sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Tucano pede voto em italiano: “Grazie”

28.08.2012
Do  BLOG DO MIRO
Por Rodrigo Vianna, no blog Escrevinhador:


Recolhido ao meu lar, depois de mais um dia de dura labuta, apanho a correspondência sobre a mesa: nessa época, além de faturas do banco e contas de telefone e água, chegam muitos envelopes com propaganda eleitoral. Distraído, passo de um envelope a outro, até que me deparo com uma carta curiosa: o candidato a vereador, tucano, tem cara de homem, mas nome de mulher – Andrea.

Ah, esse eu conheço, penso com meus botões. Foto de homem, nome de mulher. Até aí, nada de mais. O que chama mais atenção é o texto da cartinha que está sobre minha mesa. Andrea (na Italia, é nome que pode batizar seres do sexo masculino) pede votos para vereador, apelando para suas raízes… italianas! Ele não disse: “vote em mim, sou nascido e criado na Penha”; ou “eleja um filho dileto da Vila das Belezas”. Não! Vote em mim, porque sou descendente de italianos!

Hehe. Esses tucanos. Depois não sabem porque o povo de fora de São Paulo às vezes pensa que tucanos paulistas são separatistas… Não quero dizer com isso que Andrea seja separatista. Nem tampouco que não goste do Brasil. Não é isso. Mas a carta tem um cheiro de afetação aristocrática.

Vejam o que diz o tal Andrea Matarazzo (orgulhosíssimo, aliás, do sobrenome quatrocentão): “construímos raízes no Brasil, mas nunca abandonamos nossos laços com a Itália”.

Uai, diriam os mineiros, mas é candidato em São Paulo ou Roma?

O mais engraçado é o jeito que Andrea encerra a cartinha: “Grazie, a presto”. Isso mesmo. Em italiano…

Nada tenho contra os imigrantes italianos, é claro. Meu bisavô era italiano. Minha mãe adora a Itália. Tudo bem. Mas pedir votos para brasileiros, usando como grande atributo o orgulho de ser “italiano”!!!

Suponho que o tal Andrea vai ser bem votado. Já vi o nome dele espalhado pela cidade, especialmente em bairros “nobres”. Ok. Mas não deixa de ser simbólico…

FHC, presidente da República, gostava de discursar em francês. Andrea, candidato a vereador, pede votos em italiano. Esses tucanos… 

Grazie, a presto? Não, obrigado. Pra mim, meia mussarela, meia calabresa. Passar bem.

*****

CHACINA NOS ESTADOS UNIDOS - FUNCIONÁRIO DEMITIDO FUZILA 22 EX-COLEGAS DE TRABALHO

28.09.2012
Do 700BONDeblog
4 MORTOS - 4 FERIDOS - SUICÍDIO

Tragédia ocorreu em Mineápolis, no Estado de Minnesota (EUA)

A cultura da violência, a facilidade com que se compra uma arma na esquina, a banalização do valor da vida, traduzida no ato de matar inocentes e dar cabo da própria vida e a "crença" de que tudo - de questões pessoais à relações internacionais - se resolve com "tiros", levou a mais um episódio de crime por fuzilamento em massa nos Estados Unidos.


LEIA + AQUI

http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,atirador-mata-quatro-pessoas-apos-ser-demitido-de-empresa-nos-eua,937069,0.htm

*****
Fonte:http://007bondeblog.blogspot.com.br/2012/09/chacina-nos-estados-unidos-funcionario.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+blogspot/NIKX+(007BONDeblog)

Marco Aurélio questiona se Barbosa tem condição de ser presidente do STF

28.08.2012
Do blog ESQUERDOPATA
Por Falha



Um dia após a sessão mais tensa do mensalão no STF (Supremo Tribunal Federal), o ministro Marco Aurélio Mello aumentou a polêmica e questionou nesta quinta-feira (27) as condições do colega Joaquim Barbosa presidir a Corte futuramente.

Marco Aurélio disse que a condução de Barbosa à presidência, prevista para novembro com a aposentadoria do Carlos Ayres Britto, não é automática. Ele questiona a postura de Barbosa.

"Eu fico muito preocupado diante do que percebo no plenário. Eu sempre repito, o presidente é um coordenador, é um algodão entre cristais, não pode ser metal entre os cristais", disse Marco Aurélio.

Ele disse, no entanto, que não vê que a eleição esteja em risco.

"Vamos aguardar novembro, é muito cedo. E afinal o voto até pela escolha do presidente e do vice do Supremo é um voto secreto. Há cédulas que são distribuídas e realmente nós temos a designação de um escrutinador e a proclamação de um resultado. Não é por aclamação", disse.

******