sábado, 19 de janeiro de 2013

“BBB é a prova da decadência de nossa civilização”, diz Walter McAlister

19.01.2013
Do blog GOSPEL PRIME, 18.01.13
Por por Jussara Teixeira

 Pastor da igreja Cristã Vida Nova faz críticas ferozes ao reality show da Globo


“BBB é a prova da decadência de nossa civilização”, diz Walter McAlister“BBB é a prova da decadência de nossa civilização”, diz Walter McAlister
A 13ª edição do reality show Big Brother Brasil iniciou-se com o costumeiro desfile de beldades e corpos malhados na “casa mais vigiada do Brasil”, segundo o slogan da própria TV Globo.
As cenas do programa mostram, mais uma vez, os conchavos e estratégias dos brothers, dispostos a tudo para ganhar o prêmio de R$ 1,5 milhão, passando pelas costumeiras discussões e brigas e chegando até a mostrar os hábitos de (ou falta) higiene dos confinados no espaço cenográfico.
O programa, intensamente criticado pela grande maioria dos evangélicos, encontra apoio de alguns que se valem da passagem bíblica de I Tessalonicenses 5:21, de “examinar tudo e reter o bem”. Mas, para o pastor Walter McAlister, bispo primaz da igreja Cristã Vida Nova, isso não passa de “um pretexto esfarrapado para quem não tem o que fazer e se entretém com algo absurdamente estúpido”.
Para o líder religioso, os que assistem ao reality cometem “um pecado inenarrável contra seu cérebro e sua alma”.  Ele diz que “examinar tudo e reter o que é bom” é diferente de procurar no lixo algo que se possa reutilizar.
Ele explica que a passagem paulina é um mandato cristão, o que é diferente de se viver na miséria cultural. “Culturalmente a grande maioria vive na miséria absoluta. Não leem, não pensam, e vivem a piolhos da cabeça uns dos outros – algo bem próprio de primatas menos desenvolvidos”, diz, contundente.
McAlister diz que não acompanha programas de televisão há anos, mas conhecendo o teor do reality, acredita que ele seja uma prova da decadência de nossa civilização. Em sua ácida critica, ele o qualifica de “absurdamente estúpido”.
“É uma prova clara e evidente da decadência desta nossa civilização. Assistir pessoas não fazerem nada de útil, até que cada um seja eliminado ao bel-prazer do público é o cúmulo da imbecilidade. Quem assiste algo assim está sendo feito de palhaço. É a barbarização de uma cultura que consegue se entreter contemplando o próprio umbigo.”
Ele continua sua análise mordaz dizendo que assistir algo como o BBB é “simplesmente a morte do raciocínio. Este só é cultivado pela leitura e pela interação racional entre pessoas que pensam. Estamos ficando com o QI de um quiabo”, diz.
Concluindo, Mc Alister traça um cenário sombrio do atual momento da sociedade e suas formas de entretenimento.
“As colunas desta civilização estão caindo. Este programa não é a razão, é a prova de que estamos vivendo o fim de uma era”.

*******
Fonte:http://noticias.gospelprime.com.br/big-brother-brasil-walter-mc-alister/

STF, totalmente, desmascarado pelo Dr. Pedro Serrano

19.10.2013
Do YOUTUBE,Saaghs Dantas, 24.12.2012
Por Pedro Serrano


Pedro Estevam Serrano é advogado e professor de Direito Constitucional da PUC-SP,mestre e doutor em Direito do Estado pela PUC-SP. Neste vídeo ele revela todas as aberrações, praticadas pelo STF, contra os direitos constitucionais no julgamento do mensalão.

Pedro Serrano: "Não houve o valor do juízo imparcial"
******
Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=GQaPCzLZVNw

Dilma: Apesar dos pessimistas, Brasil vai crescer em 2013

19.01.2013
Do portal da Agência Brasil, 18.01.13
Por Luana Lourenço


Brasília – Ao participar hoje (18) de uma cerimônia em Teresina, no Piauí, a presidenta Dilma Rousseff disse que, “apesar dos pessimistas”, a economia brasileira vai crescer em 2013. Segundo ela, “o Brasil em 2012 se preparou para crescer em 2013. Podem ter certeza”. De acordo com a presidenta, o país vai gerar mais empregos e “procurar todas as oportunidades”.
Depois de crescer 2,7% em 2011, o Produto Interno Bruto (PIB) deve avançar menos de 1% em 2012, segundo estimativa do mercado. Em dezembro, a presidenta disse que queria um “pibão” para 2103. Mais cedo, também no Piauí, Dilma declarou que o país terá um “crescimento sério, sustentável e sistemático” em 2013, mas que ainda será "um ano em que vamos plantar mais do que colher".
Segundo a presidenta, a descoberta de novas fontes de petróleo de gás poderá assegurar o crescimento. “Nós já achamos o pré-sal. Agora é importante que achemos sobretudo gás nas bacias sedimentares do continente brasileiro. E quando a gente fala em bacia sedimentar, a gente fala da Bacia do Parnaíba (PI)”, ressaltou.
O governador do Piauí, Wilson Martins, que discursou antes de Dilma, informou que a presidenta autorizou hoje a realização de leilões a fim de iniciar a pesquisa para exploração de gás na região da Bacia do Parnaíba.
Após entregar unidades habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida, em Teresina, e 25 retroescavadeiras a municípios do interior do Piauí, Dilma reafirmou o compromisso de seu governo de acabar com a pobreza extrema no Brasil, meta que, segundo ela, meta deve ser alcançada no começo do próximo ano.
“Vamos acabar com a pobreza extrema na maioria dos estados do Brasil ainda em 2013 e vamos completar esse processo no início de 2014. Isso é possível e vai ser feito”, disse a presidenta. “No passado se achava que era possível o país crescer e desenvolver e as pessoas ficarem para trás. Nós achamos que o país vai crescer se as pessoas crescerem junto com ele”, ressaltou.
Edição: Aécio Amado

******
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-01-18/dilma-apesar-dos-pessimistas-brasil-vai-crescer-em-2013

É um disparate a mídia no papel da oposição

19.01.2013
Do blog ESQUERDOPATA, 18.01.13



Uma das teses mais esquisitas que surgiram no Brasil moderno sugere que a imprensa livre, aspas, deve fazer o papel da oposição na política, dada a suposta fraqueza desta.

A ideia foi claramente formulada pela primeira vez, ao que parece, por uma executiva da Folha, Judith Brito, que ocupou a presidência da Associação Nacional de Jornais. Disse ela: “Os meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista deste país, já que a oposição está profundamente fragilizada.”

Não é preciso mais que uma palavra para avaliar a tese: disparate.

Maiúsculas.

Exclamação.

Primeiro, e acima de tudo, as companhias jornalísticas não foram eleitas. Fazer política, numa democracia, é para quem conquistou votos. Fora disso, é uma usurpação, é uma mostra torrencial de presunção, é uma ameaça à democracia.

Na Inglaterra nos anos 1930, aconteceu uma situação semelhante.  Mas o premiê Stanley Baldwin reagiu num discurso épico, atribuído por alguns a seu primo, o Nobel de Literatura Rudyard Kipling.

“Alguns jornais não são jornais no sentido estrito da palavra, mas motores de divulgação de mutantes idéias, caprichos, gostos, simpatias e antipatias de seus proprietários”, disse Baldwin. “O que esses donos estão buscando  é o poder sem responsabilidade, algo que ao longo da história foi prerrogativa das prostitutas.”

Baldwin, se se calasse, provavelmente seria esmagado, como um professor que se recolhe enquanto os alunos vão mais e mais berrando. Mas falou, e com sabedoria enérgica e enfática.  E a ordem foi restabelecida, e foi feita história em seu pronunciamento, citado como um dos mais memoráveis da vida política britânica.

Não é só isso.

Para quem fala tanto em mercado, é um contra-senso brutal.  A falta de opositores relevantes gera, para quem acredita no poder do mercado, uma oportunidade para que apareçam políticos que ocupem um espaço não preenchido.

Mas mais uma vez: estamos falando de poder com responsabilidade, legitimado pelo voto.

Sêneca dizia que, ao se lembrar de certas coisas que dissera, sentia inveja dos mudos.

É uma frase na qual Judith Brito poderia pensar. 

******
Fonte:http://esquerdopata.blogspot.com/2013/01/e-um-disparate-midia-no-papel-da.html

A manchetinha safada da Folha

19.01.2013
Do BLOG DO MIRO,18.01.13
Por José Dirceu, em seu blog:


Evidentemente, não há outra classificação para esta manchete, a principal da 1ª página do Folhão de hoje: "SP tem 661 mil pedidos médicos na fila de espera". Tudo bem, é notícia - e triste -, mas lendo-se a matéria descobre-se que se trata de uma lista só da prefeitura da capital, de pacientes inscritos para atendimentos em órgãos de saúde municipais.

Por que a Folha de S.Paulo não dá a lista do Estado? Os corredores dos hospitais públicos e demais instituições de saúde estaduais estão cheios de pacientes e de macas com doentes à espera de vagas para tratamento e internação.

É só conferir no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, na capital (HC-FMUSP), e nos outros hospitais públicos do Estado na capital e no interior, para ver o apagão, o estado de calamidade pública a que chegou a saúde em São Paulo nestes 20 anos em que o Estado é governado pelos tucanos.

Jornal parece querer proteger o governo tucano. Será?

Parece. Mas, assim, da forma como a Folha dá a notícia abordando os pacientes à espera por atendimento nos hospitais e postos de saúde da capital, parece proteção ao governo tucano do Estado - será ?!!! - e um ensaio de que vai fazer oposição declarada ao novo prefeito paulistano, Fernando Haddad (PT).

Sem lhe dar sequer aquela trégua que os jornalões costumam dar às autoridades que chegam, para que elas digam a que vieram.

A propósito e embora os assuntos sejam tristes, um leitor deste blog conta hoje que viu na GloboNews que os responsáveis pelas ONGs integradas à Rede Nossa São Paulo vão entregar ao prefeito Haddad os resultados da pesquisa Indicadores de Referência de Bem-Estar no Município (iRBEM) e cobrar-lhe o descalabro da segurança pública em São Paulo. Só que o responsável pela segurança pública paulista é o governo do Estado...

Os dois pesos e duas medidas de sempre

O mesmo leitor contou ter comprovado os dois pesos e duas medidas com que o Sistema Globo de Comunicação se porta em relação aos governos que apoia e os do PT aos quais faz oposição.

O leitor disse ter visto na Globo News que o ex-prefeito de São Luis/MA João Castelo deixou o material escolar enviado pelo Ministério da Educação apodrecer. E que outro prefeito, este de Meridiano (SP), Aristeu Baldin, mandou uma ambulância da cidade percorrer 2 mil km, levando a mudança da filha de uma funcionária municipal.

Nos dois casos, a GloboNews não informou o partido dos prefeitos. Eles são do PSDB. Já se fossem prefeitos do PT, vocês sabem..

*******
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com/2013/01/a-manchetinha-safada-da-folha.html

DENÚNCIA DA VEJA ERA PARA "ATINGIR" HENRIQUE ALVES

19.01.2013
Do portal BRASIL247, 18.01.13


Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/91018/Den%C3%BAncia-da-Veja-era-para-atingir-Henrique-Alves.htm

Combate ao trabalho escravo ganha comissões em mais três estados

19.01.2013
Do portal da Rede Brasil Atual, 18.01.13
Por  Rodrigo Gomes

Ceará, Espírito Santo e Goiás terão grupos de atuação como os que já existem em outras nove unidades federativas  

Combate ao trabalho escravo ganha comissões em mais três estados
A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, estará presente em algumas das ações (Foto: Elza Fiúza/ABr)
São Paulo – A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e movimentos sociais preparam uma série de atividades para a Semana Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo, que se inicia no próximo sábado (19). Entre as ações estão a criação de três novas Comissões Estaduais pela Erradicação do Trabalho Escravo (Coetraes) e manifestações exigindo o julgamento dos acusados na chamada chacina de Unaí, na qual quatro servidores do Ministério do Trabalho foram assassinados, em 28 de janeiro de 2004, na zona rural da cidade mineira.
As novas comissões serão instaladas no Ceará, no Espirito Santo e em Goiás. No entanto, diferente do que foi publicado anteriormente a partir de uma agenda disponibilizada pelo Ministério do Trabalho, não há data definida para a criação das comissões. De acordo com a assessoria de comunicação da Conatrae, o motivo do adiamento seria o recesso legislativo, que impossibilitou a emissão dos decretos estaduais que oficializariam as Coetraes. A assessoria informou que, tão logo se concluam os trâmites necessários, as comissões serão instaladas.
Estas comissões se juntarão às de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Tocantins, Piauí e Rio Grande do Sul, totalizando 12 das 27 unidades federativas.
As manifestações reivindicam o julgamento dos nove acusados pelo assassinato de três fiscais do trabalho e um motorista em Unaí. Elas estão sendo convocadas pelo Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait). De acordo com a assessoria da entidade, será realizado um ato em frente ao Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, em Belo Horizonte, no dia 28, às 14h. Além disso, deverão ser organizadas atividades nas Superintendências Regionais do Trabalho de Emprego (antigas DRTs) de diversos estados, mas ainda não há confirmação dos locais.
As ações da semana ocorrerão simultaneamente em 11 estados: Minas Gerais, Mato Grosso, Bahia, Tocantins, Piaui, Amapá, Pará, Rio de Janeiro, São Paulo, Maranhão e Rio Grande do Sul. Serão seminários, mostras de filmes, distribuição de cartilhas sobre trabalho escravo, fóruns e oficinas. Em Açailândia, no Maranhão, haverá uma audiência com os poderes Executivo e Legislativo municipal para entrega de uma proposta de Plano Municipal de Apoio às Vitimas do Trabalho Escravo. O cronograma de ações está no fim desta reportagem.
Uma ação que se destaca é um curso de extensão sobre direitos humanos do trabalhador, organizado pelo Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ainda há vagas disponíveis entre as 60 que foram abertas. A inscrição pode ser feita pelo e-mail gtjus.ufrj@gmail.com. O curso começa na próxima segunda-feira (21) e vai até 8 de março, com aulas às segundas, quartas e sextas-feiras, das 14h às 16h.
No dia 31, ocorrerá um debate sobre a articulação de esforços entre os governos federal, estadual e municipal, em São Paulo. Participam da atividade a ministra Maria do Rosário, a secretária de Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo, Eloisa Arruda, e, possivelmente, o secretário de Direitos Humanos do município de São Paulo, Rogério Sottili, que ainda não confirmou presença.
Cronograma de atividades da Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo

****
Font:e:http://www.redebrasilatual.com.br/temas/cidadania/2013/01/semana-pela-erradicacao-do-trabalho-escravo-tera-ampliacao-de-comissoes-e-manifestacoes

Linhas e itinerários do Terminal de Cajueiro Seco


19.01.2013
Do  blog MOBILIDADE URBANA, 18.01.13
Por Tânia Passos


O Terminal Integrado Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes  é o 15º a entrar em operação na Região Metropolitana do Recife e integrar o Sistema Estrutural Integrado (SEI). O TI começa a operar, a partir deste sábado,19. O terminal abrigará 13 linhas de ônibus e terá conexão com a linha sul do metrô.

O Terminal de Cajueiro Seco beneficiará diretamente cerca de 51 mil usuários das comunidades de Cajueiro Seco, Conjunto Marcos Freire, Prazeres, Curcurana, Comporta, Muribeca dos Guararapes, Cohab, Pontezinha, Ponte dos Carvalhos, Gaibú (via integração no TI Cabo), Centro do Cabo, Nossa Senhora do Ó, Camela, Centro de Ipojuca e Suape (todos via integração no TI Cabo).

O governador, Eduardo Campos, assinou também uma  ordem de serviço para a construção do Terminal Integrado de Prazeres, orçado em R$ 3,8 milhões e, anunciou a implantação de equipes da Polícia Militar em todos os Terminais Integrados da RMR, durante os horários de pico para auxiliar no ordenamento dos equipamentos.

Conheça as linhas e itinerário do TI Cajueiro:

 1º 034 – CURCURANA / TI CAJUEIRO SECO

Nova linha alimentadora.Tarifa Anel A (R$ 2,25)Itinerário:Curcurana/TI Cajueiro Seco: Rua do Registro, Estrada de Curcurana, Rua Curumim, Antiga BR 101 Sul, Av. Dr. Julio Maranhão, Estrada da Batalha, 6ª Travessa Dr. Júlio Maranhão, Rua Dr. Luiz Regueira, TI Cajueiro Seco.TI Cajueiro Seco/Curcurana: Rua Dr. Luiz Regueira, Rua Fábio Maranhão, Av. Dr. Júlio Maranhão (retorno), BR101 Sul, Rua Curumim, Estrada de Curcurana, Rua do Registro.

2º 037 – COMPORTA/TI CAJUEIRO SECO

Nova linha alimentadora.Tarifa Anel A (R$ 2,25) Itinerário:Comporta/TI Cajueiro Seco: Rua Pilões, Rua Paraú, BR 101 Sul, Av. Dr. Júlio Maranhão, Estrada da Batalha, 6ª Travessa Dr. Júlio Maranhão, Rua Dr. Gonzaga Maranhão, TI Cajueiro Seco.TI Cajueiro Seco/Comporta: Rua Dr.Luiz Regueira, Rua Fábio Maranhão, Av. Dr. JúlioMaranhão (retorno), BR 101 Sul, Rua Paraú, Rua Pilões.

3º 163 – TI CAJUEIRO SECO (CIRCULAR)

Nova linha alimentadora.Tarifa Anel A (R$ 2,25)Itinerário do atendimento ao Shopping Guararapes:TI Cajueiro Seco/Shopping Guararapes: Rua. Dr. Luiz Regueira, Rua Dr. Fábio Maranhão, Av. Dr. Julio Maranhão, Av. Barreto de Menezes, Av. Bernardo Vieira de Melo.Shopping Guararapes/TI Cajueiro Seco: Rua Aarão Lins de Andrade, Av. Barreto de Menezes, Av. Dr. Júlio Maranhão, 6ª Travessa Dr. Júlio Maranhão, TI Cajueiro Seco.Itinerário do atendimento ao bairro de Cajueiro Seco:TI Cajueiro Seco/Bairro de Cajueiro Seco: Rua Dr. Luiz Regueira, Rua Dr. Fábio Maranhão, Av. Dr. Júlio Maranhão, Av. Barreto de Menezes, Rua Santo Elias, Rua 13 de Maio, Praça Vereador Joaquim Carneiro.Bairro de Cajueiro Seco/TI Cajueiro Seco: Rua Profª Cândida Andrade Maciel, Rua Pio XII, Rua Recife, Rua Quatro, Rua Santo Elias, 1ª Travessa Rua Santo Elias, Rua Nossa Sra do Carmo, 2ª Travessa do Cajueiro, Rua do Futuro, Rua Nossa Sra. da Penha, Av. Gonzaga Maranhão, TI Cajueiro Seco.

4º 181 – CABO (COHAB)/TI CAJUEIROSECO

Nova linha alimentadora.Tarifa Anel B (R$ 3,45)Alterações:· Mudou a nomenclatura de 181 – Cabo (Cohab) para 181 – Cabo(Cohab)/TI Cajueiro Seco;· Mudou o itinerário: deixa de ir para o Centro do Recife.Itinerário:Cabo/TI Cajueiro: Rua Reginaldo Pereira Fonseca, Rua João Marinho Espíndola, Rua Francisco Gomes Farias, Pista local da Rodovia PE-60 (retorno), Antiga rodovia BR 101 Sul, Av. Dr. Júlio Maranhão, 6ª Travessa Dr. Júlio Maranhão, Av. Dr. Gonzaga Maranhão, Rua Dr. Luiz Regueira, TI Cajueiro Seco.TI Cajueiro Seco/Cabo: Rua. Dr. Luiz Regueira, Rua Dr. Fábio Maranhão, Av. Dr. Júlio Maranhão (retorno), antiga Rodovia BR 101, pista local da Rodovia PE 60, Rua Francisco Gomes de Farias, Rua João Marinho Espíndola, Rua Reginaldo Pereira Fonseca.

5º 183 – PONTE DOS CARVALHOS/TI CAJUEIRO SECO

Nova linha alimentadora.Tarifa Anel A (R$ 2,25)Alterações:· Diminuiu a Tarifa de B (R$ 3,45) para A (R$ 2,25);· Mudou a nomenclatura 183 – Ponte dos Carvalhos para 183 – Ponte dos Carvalhos/TI Cajueiro Seco;· Atende aos usuários da linha 150 – Ponte dos Carvalhos/Prazeres, que Será desativada;· Mudou o itinerário: deixa de ir para o Centro do Recife.Itinerário:Ponte dos Carvalhos/TI Cajueiro Seco: Antiga Rodovia BR 101 Sul, Rua Tabelião João J. Alves, Av. Diomédes Ferreira, Rua Quatorze, Rua Diácono Abdias Valério de Oliveira, Antiga Rodovia BR 101 Sul, Av. Dr. Júlio Maranhão, 6ª Travessa Dr. Júlio Maranhão, Av. Dr. Gonzaga Maranhão, TI Cajueiro Seco.TI Cajueiro Seco/Ponte dos Carvalhos: Rua. Dr. Luiz Regueira, Rua Dr. Fábio Maranhão, Av. Dr. Julio Maranhão (retorno), antiga Rodovia BR 101, Rua Tabelião João J. Alves, Av. Diomédes Ferreira, Av. Quatorze, Rua Diácono Abdias Valério de Oliveira, Antiga Rodovia BR 101 Sul.

6º 139 – TI CABO/ TI CAJUEIRO SECO

Tarifa Anel B (R$ 3,45)Alterações· Mudou a nomenclatura de 139 – Cabo/Aeroporto para 139 – TI Cabo/TI Cajueiro Seco;· Mudou o itinerário: deixa de atender ao Aeroporto.Itinerário:TI Cabo/TI Cajueiro Seco: Rua Manoel Estevão, Rua Hist. Pereira da Costa, Rua Armando José Sales, Antiga BR 101 Sul, Av. Dr. Júlio Maranhão, 6ª Travessa Dr. Júlio Maranhão, Av. Dr. Gonzaga Maranhão, TI Cajueiro Seco.TI Cajueiro Seco/TI Cabo: Rua. Dr. Luiz Regueira, Rua Dr. Fábio Maranhão, Av. Dr. Júlio Maranhão (retorno), antiga Rodovia BR 101 Sul, Rua Júlio Silveira, Rua Hist. Pereira da Costa, Rua Teixeira de Sá, Rua Queiroz da Silva, Rua Manoel Estevão, TI Cabo.

7º 216 – TI BARRO/TI CAJUEIRO SECO

Tarifa Anel A (R$2,25)Alterações· Mudou a nomenclatura de 216-Barro/Prazeres (BR-101) para 216-TI Barro/TI Cajueiro Seco;· Mudou o itinerário: deixa de atender ao bairro de Prazeres.Itinerário:TI Barro/TI Cajueiro Seco – TI Barro, alça de acesso à BR-101, Rodovia BR-101, Av. Dr. Júlio Maranhão, 6ª Travessa Dr. Júlio Maranhão, Av. Dr. Gonzaga Maranhão, TI Cajueiro Seco.TI Cajueiro Seco/TI Barro – Rua Dr. Luiz Regueira, Rua Dr. Fábio Maranhão, Av. Dr. Julio Maranhão (retorno), antiga Rodovia BR 101 Sul, alça de acesso ao TI Barro, TI Barro.

8º 140-TI CAJUEIRO SECO/SHOPPING RECIFE

Tarifa Anel A (R$2,25)· Faz atendimento aos usuários que desejam se deslocar ao Shopping Recife.Itinerário:TI Cajueiro Seco/Shopping Recife – Rua Dr. Luiz Regueira, Rua Dr. Fábio Maranhão, Av. Dr. Júlio Maranhão, Estrada da Batalha, Av. Mascarenhas de Morais, Rua 10 de Julho, Av. Mal. Juarez Távora, Av. Des. José Neves, Av. Dom João VI, Av. Antônio Torres Galvão (retorno no pontilhão).Shopping Recife/TI Cajueiro Seco – Av. Dom João VI, Av. Des. José Neves, Av. Mal. Juarez Távora, Rua Barão Souza Leão, Viaduto do Aeroporto (Norte), Av. Mascarenhas de Morais, Estrada da Batalha, Av. Dr. Julio Maranhão (retorno), 6ªTravessa Dr.Júlio Maranhão, Rua Dr. Gonzaga Maranhão, TI Cajueiro Seco.

9º 166 – TI CAJUEIRO SECO/AFOGADOS

Tarifa Anel A (R$2,25)Alterações· Mudou a nomenclatura de 166-Cajueiro Seco/Afogados para 166-TI Cajueiro Seco/ Afogados;· Mudou o itinerário passando a iniciar as viagens no TI Cajueiro Seco e deixou de atender um trecho do bairro de Cajueiro Seco (que será atendido pela nova linha 163-TI Cajueiro Seco (Circular). Passou a atender o IMIP;· As viagens (saindo do TI) das 4h às 5h – enquanto o metrô não está operando fazem ponto de retorno no Terminal de Passageiros de Santa Rita.ItinerárioSubúrbio/Cidade – TI Cajueiro Seco, Av. Dr. Júlio Maranhão, Estrada da Batalha, Av. Mascarenhas de Morais, Av. Sul, Travessa Padre Azevedo, Rua dos Coelhos (IMIP), Rua da Aurora, Ponte Duarte Coelho, Rua do Sol, Rua Floriano Peixoto.Cidade/Subúrbio – Av. Sul, Largo da Paz, Av. Mascarenhas de Morais, Estrada da Batalha, Av. Dr. Júlio Maranhão (retorno), TI Cajueiro Seco.

10º 162- MURIBECA/ CAJUEIRO SECO

Tarifa Anel A (R$2,25)Alterações:· Diminuiu a tarifa de “B” (R$ 3,45) para “A” (2,25);· Mudou a nomenclatura de 162-Muribeca para 162-Muribeca/TI Cajueiro Seco;· Mudou o itinerário: continua o itinerário até a Av. Barreto de Menezes e muda a partir dessa via deixando de ir para o Centro do Recife.ItinerárioMuribeca/TI Cajueiro Seco – Rua 3, Rua 16, Rua 2, Rua 15, Rua 1, Estrada da Muribeca, Rodovia BR-101 (retorno), Av. Barreto de Menezes, Av. Dr. Júlio Maranhão (retorno), 6ªTravessa Dr.Júlio Maranhão, TI Cajueiro Seco.TI Cajueiro Seco/ Muribeca – TI Cajueiro Seco, Rua Fábio Maranhão, Av. Dr. Julio Maranhão, Av. Barreto de Menezes, Rodovia BR-101 (retorno), Estrada da Muribeca, Rua 1, Rua 15, Rua 3.

11º 164 – CONJUNTO MARCOS FREIRE/TI CAJUEIRO SECO

Tarifa Anel A (R$2,25)Alterações:· Diminuiu a tarifa de “B” (R$ 3,45) para “A” (2,25)· Mudou a nomenclatura de 164 – Conj. Marcos Freire, para 164 – Conj. Marcos Freire/TI Cajueiro Seco· Mudou o itinerário: deixa de ir para o Centro do RecifeItinerário:Conj. Marcos Freire/TI Cajueiro Seco: Quadra 59, Av. João Fernandes Vieira, Av. Marcos Freire, Estrada da Muribeca, Rod. BR 101, Av. Dr. Júlio Maranhão (retorno), Av. Dr. Gonzaga Maranhão, TI Cajueiro Seco.TI Cajueiro Seco/Conj.Marcos Freire: Rua Dr. Luiz Regueira, Rua Fábio Maranhão, Rua Dr. Júlio Maranhão (retorno), Rod. BR 101, Estrada da Muribeca, Av. Marcos Freire, Av. João Fernandes Vieira, Quadra 59.

 12º 165 – MURIBECA DOS GUARARAPES/ TI CAJUEIRO SECO

Tarifa Anel A (R$2,25)Alterações:· Diminuiu a tarifa de “B” (R$ 3,45) para “A” (2,25)· Mudou a nomenclatura de 165 Muribeca dos Guararapes para 165 – Muribeca dos Guararapes/TI Cajueiro Seco· Mudou o itinerário: Continua antigo itinerário até Av. Barreto de Menezes. Muda a partir desta via, deixando de ir para o centro do Recife (pega a Av. Dr. Júlio Maranhão, faz o retorno na Coca Cola e faz ponto de retorno no TI Cajueiro Seco)Itinerário:Muribeca dos Guararapes/TI Cajueiro Seco: v. Dr. Julio Maranhão (retorno na Coca Cola), 6ª Travessa Dr. Júlio Maranhão, Av. Dr. Gonzaga Maranhão, TI Cajueiro Seco.TI Cajueiro Seco/Muribeca dos Guararapes: Rua Fábio Maranhão, Av. Dr. Júlio Maranhão, Av. Barreto de Menezes, Rod. BR 101 (retorno), Estrada da Muribeca, Rua da Matriz, Rua Antônio Pereira de Oliveira, Rua Nilton Carneiro Filho.

13º 171 – INTEGRAÇÃO MURIBECA/TI CAJUEIRO SECO

Tarifa Anel A (R$2,25)Observação: Faz o atendimento a comunidade de Pontal dos Prazeres em toda as viagens.Itinerário:Integração Muribeca/Cajueiro Seco: Rua Rio Moxotó, Av. Rio Jaboatão, Av. do Contorno, Estrada do Eixo de Integração, Rua Machados, Rua Jaboatão dos Guararapes, Rua Afrânio (retorno), Rua Jaboatão dos Guararapes, Rua Machados, Estrada do eixo de Integração, BR 101 (retorno), Av. Barreto de Menezes, Av. Dr. Júlio Maranhão, 6ª Travessa Dr. Julio Maranhão, Av. Dr. Gonzaga Maranhão, TI Cajueiro Seco.TI Cajueiro Seco/Integração Muribeca: Rua Dr. Luiz Regueira, Rua Fábio Maranhão, Rua Dr; Gonzaga Maranhão, Av. Barreto de Menezes, Rod. BR 101 (retorno), Estrada do Eixo de Integração, Rua Machados, Rua Jaboatão dos Guararapes, Rua Afrânio (retorno), Rua Jaboatão dos Guararapes, Rua Machados, Estrada do Eixo de integração, Av. do Contorno, Av. Rio Jaboatão, Rua Rio Moxotó (ponto de retorno

Fonte: Secretaria das Cidades
*******
Fonte:http://blogs.diariodepernambuco.com.br/mobilidadeurbana/2013/01/linhas-e-itinerarios-do-terminal-de-cajueiro-seco/

Lula deixa Folha e O Globo “surpresos” e a fazer palhaçadas

19.01.2013
Do Blog Palavra Livre, 17.01.13
Por Davis Sena Filho


Eu não sei o que se passa com a imprensa brasileira de direita e de negócios privados. Estranho mesmo. Os jornalões  O Globo e Folha de S. Paulo ficaram literalmente “surpresos” com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em reunião esta semana com o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad e seu secretariado. Realmente, os tons das críticas foram dramáticos, e, irremediavelmente, irônicos. É a verdadeira palhaçada.
Lula recebeu a faixa e os barões da imprensa o odiaram ainda mais.
Os editores de tais jornais conservadores, que lideram há dez anos, no lugar do PSDB, a oposição política aos governos trabalhistas, ficaram primeiramente assoberbados, para logo se sentirem inconformados com a visita do maior líder político do Brasil, filiado ao PT e que visitou um prefeito eleito pelo mesmo partido, com o apoio do ex-mandatário brasileiro. Incrível, não? Nunca vi tanta desfaçatez e incongruência.
Lula foi decisivo na eleição que elegeu Haddad, bem como na que elegeu Dilma Rousseff presidenta do Brasil, política também filiada ao PT. Mesmo assim, de forma insensata e intolerante, os jornalões porta-vozes da direita brasileira e estrangeira se dão o direito e ao luxo de ficarem absolutamente boquiabertos, quiçá, estupefatos, com a presença de Lula em reuniões com autoridades que integram o mesmo partido e que foram, além de tudo, ministros do Governo do político trabalhista.
No dia 25, Lula vai se encontrar com a presidenta Dilma Rousseff, e vai falar de política, de programa de governo, de projetos e também de estratégias para enfrentar uma direita hidrofóbica, mas derrotada; intolerante, mas fracassada; escandalosa, mas mentirosa; preconceituosa, mas dissimulada; e golpista, pois violenta como demonstrou no passado e a agora se comporta como tal no presente.
Marinho e Figueiredo: parceria midiática com a ditadura que matou e torturou.
Ao prefeito paulistano, Fernando Haddad, Lula pediu por uma administração democrática, "a maior proximidade possível da gestão municipal com a população". Solicitou ainda atenção com os pobres, em especial com os moradores de rua. Além disso, o líder trabalhista pediu ao prefeito a elaboração de projetos que viabilizem maiores aportes orçamentários para que São Paulo tenha recursos como ocorreu com o Rio de Janeiro, que hoje vivencia um ciclo financeiro, econômico e social formidável.
O Rio de Janeiro, Estado da Federação abandonado por mais de três décadas pelos sucessivos presidentes da República, que foi ao fundo do poço e se tornou o alvo preferencial da imprensa de mercado. O Rio cuja capital é a cidade mais internacional do Brasil e que foi incessantemente e sistematicamente injuriado e caluniado pelo sistema midiático paulista e pela carioca Organizações(?) Globo, que sempre tiveram seus interesses políticos e econômicos no Estado de São Paulo e que há quase 20 anos apoiam, indubitavelmente, o PSDB dos tucanos e seus aliados. Lula mudou esse terrível panorama. O povo carioca sabe disso; e a Globo, para seu desgosto, também.
Para quem quiser saber, o ex-presidente Lula vai se encontrar com a presidenta Dilma para conversar sobre assuntos de estado e de governo. Lula, tal qual a Getúlio Vargas, mesmo fora do poder, ou seja, sem mandato, tem prestígio político e o respeito da maioria da população brasileira. A resumir: Lula não é o FHC e muito menos o FHC – o Neoliberal – é o Lula. Por quê? Porque Lula tem voto e influência, tanto em âmbito interno quanto externo. O  O Globo e a Folha sabem disso, como sabiam os pais dos atuais proprietários desses jornalões no que diz respeito a Getúlio Vargas. Ponto.
Desde a revolução cartola de 1932,  os Frias (Folha) apostam em golpes.
O ex-mandatário petista tem tanto prestígio que vai levar a Dilma Rousseff as reivindicações e as reclamações de setores importantes e poderosos do empresariado e dos bancos, que procuraram o ex-presidente Lula para que ele fizesse uma ponte e com isso os empresários pudessem ser ouvidos com maior atenção pela presidenta Dilma. A esses fatos se dão os nomes de prestígio e influência, realidades que os candidatos a qualquer coisa dos barões da imprensa não têm.
Lula nunca se importou com tal baronato, que compõe o setor mais atrasado do empresariado e que ainda sonha com a Política do Café com Leite ou até mesmo com a volta da escravidão. A imprensa comercial e privada é golpista e se aproveita de qualquer subterfúgio para pôr os “seus” (tucanos) no poder ou qualquer aventureiro político que o valha, como, por exemplo, o Luciano Huck. Lula vai à Dilma e ao Haddad, porque é assim que se faz política. É isso aí.

******
Fonte:http://davissenafilho.blogspot.com.br/2013/01/lula-deixa-folha-e-o-globo-surpresos-e.html

O suicídio da imprensa brasileira

19.01.2013
Do BLOG DO EMIR, 09.01.13
Por EMIR SADER

A imprensa brasileira está sob risco de desaparição e, de imediato, da sua redução à intranscendência, como caminho para sua desaparição.


Mas, ao contrário do que ela costuma afirmar, os riscos não vem de fora – de governos “autoritários” e/ou da concorrência da internet. Este segundo aspecto concorre para sua decadência, mas a razão fundamental é o desprestígio da imprensa, pelos caminhos que ela foi tomando nas ultimas décadas.

No caso do Brasil, depois de ter pregado o golpe militar e apoiado a ditadura, a imprensa desembocou na campanha por Collor e no apoio a seu governo, até que foi levada a aderir ao movimento popular de sua derrubada.

O partido da imprensa – como ela mesma se definiu na boca de uma executiva da FSP – encontrou em FHC o dirigente politico que casava com os valores da mídia: supostamente preparado pela sua formação – reforçando a ideia de que o governo deve ser exercido pela elite -, assumiu no Brasil o programa neoliberal que já se propagava na América Latina e no mundo.

Venderam esse pacote importado, da centralidade do mercado, como a “modernização”, contra o supostamente superado papel do Estado. Era a chegada por aqui do “modo de vida norteamericano”, que nos chegaria sob os efeitos do “choque de capitalismo”, que o país necessitaria.

O governo FHC, que viria para instaurar uma nova era no país, fracassou e foi derrotado, sem pena, nem glória, abrindo caminho para o que a velha imprensa mais temia: um governo popular, dirigido por um ex-líder sindical, em nome da esquerda.

A partir desse momento se produziu o desencontro mais profundo entre a velha imprensa e o país real. Tiveram esperança no fracasso do Lula, via suposta incapacidade para governar, se lançaram a um ataque frontal em 2005, quando viram que o governo se afirmava, e finalmente tiveram que se render ao sucesso de Lula, sua reeleição, a eleição de Dilma e, resignadamente, aceitar a reeleição desta.

Ao invés de tentar entender as razoes desse novo fenômeno, que mudou a face social do pais, o rejeitou, primeiro como se fosse falso, depois como se se assentasse na ação indevida e corruptora do Estado. A velha mídia se associou diretamente com o bloco tucano-demista até que, se dando conta, angustiada, da fragilidade desse bloco, assumiu diretamente o papel de partido opositor, de que aqueles partidos passaram a ser agregados.

A velha mídia brasileira passou a trilhar o caminho do seu suicídio. Decidiu não apenas não entender as transformações que o Brasil passou a viver, como se opor a elas de maneira frontal, movida por um instinto de classe que a identificou com o de mais retrogrado o pais tem: racismo, discriminação, calunia, elitismo.

Não há mais nenhuma diferença entre as posições da mídia – a mesma nos principais órgãos – e os partidos opositores. A mídia fez campanha aberta para os candidatos à presidência do bloco tucano-demista e faz oposição cerrada, cotidiana, sistemática, aos governos do Lula e da Dilma.

Tem sido a condutora das campanhas de denúncia de supostos casos de corrupção, tem como pauta diária a suposta ineficiência do Estado – como os dois eixos da campanha partidária da mídia.

Certamente a internet é um fator que acelera a crise terminal da velha mídia. Sua lentidão, o fato de que os jovens não leem mais a imprensa escrita, favorece essa decadência.

Mas a razão principal é o suicídio politico da velha mídia, tornando-se a liderança opositora no pais, editorializando suas publicações do começo ao final, sendo totalmente antidemocráticas na falta de pluralismo sequer nas paginas de opinião, assumindo um tom golpista histórico na direita brasileira.

Caminha assim inexoravelmente para sua intranscendência definitiva. Faz campanha, em coro, contra o governo da Dilma e contra o Lula, mas estes tem apoio próximo aos 80%, enquanto irrisórias cifras expressam os setores que assimilam as posições da mídia.

Uma pena, porque a imprensa chegou a ter, em certos momentos, papel democrático, com certo grau de pluralidade na história do pais. Agora, reduzida a um simulacro de “imprensa livre”, ancorada no monopólio de algumas famílias decadentes, caminha para seu final como imprensa, sob o impacto da falta de credibilidade total. Uma morte anunciada e merecida.
*******
Fonte:http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=1&post_id=1169

No Mali, não há uma guerra do bem contra o mal


19.01.2013
Do portal da Revista Carta Maior
Por Owen Jones*, do The Independent

Não aceitem a narrativa frequentemente empurrada pela mídia ocidental sobre o Mali, que estereotipa aquilo que se considera o mal assim como faz com a brutal guerra civil imposta na Síria. No Mali, até há pouco o governo nacional perseguia e matava os islâmicos que agora se voltam contra ele. Além disso, muitos dos revoltosos são os tuaregues expulsos da Líbia pós-Kaddafi. A análise é de Owen Jones, do jornal ‘The Independent’

Sem qualquer controle, sem debate, sem votação parlamentar, sem nenhuma sutileza. A Grã-Bretanha está agora envolvida em mais um conflito militar em um país muçulmano, fiquem sabendo. Aeronaves britânicas estão voando rumo ao Mali, enquanto a França bombardeia o país, argumentando que a milícia islâmica malinesa poderia criar um “estado terrorista” que ameaçaria a Europa. A Anistia Internacional e especialistas da África Ocidental alertam para o potencial desastre da intervenção militar estrangeira, mas as bombas “chovendo” nas cidades malinesas de Konna, Léré e Douentza sugerem que eles foram definitivamente ignorados.

A agonia no Mali surgiu apenas atualmente em nossas manchetes, mas as raízes são antigas. Como as outras potências coloniais ocidentais que invadiram e conquistaram a África a partir do século 19, a França usou táticas de dividir para reinar no Mali, levando a amargura entrincheirada entre os povos nômades Tuaregues – a base da revolta atual – e outras comunidades do Mali.

Para alguns ocidentais, este é um passado distante que deve ser ignorado, não remexido, e certamente não será usado para impedir nobres intervenções, mas as consequências ainda são sentidas diariamente. Inicialmente, o ministro de Relações Exteriores francês, Laurent Fabius, sugeriu que o legado colonial descartaria uma intervenção liderada pela França, mas pode se dizer que o envolvimento direto francês ocorreu de forma muito mais rápida do que o esperado.

É que esta intervenção é, na verdade, consequência de outra. A guerra da Líbia é frequentemente apontada como uma história de sucesso para o intervencionismo liberal. No entanto, a queda da ditadura de Muammar Kaddafi teve consequências que os serviços de inteligência ocidentais provavelmente nunca sequer se preocuparam em imaginar. Tuaregues – que tradicionalmente vieram do norte do Mali – compunham grande parte do exército de Kaddafi. Quando o ditador foi expulso do poder, eles voltaram para sua terra natal: às vezes à força. Do mesmo modo, negros africanos foram atacados no pós-Kaddafi na Líbia, um fato incômodo amplamente ignorado pela mídia ocidental.

Inundados com armas da Líbia em tumulto, tuaregues viram uma abertura para seu sonho de longa data rumo à autodeterminação nacional. Com a propagação de uma rebelião, o democraticamente eleito presidente malinês Amadou Toumani Touré foi deposto em um golpe militar e o exército manteve a sua dominação – apesar de permitir que um governo civil lidere a transição para tomar o poder.

Pode não haver certamente simpatia pela milícia agora em luta contra o governo do Mali. Originalmente, eram os nacionalistas seculares do Movimento Nacional para a Libertação de Azawad que lideravam a revolta, mas eles já foram deixados de lado por jihadistas islâmicos com uma velocidade que chocou os analistas estrangeiros. Em vez de alcançar a independência tuaregue, eles têm ambições muito mais amplas, ligando-se a grupos semelhantes do norte do Nigéria. A Anistia Internacional relata atrocidades horrendas: amputações, violência sexual, o uso de crianças-soldado, e desenfreadas execuções extrajudiciais.

Mas não caiam em uma narrativa tão frequentemente empurrada pela mídia ocidental, que estereotipa aquilo que se considera o mal, assim como temos visto a brutal guerra civil imposta na Síria. A Anistia relata brutalidades por parte das forças do governo de Mali, também. Quando o conflito originalmente explodiu, tuaregues foram presos, torturados, bombardeados e mortos pelas forças de segurança, “aparentemente, apenas por motivos étnicos", diz a Anistia. Em julho passado, 80 presos detidos pelo exército foram despojados de suas roupas íntimas, encarcerados em uma cela de 5m², cigarros foram queimados em seus corpos, e eles foram obrigados a sodomizar um ao outro. Já em setembro de 2012, 16 pregadores muçulmanos pertencentes ao grupo Dawa foram presos em um posto de controle e sumariamente executados pelo exército. Estes são atos cometidos por aqueles que agora são nossos aliados.

Quando o Conselho de Segurança da ONU, por unanimidade, abriu o caminho para a força militar ser usada, especialistas fizeram avisos claros e que ainda devem ser ouvidos. O International Crisis Group pediu foco em uma solução diplomática para restaurar a estabilidade, argumentando que a intervenção poderia exacerbar um conflito étnico crescente. A Anistia advertiu que "uma intervenção armada internacional pode aumentar a escala de violações dos direitos humanos que já estamos vendo neste conflito". Paul Rogers, professor de estudos de paz na Bradford University argumentou que as guerras passadas mostram que "uma vez iniciadas, elas podem tomar direções alarmantes, ter resultados muito destrutivos, e muitas vezes aumentar os próprios movimentos que se destinam a combater".

É concebível que esta intervenção pode – por um tempo – atingir seus objetivos de empurrar as milícias islâmicas e reforçar o governo do Mali. Mas a guerra da Líbia foi vista como um sucesso, também, e aqui estamos agora, envolvidos com a seu efeito bumerangue catastrófico. No Afeganistão, as forças ocidentais permanecem engajadas em uma guerra sem fim, que já ajudaram a desestabilizar o Paquistão, levando a ataques que mataram centenas de civis e desencadeando mais caos. O preço das intervenções ocidentais pode muitas vezes ser ignorado pelos nossos meios de comunicação, mas ainda é pago.

A intervenção ocidental liderada pela França, apoiada pela Grã-Bretanha e com possíveis ataques dos norte-americanos, sem dúvida, estimula a narrativa promovida pelos grupos radicais islâmicos. Como aponta o professor Rogers, a ação no Mali vai ser retratada como "mais um exemplo de um ataque contra o Islã". Com o alcance rápido e moderno da comunicação, grupos radicais na África Ocidental usarão esta escalada de guerra como prova de outra frente aberta contra os muçulmanos.

É preocupante – para dizer o mínimo – como o primeiro-ministro britânico, James Cameron, conduziu a Grã-Bretanha no conflito do Mali, sem sequer uma pretensão de consulta. As tropas não serão enviadas, nos é dito, mas o termo "planejamento deficiente" existe por uma razão: é uma escalada que certamente poderia provocar maior envolvimento britânico. O Ocidente tem um histórico terrível de alinhar-se com o mais duvidoso dos aliados: o lado que escolheram está longe dos direitos humanos que democratas os democratas amam.

Mas as consequências podem ser mais profundas. Além de espalhar caos pela região, a França já mapeou seus alvos que podem ser atingidos por terroristas, e o mesmo podem acontecer com seus aliados. É uma responsabilidade de todos nós questionar o que nossos governos estão fazendo em nossos nomes. Se não aprendermos com o que ocorreu no Iraque, Afeganistão e Líbia, então não haverá esperança.

* Owen Jones é colunista do jornal britânico The Independent. Siga-o em twitter.com/@owenjones84
*****
Fonte:http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=21514

Marcos Coimbra: Bombardeio de gargalos e decepções

19.01.2013
Do blog VI O MUNDO, 18.01.13


As Oposições e Suas Batalhas

O ano mal começou e a nova batalha das oposições, partidárias e extraparlamentares, já está em pleno andamento. Se a primeira quinzena de janeiro transcorreu assim, imagine-se o restante do ano. É fácil perceber o que as move e aonde pretendem chegar.

A espetacularização do julgamento do “mensalão” foi feita com o único objetivo de desconstruir a imagem do PT no plano moral. O que buscavam era marcar o partido e suas principais lideranças com o estigma da corrupção, a fim de erodir suas bases na sociedade.

Só quem acredita em histórias da carochinha levou a sério a versão de que a imprensa oposicionista tinha o desejo sincero de renovar nossos costumes políticos e promover a “limpeza das instituições”. Seus bons propósitos são tão verdadeiros quanto os de Pedro Malasartes, personagem de nosso folclore famoso pelo cinismo e pela falta de escrúpulos.

Por maiores que tenham sido seus esforços, obtiveram, no entanto, sucesso apenas parcial na empreitada, como vimos quando as urnas da eleição municipal foram abertas. Os resultados nacionais e algumas vitórias, como a de Fernando Haddad, em São Paulo, mostraram que os prejuízos sofridos pelo PT em decorrência do julgamento ficaram aquém do que calculavam.

Essa frustração as levou ao ponto em que estão hoje. De um lado, a insistir no moralismo e na tentativa de transformar o “mensalão” em assunto permanente da agenda nacional. Querem forçar o País a continuar a debatê-lo indefinidamente, como se tivesse a importância de temas como a democracia, o desenvolvimento econômico, o meio ambiente e a educação.

De outro, a diversificar os ataques, assestando as baterias em direção a novos alvos, procurando atingir a imagem administrativa da presidenta e do governo Dilma. Por extensão, de todo o PT. Não chega a ser um projeto original.

Nas disputas políticas, nenhuma novidade há em acusar os adversários, simultaneamente, de corrupção e incompetência. Em dizer que, além de se apropriar de recursos públicos, não sabem governar, e que não há, portanto, qualquer razão para apoiá-los, nem sequer o argumento do “rouba, mas faz”.

Neste início de ano, o discurso das oposições, em especial da armada midiática, é afirmar que o PT rouba e não faz.

Atravessamos os primeiros 15 dias de 2013 como se vivêssemos uma crise gravíssima e difusa, como se o Brasil estivesse na iminência da paralisia total.

Quem acompanhou o noticiário só ouviu falar em problemas, gargalos e decepções. É o inverso do que ela costuma fazer em janeiro, quando a maioria de seus leitores está de férias e pensa em outras coisas. Em vez das habituais reportagens amenas sobre a musa do verão e os preparativos para o carnaval, tudo o que publicam tem um tom catastrófico.

Os mais radicais não escondem a satisfação com o fraco desempenho do PIB em 2012 e os problemas de abastecimento elétrico em diversas regiões.

Ficaram algo tristes com as modestas tragédias naturais do começo do ano. Por enquanto, o que lhes resta é torcer por calamidades espetaculares.

“Pibinho”, crise de gestão, apagão, desindustrialização, inflação, desemprego, falta de ar refrigerado no Santos Dumont, a disparada no preço do tomate, tudo vai mal no Brasil, segundo a mídia oposicionista. Por culpa de Lula, que “não soube aproveitar a sorte” e “desperdiçou a herança de FHC”, e de Dilma que é “centralizadora”, “estatista” e “antiquada”.

Batem em tudo que veem e, se não veem, inventam. Nos últimos dias, até o Bolsa Família entrou na linha de mira dos “grandes jornais”. Sem falar na raiva contra Hugo Chávez, a quem parecem detestar somente por ser amigo de petistas – visto que nunca dedicaram aversão igual aos govenantes de direita do continente.

São como os lutadores de boxe que não possuem em seu repoertório um soco capaz de nocautear o adversário. Lembram os enfezados pesos-moscas orientais, que brigam desferindo a esmo diretos, cruzados, jabs e uppercuts – além de, vez por outra, golpes baixos. Funciona? Até agora, pode-se dizer que não.

Apesar do coro negativista, as pessoas comuns continuam satisfeitas com o País e o governo, e esperançosas em relação ao futuro. Em recente pesquisa da Vox Populi, 68% dos entrevistados disseram esperar que a situação de suas famílias venha a melhorar nos próximos 6 meses, contra 2% que temem que piore. E o mais provável é que os otimistas tenham razão.

Esta semana, outro patético esforço de mobilizar os “indignados” conseguiu colocar dez cidadãos na Avenida Paulista. Portavam cartazes pedindo “Basta!”. Ficaram falando sozinhos.

Uma coisa é conseguir a adesão de meia dúzia de ministros do Supremo, a maioria já alinhada com a oposição. Outra é encher as ruas. Isso, ela nunca soube fazer.

E não consegue aprender.

Veja também:


*****
Fonte:http://www.viomundo.com.br/politica/marcos-coimbra-bombardeio-de-gargalos-e-decepcoes.html