEM, em 2010, criticava “a farra dos anistiados políticos” em seu material de campanha. No Facebook, seu movimento se refere à presidenta Dilma Rousseff como “terrorista”. A Comissão da Verdade, em sua peculiar visão de mundo, é apresentada como “Comissão da Vingança”.

No ano passado, durante uma palestra no Clube Militar, Salles defendeu abertamente a impunidade dos algozes da ditadura. “A punibilidade penal dos fatos, a partir de uma certa idade, não existe mais. Não vamos ver generais e coronéis acima dos 80 anos presos por crimes de 1964. Se é que eles ocorreram.”

Ao tomar conhecimento das declarações do assessor de Alckmin, o escritor Marcelo Rubens Paiva exigiu um pedido de retratação do governo. “Sim, esses crimes ocorreram”, escreveu em seu blog. “Sou testemunha viva. Eu e minhas irmãs. Vimos meu pai, minha mãe e irmã Eliana serem levados”. O escritor é filho do deputado Rubens Paiva, morto sob tortura em 1971.

As declarações de Salles geraram desconforto até mesmo entre tucanos de alta plumagem. O senador Aloysio Nunes Ferreira, que lutou na clandestinidade contra a ditadura, recriminou a fala do assessor: “Discordo quando se tenta negar a existência de violações aos direitos humanos”. Para o ex-governador Alberto Goldman, trata-se de uma deficiência educacional. “No mínimo, ele desconhece a história brasileira”, disse o tucano, que militou no PCB durante a ditadura.

Alckmin preferiu não rebater as críticas. E o assessor continua lá, na antessala do governador.

*****

Blogueira cubana é barrada nos EUA


06.04.2013
Do BLOG DO MIRO, 04.04.13
Por Altamiro Borges

A mídia colonizada, que tanto bajulou a dissidente cubana Yoani Sánchez em sua recente visita ao Brasil, não fez maior estardalhaço contra mais um atentado às liberdades cometido pelos EUA - o "paraíso da democracia", segundo alguns servos do império. Na tarde de ontem (03), o governo estadunidense proibiu o ingresso no país de Elaine Díaz Rodrigues, blogueira, jornalista e professora da Universidade de Havana. Ela simplesmente foi impedida de participar de um dos maiores eventos de ciências sociais do mundo, o XXXI Congresso Internacional de Estudos Latino-Americanos.

Segundo o blog Jornalismo B, Elaine Díaz teve seu trabalho acadêmico aprovado pela Associação de Estudos Latino-Americanos, entidade organizadora do evento, que também deu a ela uma bolsa para a viagem aos EUA. Mesmo assim, o governo do "democrata" Barack Obama não concedeu o visto de entrada. "É humilhante que neguem vistos a acadêmicos, enquanto recebem de braços abertos a Yoani Sánchez", critica a professora e blogueira cubana. Diante do fato lamentável, ela ainda pergunta quem é que de fato cerceia a liberdade. "Cuba ou os EUA?".

O senador Eduardo Suplicy (PT-S), que ciceroneou Yoani Sánchez no Brasil, fará um pronunciamento no Congresso em defesa das liberdades democráticas nos EUA? A bancada demotucana, que tanto bajulou a dissidente cubana, proporá uma moção de repúdio ao presidente Barack Obama? A asquerosa revista Veja também dará capa criticando o ditatorial governo ianque? E a golpista Sociedade Interamericana de Prensa (SIP), que reúne os barões da mídia do continente e paga salário a Yoani Sánchez, vai protestar? A conferir! 
******