Pesquisar este blog

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Identificação de desaparecido comprova plano de extermínio antes da ditadura argentina

24.05.2012
Do portal OPERA MUNDI, 
Por Luciana Taddeo | Buenos Aires

Durante o regime militar, milhares de presos foram atirados ao mar vivos e drogados, de aviões militares

Em 1976, cadáveres começaram a ser encontrados no litoral uruguaio. Com indícios de que sofreram violência, por apresentarem feridas, hematomas e fraturas ósseas, os corpos foram enterrados como “anônimos” na cidade de Colônia. Em um período em que o Uruguai vivia sob uma ditadura perpetradora de crimes contra presos políticos, peritos alegaram que não havia elementos suficientes para saber quem eram as vítimas.

Nesta quarta-feira (24/05), 36 anos depois da chegada destes corpos à orla uruguaia, a identificação de um deles foi anunciada. Trata-se de Roque Orlando Montenegro, um jovem argentino de 20 anos que foi sequestrado em sua casa um mês antes do golpe de Estado em seu país, em 1976. Militante peronista, Montenegro foi brutalmente torturado em uma prisão clandestina ao lado da mulher, Hilda Torres, com quem participava da luta no período prévio à ditadura.



Após a exumação e repatriação do corpo, no ano passado, a análise dos antropólogos forenses levou a uma descoberta que comprova que Montenegro foi vítima de uma prática de extermínio da ditadura argentina anterior ao golpe. Ele teria sido morto, em data desconhecida, em um dos “Voos da Morte”, na qual prisioneiros políticos eram jogados, do alto de um avião, em alto mar.

As descobertas foram anunciadas pela filha da vítima, Victoria Montenegro, em uma entrevista coletiva. Levada a uma prisão clandestina quando tinha apenas 13 dias de vida, e apropiada ilegalmente pelo coronel que assassinaria seus pais, a mulher de 36 anos foi encontrada em 2000 pelas Avós da Praça de Maio, que lutam pela identificação dos cerca de 500 bebês nascidos em cativeiro e adotados ilegalmente por outras famílias durante a repressão.

“Precisei de vários anos para assumir minha identidade e tentar acomodar minha história. Meu apropriador tinha me dito, em relação aos meus pais, que tinham sido abatidos em um combate ocorrido em 1976”, afirmou Victoria ao revelar a identificação do pai, concluindo que a análise da Equipe Argentina de Antropologia Forense comprova “a existência de um plano sistemático [de extermínio] anterior ao golpe de Estado”.

Leia mais



Estela de Carlotto, presidente da organização das Avós, por sua vez, afirmou, estar em um conflito de sentimentos com os resultados do exame de DNA que comprovaram a identidade de Roque Montenegro, e pela “dor” provocada pela revelação do paradeiro de somente um dos cônjuges, já que Hilda Torres continua desaparecida. Segundo ela, a descoberta “não faz mais que constatar que a repressão começou previamente ao golpe de Estado”.

"Milagre"

Victoria, que foi registrada sob o nome de María Sol Tetzlaff, como filha do falecido coronel do Exército Hérman Tetzlaff, que liderou uma um centro clandestino de prisão e tortura conhecido como “El Vesubio”, classifica a identificação sanguínea de seu verdadeiro pai como “uma milagre”, pois pôde ser feita apesar de os militares “terem feito tudo para que não aparecessem”.

Em uma entrevista à Rádio Continental, quando relatou em detalhes sua experiência ao descobrir, aos 24 anos de idade, que seus verdadeiros pais não eram os que diziam ser, Victoria afirmou que, em princípio, não acreditava na história de seu sequestro: “Demorei muitos anos para entender. Para mim, todos eram culpados, menos ele. Todos: as Avós, meus pais biológicos, a história, todos”, explicou.

O antropólogo forense Carlos Somigliana aproveitou o anúncio para convocar familiares de desaparecidos a deixar amostras sanguíneas no banco genético do Arquivo Nacional da Memória, garantindo que aqueles que tiveram seu paradeiro omitido pelos agentes de repressão ainda podem ser encontrados. “Sabemos que muita gente não poderá ser identificada, devido ao mecanismo perverso dos vôos, que foi eficiente para o desaparecimento de pessoas. Mas há milagres e podem haver mais”, disse.
****

PRÉVIAS DO PT RECIFE:Diretório Nacional decide: novas prévias serão dia 3 de junho


24.05.2012
Do DIARIO DE PERNAMBUCO
Por Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR 
       
PT nacional sepulta especulação de um terceiro candidato. Prévia será entre  filiados do PT, com João da Costa x Mauricio Rands, no dia 3 de junho.  Diferença é que agora processo é sob comando do Diretório Nacional. 

A votação na direção nacional do PT foram 10 votos pela anulação das prévias  contra 3 que gostariam de manter o resultado de domingo, dia 20. 

O colégio eleitoral (total de votantes) ainda não foi divulgado pela Executiva Nacional do PT. Paulo Frateschi secretário geral do PT, no entanto, afirmou ontem que a lista oficial é a que tem 20 mil.   

A executiva nacional minimizou a questão dos votos irregulares, que, segundo  Frateschi, chegavam a mais de 2,5 mil. O que realmente pesou, como antecipou o  Diario hoje, foi a judicialização da campanha. 

Análise sobre o que representou para cada grupo esta anulação você poderá conferir na edição de amanhã do Diario de Pernambuco.  Da Redação do Diario de Pernambuco
*****

JORNALISMO CRIMINOSO: Mais uma do nosso Rupert Civita

24.05.2012
Do BLOG DO MIRO, 22
Por Marco Antonio Araujo, no blog O Provocador:



Mesmo com os panos quentes que parlamentares tentam por na CPI do contraventor Carlinhos Cachoeira, uma coisa já se tornou de conhecimento público: a revista Veja usa suas páginas e jornalistas para plantar notíciasfalsas contra seus inimigos.

Não faltam provas de que esse é o modus operandi — para usar um termo reservado a quadrilhas e serial killers — da família Civita. São vários grampos feitos pela Polícia Federal que escancaram os procedimentos ilegais praticados por um dos jornalistas da publicação em Brasília.

Rupert Civita, ou Roberto Murdoch (referência ao magnata das comunicações envolvido em um escândalo de grampos ilegais na Inglaterra), já mandou um recado por meio de seus capangas: quem insistir em denunciar as relações criminosas de sua revista vai sofrer retaliações. Atitude bem típica de mafiosos: constranger, intimidar e ameaçar.

Contra a Record, retaliação sempre houve, mas agora tende a se tornar puro desespero. Eu já cantei essa bola aqui neste blog.

Eles são previsíveis. Basta ver nota publicada na coluna Radar, de Veja, assinada por Lauro Jardim, aquela mesma citada nos grampos da polícia entre o bicheiro e Policarpo Junior.

Novamente, neste final de semana, sem o menor constrangimento, as páginas de aluguel da revista se prestam a anunciar mais uma crise imaginária na emissora. Só que agora o delírio é retumbante: a Record vai fechar o ano de 2012 com um prejuízo de R$ 100 milhões. Uau.

O jornalismo analfabeto funcional foi escancarado. Como afirmar o prejuízo de uma empresa em 2012 se ainda estamos em maio? Chega a ser engraçado. E, como sempre, Radar não cita fontes, nem poderia, já que a maioria do que se publica naquela coluna é fruto da mente perversa desses senhores que se julgam acima da lei e da democracia.

Dá pra entender os motivos de mais esse ataque da Veja contra o empresário Edir Macedo. A Record é um dos poucos grupos de comunicação que não participaram do "acordão" em não denunciar as ligações suspeitas da revista com o crime organizado. Globo e Folha (UOL) deram as mãos em nome da impunidade. Contra o Brasil.

****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com.br/2012/05/mais-uma-do-nosso-rupert-civita.html#more

PRÉVIAS DO PT RECIFE:Novas prévias do PT serão realizadas no dia 3 de junho

24.05.2012
Do BLOG DE JAMILDO
Postado por Jamildo Melo




O PT avaliou que o estrago seria muito grande e não fez a intervenção que alguns partidários pediram.


Depois de anular as prévias realizadas neste domingo, a Executiva Nacional do PT anuncia que a nova eleição interna será realizada no dia 3 de junho. Daqui a dois domingos, portanto.


Embora a medida traga desgaste, não resta dúvida que foi a melhor solução, para tirar a prova dos nove entre os dois contendores, o prefeito João da Costa e o deputado federal Maurício Rands.


Espera-se que, agora, sejam melhor organizadas e, mais, que se veja algum respeito entre os adversários, aliados do mesmo partido.


A anulação das prévias foi anunciada extra-oficialmente pelo ex-prefeito João Paulo, pelas redes sociais, no Recife, antes mesmo que a Nacional desse o encaminhamento em São Paulo.


A decisão da direção nacional em anular as prévias deu-se por 10 votos a 3, a favor da manutenção.


A executiva nacional interviu na decisão municipal após a judicialização do processo e as denúncias de fraude. Entre o sábado (19) e o domingo (20), três liminares foram expedidas pela Justiça.


Na primeira, a pedido de Costa, todos os 33 mil filiados do PT no Recife, mesmo os que não tinham quitado seus pagamentos no prazo estabelecido, receberam o direito de votar. Na segunda, Rands garantia que apenas os 20 mil que constavam em uma lista elaborada pela direção local e aprovada pela nacional podiam participar do pleito. Por fim, na terceira, Costa conseguiu derrubar o apelo de Rands.


O prefeito João da Costa, que briga para tentar a reeleição, venceu o primeiro pleito por 553 votos de diferença, mas Rands pediu a anulação da primária argumentando que houve fraude na lista de filiados aptos a votar. Segundo uma auditoria realizada pela Secretaria Nacional de Organização, não houve fraudes, mas, sim, falhas.


Não se sabe, até aqui, que lista de militantes vai valer, a primeira com cerca de 20 mil, ou a segunda, com cerca de 30 mil filiados.


Segundo militante, Rands pediu à Executiva Nacional realização de outra prévia
*****
Fonte:http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2012/05/24/novas_previas_do_pt_serao_realizadas_no_dia_3_de_junho_131501.php

BLOG MOBILIDADE URBANA: Frente parlamentar das ciclovias

24.05.2012
Do blog MOBILIDADE URBANA
Postado por Tânia Passos


Será lançada na quinta-feira (24) a Frente Parlamentar em Defesa das Ciclovias, que tem como objetivos debater políticas públicas de mobilidade urbana e atuar pela implantação de ciclovias nas cidades brasileiras. O ato de lançamento será realizado às 9 horas, no Plenário 13. Antes disso, às 8h30, haverá um passeio ciclístico da Catedral até a Câmara.

A iniciativa de criação da frente parlamentar é das deputadas Marina Santanna (PT-GO) e Rebecca Garcia (PP-AM) e dos deputados Márcio Macêdo (PT-SE), Policarpo (PT-DF) e Vicentinho (PT-SP). Rebecca Garcia, que será coordenadora da frente na região Norte, disse que pretende viabilizar propostas alternativas e sustentáveis para aumentar a quantidade de ciclovias, principalmente na Amazônia.

Entre as metas da frente parlamentar estão também a discussão de medidas de integração entre a bicicleta e os modos coletivos de transporte, e o incentivo à adoção de políticas e ações para implementação de infraestrutura do sistema cicloviário brasileiro.

Além de parlamentares que integram a frente, participarão da solenidade de lançamento representantes dos ministérios dos Transportes, da Saúde, do Meio Ambiente e das Cidades; do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran); e das entidades União dos Ciclistas do Brasil Rodas da Paz e Pedal Goiano.

Com informações da Agência Câmara de Notícias
*****

NOVAS PRÉVIAS DO PT RECIFE:Diretório nacional anula prévias e marca nova votação para primeiro domingo de junho


24.05.2012
Do jornal FOLHA DE PERNAMBUCO
Por GERALDO LÉLIS, do FolhaPE, com informações do Blog da Folha

Novela petista ganha novo capítulo, mas mantém os mesmos protagonistas

A prévia do PT que pretendia definir o candidato do partido à Prefeitura do Recife, realizada em 20 de maio, foi anulada pela Executiva Nacional da legenda, e uma nova votação interna foi marcada para o dia 03 de junho. Segundo o editor do Blog da Folha, Valdecarlos Alves, o clima esteve tenso entre os pretendentes à candidatura petista, o deputado federal e secretário estadual de Governo Maurício Rands e o atual prefeito João da Costa.

A definição saiu após uma reunião que durou pouco mais de três horas. João da Costa e Rands sentaram-se próximos e estiveram acompanhados de seus aliados Humberto Costa (Rands) e Oscar Barreto (João). O presidente nacional do PT, Rui Falcão ouviu os pretendentes, o deputado federal Fernando Ferro e o secretário de organização do Recife,  Antônio Pessoa, mais conhecido como Zico.

Enquanto isso, no Recife, militantes se reuniram na sede do diretório municipal do partido em demonstração de apoio ao prefeito.

Além da questão do Recife, o diretório nacional do PT discute também nesta quinta o destino de sua candidatura em outras duas cidades: Mossoró, no Rio Grande do Norte; e Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.
****

Família Civita já passou por CPI para explicar corrupção do Grupo Abril


24.05.2012
Do portal  da REDE BRASIL ATUAL,
Por  Helena Sthephanowitz
Especial para a Rede Brasil Atual

Família Civita já passou por CPI para explicar corrupção do Grupo Abril
Os parlamentares do nosso Congresso precisam perder o medo de convocar barões da mídia e jornalistas para depor em CPI.


Na época da ditadura – no ano de 1982 – o irmão de Roberto Civita já depôs, e não foi por perseguição dos militares. Foi por se envolver num escândalo de corrupção, acusado de favorecimento por ministros e dirigentes de bancos estatais.

Quem conseguiu convocar a CPI foi a oposição à ditadura, através de um requerimento do então deputado Del Bosco Amaral do PMDB. Mas o partido da ditadura, o PDS (sucessor da ARENA e ancestral do DEM e do PSD), capturou a presidência e a relatoria da CPI.

A história começou em 1980, durante o governo do general Figueiredo. O jornal O Estado de S. Paulo rompeu com o corporativismo na imprensa e publicou denúncias do escândalo de corrupção do Grupo Abril, donos da revista Veja.

Tratava-se da construção dos hotéis Quatro Rodas, em pontos turísticos no Nordeste, com incentivos fiscais da SUDENE e dinheiro público vindo de empréstimos do BNB (Bando do Nordeste), Banco do Brasil e até do extinto BNH (Banco Nacional da Habitação), criado para financiar só a habitação, foi colocado para financiar hotel de luxo, na hora de dar "aquela ajudinha" ao Grupo Abril.

O assunto acabou virando a CPI Quatro Rodas, na Câmara dos Deputados, em que o diretor do Estadão, Rui Mesquita Neto, depôs como testemunha, e falou sobre a série de reportagens cobrindo o escândalo de corrupção da Abril.

Em outra sessão de inquéritos da CPI foi a vez de Richard Civita (irmão de Roberto Civita), então presidente da empresa Hotéis Quatro Rodas, depor para dar explicações sobre o rombo produzido nos cofres públicos.

A Abril não conseguia pagar os empréstimos e nem terminar os hotéis. Para resolver a questão, os ministros da ditadura deram um jeitinho: o BNB e o Banco do Brasil viraram acionistas dos hotéis como forma de quitar a dívida, amargando prejuízos.

Os parlamentares da CPI ligados à ditadura e amigos dos Civita, fizeram a CPI “terminar em pizza”, com um relatório favorável ao Grupo Abril.

Os parlamentares de oposição fizeram um relatório alternativo, com demonstrativos de perícias contábeis, mostrando o prejuízo causado aos cofres públicos.

A íntegra dos relatórios e depoimentos da CPI Quatro Rodas pode ser vista aqui.

Como se vê, até na ditadura teve parlamentares que chamaram os Civita às falas por maracutaias com ministros poderosos. Então é inaceitável que hoje, em plena democracia, nossos congressistas "pipoquem" e não cobrem explicações sobre a parceria Veja-Cachoeira, claramente mostrada pelas recentes investigações da Polícia Federal.
*****

BLOG DO MIRO:Lula e o ressentimento do Estadão

24.05.2012
Do BLOG DO MIRO, 23.05.12
Por Altamiro Borges


O Estadão até hoje não engole a popularidade de Lula. Nas eleições de 2010, ele apoiou, em editorial, o tucano José Serra e sofreu a sua terceira derrota seguida num pleito presidencial. Em seu conservadorismo saudoso dos tempos da Velha República, quando publicava anúncios da venda de escravos, o jornal da famiglia Mesquita é “prisioneiro do ressentimento” – como intitula o seu editorial de hoje (23).

O artigo critica o discurso de Lula por ocasião da entrega do título de Cidadão Paulistano na noite de segunda-feira. Nele, o ex-presidente abordou a tentativa de “parte da oposição e da imprensa” de derrubá-lo durante a crise do chamado mensalão do PT – em 2005/06. O Estadão deve ter se sentido incomodado, já que participou ativamente desta frustrada ação golpista.

Obsessões e fantasmas do jornalão

Rancoroso, o editorial afirma: “Mais velho e mais sofrido – e nem por isso mais sábio –, o ex-presidente Lula levou para a Câmara Municipal de São Paulo suas obsessões e os seus fantasmas: as elites e o mensalão”. Além de defender a gestão de Marta Suplicy, tão atacada pelas elites paulistanas e pelo Estadão, Lula ainda “repetiu pela enésima vez ‘que tentaram dar um golpe neste país’”.

Para a cínica famiglia Mesquita, a versão da história do ex-presidente é “falsa”. Não houve tentativa de golpe. Pelo contrário. “A oposição preferiu não pedir o seu impeachment para não traumatizar o país pela segunda vez em 13 anos... O presidente poderia ser afastado, se as elites quisessem levar a ferro e fogo o combate político. Se conspiração houve, em suma, foi para ‘deixar pra lá’”.

Surra histórica da mídia golpista

O ressentimento doentio do Estadão chega a ser patético. O jornal acha que as elites, inclusive a midiática, podem tudo! Elas é que teriam “salvado” o ex-presidente operário. O Estadão só não consegue explicar como Lula, apesar do bombardeio, manteve-se no poder, conseguiu se reeleger e ainda fez a sua sucessora. Lula derrotou a mídia golpista e o Estadão não engole esta surra histórica.
******

Gurgel se contradiz e confirma paralisação das investigações sobre Cachoeira por 1 ano

24.05.2012
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA

http://goo.gl/Xw6c1


O Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, respondeu ao ofício da CPI do Cachoeira que cobrava explicações sobre o engavetamento da Operação Vegas da Polícia Federal em setembro de 2009 e, infelizmente, confirmou que entre este engavetamento e o início da Operação Monte Carlo "cair do céu", um ano depois, a organização criminosa de Carlinhos Cachoeira atuou sem ser importunada por qualquer investigação federal.

A resposta do Procurador-Geral está mais para uma peça em sua defesa jurídica e de sua mulher subprocuradora, invocando fundamentos legais para justificar o engavetamento, do que uma explicação convincente à nação, e mesmo assim apresenta contradições do ponto de vista jurídico.

Gurgel alega (no item 7) que o sobrestamento (engavetamento no popular), foi para fazer uma ação controlada, ou seja, algo como deixar a quadrilha atuar para pegá-la com boca na botija, na hora certa.

Mas o problema é que não havia ação controlada nenhuma, nem em curso, nem solicitada.


A cronologia dos fatos não deixa dúvidas de que houve, no mínimo, erro, quando ele diz que só em março de 2011 teve a confirmação de que havia outra investigação, sem mostrar nenhuma "ação controlada" desde 2009.

Lamentavelmente a suposta organização criminosa operou livre de investigações durante a campanha eleitoral de 2010, época em que o bicheiro reinou em Goiás para eleger políticos de seu esquema e, quem sabe tentar influir no resultado da própria eleição presidencial, já que há a suspeita sobre qual o real papel do ex-sargento Dadá no episódio do "dossiê no comitê de Dilma", inventado pela revista Veja.

A íntegra da resposta está no site do MPF.

Leia também:
A nação quer respostas de Gurgel, e não carteirada moral
Gurgel errou datas no inquérito contra Demóstenes
Por que Gurgel é foco da CPI? Porque CPI é para corrigir falhas institucionais

*****

BLOG DE JAMILDO: Anulada prévia do PT no Recife

24.05.2012
Do BLOG DE JAMILDO
Postado por Jamildo Melo


Deu no Blog de Noblat
Está anulada a prévia realizada no Recife no último domingo para a escolha do candidato do PT a prefeito da cidade. Disputada por Maurício Rands, deputado federal e secretário do governo Eduardo Campos (PSB), e o atual prefeito João da Costa, a prévia foi decidida por pouco menos de 600 votos de diferença - em favor do prefeito, aspirante à reeleição.
Daqui a pouco, em São Paulo, a Comissão Executiva Nacional do PT anunciará que Rands e João da Costa desrespeitaram normas estabelecidas pelo partido para a realização de prévias. Em seguida, tentará convencer os dois a abrirem mão de concorrer a uma nova prévia para apoiar um candidato de consenso. Que poderá ser Humberto Costa, líder do PT no Senado.
Ex-ministro da Saúde do primeiro governo Lula, ex-secretário de Cidades do primeiro governo Eduardo Campos, em Pernambuco, Humberto é vice-presidente nacional do PT. Tem amplo trânsito entre todas as correntes do partido. Só não é muito bom de voto. Do início dos anos 90 para cá foi derrotado para o Senado, prefeitura do Recife e governo do Estado. Em 2010, elegeu-se senador.
A oposição em Pernambuco (PMDB-DEM-PSDB) não tem candidato forte para enfrentar o candidato do PT apoiado por Eduardo. Humberto não tem como se negar a ser candidato se Rands e João da Costa concordarem com a sua escolha. O que parece impensável a essa altura é a promoção de nova prévia. O desgaste será grande para o PT.
Para os leitores do Blog de Jamildo, a candidatura de Humberto Costa não seria novidade:

*****

PRÉVIAS DO PT RECIFE: Dia D para definir o futuro do PT na sucessão municipal


24.05.2012
Do jornal FOLHA DE PERNAMBUCO
Por  MANOEL GUIMARÃES e RICARDO DANTAS BARRETO

Executiva nacional do partido avalia hoje processo das prévias no Recife


Quatro dias após a polêmica prévia petista no Recife, a executiva nacional do partido se reúne nesta quinta-feira (24), em São Paulo, para definir o futuro da legenda na sucessão municipal. 

O colegiado poderá referendar a vitória do prefeito João da Costa ou determinar a anulação das prévias, e, consequentemente, um novo critério para a escolha do candidato petista. No último domingo, o gestor levou a melhor sobre o adversário, o secretário estadual de Governo, Maurício Rands, com 7.503 votos contra 6.950. Rands, porém, denunciou fraudes na votação, que também foi marcada por um processo de judicialização, com liminares de ambos os lados na véspera e no dia da eleição interna. 

A executiva, que enviou dois representantes para acompanharem a prévia, deverá, finalmente, resolver o impasse hoje. Ontem, após uma série de reuniões com integrantes da executiva em Brasília, os dois lados cantaram vitória antecipada.


O mesmo fizeram o senador Humberto Costa e o deputado federal João Paulo - os dois favoráveis a Rands -, bem como o deputado Fernando Ferro, aliado do prefeito. Os vereadores petistas também se deslocaram para a Capital Federal, com o mesmo intuito. As conversas prosseguem hoje, em São Paulo, onde ocorrerá a reunião do comando nacional do PT.

No encontro, será apresentado o resultado de um levantamento feito sob encomenda da Secretaria de Mobilização do PT nacional. O grupo realizou uma espécie de auditoria, confrontando os votantes de duas listas utilizadas no pleito: a primeira, constando cerca de 21 mil nomes aptos a votar na prévia, que foi aprovada pela executiva nacional e é defendida pelo grupo de Rands; a segunda, com todos os 33 mil filiados, que os aliados do prefeito alegam ser a correta, já que o partido realizou a quitação coletiva para arrecadar recursos e pagar as anuidades dos filiados que não o fizeram individualmente, até o dia 5 deste mês.

ENCONTROS

Ontem à noite, Maurício Rands se mostrava otimista, certo de que os integrantes da executiva nacional, com quem conversou, entendem que houve irregularidades nas prévias. “Conversamos com muitas lideranças e o quadro é bom. Há um otimismo pelo senso de justiça, porque fizemos uma campanha dentro das normas do PT. Eles é que modificaram a lista de votantes, às 11h do domingo, e mandaram misturar. Há um sentimento de que não se pode derrubar uma decisão do partido na Justiça”, ressaltou Rands. Ele estará em São Paulo, nesta manhã, para dar prosseguimento às articulações. Entre os integrantes que se encontraram com o secretário, estavam o presidente da Câmara Federal, Marco Maia; o líder do PT, Jilmar Tatto, e André Vargas. “O resultado do fim de semana está bichado. Rands não perdeu a prévia”, afirmou Humberto Costa.

João da Costa foi procurado pela reportagem, para fazer uma balanço das conversas, em Brasília, mas ele chegou a São Paulo à noite e não atendeu às ligações. Fernando Ferro, que é seu aliado, disse que não esteve com o prefeito, mas também se reuniu com lideranças petistas para mostrar que as prévias aconteceram dentro da normalidade. “Conversei com o pessoal da bancada que compõe a executiva e o clima está bom para a gente. Está claro que não vai haver nenhum golpe. Acho difícil que eles consigam mudar o quadro”, assegurou. O parlamentar ainda refutou as especulações de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva intervenha em favor de Maurício Rands, para garantir a aliança entre PT e PSB em São Paulo.
*****

Hoje na História: 1738 - John Wesley sente seu coração esquentar e dá início à fé metodista

24.05.2012
Do portal OPERA MUNDI
Por  Max Altman | São Paulo

Padre anglicano pregaria a solidariedade cristã e o rigor na atenção aos necessitados

No dia 24 de maio de 1738, o padre anglicano John Wesley sentiu seu coração estranhamente aquecido no curso de uma reunião de orações. Desta experiência mística iria nascer a Igreja Metodista.
WikiCommons

À época, a Inglaterra vivia uma profunda crise social. Operários e mineiros trabalhando 16 horas por dia por um salário de fome. Crianças em idade escolar, trabalhando feridas e morrendo de frio. Isso tudo ao mesmo tempo em que uma casta de nobres detinha os meios de produção e o controle sobre a massa de trabalhadores.

Nesse contexto surgiu o Movimento Metodista, quando um grupo de estudantes da Universidade de Oxford, sob a liderança dos irmãos John e Carlos Wesley, passaram a se reunir para o cultivo da piedade cristã, por meio da leitura da Bíblia, da prática da oração, do jejum, da visita aos presos e aos enfermos.

John Wesley fundou o Metodismo com o intuito de fortalecer e renovar o espírito cristão daqueles que comungavam a religião oficial Anglicana. O grupo, conhecido inicialmente como "Clube Santo", marcou sua identidade por seus rituais de fé. Dias fixos para praticar o jejum, hora certa para a leitura da Bíblia, e visitas rigorosas aos presos. Devido a essa organização, o grupo foi intitulado de Metodista, isto é, aqueles que têm método.

Comprometido com os fundamentos da fé cristã, Wesley dedicou todos os dias de sua vida aos estudos da Bíblia, relacionando-os a sua própria experiência com Cristo. Por isso sua teologia é uma experiência de Deus, antes de um "entendimento" de Deus.

Costumava dizer que "o evangelho de Cristo não conhece religião que não seja religião social; Não conhece santidade, que não seja santidade social". Wesley tentou sempre exercer na prática o que dizia. Esse compromisso o levou a renunciar aos poucos trocados que tinha para se aquecer no inverno a fim de pagar uma professora que atendia crianças de rua.

Registrou em seu diário, na data de 24 de maio de 1738, a experiência mística de ter seu coração estranhamente aquecido, ou seja, uma manifestação emocional sinalizadora de sua comunhão com Deus. Essa data tem servido como referência para os metodistas, em geral, por demonstrar que a integração entre religiosidade individual e desenvolvimento de ações concretas na sociedade é entendida como a proposta de Deus para sua Igreja.

O envolvimento do metodismo com as questões relevantes da sociedade é uma marca que o acompanha desde o início. A humanização dos presídios, o combate à escravidão, a luta por salários dignos para os operários, o fornecimento de ensino básico para as crianças pobres, tudo isso distinguiu os metodistas quando ocorreu a primeira Revolução Industrial na Inglaterra.

Por ter surgido num ambiente universitário, o metodismo compreendeu cedo a importância de se promover a educação como instrumento para a melhoria da qualidade de vida, tanto do indivíduo quanto da sociedade. É assim que, em 1748, Wesley fundou a Kingswood School, a primeira expressão formal metodista no atendimento das necessidades educacionais das crianças.

Várias famílias que se instalaram nas 13 Colônias da América do Norte trouxeram junto de si os valores do metodismo. Quando os EUA conquistaram sua independência política, acharam por bem se desvincular da chefia religiosa exercida pelo monarca britânico. Assim foi criada a Igreja Metodista Episcopal, em 1784. Na Inglaterra, somente após a morte de Wesley é que o metodismo se constitui como denominação independente da Igreja Anglicana.

Os primeiros metodistas que vieram para o Brasil foram os missionários norte-americanos Fountain Pitts, em 1835, e Justin Spaulding, em 1836. No entanto, essa primeira tentativa não foi coroada com o sucesso. Somente a partir de 1867, com novos missionários, é que conseguiu se expandir, em especial no campo da educação.

No dia 24 de maio se comemora o Dia do Metodismo Mundial, data da experiência transcendental de John Wesley.
****

Se vão igualar Agnelo e Cabral a Perillo, faltam Serra e Kassab

24.05.2012
Do BLOG DA CIDADANIA
Por Eduardo Guimarães

A mídia demo-tucana é viva, há que reconhecer. Está tendo algum sucesso em confundir o público para livrar a cara dos dois principais envolvidos no esquema de Carlinhos Cachoeira: a revista Veja e o governador Marconi Perillo. Globo, Folha, Estadão, Veja e certa “esquerda” vão minando a credibilidade da CPI do Cachoeira com bobagens:
1)      Dizem que estaria sendo “a mais demorada da história” – a investigação começou não faz nem um mês –, como se rapidez fosse sinônimo de apuração séria e apesar de a Comissão ter prazo de 180 dias para funcionar, os quais podem ser prorrogados por mais 180.
2)      Dizem que a CPI está virando “pizza” porque não vai – ou não ia – igualar os governadores Agnelo Queiroz e Sergio Cabral a Marconi Perillo, como se houvesse contra estes um milésimo do que há contra o governador goiano.
3)      Estão popularizando como bordão a frase estúpida do SMS do petista Cândido Vaccarezza de tal forma que até petistas desandaram a repeti-la a cada 30 segundos, ajudando a nivelar Perillo a Agnelo e Cabral.  Veremos essa frase na mídia durante anos, por conta disso.
4)      Agora, a Folha de São Paulo pegou pra Cristo uma assessora de gabinete do presidente da CPI, Vital do Rego, para estigmatizar ainda mais a CPI, o que mostra que a mídia está em busca de elementos contra os investigadores em vez de se interessar pelos verdadeiros investigados.
Tudo isso é pressão, é para não haver convocação da Veja e para deixarem Marconi Perillo em paz. Sem a revista e o governador tucano, a CPI desaba e a mídia sai do processo revigorada, discursando contra quem dirá que quis “ameaçar a imprensa livre”.
Com seu principal governador e o presidente da CPI no olho do furacão, espanta que o PMDB não reaja. Claro que parcela relevante do partido é tucana, mas a maioria não é, tanto que aprovou a aliança com o PT. A mídia, no entanto, está triturando o PMDB e este reluta em reagir.
Vai aqui, então, uma ajudinha à CPI para não se deixar trucidar pela mídia e pela ingenuidade de certa militância dita “de esquerda”.
Se querem igualar Agnelo e Cabral a Perillo apesar de só haver uma ou duas menções inconclusivas contra o primeiro nas escutas da Polícia Federal e de não haver uma mísera menção a Cabral, por que o ex-governador José Serra e o prefeito Gilberto Kassab estão de fora do rol de convocações de aliados do governo federal que a mídia e a oposição exigem?
Vamos refrescar algumas memórias.  A CPI do Cachoeira já teve  acesso a conversas telefônicas gravadas com autorização judicial entre junho do ano passado e janeiro deste ano. As escutas mostram que a construtora Delta foi favorecida por José Serra durante seu mandato de governador e pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab.
Por exemplo: em janeiro último, Carlinhos Cachoeira telefona para o diretor da Delta Cláudio Abreu e pergunta se ele teria conversado com o então dono da empreiteira, Fernando Cavendish, sobre “O negócio do Kassab”. Em seguida, diz que o prefeito de São Paulo “triplicou o contrato”. Esse fato é de amplo conhecimento dos membros da CPI e do Ministério Público de São Paulo.
Veja, leitor, os diálogos que fizeram o Ministério Público paulista abrir inquérito e que estão sob escrutínio da CPI
A Delta começou a atuar em São Paulo em 2005, quando Serra assumiu o comando do município. Naquele momento, os contratos com o governo paulistano somavam R$ 11 milhões. Em 2006, quando Serra deixou a prefeitura e se elegeu governador, os negócios se multiplicaram sem licitação. Em 2010, os R$ 11 milhões já tinham virado R$ 36,4 milhões. Entre 2008 e 2011, a Delta abocanhou R$ 167 milhões em São Paulo.
A CPI e o Ministério Público de São Paulo, porém, estão atentando muito mais para o fato de a Delta ter vencido, ano passado, uma concorrência para limpeza urbana em São Paulo no valor de R$ 1,1 bilhão. O MP abriu inquérito, inclusive, devido à existência de documentos falsos e de um edital aparentemente dirigido.
Se a Delta cometeu essas irregularidades em outros Estados e municípios, precisamos apurar se isso ocorreu também em São Paulo”, diz o promotor Silvio Marques, do Patrimônio Público.
Há muito mais contra Serra e Kassab do que contra Agnelo e Cabral. Por exemplo: em conversa gravada com autorização judicial em agosto do ano passado, um homem identificado como “Jorge” pergunta a Gleyb Ferreira, membro da quadrilha de Cachoeira, se o edital de uma licitação em São Paulo “evoluiu”.
A quadrilha disse que aguardava “Estar com o edital” naquele dia “à tarde” e que Cachoeira queria que os comparsas conversassem com o Heraldo Puccini Neto, representante da Delta na região Sudeste, pois estava conseguindo “Uma prorrogação com o secretário”.
A Polícia Federal garante que o diálogo se refere a uma concorrência de R$ 1,1 bilhão com o governo de São Paulo e que foi vencida pela empresa ligada ao bicheiro.
A Delta também conseguiu negócios suspeitos com o governo do Estado de São Paulo, então sob administração de Serra. Durante o mandato do tucano, a construtora recebeu R$ 664 milhões do governo paulista. O valor corresponde a 83% de todos os 27 convênios firmados pela Delta com o Estado de São Paulo na última década.
A obra sobre a qual se concentram as suspeitas é a de ampliação da Marginal Tietê. Além de  atrasos e falta de compensação ambiental na obra, o valor pago à Delta aumentou 75% após ela ter vencido a licitação. Ou seja: a empreiteira venceu a licitação com preço mais baixo e depois fez um acerto com o governo do Estado para aumentá-lo.
O Ministério Público de São Paulo instaurou Inquérito para apurar a existência de irregularidades na licitação, superfaturamento e conluio entre agentes públicos do governo de São Paulo, mais especificamente por Delson José Amador e Paulo Vieira de Souza, este conhecido como Paulo Preto, que, durante a eleição de 2010, notabilizou-se como um dos arrecadadores de doações eleitorais a Serra.
Paulo Preto e Amador foram alvos da Operação Castelo da Areia, da Polícia Federal, por envolvimento com empreiteiras. Entre os envolvidos da Delta com a aparente negociata com o governo de São Paulo está o diretor da empreiteira para a região Sudeste, Heraldo Puccini Neto, que está foragido após ter a prisão preventiva decretada.
Na disso, porém, saiu em qualquer outro veículo da grande imprensa. Não passa um dia sem que Globo, Folha de São Paulo, Estadão ou Veja equiparem supostas evidências contra Agnelo Queiroz e Sergio Cabral à montanha de evidências que pesa contra Marconi Perillo, mas Serra e Kassab jamais são mencionados.
Aliás, para não ser injusto, há que reconhecer que nem os militantes ditos “de esquerda” que se dizem preocupados com a “blindagem” de Cabral e com o SMS do Vaccarezza têm cobrado que Serra e Kassab sejam nivelados a Perillo como está ocorrendo com os governadores de Brasília e do Rio de Janeiro.
Não ponho a mão no fogo por nenhum desses aí. A Delta celebrou contratos com 21 Estados, com uma imensidão de municípios e até com o governo federal. Apoiarei, portanto, uma CPI da Delta. Acho até necessária. Agora, transformar a CPI do Cachoeira em CPI da Delta ou do SMS do Vaccarezza, é inaceitável. Mas se querem mesmo fazer isso, então vamos chamar todo mundo para depor, desde que esse “todo mundo” envolva Serra e Kassab.
Todavia, essa será a melhor forma de ajudar Veja e Perillo, contra os quais pesam elementos muito mais graves no âmbito das Operações Vegas e Monte Carlo. Para investigar seriamente o esquema Cachoeira, o correto seria focar nos principais envolvidos e deixar os contratos da Delta com todas essas administrações municipais, estaduais e federal para outra investigação.
A recomendação deste blog à parcela da CPMI do Cachoeira que quer apurar alguma coisa, portanto, é a de que comece a cobrar que Serra e Kassab figurem nas cobranças midiáticas que são feitas pelo nivelamento de Cabral e Agnelo a Perillo. É uma afronta a mídia e a oposição esconderem os envolvimentos desses dois com Cachoeira.

*****