quinta-feira, 7 de junho de 2012

PRIVATARIA TUCANA: Brasil de Fato lança “Especial Privataria Tucana”

07.06.2012
Do blog VI O MUNDO, 06.06.12



Após dois meses de campanha, o jornal Brasil de Fato encerrou, no dia 31 de maio, a arrecadação de fundos para levar o conteúdo do livro A Privataria Tucana a todos os recantos do Brasil.

Graças à colaboração de 497 brasileiras e brasileiros, nos foi possível arrecadar um total de R$ 56.883,13 – o que nos possibilitou a impressão de 400 mil jornais que já estão sendo distribuídos gratuitamente por várias regiões do país.

O jornal especial, obviamente, não reproduz todo o livro. Mas, com esta edição, o Brasil de Fato pretende somar-se ao corajoso e incansável trabalho feito pela blogosfera (blogueiros progressistas) na tarefa de popularizar as denúncias feitas pelo jornalista Amaury Ribeiro Jr. em seu livro.

Mais do que isso, o especial conclama a população a pressionar os parlamentares para que instalem uma CPI da privataria tucana, no Congresso, em Brasília.

Você que contribuiu e que deseja receber em sua casa alguns exemplares, por favor, entre em contato com o jornal pelo email juliana@brasildefato.com.br

O jornal Brasil de Fato agradece a tod@s na certeza de que a divulgação do conteúdo desse livro é um grande serviço à sociedade brasileira, pois, acreditamos ser necessário que a população brasileira saiba quem sucateou e roubou o patrimônio público desse país, construído e legado pelas gerações que nos antecederam.


*****

Comissão de ministros discutirá aplicação da Lei de Acesso à Informação no STF

07.06.2012
Da REDE BRASIL ATUAL, 
Por  Débora Zampier, da Agência Brasil
Brasília – A plena aplicação da Lei de Acesso à Informação no Supremo Tribunal Federal (STF) ainda pode demorar a ocorrer. Os ministros decidiram hoje (6), em sessão administrativa, que uma comissão interna irá estudar o assunto antes que as regras sejam aprovadas pelos demais ministros.
A comissão é formada pelos ministros Marco Aurélio Mello, Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski. Os dois últimos estão finalizando os votos do processo do mensalão na condição de relator e revisor, respectivamente. O STF começará a julgar o mensalão no dia 1º de agosto, logo após o recesso de um mês em julho.
Mesmo com a pauta do mensalão em destaque, os ministros do STF entenderam que a comissão da Lei de Acesso deve trabalhar “com urgência”. Em reunião administrativa no último dia 22 de maio, o STF decidiu divulgar, nominalmente, salários e vantagens recebidos pelos ministros e servidores da Corte, mas os dados ainda não estão disponíveis.
A regulamentação da Lei de Acesso à Informação no Supremo valerá apenas para a própria Corte, já que cada tribunal do país tem autonomia para decidir suas próprias regras. Nesta quarta-feira, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) informou que será o primeiro tribunal superior a divulgar salários de ministros e servidores.
Britto ensaiou discutir a Lei de Acesso à Informação no Judiciário na sessão de ontem (5) do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). No entanto, como a reunião já durava muitas horas, ele preferiu deixar o assunto para a próxima sessão, daqui a duas semanas.
****

Hoje na história: 1929 - Assinatura do Tratado de Latrão cria o Estado do Vaticano

07.06.2012
Do portal OPERA MUNDI
Por  Max Altman | São Paulo

Acordo com a Itália de Mussolini pôs fim às reivindicações territoriais da Santa Sé

Wikicommons
Vista da Basílica de São Pedro, no Vaticano; Estado se resume a um bairro cravado em Roma

O Tratado de Latrão, lavrado entre o então Reino da Itália e a Santa Sé, é ratificado em 7 de junho de 1929, dando fim à chamada "Fronteira Ferroviária". Os pactos consistiam em três documentos que reconhecem: total da soberania da Santa Sé no Estado do Vaticano; a predominância da religião católica no Estado italiano; convenção financeira acordando a liquidação definitiva das reivindicações da Santa Sé por suas perdas territoriais e de propriedade.
Os acordos haviam sido assinados no palácio de Latrão em 11 de fevereiro de 1929, entre o Estado italiano, representado por Benito Mussolini, e a Santa Sé, representada pelo cardeal Gasparri, secretário de Estado do papa Pio XI. Os documentos regularam a "questão romana" que envenenava as relações entre o papado e o Estado unitário italiano, depois que este tinha anexado Roma em 2 de outubro de 1870, pondo fim à existência milenar de Estados Pontificados.
O papado, que dispunha já de uma soberania internacional reconhecida, reforça sua posição com a obtenção de um base territorial: é a criação do Estado do Vaticano, reduzido a um bairro encravado em Roma. As relações entre a Santa Sé e o Estado italiano, por outra parte, foram normalizadas por uma concordata que conferia ao catolicismo um estatuto de religião de Estado na Itália, autorizava o ensino religioso nas escolas e proibia o divórcio. Em contrapartida, Mussolini obtinha o reconhecimento pelo papado do Estado unitário italiano e, mais amplamente, o apoio dos católicos italianos. Este acordo constituiu um dos maiores êxitos do regime fascista em seu apogeu. De seu lado, o papa Pio XI via nos acordos a restauração da Itália a Deus e de Deus à Itália.

Em 1870, o general Cadorna invade os Estados Pontificados e Roma tornando-a a presunta capital do Reino da Itália. O papa Pio IX é obrigado a se refugiar no Vaticano e se considera prisioneiro. Em 1871, o parlamento italiano vota a "Lei de Garantias" a fim de assegurar as prerrogativas do papa, que as recusa, provocando um desacordo que duraria 60 anos. Somente no fim da Primeira Guerra Mundial é que a Igreja, o governo italiano e os liberais moderados se reaproximam. Com a chegada do fascismo, a Igreja aposta nos setores menos hostis do regime de Mussolini Isto se traduz na reforma das leis eclesiásticas de 1923-1925, mas é o discurso de Mussolini de 3 de janeiro de 1925 que marca a restauração das boas relações entre o Vaticano e o governo italiano.
O papa aceita ser soberano temporal apenas sobre o Estado da Cidade do Vaticano e o Estado reconhece a plena propriedade e soberania à Santa Sé. Toda forma de ingerência italiana é afastada. Em compensação, a Santa Sé renuncia a qualquer pretensão sobre os antigos Estados Pontificados, reconhece o Reino da Itália sob a casa de Savoia e Roma como capital. A Itália reconhece em Roma uma "cidade sacra". Concretamente isto significava que a Itália tomava o Vaticano sob sua proteção e qualquer incidente na Praça de São Pedro era a polícia italiana a intervir.
O novo Estado estaria dotado de serviços públicos: uma estação de trem, serviços postais, uma moeda, a lira vaticana, um órgão de imprensa, Osservatore Romano, uma rádio e um canal de televisão.
O Estado do Vaticano, instrumento da Santa Sé, foi assim definido no preâmbulo do tratado: "Dado que, para assegurar à Santa Sé a independência absoluta e visível, é preciso lhe garantir uma soberania indiscutível, mesmo no domínio internacional, dá-se conta de que é necessário constituir, com características específicas, a Cidade do Vaticano, reconhecendo à Santa Sé, sobre essa mesma cidade, a plena propriedade, o domínio exclusivo e absoluto e a jurisdição soberana."
O papa é reconhecido com o chefe de Estado temporal do Vaticano com todos os poderes, legislativo, executivo e judiciário. O governo efetivo é delegado a um governador-geral. Em caso de vacância, o poder passa ao Sagrado Colégio de Cardeais.
O novo território pontifical mede 44 hectares. Trata-se essencialmente da Praça de São Pedro, da basílica homônima, do Palácio do Vaticano e dos jardins circundantes. O conjunto é cercado por uma fronteira fixada por ocasião dos acordos, constituída por muros com cinco pontos de acesso. Somente a Praça de São Pedro e a basílica são livremente acessíveis. Mussolini tinha proposto incluir outros edifícios no novo Estado, porém Pio XI recusou, afirmando: "Ficará claro para todos, esperamos, que o Soberano Pontífice só dispõe na verdade dessa porção de território indispensável para o exercício de um poder espiritual confiado aos homens para o benefício dos homens."
Outros fatos marcantes na data: 

07/06/1950: República Democrática Alemã reconhece em tratado a fronteira Oder-Neisse como seu limite oriental 
07/06/1980: Jimmy Carter ordena a deportação de refugiados cubanos 



****

Tarifas de contas bancárias sobem até 41% em um ano

07.06.12
Do portal REDE BRASIL ATUAL
Por  Redação da Rede Brasil Atual
São Paulo – Estudo divulgado pela Fundação Procon de São Paulo mostrou que os sete maiores bancos de varejo subiram as tarifas cobradas pelos serviços de contas bancárias em até 41% entre maio de 2011 e maio de 2012.
A principal elevação se deu no pacote Itaú Econômico, que foi de R$ 9,50 para R$ 13,45 ao mês. No geral, o Itaú foi a instituição financeira que mais aumentou os preços de seus serviços, em 20 dos 27 pacotes analisados – 17 deles já não permitem novas contratações. 
Em termos percentuais, o Bradesco veio a seguir, com elevação de 30,6% no Cesta Fácil, que em maio de 2011 custava R$ 13,40 e agora sai por R$ 17,50. A mesma elevação recaiu sobre a Cesta Bradesco Prime Básica, que tem o mesmo custo. A Cesta Celular (29,41%), a Cesta Básica de Serviços (22,94%), a Cesta Completa (20,95%) e a Cesta Universitária (14,29%) também sofreram reajustes.
Na Caixa Econômica Federal, com cinco variações de serviços, a conta Fácil teve o maior reajuste na tarifa, de 30,61%, chegando a R$ 12,80. O pacote Super subiu 20%, chegando a R$ 15 ao mês. No caso do Banco do Brasil, dos 28 pacotes comercializados, oito são novos, dois continuam isentos, 12 não sofreram alteração e seis aumentaram o valor da mensalidade. 
As maiores variações foram de 10%, sobre os pacotes Modalidade 5 e Modalidade 10, que passaram a custar, respectivamente, R$ 9,90 e R$ 11. 
O HSBC aumentou o valor de quatro dos nove pacotes comercializados. Em termos percentuais, a maior elevação se deu no Básico, que foi de R$ 15 a R$ 18 por conta do ajuste de 20%. Já os clientes do Banco Safra viram o maior reajuste sobre o pacote Básico, de 27,78%, com custo de R$ 46. No Santander, o único serviço que sofreu variação foi o Especial Max, de 3,07%, indo de R$ 32,60 para R$ 33,60. 
A orientação dada pelo Procon ao consumidor é verificar se os serviços isentos de tarifa são suficientes para suas necessidades, evitando o pagamento de uma tarifa. Caso o cliente tenha de recorrer a um pacote, é preciso ver aquele que melhor se adequa aos serviços que são efetivamente utilizados – há muitos itens que não são necessários. “A quantidade de pacotes é muito grande, com nomenclaturas e composição distintas, o que dificulta a comparação e a escolha que o consumidor deve fazer " , disse o diretor executivo da Fundação Procon-SP, Paulo Arthur Góes, em comunicado emitido pela entidade.
****

BRIGAS PARTIDÁRIAS:PSOL Recife só deve definir nome no apagar das luzes. Noélia e Albanise brigam por postulação à PCR

07.06.2012
Do BLOG DE JAMILDO
Postado por Vinícius Sobreira


Em paralelo ao imbróglio petista no Recife, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) vem travando uma briga interna também pela candidatura ao cargo máximo do Executivo Municipal. De um lado, o presidente Estadual da legenda, Edílson Silva; De outro, a (ex?) pré-candidata do partido à Prefeitura.
Desconhecida da maioria da população recifense, a Procuradora-Geral da Prefeitura do Recife Noélia Brito teve seu nome lançado no dia 20 de março deste ano, em evento que contou com a presença de Heloísa Helena (PSOL-AL) e membros do Partido Pirata - sigla a ser oficializada como partido no próximo mês de julho.
A candidatura - De acordo com Noélia, durante o 3º Congresso Nacional do PSOL, Esdras Peixoto, o favorito à candidatura à prefeito, sugeriu o nome de Noélia Brito por ser "o mais adequado", já que ele é pastor da Igreja Batista e não poderia defender publicamente algumas bandeiras da legenda, como os direitos LGBT e a legalização do aborto.
O presidente estadual do PSOL, Edílson Silva, aprovou o nome da procuradora e fez o convite, que foi aceito. No início de janeiro Noélia já participava do Ciclo de Debates, da Rádio CBN Recife como pré-candidata. Mas já em fevereiro começaram a surgir desentendimentos ideológicos entre Noélia e Edílson.
Traição? - "Ele e o grupo dele estavam em uma movimentação de construção de um partido dentro do nosso partido, em prol de Marina Silva (ex-PV). Ele quer utilizar a nossa legenda para se eleger [vereador] e depois vai sair para o [ainda a ser fundado] partido de Marina [Silva]. Quando se cria um novo partido, não se considera infidelidade partidária, então não se perde o mandato. E é isso o que ele quer fazer", diz Noélia.
"Achei uma traição comigo e com o PSOL. Deixei claro que meu compromisso é com o partido e não com ele" [que ela considera centralizador].
A procuradora diz ainda que Edílson estaria participando de encontros em São Paulo de um movimento pró-Marina Silva, cuja orientação política, de acordo com Noélia, é neoliberal e ecocapitalista.
"Ele queria vincular a imagem de Marina à minha candidatura, mas eu neguei. Não me identifico com a orientação de Marina e nem o meu partido se identifica. Seria falta de ética da minha parte, que não votei, não voto e nem votarei em Marina. Seria uma destruição política para mim."
A prévia - No último sábado (2), 60 militantes do PSOL se reuniram na Sociedade Pernambucana de Medicina, na Praça Oswaldo Cruz, Boa Vista, para uma conferência que, a princípio, estava marcada para discutir alianças e confirmar os pré-candidatos a vereador.
Mas o surgimento, há pouco tempo, de uma nova chapa encabeçada pela jornalista Albanise Pires, apoiada pelo grupo de Edílson (e isso significa a maioria do partido), transformou a "conferência" numa espécie de prévia. Curioso é que o vice na chapa de Albanise é o pastor da Igreja Batista Esdras Peixoto, aquele mesmo que teria sugerido o nome de Noélia, ainda em dezembro.
O tesoureiro da Direção Nacional, Leandro Recife, sai na defesa de Noélia. "A candidatura de Albanise é irregular. A resolução do Congresso Nacional do PSOL estabeleceu que no dia 20 de janeiro se encerrava o prazo de inscrição para uma possível prévia. Não teria mais prazo para as prévias. Ela é a única candidata."
A procuradora concorda. "O procedimento para uma prévia é: descrição da pré-candidatura, inscrição na data correta, debates e votação. Mas uma série de irregularidades foram cometidas visando a candidatura de Albanise, que na verdade será só uma "laranja" para Edílson utilizar o guia eleitoral para se promover. A candidatura dela surgiu faz só 15 dias! Essas coisas estão prejudicando o partido. O PCB, o PSTU e os Piratas já se afastaram", reclama Noélia.
A votação - "A votação não foi secreta, foi "levantando o crachá"", denuncia a procuradora. Na contagem de votos, unanimidade. 60 crachás pró-Albanise, nenhum pró-Noélia. Mas, de acordo com a pré-candidata, "é uma armação" de Edílson. "Ele desfilia quem não apoia as ideias dele, a partir daí qualquer resultado fica sob suspeita. Para completar, ele intimida. Havia "capangas" armados no local. Tivemos que chamar a polícia para retirá-los", afirma.
"No sábado fomos lá só para registrar, obedecendo o nosso advogado. Filmamos para mostrar que não houve nenhuma formalidade do que constiui uma prévia, conforme foi acordado no 3º Encontro Nacional."
Justiça - Noélia disse que até a próxima quinta-feira (7) deve entrar na justiça para anular o processo. A procuradora diz que sua pré-candidatura é a única regular, mas ela tem um problemão pela frente, já que tem contra si mais da metade dos membros do partido.
Mas Noélia ainda tem esperança de tê-los a seu lado e disse estar preparando um "dossiê contra Edílson". A procuradora diz ter provas de forte ligação entre o presidente Estadual do PSOL com membros do alto escalão do PT e pessoas envolvidas com corrupção na Prefeitura do Recife.
"Quando Rands entrou na disputa, eu passei a atacar [via judicial] a atuação da CNB [corrente petista] na PCR. Isso incomodou Edílson, que tem é amigo pessoal de pessoas da Corrente. Ele não vê o PSOL, só sua candidatura a vereador."
Noélia agrava as críticas a Edílson, acusando ele e seu grupo de desfiliarem militantes que não concordam com as opiniões políticas dele. "Ele desfilia arbitrariamente os membros do partido. É crime eletrônico desfiliação sem que o filiado tenha solicitado. E nós já conseguimos provas contra ele no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).", avisou.
Fabiana Honório, uma das 17 dirigentes estaduais da sigla, defende a postulação da procuradora como um "relocamento do PSOL de volta para a esquerda" e que Edílson e Albanise estariam de malas prontas para o partido de Marina. A dirigente também critica a política estadual da sigla, que não estaria em consonância com a política nacional. Ela ainda tem esperança numa intervenção da Direção Nacional.
"Ele está tentando alianças com o PT em vários municípios, a exemplo do Cabo de Santo Agostinho, onde quer se aliar com Fernando Ferro. O PSOL nacional já está a par do que está acontecendo aqui, por isso Edílson é muito censurado nacionalmente. Mas localmente está difícil vencer o grupo dele, porque Albanise é da Comissão Provisória do PSOL Recife e Edílson é presidente Estadual do partido."
"É uma briga ideológica.  Ele está há 9 anos na legenda e criou um formato para que ele e seu grupo estivessem sempre no controle. Os sete nomes que estão obitando na Executiva Estadual são os mesmos desde 2005, só trocando de cargos. É verdade que Edílson tem a maioria do partido, mas isso não reflete o esforço político dele. É apenas uma jogada que ele comanda hoje. Todos sabemos que temos problemas com filiação, que Edílson só filia quem quer e que desfilia arbitrariamente. Por isso não conseguimos crescer. O PSOL Pernambuco serve a um prqueno grupo de parasitas que agora estão vendo que o PSOL inviabiliza seus planos políticos de direita e estão se preparando para se mudarem para o partido de Marina."
A reportagem do Blog de Jamildo entrou em contato com o presidente Estadual do PSOL, que ficou ciente de todas as acusações que estavam sendo feitas contra ele. Edílson Silva concedeu entrevista por cerca de uma hora ao Blog e rebateu, com declarações contundentes, tudo o que Noélia disse. Mas, infelizmente, ao fim da conversa Edílson solicitou que não publicássemos nada do que ele disse. "Não quero me trocar com ela", disse. Em seguida, a Direção Municipal do PSOL enviou uma nota ao Blog. Segue:
"Nota da Direção Municipal do PSOL Recife
Em relação às suposições que nos chegaram através de jornalista do Blog do Jamildo, oriundas de alguns filiados do PSOL, temos a esclarecer o seguinte:
1 - O PSOL Recife realizou no dia 02 de junho, sábado último, sua Conferência Eleitoral, fórum soberano e legitimado pelas instâncias municipal, estadual e nacional do partido, em que a última palavra sobre a tática eleitoral é dada pela base partidária, que decidiu democraticamente, por unanimidade, aprovar a pré-candidatura de Albanise Pires à prefeitura;
2 - Lamentavelmente, um grupo interno muito minoritário, sem alcançar as maiorias indispensáveis nos processos democráticos, não se conformou com a decisão soberana da base partidária e busca criar factóides que depreciem as instâncias legítimas do partido e ao mesmo tempo justificar a incapacidade de aglutinar maiorias saudáveis em torno de seus discursos;
3 - As eventuais acusações e denúncias feitas por este grupo, tão fartas quanto inacreditáveis, como associar o PSOL aos interesses do PT no Recife e ao que este grupo chama de “direita tradicional”, são um atentado à inteligência de nossa militância e da sociedade em geral, que vê no PSOL muito mais intransigência em sua oposição à gestão petista no Recife, do que qualquer ato de conciliação. Acusações de natureza moral, ética ou criminal, como manda o estado democrático de direito, podem e devem ser remetidas às instâncias judiciais. Neste aspecto, cabe ressaltar que as instâncias do PSOL em Pernambuco já ingressaram com pedido de Comissão de Ética em nível nacional contra o que julgamos ser calúnias inadmissíveis;
4 - Sobre as relações de membros do PSOL com a ex-ministra Marina Silva, é do conhecimento da sociedade que o PSOL em Pernambuco, na figura de muitos de seus dirigentes, busca uma relação de diálogo com atores externos ao partido, no sentido da construção de frentes de ação, nas lutas sociais, nas mobilizações populares e também nos processos eleitorais. Não é só a ex-ministra Marina Silva que merece do PSOL uma relação de respeito e busca de unidade, mas também outros, como o senador Cristovão Buarque, a deputada Erundina e o deputado Paulo Rubem, o senador Suplicy e outros espalhados pelo país, e que mesmo com contradições em alguns pontos com o PSOL, conseguimos visualizar importantes pontos de contato e unidade. Interpretar esta visão como abandono do PSOL é uma visão estreita e dogmática, que felizmente não é majoritária em nosso partido.
Direção Municipal PSOL - Recife"
Frente confusão dentro da sigla, o até então único aliado dos socialistas no pleito do Recife, o Partido Pirata do Brasil, declarou via Facebook que só apoiará uma candidatura se for a de Noélia Brito. O mesmo fez o PSTU, em nota publicada no Blog na semana passada. Com o risco de não sair candidata, Noélia já estuda participar do guia eleitoral do PSTU afirmando que vai "desmascarar a farsa do PSOL.
Ao que tudo indica, o grupo pró-Noélia tentará vencer o entrave até as convenções do partido (que acontecerão até o dia 30), onde o principal argumento será a falta de fidelidade ideológica do grupo adversário. Já o grupo pró-Albanise tentará homologar o resultado da convenção realizada no último dia 20, e tem a seu favor a grande maioria dos filiados da sigla. A briga também pode ir parar na Justiça Eleitoral.

****

Gurgel, e o Caixa 2 do DEM do Rio Grande do Norte?

07.06.2012
Do blog MARIAFRÔ
Por Daniel Dantas, De olho no Discurso



As eleições de 2006 foram realizadas sob a égide do controle das contas de campanha e dos seus gastos. No ano anterior, o chamado escândalo do Mensalão expôs as vísceras dos vícios e indícios de crimes de financiamento de campanha em cena no país.

Era de se esperar que os partidos tomassem mais cuidado naquela eleição com as práticas vedadas pela legislação eleitoral. O PFL no RN não teve esse cuidado. É o que se depreende dos 42 áudios de interceptações telefônicas a que o blog teve acesso e publicou entre a segunda-feira (21) e o domingo (27).

No âmbito de uma investigação do Ministério Público estadual, o telefone celular de Francisco Galbi Saldanha, atualmente secretário-adjunto da Casa Civil do governo Rosalba Ciarlini (DEM), foi grampeado. E trouxe à luz conversas muito elucidativas, principalmente entre Galbi e Carlos Augusto Rosado, marido da atual governadora e então candidata ao Senado Federal. Rosalba foi eleita em 2006, mas os telefonemas mostram esquemas de compra de apoio de políticoscompra de votosfraude em prestação de contas com uso de notas fiscais frias e uma complexa rede de Caixa 2.

Por envolverem políticos com o conhecido foro especial (o senador José Agripino, a então senadora Rosalba Ciarlini e o deputado federal Betinho Rosado), a investigação foi encaminhada pelo Ministério Público estadual e também pelo Ministério Público eleitoral para a Procuradoria Geral da República.  Em janeiro de 2009.

Muitas conversas explicitam, por exemplo, o uso de dinheiro vivo para pagamento de gastos de campanha – enquanto a lei exigia o uso de cheques vinculados às contas. Por exemplo, em 05 de setembro de 2006, Carlos Augusto e Galbi conversam sobre o saque de um dinheiro a ser feito na conta, com cartão, para pagamento de despesas de campanha.

Alguns nomes são muito frequentes nas interceptações do telefone de Francisco Galbi Saldanha. Aliás, o próprio Galbi trabalha com Carlos Augusto Rosado desde os tempos em que o atual primeiro-cavalheiro era presidente da Assembleia Legislativa (1981-1983).

A pessoa que aparece mais frequentemente nas ligações é a então secretária do PFL em Mossoró, “Neves”. Neves é irmã do diretor-proprietário do Jornal de Fato, César Santos.

Já “Valentim” é Valentim Marinho, diretor do ITEP em Mossoró. Antônio de Castro é ex-secretário de Serviços Urbanos da prefeitura de Mossoró na gestão de Rosalba Ciarlini.

Outra personagem, “Alcineide”, citada numa gravação é Alcineide Andrade, gerente da RPC (rádio Tapuyo), tesoureira do deputado federal Betinho Rosado, de absoluta confiança dele. Betinho é irmão de Carlos Augusto Rosado e atualmente ocupa o cargo de secretário de agricultura.

Até indícios do envolvimento com a máfia dos sanguessugas aparecem nessas ligações. 

Albert Nobrega, atual secretário de administração do estado, pede ajuda imediatamente a Galbi por causa de umas ambulâncias compradas pela prefeitura de Mossoró à época da máfia dos sanguessugas. Em 2006, Nobrega era presidente da Comissão de Licitação da prefeitura de Mossoró e é ele que diz que, sem ajuda de Galbi, “vai lascar Rosalba”, já senadora eleita.

Por fim, o proprietário do posto Leste-Oeste, usado na emissão de notas frias para justificar a movimentação de dinheiro da campanha, é Dix-sept Rosado, irmão caçula de Carlos Augusto, Betinho e Isaura Rosado, secretária de cultura do estado.

A rede é densa e muitas vezes eu tenho levado um tempo para entender as relações. Que são todas eminentemente familiares. Exemplo disso é a informação sobre os cheques da prefeita de Messias Targino, Francisca Shirley Targino. Inicialmente um comentarista disse que Shirley seria cunhada de Ruth e Rosalba Ciarlini, sendo casada com um irmão das duas, Clovis. Depois, outro comentário esclareceu que Shirley e Clóvis tiveram um relacionamento, mas não foram casados.

No caso de Ruth Ciarlini, que à época perdeu a reeleição para deputada estadual, é atual vice-prefeita de Mossoró.  A prefeita é Fafá Rosado, do DEM.  Sobre ela, Ruth diz que ia viver para trabalhar contra Fafá.  Na mesma gravação, Ruth Ciarlini chama seu gabinete na Assembleia Legislativa de “cabide de empregos”.  São muitos nomes relacionados como cargos em comissão no gabinete – na verdade, a maior parte cabos eleitorais.  Ruth terminou a eleição quebrada e suas conversas sempre giram em torno desse tema.




Outro grave crime foi confessado nos áudios: Carlos Augusto Rosado informou à tesoureira da campanha do irmão que iria cair R$ 100 mil na conta de campanha de Betinho. Mas o dinheiro era de Rosalba. Depois, Carlos e Galbi tentam articular uma forma de, com uso de notas frias, justificar a retirada do dinheiro da conta de Betinho. Utilizam-se, inclusive, de notas frias do posto de combustível Leste-Oeste, de propriedade do irmão caçula de Carlos Augusto e Betinho.

O pequeno relato não dá conta de tudo o que está nos áudios. Mas você pode ouvir tudo nos links a seguir:



3) Gravações em 08 de setembro de 2006
4) Gravações em 15 de setembro de 2006 


7) Gravações em 03 de outubro de 2006
8) Gravações em 04 de outubro de 2006 


14) Gravações em 16 de outubro de 2006 

17) Gravações em 26 de outubro de 2006

*****
Fonte:http://mariafro.com/2012/06/07/gurgel-e-o-caixa-2-do-dem-do-rio-grande-do-norte/