sábado, 10 de novembro de 2012

JORNALISTA REACIONÁRIO ODEIA JOAQUIM BARBOSA: Reinaldo Azevedo elogiando Joaquim Barbosa? Nunca!

10.11.2012
Do blog ESQUERDOPATA, 08.11.12

******

Ariano defende Lula: “Ele não sabia do mensalão”


10.11.2012
Do BLOG DA FOLHA, 09.11.12
Publicado por Tatiane Accioly

Escritor diz ter certeza de que o ex-presidente não tinha conhecimento do esquema
 (Foto: Divulgação)

“Eu tenho certeza de que Lula não sabia de nada.” A defesa do ex-presidente foi feita pelo escritor Ariano Suassuna na abertura da Flupp (Feira Literária Internacional das Unidades de Polícia Pacificadora) na noite de quarta-feira (7) no Morro dos Prazeres, no Rio de Janeiro.

“Getúlio Vargas deu um tiro no peito quando descobriu que estava cercado de corruptos”, afirmou o escritor. “Fui secretário de Cultura de Miguel Arraes e de Eduardo Campos. Era um ovinho desse tamanho. No fim do meu mandato, descobri que tinha uma mulher lá que vendia vale- refeição. Eu fiz o que Lula fez: puni e demiti. Eu não sabia.”

Suassuna, autor de “Auto da Compadecida”, disse estar preocupado com o movimento de descrédito da política nos dias de hoje. “Há hoje um estado de espírito em que a pessoa tem vergonha de dizer que é político. Não é assim não. A política bem entendida é uma das coisas mais importantes. Não sou político; sou um escritor que tem preocupação política, porque sei da importância da política”, afirmou.
****

AGÊNCIA BRASIL: Governo vai investir R$ 1,8 bi em municípios do Semiárido afetados pela seca

10.11.2012
Do portal da AGÊNCIA BRASIL, 09.11.12
PorLuana Lourenço
Repórter da Agência Brasil


Brasília - O governo vai investir R$ 1,8 bilhão na construção e ampliação de barragens, adutoras, sistemas de abastecimento e em outras obras para aumentar a oferta de água no Nordeste e no norte de Minas Gerais, regiões sujeitas a estiagem frequente. O anúncio foi feito hoje (9) pela  presidenta Dilma Rousseff durante encontro com governadores na 16ª reunião ordinária do Conselho Deliberativo da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), em Salvador.

Os recursos irão financiar 77 projetos em municípios do Semiárido que tiveram decreto de situação de emergência por causa da seca reconhecido pela Secretaria Nacional de Defesa Civil. As obras serão indicadas pelos governos estaduais e terão prazo de um ano e meio para conclusão da primeira etapa.
A maior parte do dinheiro, cerca de R$ 1 bilhão, será repassada pelo Ministério da Integração Nacional para 33 obras. Do orçamento do Ministério das Cidades sairão R$ 656,2 milhões, a serem investidos em 22 projetos. Mais 22 empreendimentos serão financiados com R$ 108 milhões da Fundação Nacional de Saúde (Funasa).
Os recursos de R$ 1,8 bilhão de investimentos que foram detalhados hoje fazem parte de um pacote de R$ 3 bilhões para obras de prevenção contra a estiagem, segundo o Ministério da Integração.
O estado que vai receber mais investimentos na primeira fase é a Bahia, com R$ 454,9 milhões de repasses para sete projetos. Em seguida está o Piauí, que vai receber R$ 307,5 milhões para quatro obras. Pernambuco aparece na sequencia e deve receber R$ 242 milhões para investimentos em 14 projetos.
Mais cedo, ao inaugurar a Adutora do Algodão, na região de Guanambi, também na Bahia, a presidenta disse que a meta do governo é garantir o abastecimento de água das regiões que sofrem com a seca. Dilma ressaltou que é impossível controlar a chuva e a seca, mas é possível assegurar instrumentos que melhorem a vida da população nos períodos de estiagem.

“Chegou a hora de resolver o problema da água de forma a garantir que as mulheres, os homens e as crianças possam tomar café e tomar um banho”, disse a presidenta, em cerimônia em Malhada, na Bahia, ao lado do governador do estado, Jaques Wagner, de ministros, parlamentares e prefeitos de municípios da região. “É uma coisa horrível não poder dar uma água limpa para um filho ou filha”, disse.
Edição: Davi Oliveira

*****

Após jantar com Dilma, Eduardo critica "fofoqueiros" do PT e do PSB


10.11.2012
Do BLOG DE JAMILDO, 09.11.12
Postado por Vinícius Sobreira 

(Foto: reprodução)

O governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, disparou críticas contra supostos membros do seu partido e do PT, após jantar com a presidente da República, Dilma Rousseff (PT). Para Eduardo, um grupo de "fofoqueiros" estaria tentando de tudo para criar intriga entre ele e Dilma.

Em discurso ensaiado com Dilma, Eduardo disse que "eles não vão conseguir" levar a petista e ele a um rompimento político. A presidenta, por sua vez, afirmou que "ninguém conseguirá afastá-los" e que ambos têm um projeto político de trabalhar pelo país.


O governador de Pernambuco afirmou ainda que correligionários das duas legendas estariam fazendo chegar a Dilma e ao ex-presidente Lula informações falsas, induzindo a dupla petista a pensar que Eduardo estaria plantando as sementes de uma candidatura presidencial em 2014. 

"Essas pessoas trabalham para tirar o PSB da base do governo", afirmou Eduardo, que foi acompanhado por Dilma. "Nós não vamos deixar que intrigas nos atrapalhem. Vamos fazer uma linha direta de comunicação entre nós", disse a presidenta, que iniciou a conversa com o governador de Pernambuco dizendo que a campanha eleitoral terminou e que o momento é de olhar para o futuro.

Numa tentativa de apaziguar os ânimos entre as duas siglas, Eduardo Campos afirmou que, embora fiquem falando que o PSB atropelou o PT nas eleições de outubro, nada disso ocorreu.

Ele apresentou alguns números à presidente. No fim das contas, para colocar uma pedra no discurso dos que o acusam de ter traído Lula, Eduardo disse que o PSB apoiou mais o PT do que o PT o PSB. Alegou, porém, que não estava fazendo nenhuma cobrança. "Isso faz parte. 

O PT tem a política de alianças dele e nós temos a nossa". A presidente, segundo narrativa de um dos presentes, concordou.

Do jantar participaram também a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais), o presidente nacional do PT, Rui Falcão, e o vice-presidente do PSB, Roberto Amaral.
*****

A PGR DEVE EXPLICAÇÕES


11.11.2012
Do portal BRASIL247,10.11.2012
Por LEONARDO ATTUCH

Seis anos atrás, Valério entregou 79 políticos do mensalão mineiro. E nada foi feito
Corria o ano de 2006, quando o advogado Marcelo Leonardo, defensor de Marcos Valério, entregou ao então procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, uma lista com os nomes de 79 políticos mineiros. Mais: disponibilizou ainda recibos e comprovantes de depósitos bancários. O que foi feito disso tudo? Absolutamente nada. Os papéis se perderam em alguma gaveta da instituição.

Segundo revelação feita por Marcelo Leonardo na última semana, o procurador Antonio Fernando considerou que se tratava de crime eleitoral já prescrito. Afinal, os recursos do valerioduto mineiro haviam sido usados na tentativa frustrada de reeleição de Eduardo Azeredo, em 1998. E nenhum dos políticos beneficiados pelo chamado “mensalão tucano” foi denunciado. O mesmo Antonio Fernando, que só viu crime eleitoral no caso mineiro, enxergou compra de votos no similar petista, inclusive em relação a réus já absolvidos, como os ex-deputados Professor Luizinho e Paulo Rocha, do próprio PT. Por quê? Qual o motivo para a diferenciação de critérios? Ou será que a Justiça no Brasil não é cega? Indagado a respeito, Antonio Fernando se mostrou acometido por um surpreendente lapso de memória. Disse apenas que já havia deixado a procuradoria há quatro anos e não mais se recordava da lista entregue pelo advogado de Marcos Valério.

A diferença de tratamento entre os dois casos tem também um símbolo, que é Walfrido dos Mares Guia, justamente o elo entre os “mensalões” do PSDB e do PT. Coordenador da campanha de Azeredo em 1998 e, em 2003, ministro de Lula, ele não será punido. No próximo dia 24, Walfrido completará 70 anos. E, de acordo com a lei brasileira, não poderá mais ser preso. Tudo terá prescrito. Apenas porque o caso de Minas Gerais não despertou, como definiu o ministro Joaquim Barbosa, o mesmo clamor midiático.

No Brasil, definitivamente, pau que bate em Chico não bate em Francisco.
******
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/poder/85032/A-PGR-deve-explica%C3%A7%C3%B5es.htm

A MANIPULAÇÃO DE JOAQUIM BARBOSA, MENTOR DA FALSA TESE DO "MENSALÃO": "Mensalão não existiu", afirma jornalista Raimundo Pereira

10.11.2012
Do FACEBOOK de Ester Neves, 09.11.12



NOTA DE ESCLARECIMENTO INICIAL:

Muita gente engana-se confundindo Banco do Brasil com instituição pública. O Banco do Brasil é uma empresa de economia mista, ou seja, o governo é o maior acionista, mas não é dono. Nem todos os recursos que t
ramitam dentro do BB são recursos públicos. Como, por exemplo, recursos da Visanet. 

Visanet é uma empresa privada – matriz nos EUA – legalmente instalada em nosso país.
A Visanet comercializa cartões de crédito de bandeira VISA e seus associados são diversos bancos que ao aceitarem a condição de associados da Visanet, acatam seu Regulamento/CONTRATO.

O Regulamento/CONTRATO da Visanet é o instrumento jurídico (junto com outros) que desmonta a viga-mestra (=PILAR) da denúncia da PGR/MPF e que o relator Joaquim Barbosa “ignorou”.

Não creio que ignoraram por ignorância...

***********************************
Dê-se a oportunidade de não ser manipulado(a), conhecendo o outro lado da história, para tirar as suas próprias conclusões. Tenho certeza que depois de ver o vídeo e ler o texto do Jornalista Raimundo Pereira, devidamente documentado, você não terá dúvidas de que o trabalho do senhor Joaquim Barbosa foi todo no sentido de atender aos interesses da grande mídia. Uma vergonha!

Veja, a seguir, os links do vídeo e da matéria:

• No vídeo o Jornalista Raimundo Pereira desmascara Joaquim Barbosa:





• Joaquim Barbosa inventou a viga mestra da tese do mensalão. Não houve o desvio de 73,8 milhões de reais do Banco do Brasil. Veja a matéria devidamente comprovada que derruba essa farsa:


*******

Chega de juízes pautados por articulistas de jornal

10.11.2012
Do blog ESQUERDOPATA, 09.11.12
Por Eduardo Oliveira

STF: tudo por um colégio de julgadores sóbrios 


Basta! Chega de juízes votando como se estivessem em palanque eleitoral. Chega de juízes emperucados se elogiando mutuamente como se estivessem nos salões de Luiz XVI. Chega de transmissão ao vivo e a cores para que comportamentos desabridos se extravasem, como a dar carne fresca e sangue a malta esfomeada, deixando-se afogar na empáfia de seus poderes transitórios de uma sessão de julgamento e nas plumas de suas vaidades como num coliseu romano ou teatro de can can.

Chega de arranca-rabos, pitos e esporros, próprios de uma sala de aula de curso maternal. Chega de demonstrações de erudição e de cultura decorada em apartes baseados em citações e provérbios trazidos a priori com o único fito é de aparecer e serem julgados como os salvadores da pátria da moralidade e de primus inter paris do poder constituído.

Chega de juízes pautados por articulistas de jornal e que fazem exatamente o que lhes é mandado fazer pelos gurus midiáticos de plantão, advogados de jornal ou jornalistas do direito.

Tudo por um colégio de julgadores sóbrios que se atenha aos autos e que nos traga segurança, firmeza e isenção em suas decisões, como tínhamos antigamente.

E ao fim e ao cabo poucos se salvam.

******
Fonte:http://esquerdopata.blogspot.com.br/2012/11/chega-de-juizes-pautados-por.html

JUSTIÇA TENDENCIOSA: Pagamento suspeito a testemunha-chave 'deveria' causar reviravolta no mensalão

10.11.2012
Do portal da REDE BRASIL ATUAL, 09.11.12
Por Helena Sthephanowitz, especial para a Rede Brasil Atual

Em agosto último, o blogueiro Reinaldo Azevedo, da revista Veja, pediu para seus leitores espalhar na internet a história de uma "ex-petista", que teria perdido o emprego no Banco do Brasil por se negar a atestar campanha publicitária da DNA Propaganda, e estaria passando dificuldades por isso. O texto era tirado de uma "reportagem" da própria revista.

Tratava-se de Danevita Ferreira de Magalhães, ex-gerente do Núcleo de Mídia do BB. Segundo seu depoimento ao Ministério Público no processo do chamado "mensalão", ela declarou que teria se recusado a assinar documentos atestando a realização de campanhas publicitárias, pois saberia que eram simuladas para desvio de dinheiro; e disse que quem mandava assinar era Henrique Pizzolato, o então diretor de marketing.

Esse depoimento foi peça-chave da denúncia pelo Procurador-Geral da República (pags. 162 a 165), e foi citado como prova para condenação dos réus envolvidos no caso da Visanet por diversos ministros do STF.

Acontece que os doutores Roberto Gurgel e Joaquim Barbosa deixaram passar despercebido nos autos um fato que provoca uma reviravolta nesse testemunho, a ponto de perder a credibilidade.

Está nas páginas de 77 a 83 do relatório da Polícia Federal do inquérito 2474-1/140, sobre o inquérito policial 002/2007-FINIDCORIDOF, conduzido pelo delegado PF Zampronha, solicitado pelo ministro Joaquim Barbosa.

Tal relatório rastreou o caminho do dinheiro do Fundo de Incentivo Visanet para a DNA Propaganda, e para onde foi o dinheiro depois disso. Encontrou oito pagamentos da DNA para a empresa Diretorial Planejamento e Representações Ltda, em 2003 e 2004, no total de R$ 2.297.671,18.

O dono da Diretorial é Domingos Fernando Cavadinha Guimarães Filho, genro do ex-senador Marco Maciel. A empresa é estabelecida em Recife e atuava intermediando anúncios de uma empresa de São Paulo que explorava relógios termômetros instalados nas ruas da capital paulista.

O delegado da PF enxergou nessa intermediação uma espécie de "pedágio" desnecessário. Afinal por que as agências de publicidade que serviam ao Banco do Brasil não negociavam diretamente com a empresa de São Paulo, sem ter que dar a volta passando por Pernambuco? 

Mas o mais revelador vem a seguir. Ao quebrar o sigilo bancário da Diretorial, foi encontrada uma transferência de R$ 25 mil, no dia 10 de março de 2003, para Danevita Ferreira de Magalhães, a testemunha-chave citada acima.

Ou seja, parte do dinheiro que saiu do Fundo Visanet, liberado com a participação de Danevita, acabou caindo na conta dela, após passar pela agência de publicidade, e depois pela empresa do genro do ex-senador pernambucano. Com certeza o depoimento de Danevita usado para fundamentar a Ação Penal 470 (o caso mensalão) fica bastante enfraquecido diante deste fato.

Esse pagamento também desmonta a estória contada pela revista Veja. Na "reportagem" da revista, já dizia que Danevita era funcionária naquele cargo do BB desde 1997, ano em que o Banco do Brasil estava sob comando do governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), cujo vice-presidente era Marco Maciel (PFL, atual DEM).

Logo, parece erro da revista dizer que ela seria petista. E após conhecer o relatório do delegado Zampronha, que evita pré condenar alguém, seria recomendável maior apuração sobre os motivos para aquele pagamento de R$ 25 mil, e sobre o que se passava naquela gerência que ela ocupava, antes de elevar a ex-funcionária à condição de mártir.
*****

ESCÂNDALOS TUCANOS: Será que Quinca Barbosa vai ter coragem de avocar?


10.11.2012
Do blog ESQUERDOPATA, 09.11.12

Joaquim Barbosa já pode avocar processo da "Lista de Furnas"

Comprovação da conexão entre o processo que apura a "Lista de Furnas", em tramitação na TRF/RJ, e o inquérito 3530 muda cenário político

No meio do turbilhão causado pela intenção de Marcos Valério de incluir-se nos benefícios da “delação premiada”, surge um novo fato que deverá aquecer ainda mais o clima político no País, pois o processo que “dormia” há mais de 4 anos na Justiça Federal Carioca deverá, ainda nesta semana, subir para o STF- Supremo Tribunal Federal, após o advogado Dino Miraglia do denunciante Nilton Monteiro ter argüido a conexão entre o inquérito 3530, que apura os crimes praticados por Eduardo Azeredo, Clesio Andrade e Walfrido dos Mares Guia, e o processo da “Lista de Furnas”, já que os crimes envolvem as mesmas partes e um fato é consequência do outro.

O inquérito 3530 apura incêndio criminoso e oito tentativas de homicídios contra familiares do denunciante do esquema, Milton Monteiro, que mesmo sem qualquer julgamento ou condenação permaneceu por meses preso, através de um esquema montado para desacreditá-lo perante a opinião pública. Monteiro foi o autor de denúncias envolvendo as principais lideranças do PSDB mineiro e nacional.

Foi com base nas denúncias e documentos apresentados por Monteiro que se iniciaram as investigações que culminaram com o processo do “Mensalão tucano mineiro” e a “Lista de Furnas”. Procedimentos que deveriam já há muito tempo, segundo juristas, andar juntos, pois ambos ocorreram em período eleitoral com o pretexto de financiar campanhas políticas e foram praticadas pelas mesmas pessoas.
  
Embora a grande imprensa insista em afirmar que Marcos Valério procurou a PGR para denunciar apenas o esquema montado pelo PT, sabe-se que o mesmo, na verdade, pretende evitar o que ocorreu em relação ao processo do Mensalão do PT, onde se propôs a colaborar somente ao final, embora seu advogado Marcelo Leonardo insista na tese que seu cliente foi réu colaborador. Assim como em relação ao Mensalão do PT, Marcos Valério é o pivô do "Mensalão Tucano” e nova condenação seria fatal.A decisão do Ministro Joaquim Barbosa a respeito do pedido de conexão é aguardado para as próximas horas.
  
******

Sindicalismo europeu pede socorro a brasileiros contra retrocessos da crise

10.11.2012
Do portal da REDE BRASIL ATUAL
Por  Raimundo Oliveira, da Rede Brasil Atual

Recessão que assola a Europa desde 2008 baixou os índices de sindicalização para 7% em países como Grécia e Espanha e inverteu jogo de forças mundial no mundo do trabalho 

Sindicalismo europeu pede socorro a brasileiros contra retrocessos da crise
Contrários aos pacotes que impõem ao povo o ônus da crise, trabalhadores europeus têm sido reprimidos com frequência (Foto: Yannis Behrakis. Reuters)
São Paulo – As reviravoltas provocadas pela crise econômica e financeira mundial iniciada em 2008 nos últimos 30 anos provocaram uma situação inusitada para a CUT: criada em 1983, na fase final da ditadura, e em meio às crises econômicas que assolaram o Brasil e os países do então chamado terceiro mundo, a central contou com todo tipo de apoio de sindicatos da Europa em seu difícil começo. Agora, consolidada como a maior central sindical do Brasil e da América Latina e a quinta maior do mundo, a entidade brasileira foi convocada para ajudar as parceiras europeias, que atravessam uma grave ameaça de retrocesso em meio a ataques das classes empresariais e de governos, que têm adotado fórmulas de austeridade que cortam salários na tentativa de reverter o quadro de déficit. 
Segundo o secretário de Relações Internacionais da CUT, João Antonio Felício, por conta da crise econômica que castiga a maior parte dos países europeus, os índices de trabalhadores sindicalizados naquele continente baixaram para minguados 7% em algumas das nações mais afetadas, como Espanha e Grécia, dois dos países que sofrem com as mais altas taxas de desemprego, superando a casa de 50% entre os jovens. 
Exceto pela situação do movimento sindical na Alemanha, aponta Felício, o quadro para os trabalhadores europeus tem se degradado tanto nos últimos anos a ponto de a classe empresarial conseguir brecar a realização de um congresso da Organização Internacional do Trabalho (OIT), órgão das Nações Unidas (ONU), por não concordar com uma lista que denominava quais os países europeus que não respeitam um dos direitos mais básicos do trabalhador: a greve.
“Estamos vivendo uma situação bastante atípica no mundo atualmente em relação ao trabalho e aos trabalhadores. A Europa, que sempre teve uma classe trabalhadora forte, sindicatos e centrais fortes que nos ajudou muito no início da CUT, agora vive uma situação de ataque profundo, O continente tem cerca de 85% de trabalhadores não sindicalizados e nos últimos anos não têm conseguido sequer repor perdas salarias com inflação, por exemplo”, afirma.
No auge do neoliberalismo comandado pela dama de ferro da Inglaterra, a então primeira-ministra Margaret Tchatcher (1979-1990), e Ronald Reagan, presidente dos Estados Unidos entre 1981 e 1989, mesmo com avanços das forças liberais, politicas e econômicas sobre os trabalhadores europeus, os índices de sindicalização e os ataques contra as conquistas históricas não avançaram. “Os ataques contra os trabalhadores têm partido não só por parte das empresários, mas também de governos. É a primeira vez que conseguem impedir um congresso da OIT por não concordar com uma lista que nomeava os países que desrespeitam o direito de greve”, aponta Felício.
Na auge do neoliberalismo, no Brasil e na maior parte dos países da América Latina, os países tentavam se recuperar de duas crises mundiais causadas por choques de escassez de petróleo, muitos recomeçavam frágeis democracias depois de décadas de ditadura e os conflitos entre trabalhadores eram tensos. Na sexta-feira (09) fez 24 anos que três metalúrgicos da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) em Volta Redonda (RJ) foram assassinados com golpes de baioneta nas costas por soldados do Exército. Nos anos 1990, os ataques contra os trabalhadores no Brasil também foram intensos durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.
Agora, porém, a situação se inverteu. Na próxima quarta-feira (14) a CUT e as outras centrais sindicais vão fazer manifestações em frente das embaixadas, consulados e representações diplomáticas da Espanha, Portugal, Grécia e Itália contra os ataques que os companheiros europeus estão enfrentando. Os atos vão acompanhar a greve geral organizada naqueles países. http://www.redebrasilatual.com.br/temas/trabalho/2012/11/sindicalismo-brasileiro-luta-por-mais-direito-de-trabalhadores-europeus

*****

Bomba! Valério entrega líderes tucanos para escapar de processo no STF

10.11.2012
blog TERROR DO NORDESTE, 09.11.12


STF: tudo por um colégio de julgadores sóbrios 

Basta! Chega de juízes votando como se estivessem em palanque eleitoral. Chega de juízes emperucados se elogiando mutuamente como se estivessem nos salões de Luiz XVI. Chega de transmissão ao vivo e a cores para que comportamentos desabridos se extravasem, como a dar carne fresca e sangue a malta esfomeada, deixando-se afogar na empáfia de seus poderes transitórios de uma sessão de julgamento e nas plumas de suas vaidades como num coliseu romano ou teatro de can can.

Chega de arranca-rabos, pitos e esporros, próprios de uma sala de aula de curso maternal. Chega de demonstrações de erudição e de cultura decorada em apartes baseados em citações e provérbios trazidos a priori com o único fito é de aparecer e serem julgados como os salvadores da pátria da moralidade e de primus inter paris do poder constituído.

Chega de juízes pautados por articulistas de jornal e que fazem exatamente o que lhes é mandado fazer pelos gurus midiáticos de plantão, advogados de jornal ou jornalistas do direito.

Tudo por um colégio de julgadores sóbrios que se atenha aos autos e que nos traga segurança, firmeza e isenção em suas decisões, como tínhamos antigamente.

E ao fim e ao cabo poucos se salvam. 

*****