Pesquisar este blog

sábado, 30 de junho de 2012

GOLPE DE ESTADO NO PARAGUAI: Paraguai é suspenso da Unasul

30.06.2012
Do portal da Agência Brasil, 
Por Carolina Pimentel*

Repórter da Agência Brasil

Brasília – Assim como o Mercosul, a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) também decidiu pela suspensão temporária do Paraguai do grupo até as próximas eleições no país, em abril de 2013. A presidência rotativa do bloco estava com o Paraguai e foi passada para o Peru, que ficará com a coordenação da Unasul por um ano.
A Unasul é composta por 12 países da região, sendo que a Argentina, o Brasil e o Uruguai também integram o Mercosul.
A suspensão dos paraguaios dos dois blocos regionais ocorreu por causa do impeachment do então presidente Fernando Lugo, em processo que foi alvo de críticas das nações sul-americanas.
Com a destituição de Lugo, o vice Federico Franco assumiu o comando do governo paraguaio. Para os países vizinhos, o processo de impeachment foi conduzido com muita rapidez e sem chance de defesa adequada a Lugo. Os deputados e senadores paraguaios aprovaram a saída do ex-bispo católico em um dia.
Os membros do Mercosul e da Unasul decidiram não adotar sanções econômicas contra o país para não prejudicar o povo paraguaio.
* Com informações da agência pública de notícias da Argentina Telam e da BBC Brasil.
 

Edição: Lana Cristina

****

Mercosul e Unasul impõem perda total a golpistas paraguaios

30.06.2012
Do BLOG DA CIDADANIA
Por Eduardo Guimarães

Foi genial a fórmula encontrada pela maioria da comunidade sul-americana de nações para punir os golpistas que depuseram, por meio de uma farsa, o presidente constitucional do Paraguai. Aquele povo será poupado, a posição política que o parlamento golpista paraguaio impunha ao país na questão da entrada da Venezuela no Mercosul foi derrotada e os golpistas sofreram um revés político que os fragiliza na eleição do ano que vem, se houver.
O Paraguai era o entrave à entrada da Venezuela no Mercosul. O ex-presidente Fernando Lugo, por óbvio, aprovava, mas o congresso paraguaio, não. O impasse já durava anos. Com a suspensão do Paraguai da entidade, o que os golpistas tentavam – e conseguiam – impedir com Lugo no Poder não conseguiram impedir com ele fora do poder.
Além disso, a decisão do Mercosul e da Unasul de não impor sanções econômicas ao Paraguai evitará que a comunidade de nações sul-americanas sofra desgaste entre o povo paraguaio, que, segundo informações não confirmadas, em maioria pode estar, até o momento, contra o golpe “parlamentar” que derrubou o presidente constitucional. Essa maioria, obviamente, constitui-se do que mais há no Paraguai: pobres e miseráveis.
Outro benefício da decisão em bloco de Mercosul e Unasul de suspender o Paraguai das entidades sem lhe impor sanções econômicas: contornou a decisão intempestiva de Hugo Chávez de suspender a venda de óleo diesel ao país, o que, obviamente, causaria sofrimento entre a população e poderia, a médio prazo, colocá-la contra nações que ora lhe defendem a democracia.
Para quem não sabe, com a Venezuela no Mercosul Chávez terá que adotar a decisão conjunta do organismo de não retaliar economicamente o Paraguai e, assim, terá que suspender o boicote petrolífero que iria lhe impor.
A sábia decisão dos dois organismos multilaterais também fará os golpistas chegarem fragilizados à eleição do ano que vem, o que permite supor que partidos de esquerda, alguns até sem representação parlamentar, podem sair beneficiados. A maioria dos paraguaios certamente irá optar por não votar em candidatos que poderão ser alvo de antipatia das potências vizinhas, das quais o Paraguai depende.
Por fim, além dos golpistas paraguaios também perdem os golpistas argentinos, bolivianos, brasileiros, chilenos, equatorianos, colombianos , peruanos, venezuelanos… Isso porque muitos desses – ou todos esses – salivaram com a possível vitória do golpe paraguaio. Sem que aqueles que o aplicaram pagassem um preço, isso, por óbvio, estimularia novas aventuras antidemocráticas na região.
Claro que sempre há o risco de o regime endurecer e de, assim, os golpistas, sabendo que suas chances eleitorais não são boas, tentarem melar ou até não realizar a eleição presidencial do ano que vem, quando forças ligadas ou identificadas com Lugo podem retornar ao poder e, agora,  talvez com um parlamento livre de golpistas. Todavia, nem o Mercosul, nem a Unasul esgotaram seus estoques de armas para combater o golpismo paraguaio.
Homenagem dos Movimentos Negros de Juiz de Fora
Escrevi este post de Juiz de Fora (MG), onde participei da cerimônia de abertura da Semana Nelson Silva, evento dos movimentos negros regionais que trabalha para promover a “vizibilização” dos “invisíveis”, que é como os chamei quando estive nesta cidade no ano passado. E que, agora, homenagearam a este blogueiro
Foi emocionante e honroso ter recebido o convite para estar em Juiz de Fora a fim de ser homenageado pela luta deste Blog “por igualdade e justiça”. Por isso, espero poder escrever logo não só sobre a homenagem, mas sobre a história de luta de um povo daquela que já foi uma das cidades mais importantes do mundo.
Relatarei a luta da comunidade negra de uma região dominada pelo racismo de grupos políticos, a candidatura promissora do PT na cidade e, acima de tudo, a luta épica e virtualmente cinematográfica de Adenilde Petrina, guerreira de ébano de pouco mais de um metro e meio de altura que este blog irá apoiar como puder.

*****

Enquanto o PCC atacava, secretário de Segurança de Alckmin torcia pelo Corinthians na Argentina

30.06.2012
Do portal da REDE BRASIL ATUAL, 29.06.12
Por Helena Sthephanowitz

Enquanto o PCC atacava, secretário de Segurança de Alckmin torcia pelo Corinthians na Argentina
Diário Oficial mostra folga concedida a secretário Ferreira Pinto, que foi a jogo de futebol em meio a nova onda de violência
É comum autoridades interromperem férias quando estoura uma crise. Mas um Secretário de Segurança Pública tirar folga em meio a uma crise de segurança é inovação do “choque de gestão” tucano. Mas foi o que fez o Secretário de Segurança do governador de Geraldo Alckmin (PSDB-SP).
Há cerca de quinze dias, todas as indicações levam a crer que a organização criminosa PCC voltou a atacar, incendiando ônibus e executando policiais paulistas. Já foram assassinados nove policiais e queimados 10 ônibus. Ainda há os postos policiais atacados com tiros, sem vítimas, e a imposição do toque de recolher, inclusive em bairros paulistanos, quando os bandidos intimidam comerciantes, obrigando a fechar seus estabelecimentos.
Porém, mesmo com esse quadro de crise em curso, o secretário Antônio Ferreira Pinto pediu – e o governador autorizou – dois dias de folga, na quarta e na quinta-feira, 25 e 26. Depois ficamos sabendo o motivo: corintiano fanático, o secretário tucano não abriu mão de ir até a Argentina torcer pelo seu time contra o Boca Juniors, no primeiro jogo da final da copa Libertadores da América.
Só no dia da partida, seis ônibus haviam sido queimados em 24 horas. O jornal Estadão procurou o secretário para o entrevistar, e não o encontrava. Já corria a informação da viagem mas, estranhamente, ninguém no governo confirmava.
Só às 20h30, Ferreira Pinto ligou para o jornal: "Estou na Argentina. (...) Pela primeira vez, tirei licença de dois dias. (...) Está sob controle. Se houvesse qualquer risco real à segurança, nas ruas ou nos presídios, eu teria cancelado a viagem. O que existe é uma onda de boatos e casos isolados que estão sendo investigados pela polícia e os autores desses crimes, presos (…) mesmo de folga, estou em contato com todos, por meio do telefone, de e-mail. Acompanho a situação. Mas há pessoas que têm o interesse em desestabilizar a segurança e exploram essa informação. Fiz tudo dentro da legalidade. Pedi autorização e licença", disse Pinto.
O jornal engoliu a explicação sem maiores críticas. Será que a atitude seria a mesma se não o governo do estado não fosse tucano?

*****

ELEIÇÕES 2012: O silêncio e a análise de João da Costa


30.06.2012
Do BLOG DE JAMILDO
Postado por Gabriela López


Foto: reprodução da internet

Bruna Serra, do Jornal do Commercio

Depois de ter passado boa parte da noite da última quinta-feira (28) reunido com seu grupo político, o prefeito João da Costa decidiu permanecer em silêncio, aguardando os próximos capítulos do nebuloso cenário político do Recife. Apesar de ser carta fora do baralho eleitoral, o prefeito considera que poderá fazer a diferença para o lado que decidir defender durante a corrida sucessória. Também está decidido a jogar por terra o discurso da “gestão moderna” a ser adotado pelo PSB.

João da Costa não acalenta nenhuma simpatia ou antipatia pelo escolhido do governador Eduardo Campos, o socialista Geraldo Júlio. Mas demonstra claramente que não aceita o rótulo de gestão defasada que estão querendo impor ao seu governo. Está trabalhando para deixar ao próximo gestor uma casa arrumada e com o caixa recheado, revelam interlocutores.

Nessa sexta-feira (29) ele não apareceu na convenção que oficializou o nome do senador Humberto Costa como candidato do partido nas eleições deste ano. O prefeito não esconde de ninguém que o diálogo está completamente interrompido, mas revela que o tempo poderá reconstruir as pontes destruídas durante o processo de prévias, e que não está descartada a possibilidade dele estar presente no palanque do senador – ainda que a escolha do deputado João Paulo, desafeto de João da Costa, para a vice possa dificultar o caminho de reaproximação.

Deixar o PT é uma possibilidade que não existe no horizonte do prefeito. Ele tem dito que não se enquadraria a outro partido onde a democracia interna, que já é comprometida no atual cenário no próprio PT, inexista. O objetivo é se aprofundar no debate sobre a eficácia dos processos de “democracia interna” consagrados pelo partido para o diferenciar dos demais. Até os ciclos de alianças se fecharem e o cenário eleitoral se delinear por completo, João da Costa seguirá silencioso, observando cada passo de uma sucessão em que não é protagonista, mas que não poderá ser um mero coadjuvante.

*****

Depois de quase três anos, Gurgel denuncia 38 por mensalão do DEM

30.06.2012
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA, 29.06.12

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, ofereceu denúncia ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra 38 suspeitos de envolvimento com supostos crimes investigados durante a Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, no escândalo que ficou conhecido como mensalão do DEM. Entre os denunciados estão o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda e o ex-vice-governador Paulo Octavio, além de secretários de governo, deputados distritais e membros do Tribunal de Contas do DF. As informações são do Terra

A denúncia apresentada por Gurgel ocorre dois anos e meio após a deflagração da operação, que levou à queda e à prisão de Arruda. O procurador-geral não informou a lista completa com os nomes dos denunciados, mas os ex-deputados distritais Leonardo Prudente, Eurides Brito e Júnior Brunelli estão nela.

Gurgel acrescentou que os denunciados serão julgados pelos crimes de corrupção ativa. corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O procurador-geral afirmou que a demora na apresentação da denúncia deveu-se às investigações, que detectaram novas formas de desvio de recursos públicos.

O procurador-geral informou que a denúncia possui 180 páginas e que a investigações conseguiu, inclusive, mapear como os pagamentos eram feitos aos membros do governo.

"Acredito que a denúncia relaciona todos os contratos celebrados, os pagamentos feitos. Conseguiu-se apurar até a divisão como era feita. Secretário tal recebia 10%. O ex-governador Arruda recebia 30%. O ex-vice-governador Paulo Octavio recebia 20%. Dependia dos casos e variava de contrato para contrato", afirmou.

Alguns personagens envolvidos no escândalo já tiveram condenações em outros processos. Eurides Brito, cassada por quebra de decoro parlamentar há dois anos, foi condenada a devolver aos cofres públicos R$ 620 mil após a Justiça ter considerado que o valor corresponde à propina que Eurides recebeu durante 31 meses para apoiar o governo.

Além da devolução da quantia acrescida de juros e atualização monetária, a Justiça determinou que Eurides pague multa de R$ 1,86 milhão e indenização por danos morais de R$ 1 milhão. A ex-deputada teve os direitos políticos suspensos por 10 anos.

Júnior Brunelli, que ficou conhecido por ter protagonizado a "oração da propina" terá de devolver R$ 400 mil aos cofres públicos, além de pagar multa de R$ 1,2 milhão e danos morais de R$ 1,4 milhão à sociedade. Ele também perdeu os direitos políticos por 10 anos.

Arruda ainda mora em Brasília, mas passa boa parte do tempo em São Paulo. Isolado politicamente, amigos dizem que ele estaria escrevendo um livro sobre o tempo em que passou no poder, mas sem dar detalhes sobre o escândalo.

O STJ ainda não tem prazo para começar a julgar o caso. Hoje, a corte entrou em recesso e só volta aos trabalhos no dia 1º de agosto. O relator será o ministro Arnaldo Esteves Lima.

O mensalão do DEM

O chamado mensalão do DEM, cujos vídeos foram divulgados no final de 2009, é resultado das investigações da operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal. O esquema de desvio de recursos públicos envolvia empresas de tecnologia para o pagamento de propina a deputados da base aliada.

O então governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM) aparece em um dos vídeos recebendo maços de dinheiro. As imagens foram gravadas pelo ex-secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa, que, na condição de réu em 37 processos, denunciou o esquema por conta da delação premiada. Em sua defesa, Arruda afirmou que os recursos recebidos durante a campanha foram "regularmente registrados e contabilizados". Em meio ao escândalo, ele deixou o Democratas.

As investigações da Operação Caixa de Pandora apontam indícios de que Arruda, assessores, deputados e empresários podem ter cometido os crimes de formação de quadrilha, peculato, corrupção passiva e ativa, fraude em licitação, crime eleitoral e crime tributário.

Acusado de tentar subornar o jornalista Edmilson Edson dos Santos, o Sombra, testemunha do caso, Arruda foi preso preventivamente em fevereiro de 2010, por determinação do Superior Tribunal de Justiça, que ainda o afastou do cargo de governador. Ele ficou preso por dois meses e, neste período, teve o mandato cassado por desfiliação partidária.
****

FHC, O MENTIROSO: FHC alfineta Lula por participar de campanha mas esquece do passado que lhe desmente

30.06.2012
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO, 29.06.12

Fernando Henrique avisou que não fará campanha para o tucano José Serra, por não achar o papel apropriado a um ex-presidente. Mas na eleição de 2010 ele pediu votos para o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP)

fhc eleições 2012
FHC criticou Lula pelo que ele próprio já fez
Depois de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva dizer que fará de tudo para ver seu candidato, Fernando Haddad, eleito em São Paulo (inclusive morder canelas), o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso avisou que não fará campanha para o principal rival de Haddad, o tucano José Serra, por não achar o papel apropriado a um ex-presidente. A cutucada em Lula veio durante o Encontro Nacional da Indústria da Construção, em Belo Horizonte: “Eu não sei morder canela”. “Não acho que seja apropriado ao ser humano”, completou.
Eu nunca participei de campanha nenhuma desde que deixei a Presidência da República“, disse FHC, esquecendo, pelo jeito, dos votos que pediu para o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) na eleição passada. “Quando eu era presidente, tampouco participava da campanha. Dizia em quem eu iria votar, mas não participava, porque achava indevido”, completou o tucano.

Leia mais

Chapa puro-sangue

FHC disse ainda que uma eventual decisão do PSDB por uma chapa “puro sangue” na corrida à Prefeitura de São Paulo aumenta a possibilidade de vitória nas eleições, mas o que partido deve levar em conta se conseguirá governar isolado. “Dá para governar isolado? Eu me lembro de que quando fui candidato à Presidência, eu podia eventualmente ganhar sozinho. Pelo Plano Real e tal… Eu não quis isso. Numa democracia, você não governa sem apoio”, avaliou, elogiando o secretário Andrea Matarazzo, um dos nomes cotados para a vice de Serra.

*****

Aleluia, PSD e o desespero dos demos

30.06.2012
Do BLOG DO MIRO,29.06.12


Por Altamiro Borges

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de conceder ao PSD o direito à propaganda na rádio e tevê e ao financiamento público causou celeuma. Os partidos e os candidatos às prefeituras fazem as contas para ver quem ganha e quem perde com a resolução. Se do ponto de vista eleitoral há dúvidas sobre seus efeitos, do ponto de vista político ninguém vacila em afirmar que o principal perdedor foi o DEM. O próprio vice-presidente nacional dos demos, José Carlos Aleluia (BA), já reconheceu a paulada.


Em entrevista ao blog de Josias de Souza, o filhote da ditadura disse que a decisão do STF representa “um golpe na democracia”. Ele preferiu não satanizar o ex-demo Gilberto Kassab, prefeito da capital paulista e principal mentor do PSD, até porque os demos se aliaram à nova sigla na campanha de José Serra em São Paulo. Mas deixou implícito que o PSD é um partido de “aventureiros”.

Demo fala em "tática chavista"

Apostando na falta de memória do eleitorado, o líder do partido que apoiou Fernando Collor afirmou que a decisão do STF “abre a possibilidade para que apareçam aventureiros nas eleições presidenciais... O Collor surgiu num cenário desse tipo. Se você tem um quadro em que a economia pode levar o governo para o buraco e as oposições estão desestruturadas, podemos chegar à eleição com candidatos ao estilo do caçador de marajás”.

Sem reconhecer os erros do próprio DEM, que perde espaço a cada eleição e caminha celeremente para a extinção, o demo Aleluia voltou a atacar os petistas pela formação do novo partido. “É evidente que o PT e o governo trabalharam por isso. Essa é a tática chavista: desestruturar os partidos de oposição e criar alternativas partidárias que apoiem o seu lado”.

Demos rumam para o inferno

Ao final da entrevista, o vice-presidente do DEM jura que a sigla não morrerá. “Vamos continuar sendo um partido de ideias, uma legenda de centro direita, uma alternativa à disposição do eleitor. Temos que sacudir a poeira e ir para a eleição”. Pura bravata! Já tem muito demo analisando para onde vai migrar depois do pleito de outubro próximo. Aleluia sabe disto, mas não confessa! 

*****

CORRUPÇÃO TUCANA: Perillo cobrou dinheiro da empreiteira Delta, ouça diálogo em grampo

30.06.2012
Do blog  ESQUERDOPATA

BRENO COSTA
ANDREZA MATAIS
DE BRASÍLIA
ANDREIA SADI
DO PAINEL, EM BRASÍLIA

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), esperava receber um pagamento da empreiteira Delta poucos dias antes de acertar a venda de sua casa, que, no final, acabou sendo comprada pelo empresário Carlinhos Cachoeira, preso desde fevereiro pela Polícia Federal.

É o que indica uma ligação interceptada pela PF no dia 27 de fevereiro de 2011 entre Cachoeira e o então diretor da Delta no Centro-Oeste, Cláudio Abreu. Ouça abaixo o diálogo.


Falando sobre uma suposta cobrança que estaria sendo feita por Marconi Perillo, Cachoeira diz o seguinte ao seu interlocutor: "Cláudio, e aquele trem do Marconi? Marconi já falou com o Wladimir [Garcez, assessor de Cachoeira] de novo".

Cláudio Abreu, o diretor da Delta, diz então que Wladimir "deve ter conversado lá [sobre] esse negócio de R$ 2,5 milhões" com Perillo, mas que não tinha como pagar.
Cachoeira responde que o governador Perillo não queria R$ 2,5 milhões, mas só "a diferença".

Um dia depois dessa conversa, em 28 de fevereiro, Cláudio Abreu repete para Wladimir Garcez o discurso que havia feito a Cachoeira sobre a falta de dinheiro, mas diz que tentaria solucionar o problema.

No dia seguinte, três cheques foram entregues a Perillo por Garcez para comprar o imóvel. Eles totalizam R$ 1,4 milhão. À CPI do Cachoeira, Wladimir Garcez disse que pegou o dinheiro emprestado com Cláudio Abreu, o diretor da Delta.

Na conversa do dia 27 de fevereiro, não fica claro sobre o que se referia o pagamento que, aparentemente, estava sendo aguardado por Perillo. 

*****

No Recife, PT confirma que vai às urnas com mais três partidos e soma 7 minutos na TV


30.06.2012
Do BLOG DE JAMILDO
Postado por Gabriela López

Foto: Gabriela López/Blog de Jamildo

A convenção do PT que homologou a candidatura do senador Humberto Costa à Prefeitura do Recife nesta sexta-feira (29) serviu também para oficializar a Frente: Para o Recife continuar mudando. Além dos petistas, integram o grupo o PP - que já havia anunciado o apoio -, o PHS e o PSDC. Os presidentes estaduais das três legendas, Eduardo da Fonte, Edmar de Oliveira e Geraldo Queiroz, respectivamente, prestigiaram o evento na casa de festa Baile Perfumado.


Com as alianças, o PT terá cerca de 7 minutos no Gui Eleitoral para apresentar seu programa de governo. O PT corria o risco de seguir isolado na disputa, já que houve uma debandada das legendas aliadas para o PSB, do governador Eduardo Campos, que lançou a candidatura de Geraldo Júlio.

O PHS e PSDC são partidos com menos expressividade política. Já o PP é o mais forte dos aliados. Entretanto, o enlace com o PT causa uma dissidência interna, já que alguns líderes pepistas acusam Eduardo da Fonte e a cúpula estadual de ter tomado uma decisão isolada, sem ouvir os demais correligionários, que defendem a candidatura de Geraldo Júlio.


*****

ELEIÇÕES PT RECIFE: LULA, EM VÍDEO, DECLARA APOIO A HUMBERTO COSTA E JOÃO PAULO É O VICE


30.06.2012
Do DIARIO DE PERNAMBUCO, 29.06.12
Imagens: Filipe Falcão/DP/D.A Press

****